Cita√ß√Ķes sobre Esc√Ęndalos

33 resultados
Frases sobre esc√Ęndalos, poemas sobre esc√Ęndalos e outras cita√ß√Ķes sobre esc√Ęndalos para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Nunca devemos debutar por um esc√Ęndalo. Dev√≠amos reserv√°-lo para dar interesse √† nossa velhice.

Adoro os esc√Ęndalos dos outros. Os que me dizem respeito n√£o me interessam. N√£o tem o atrativo da novidade.

O Acto Poético

O acto po√©tico √© o empenho total do ser para a sua revela√ß√£o. Este fogo do conhecimento, que √© tamb√©m fogo de amor, em que o poeta se exalta e consome, √© a sua moral. E n√£o h√° outra. Nesse mergulho do homem nas suas √°guas mais silenciadas, o que vem √† tona √© tanto uma singularidade como uma pluralidade. Mas, curiosamente, o esp√≠rito humano atenta mais facilmente nas diferen√ßas do que nas semelhan√ßas, esquecendo-se, e √© Goethe quem o lembra, que o particular e o universal coincidem, e assim a palavra do poeta, t√£o fiel ao homem, acaba por ser palavra de esc√Ęndalo no seio do pr√≥prio homem. Na verdade, ele nega onde outros afirmam, desoculta o que outros escondem, ousa amar o que outros nem sequer s√£o capazes de imaginar. Palavra de afli√ß√£o mesmo quando luminosa, de desejo apesar de serena, rumorosa at√© quando nos diz o sil√™ncio, pois esse ser sedento de ser, que √© o poeta, tem a nostalgia da unidade, e o que procura √© uma reconcilia√ß√£o, uma suprema harmonia entre luz e sombra, presen√ßa e aus√™ncia, plenitude e car√™ncia.

O Saber Altera a Economia de um Ser

O que aprendemos por nós próprios, seja que conhecimento for extraído do nosso próprio fundo, é algo que teremos que expiar por um suplemento de desequilíbrio. Fruto de uma desordem íntima, de uma doença definida ou difusa, de uma perturbação na raiz da nossa existência, o saber altera a economia de um ser. Cada um de nós terá que pagar pelo mais pequeno golpe que vibra num universo criado para a indiferença e para a estagnação; cedo ou tarde, arrepender-se-á, arrepender-nos-emos, de o não ter, ou de o não termos, deixado intacto.
O que sendo verdade para o conhecimento é mais verdade ainda para a ambição, porque invadir o terreno de outrem acarreta consequências mais graves e mais imediatas do que invadir o terreno do mistério ou simplesmente da matéria.
Come√ßamos por fazer tremer os outros, mas os outros acabam por nos comunicar os seus terrores. √Č por isso que os tiranos, tamb√©m eles, vivem no pavor. O que o nosso futuro senhor h√°-de conhecer ser√° sem d√ļvida exacerbado por uma felicidade sinistra, como ningu√©m experimentou compar√°vel, √† medida do solit√°rio por excel√™ncia, erguido diante da humanidade toda, semelhante a um deus entronizado no medo, num p√Ęnico omnipotente,

Continue lendo…

A Celebridade é um Plebeísmo

Às vezes, quando penso nos homens célebres, sinto por eles toda a tristeza da celebridade.
A celebridade √© um plebe√≠smo. Por isso deve ferir uma alma delicada. √Č um plebe√≠smo porque estar em evid√™ncia, ser olhado por todos inflige a uma criatura delicada uma sensa√ß√£o de parentesco exterior com as criaturas que armam esc√Ęndalo nas ruas, que gesticulam e falam alto nas pra√ßas. O homem que se torna c√©lebre fica sem vida √≠ntima: tornam-se de vidro as paredes da sua vida dom√©stica; √© sempre como se fosse excessivo o seu traje; e aquelas suas m√≠nimas ac√ß√Ķes – ridiculamente humanas √†s vezes – que ele quereria invis√≠veis, coa-as a lente da celebridade para espectaculosas pequenezes, com cuja evid√™ncia a sua alma se estraga ou se enfastia. √Č preciso ser muito grosseiro para se poder ser c√©lebre √† vontade.
Depois, al√©m dum plebe√≠smo, a celebridade √© uma contradi√ß√£o. Parecendo que d√° valor e for√ßa √†s criaturas, apenas as desvaloriza e as enfraquece. Um homem de g√©nio desconhecido pode gozar a vol√ļpia suave do contraste entre a sua obscuridade e o seu g√©nio; e pode, pensando que seria c√©lebre se quisesse, medir o seu valor com a sua melhor medida, que √© ele pr√≥prio.

Continue lendo…

Existe imensa pobreza no mundo, e isso √© um esc√Ęndalo quando temos tantos ricos, e recursos para dar a toda a gente. Temos todos que pensar sobre como √© que nos podemos tornar um pouco menos pobres.

Adoro os esc√Ęndalos dos outros, os meus n√£o me interessam, n√£o t√™m o encanto da novidade.

