Cita√ß√Ķes sobre Frieza

21 resultados
Frases sobre frieza, poemas sobre frieza e outras cita√ß√Ķes sobre frieza para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Dificuldade de Estabelecer e Firmar Rela√ß√Ķes

A dificuldade de estabelecer e firmar rela√ß√Ķes. H√° uma t√©cnica para isso, conhe√ßo-a. Nunca pude meter-me nela. Ser ¬ęsimp√°tico¬Ľ. √Č realmente f√°cil: prestabilidade, autodom√≠nio. Mas. Ser soci√°vel exige um esfor√ßo enorme ‚ÄĒ f√≠sico. Quem se habituou, j√° se n√£o cansa. Tudo se passa √† superf√≠cie do esfor√ßo. Ter ¬ępersonalidade¬Ľ: n√£o descer um mil√≠metro no trato, mesmo quando por delicadeza se finge. Assumirmos a import√Ęncia de n√≥s sem o mostrar. Darmo-nos valor sem o exibir. Irresistivelmente, agacho-me. E logo: a pata dos outros em cima. Bem feito. Pois se me pus a jeito. E ent√£o reponto. O fim. Ser prest√°vel, colaborar nas tarefas que os outros nos inventam. Col√≥quios, confer√™ncias, organiza√ß√Ķes de. Ah, ser-se um ¬ęin√ļtil¬Ľ (um ¬ęparasita¬Ľ…). Raz√Ķes profundas ‚ÄĒ um complexo duplo que vem da juventude: incompreens√£o do irm√£o corpo e da bolsa paterna. O segundo remediou-se. Tenho desprezo pelo dinheiro. Ligo t√£o pouco ao dinheiro que nem o gasto… Mas ¬ęgastar¬Ľ faz parte da ¬ępersonalidade¬Ľ. Sa√ļde ‚ÄĒ mais dif√≠cil. Este ar apeur√© que vem logo ao de cima. A √ļnica defesa, obviamente, √© o resguardo, o isolamento, a medida.
√Č f√°cil ser ¬ęsimp√°tico¬Ľ, dif√≠cil √© perseverar, assumir o artif√≠cio da facilidade. Conservar os amigos. ¬ęN√£o √©s capaz de dar nada¬Ľ,

Continue lendo…

A loucura é inseparável do homem; umas vezes toma-lhe a cabeça e deixa-lhe em paz o coração, que nunca se empenha no desvairar a que ela é arrastada; outras vezes há na cabeça a frieza da razão e ao coração desce a loucura para o perturbar com afectos.

Os Amigos S√£o Pessoas que se Preferem

Se h√° um lugar onde a integridade pr√≥pria n√£o √© amea√ßada pela falta de verdade e pela aus√™ncia de liberdade, ele √©, sem d√ļvida, a amizade. Os amigos s√£o pessoas que se preferem. Cada amigo √©, por isso, uma rejei√ß√£o de muitas outras. Querer ser ¬ęamigo de toda a gente¬Ľ, usar indeliberadamente as palavras amigo e amiga para descrever todos os conhecimentos indistintivamente, prezar a amizade como valor abstracto sem investir energicamente numa pr√°tica particular – tudo isto √© um ego√≠smo guloso, escondendo a frieza e o interesse em reifica√ß√Ķes abstrusas de conceitos demasiado gerais, inevitavelmente presos a vis√Ķes fraudulentas da ¬ęhumanidade¬Ľ.

Recear a cria√ß√£o de inimigos √© querer impedir, logo √† partida, a cria√ß√£o de uma amizade. Uma das trag√©dias da nossa idade √© a invas√£o do dom√≠nio pessoal por valores que pertencem apenas ao dom√≠nio social. Assim, a liberdade, por exemplo, passou a ser um verdadeiro constrangimento do amor, da amizade. Certas no√ß√Ķes de autonomia acabam por destruir a base profunda de uma rela√ß√£o humana s√©ria e sentida: a lealdade. N√£o se pode querer amar e ser amado sem prescindir daquilo que se preza ser a ¬ęliberdade¬Ľ. A lealdade √© um constrangimento que se aceita e que se cumpre em nome de algo (de algu√©m) que se julga (porque se ama) mais precioso que a liberdade.

