Cita√ß√Ķes sobre Divindade

70 resultados
Frases sobre divindade, poemas sobre divindade e outras cita√ß√Ķes sobre divindade para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Estamos Todos Ligados

Estamos todos ligados. Seja em que dimens√£o for, somos todos respons√°veis uns pelos outros e essa √© a primeira premissa para se descobrir a divindade que h√° em n√≥s. Temos todos o mesmo dever, ser felizes e inspirar atrav√©s dessa felicidade. Temos todos a mesma capacidade, mudar. Temos todos o mesmo poder, amar. E todas as nossas a√ß√Ķes, independentemente da energia com que s√£o feitas, v√£o gerar tomadas de consci√™ncia, v√£o semear a mudan√ßa e v√£o seguramente brotar de muitos cora√ß√Ķes aut√™nticas centelhas de compaix√£o e amor. Nada do que possamos fazer √© indiferente e tudo o que temos feito at√© hoje, queiramos ou n√£o, tem tido um enorme impacto em n√≥s, naqueles que nos rodeiam e no todo onde todos habitamos. Sejamos respons√°veis. Sejamos divinos.

E H√° Poetas que S√£o Artistas

E h√° poetas que s√£o artistas
E trabalham nos seus versos
Como um carpinteiro nas t√°buas! …
Que triste n√£o saber florir!
Ter que p√īr verso sobre verso, corno quem constr√≥i um
muro
E ver se est√° bem, e tirar se n√£o est√°! …
Quando a √ļnica casa art√≠stica √© a Terra toda
Que varia e está sempre bem e é sempre a mesma.
Penso nisto, n√£o como quem pensa, mas como quem
respira,
E olho para as flores e sorrio…
N√£o sei se elas me compreendem
Nem sei eu as compreendo a elas,
Mas sei que a verdade est√° nelas e em mim
E na nossa comum divindade
De nos deixarmos ir e viver pela Terra
E levar ao solo pelas Esta√ß√Ķes contentes
E deixar que o vento cante para adormecermos
E n√£o termos sonhos no nosso sono.

LXI

Deixemo-nos, Algano, de porfia;
Que eu sei o que tu és, contra a verdade
Sempre h√°s de sustentar, que a divindade
Destes campos é Brites, não Maria!

Ora eu te mostrarei inda algum dia,
Em que est√° teu engano: a novidade,
Que agora te direi, é, que a cidade
Por melhor, do que todas a avalia.

H√° pouco, que encontrei l√° junto ao monte
Dous pastores, que estavam conversando,
Quando passaram ambas para a fonte;

Nem falaram em Brites: mas tomando
Para um cedro, que fica bem defronte,
O nome de Maria v√£o gravando.

Feliz Habitação da Minha Amada

Feliz habitação da minha Amada,
Ninho de Amor, albergue da Ternura,
Onde, outro tempo, a próspera Ventura
Dormia nos meus braços, descuidada.

Ent√£o, minha Alma terna, embriagada,
Gostava do prazer toda a doçura:
Hoje, contr√°ria minha, a Sorte dura
Do teu √Čden Amor, m’impede a entrada.

Com que m√°goa, de longe te diviso!…
Com que pena cruel!…
Com que saudade!
Ah! que n√£o sei como n√£o perco o sizo!…

B√°rbara Sorte! Ao menos por piedade,
Se me privas da entrada do Paraíso,
Deixa ver me, de Arm√Ęnia, a divindade!

O Caminho de um Criador

Creio que tem havido sempre na nossa terra uma descabida preocupação canónica à ilharga de cada artista. Interessa mais ao zelo nacional averiguar se um poeta morreu sacramentado, do que ler os seus versos. Ninguém quer saber se o caminho de um criador o leva à morada das musas e da beleza; espreita-se da janela, mas é para ver se ele vai à missa. Ora isto é de analfabetos, de pessoas que verdadeiramente não sabem nem querem saber do valor de um poema, do mundo de liberdade e de independência que ele encerra. E uma gente assim não me convém, nem tão-pouco o Deus intolerante que servem. Por isso me vou divertindo com as minhas divindades naturais, luciferinamente, certo de que o diabo é ainda uma grande companhia. Foi a ele que Jesus disse que o seu reino não era deste mundo. E o meu, precisamente, é.

Como Nasce o Amor?