De Palavras Está o País Farto

Governe-se com o parlamento, √© esse o meu maior desejo, mas para isso √© necess√°rio que ele tamb√©m fa√ßa alguma coisa. √Č preciso obras e n√£o palavras. De palavras, bem o sabemos, est√° o Pa√≠s farto. N√£o quer discuss√Ķes pol√≠ticas das quais pouco ou nenhum bem lhe vir√°, o que quer √© que se discuta administra√ß√£o, que se discutam medidas que lhe sejam √ļteis. Assim poder√° o Pa√≠s interessar-se pelo parlamento; com discuss√Ķes de mera pol√≠tica, interessar√° os amadores de esc√Ęndalos v√°rios, esses sim, mas far√° com que a parte sensata e trabalhadora do Pa√≠s se desinteresse por completo daquilo que para nada lhe servir√°. Por estes motivos √© que eu acho in√ļtil para n√£o dizer… perniciosa, uma nova abertura do parlamento.

poema de combate

indecente rimar, uma criança
a esbugalhar os olhos de pavor.
uma cidade a arder. a governança
do mundo a esquivar-se: a sua dança
rima obscenamente com timor.

indecente rimar. lua assassina.
uma rajada e outra. um estertor.
um uivo, um corpo, um morto em cada esquina.
honra do mundo que se contamina
no arame farpado de timor.

indecente rimar s√Ęndalo e v√Ęndalo.
sacode a noite apenas o tambor
das sombras acossadas. tens o esc√Ęndalo
que te invadiu a alma, mas comanda-lo?
onde te leva o grito por timor?

indecente rimar pois também rimam
temor, tremor, terror e invasor
por mais hipocrisias que se exprimam
enquanto de hora a hora se dizimam
os restos do que resta de timor.

indecente rimar: mas nas florestas
nunca rimaram tanta raiva e dor
a às vezes são precisas rimas destas,
bumerangue de sangue com arestas
da própria carne viva de timor.

Um Povo Resignado e Dois Partidos sem Ideias

Um povo imbecilizado e resignado, humilde e macamb√ļzio, fatalista e son√Ęmbulo, burro de carga, besta de nora, aguentando pauladas, sacos de vergonhas, feixes de mis√©rias, sem uma rebeli√£o, um mostrar de dentes, a energia dum coice, pois que nem j√° com as orelhas √© capaz de sacudir as moscas; um povo em catalepsia ambulante, n√£o se lembrando nem donde vem, nem onde est√°, nem para onde vai; um povo, enfim, que eu adoro, porque sofre e √© bom, e guarda ainda na noite da sua inconsci√™ncia como que um lampejo misterioso da alma nacional, reflexo de astro em sil√™ncio escuro de lagoa morta. [.]

Uma burguesia, c√≠vica e politicamente corrupta at√© √† medula, n√£o descriminando j√° o bem do mal, sem palavras, sem vergonha, sem car√°cter, havendo homens que, honrados na vida √≠ntima, descambam na vida p√ļblica em pantomineiros e sevandijas, capazes de toda a veniaga e toda a inf√Ęmia, da mentira a falsifica√ß√£o, da viol√™ncia ao roubo, donde provem que na pol√≠tica portuguesa sucedam, entre a indiferen√ßa geral, esc√Ęndalos monstruosos, absolutamente inveros√≠meis no Limoeiro. Um poder legislativo, esfreg√£o de cozinha do executivo; este criado de quarto do moderador; e este, finalmente, tornado absoluto pela abdica√ß√£o un√Ęnime do Pa√≠s.

Continue lendo…

Aonde Pode Levar a Sinceridade

Algu√©m tinha o mau h√°bito de se exprimir, de quando em quando, com toda a franqueza acerca dos motivos pelos quais agia, e que eram t√£o bons ou t√£o maus como os motivos de todas as pessoas. Primeiro, causou esc√Ęndalo, depois suspeita, pouco a pouco foi terminantemente proscrito e banido da sociedade, at√© que, por fim, a justi√ßa se recordou de um ser t√£o abjecto em ocasi√Ķes, em que ela n√£o costumava ter olhos ou os fechava. A falta de mutismo quanto ao segredo geral e a irrespons√°vel propens√£o para ver o que ningu√©m quer ver – a si pr√≥prio – levaram-no √† pris√£o e a uma morte prematura.

Crónica de Natal

Todos os anos, por esta altura, quando me pedem que escreva alguma coisa sobre o Natal, reajo de mau modo. ¬ęOutra vez, uma hist√≥ria de Natal! Que chatice!¬Ľ ‚ÄĒ digo. As pessoas ficam muito chocadas quando eu falo assim. Acham que abuso dos direitos que me s√£o conferidos. Os meus direitos s√£o falar bem, assim como para outros n√£o falar mal. Uma vez, em Paris, um chauffeur de t√°xi, desses que se fazem casti√ßos e dizem palavr√Ķes para corresponder √† fama que t√™m, aborreceu-me tanto que lhe respondi com palavr√Ķes. Ditos em franc√™s, a mim n√£o me impressionavam, mas ele levou muito a mal e ficou amuado. Como se eu pisasse um terreno que n√£o era o meu e cometesse um abuso. Ele era malcriado mas eu – eu era injusta. Cada situa√ß√£o tem a sua justi√ßa pr√≥pria, √© isto √© duma complexidade que o c√≥digo civil n√£o alcan√ßa.