Nem eu nem vós sabemos como nasce o amor. Em fisiologia, que é a ciência do homem físico, não se sabe. A psicologia também não diz nada a este respeito. Os romances, que são os mais amplos expositores da matéria, não avançam cousa nenhuma ao que está dito desde Labão e Rachel até á neta do arcediago e o filho de Ricarda.
Dizer que o amor √© a sensualidade, al√©m de grosseira defini√ß√£o, √© falsidade desmentida pela experi√™ncia. H√° um amor que n√£o rasteja nunca no raso estrado das propens√Ķes org√Ęnicas.
Dizer que o amor é uma operação puramente espiritual é um devaneio de visionários, que trazem sempre as mulheres pelas estrelas, ao mesmo tempo que elas, gravitando materialmente para o centro do globo, comem e bebem á maneira dos mortais, e até das divindades do cantor de Aquiles.
Eu conhe√ßo homens, sem fa√≠sca de esp√≠rito, que se abrazam tocados pelo amor como o f√≥sforo em presen√ßa do ar. Eis aqui um fen√≥meno eminentemente importante. Ele, s√≥, sustenta em tese que o amor n√£o tem nada com o corpo nem com o espirito. Eu creio que √© um fluido. √Č pena, por√©m, que eu n√£o saiba o que √© fluido para me dar aqui uns ares pedantescos,

Continue lendo…

Despotismo pode governar sem f√©, mas liberdade n√£o pode. Religi√£o √© muito mais necess√°ria nas rep√ļblicas que se estabeleceram em cores brilhantes, que na monarquia que eles atacam, e √© mais necess√°ria nas rep√ļblicas democr√°ticas do que em qualquer outra. Como ser√° poss√≠vel aquela sociedade escapar da destrui√ß√£o, se o n√≥ moral n√£o √© fortalecido em propor√ß√£o ao quanto o n√≥ pol√≠tica √© relaxado? E o que pode ser feito com pessoas cujos pr√≥prios mestres s√£o, ou se eles n√£o s√£o, submissos √† Divindade?

Juramento: no Direito, um apelo solene √† Divindade, que pesa mais na consci√™ncia por existir uma pena para o perj√ļrio.

O Ateu é Deus

Deus n√£o existe (…) A salva√ß√£o de todos consiste agora em provar essa ideia a toda a gente, percebes? Quem √© que h√°-de prov√°-la? Eu! N√£o entendo como √© que at√© agora um ateu podia saber que Deus n√£o existe e n√£o se suicidava logo. Reconhecer que Deus n√£o existe e n√£o reconhecer ao mesmo tempo que o pr√≥prio se tornou deus √© um absurdo, pois de outra maneira suicidar-se-ia inevitavelmente. Se tu o reconheces, √©s um rei e n√£o te matar√°s, mas viver√°s na maior gl√≥ria. Mas s√≥ o primeiro a perceber isso √© que deve inevitavelmente matar-se, sen√£o o que √© que principiaria e provaria?

Sou eu que me vou suicidar para iniciar e para provar. Ainda só sou deus sem querer e sofro porque tenho o DEVER de proclamar a minha própria vontade. Todos são infelizes porque todos têm medo de afirmar a sua vontade. Se o homem até hoje tem sido tão infeliz e tão pobre, é precisamente porque tem tido medo de afirmar o ponto capital da sua vontade, recorrendo a ela às escondidas como um jovem estudante.

Eu sou profundamente infeliz porque tenho medo profundamente. O medo √© a maldi√ß√£o do homem…

Continue lendo…

O mundo não é coisa criada, pois do nada pode provir, e sim uma manifestação da natureza eterna; tanto quanto o bem, o mal é uma direta manifestação da divindade.

XLI

Injusto Amor, se de teu jugo isento
Eu vira respirar a liberdade,
Se eu pudesse da tua divindade
Cantar um dia alegre o vencimento;

N√£o lograras, Amor, que o meu tormento,
Vítima ardesse a tanta crueldade;
Nem se cobrira o campo da vaidade
Desses troféus, que paga o rendimento:

Mas se fugir n√£o pude ao golpe ativo,
Buscando por meu gosto tanto estrago,
Por que te encontro, Amor, t√£o vingativo?

Se um tal despojo a teus altares trago,
Siga a quem te despreza, o raio esquivo;
Alente a quem te busca, o doce afago.

Formou Deus o homem, e o p√īs num para√≠so de del√≠cias; tornou a form√°-lo a sociedade, e o p√īs num inferno de tolices. O homem – n√£o o homem que Deus fez, mas o que a sociedade tem contrafeito, apertando e for√ßando em seus moldes de ferro aquela pasta de limo que no para√≠so terreal afei√ßoar√° √† imagem da divindade -, o homem assim aleijado como n√≥s o conhecemos, √© o animal mais absurdo, o mais disparatado e incongruente que habita na terra.

Abd√≥men, n. O templo do deus Est√īmago, em cuja adora√ß√£o, com ritos sacrificiais, todos os homens participam. Das mulheres, esta f√© antiga exige apenas um consentimento hesitante. Por vezes, elas presidem ao altar de forma pouco empenhada e ineficiente, desconhecendo a verdadeira rever√™ncia pela √ļnica divindade que os homens realmente adoram.