Mas dizia eu: ¬ęOutra vez o Natal, e toda essa boa vontade de encomenda!¬Ľ Ponho-me a percorrer as imagens que s√£o de praxe, anjos trombeteiros, pastores com capotes de burel e meninos pobres do tempo da Revolu√ß√£o Industrial inglesa. Pobres e explorados, mas, entretanto, n√£o exclu√≠dos do trato social atrav√©s dos seus conflitos pr√≥prios,

Continue lendo…

O esc√Ęndalo do mundo √© o que faz a ofensa,
E pecar em silêncio não é pecar totalmente.

Com os Costumes andam os Aforismos

Com os costumes andam os aforismos. Assim, eis que eles tomam um car√°cter mais criticador e vibrante, isto na linguagem de Karl Kraus, homem sagaz e ventr√≠loquo de certas causas que a sociedade n√£o confia √† voz p√ļblica.
Ele diz, por exemplo: ¬ęAs mulheres, no Oriente, t√™m maior liberdade. Podem ser amadas¬Ľ. Ou ent√£o: ¬ęA vida de fam√≠lia √© um ataque √† vida privada¬Ľ. Ou ainda: ¬ęA democracia divide os homens em trabalhadores e pregui√ßosos. N√£o est√° destinada para aqueles que n√£o t√™m tempo para trabalhar¬Ľ. Tudo isto, como axioma, lembra Bernard Shaw, esse ingl√™s azedo e endiabrado cujo Manual do Revolucion√°rio fez o encanto da nossa adolesc√™ncia.
Todavia, o aforimo do homem de letras, se impressiona, quase nunca comove ningu√©m. O aut√™ntico aforismo n√£o √© uma arte – √© uma esp√©cie de pastor√≠cia cultural. N√£o est√° destinado a divertir nem a chocar as pessoas, mas, acima de tudo, prop√Ķe-se transmitir uma orienta√ß√£o. √Č uma li√ß√£o, e n√£o o pretexto para uma pirueta.
Os aforismos e paradoxos de Karl Kraus têm esse sabor irreverente que se diferencia da sabedoria, porque há algo de precipitado na sua confissão. Precisam de ser situados num estado de espírito, para serem aceites e compreendidos;

Continue lendo…

Os media s√≥ escrevem sobre os pecadores e os esc√Ęndalos mas isso √© normal, porque uma √°rvore que cai faz mais barulho que uma floresta que cresce.

Ode Triunfal

√Ä dolorosa luz das grandes l√Ęmpadas el√©ctricas da f√°brica
Tenho febre e escrevo.
Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto,
Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos.

√ď rodas, √≥ engrenagens, r-r-r-r-r-r-r eterno!
Forte espasmo retido dos maquinismos em f√ļria!
Em f√ļria fora e dentro de mim,
Por todos os meus nervos dissecados fora,
Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto!
Tenho os lábios secos, ó grandes ruídos modernos,
De vos ouvir demasiadamente de perto,
E arde-me a cabeça de vos querer cantar com um excesso
De express√£o de todas as minhas sensa√ß√Ķes,
Com um excesso contempor√Ęneo de v√≥s, √≥ m√°quinas!

Em febre e olhando os motores como a uma Natureza tropical –
Grandes tr√≥picos humanos de ferro e fogo e for√ßa –
Canto, e canto o presente, e também o passado e o futuro,
Porque o presente é todo o passado e todo o futuro
E há Platão e Virgílio dentro das máquinas e das luzes eléctricas
Só porque houve outrora e foram humanos Virgílio e Platão,
E pedaços do Alexandre Magno do século talvez cinquenta,

Continue lendo…

Que grande quimera √© o homem! Que confuso caos! Que misto de contradi√ß√Ķes! Juiz de todas as coisas, e n√£o mais do que um m√≠sero verme! Grande guardador e deposit√°rio da verdade e, contudo, um mero acervo de incertezas! Gl√≥ria e esc√Ęndalo do Universo!

A Um Mascarado

Rasga esta máscara ótima de seda
E atira-a √† arca ancestral dos palimpsestos…
√Č noite, e, √† noite, a esc√Ęndalos e incestos
√Č natural que o instinto humano aceda!

Sem que te arranquem da garganta queda
A interjeição danada dos protestos,
H√°s de engolir, igual a um porco, os restos
Duma comida horrivelmente azeda!

A sucess√£o de hebd√īmadas medonhas
Reduzir√° os mundos que tu sonhas
Ao microcosmos do ovo primitivo…

E tu mesmo, após a árdua e atra refrega,
Ter√° somente uma vontade cega
E uma tendência obscura de ser vivo!