Continue lendo…

A Amizade e o Amor Segundo uma Lógica de Bazar

Desconfia-se do que √© dado e pesa-se o que se recebe. A amizade e o amor parecem gerir-se, por vezes, segundo uma l√≥gica de bazar. J√° nem √© considerado m√°-educa√ß√£o perguntar quanto √© que uma prenda custou. Se esse pre√ßo √© excessivo chega-se a dizer que n√£o se pode aceitar. Recusar uma d√°diva √© como chamar interesseiro ao dador. √Č desconfiar que existe uma segunda inten√ß√£o. De qualquer forma, s√≥ quem tem medo (ou corre o risco) de se vender pode pensar que algu√©m est√° a tentar compr√°-lo. Quem d√° de bom cora√ß√£o merece ser aceite de bom cora√ß√£o. A ess√™ncia sentimental da d√°diva √© ultrajada pela frieza da avalia√ß√£o.
A mania da equitatividade contamina os esp√≠ritos justos. √Č o caso das pessoas que, n√£o desconfiando de uma d√°diva, recusam-se a aceitar uma prenda que, pelo seu valor, n√£o sejam capazes de retribuir. Esta atitude, apesar de ser nobre, acaba por ser igualmente destrutiva, pois sup√Ķe que existe, ou poder√° vir a existir, uma expectativa de retribui√ß√£o da parte de quem d√°. Mas quem d√° n√£o d√° para ser pago. D√° para ser recebido. N√£o d√° como quem faz um dep√≥sito ou investimento. O valor de uma prenda n√£o est√° na prenda –

Continue lendo…

Pouco Usamos do Pouco que Mal Temos

Cuidas, ínvio, que cumpres, apertando
Teus infecundos, trabalhosos dias
Em feixes de hirta lenha,
Sem ilus√£o a vida.
A tua lenha é só peso que levas
Para onde não tens fogo que te aqueça,
Nem sofrem peso aos ombros
As sombras que seremos.
Para folgar n√£o folgas; e, se leoas,
Antes legues o exemplo, que riquezas,
De como a vida basta
Curta, nem também dura.
Pouco usamos do pouco que mal temos.
A obra cansa, o ouro não é nosso.
De nós a mesma fama
Ri-se, que a n√£o veremos
Quando, acabados pelas Parcas, formos,
Vultos solenes, de repente antigos,
E cada vez mais sombras,
Ao encontro fatal ‚ÄĒ
O barco escuro no soturno rio,
E os novos abraços da frieza estígia
E o regaço insaciável
Da p√°tria de Plut√£o.

O Segredo das Mulheres

Como os homens andam sempre atrasados em relação às mulheres (porque só pensam numa coisa de cada vez e acham que falar acerca das coisas é pior do que fazê-las), quem sabe se não é estudando o comportamento feminino de hoje que poderemos vislumbrar o nosso macaquismo masculino de amanhã?
As mulheres de hoje sabem quem lhes pode fazer mal: são as outras mulheres. Os homens, por muito amados e queridos, nem sequer são considerados competidores. São como são, têm a inteligência e o material que têm Рe que Deus os abençoe por ser assim, como os pêssegos-rosa e os arcos-íris e todos os outros fenómenos naturais que são difíceis de prever e de controlar.

O segredo das mulheres, que nenhum homem pode perceber, a n√£o ser que seja amado por alguma que se sinta suficientemente amada por um para lhe contar mais do que o suficiente para ele continuar a existir tal como √© (que mais n√£o se lhe pede) √©: os homens n√£o entram na equa√ß√£o. √Č tudo uma quest√£o entre elas.
Elas s√£o espertas. √Č por isso que morrem de medo umas das outras. Conhecem o perigo e sabem quem pode emperig√°-las.

Continue lendo…

Mea Culpa

N√£o duvido que o mundo no seu eixo
Gire suspenso e volva em harmonia;
Que o homem suba e v√° da noite ao dia,
E o homem v√° subindo insecto o seixo.

N√£o chamo a Deus tirano, nem me queixo,
Nem chamo ao céu da vida noite fria;
Não chamo à existencia hora sombria;
Acaso, à ordem; nem à lei desleixo.

A Natureza √© minha m√£e ainda…
√Č minha m√£e… Ah, se eu √† face linda
N√£o sei sorrir: se estou desesperado;

Se nada há que me aqueça esta frieza;
Se estou cheio de fel e de tristeza…
√Č de crer que s√≥ eu seja o culpado!

Amor Verdadeiro

Tua frieza aumenta o meu desejo:
fecho os meus olhos para te esquecer,
mas quanto mais procuro n√£o te ver,
quanto mais fecho os olhos mais te vejo.

Humildemente atr√°s de ti rastejo,
humildemente, sem te convencer,
enquanto sinto para mim crescer
dos teus desdéns o frígido cortejo.

Sei que jamais hei de possuir-te, sei
que outro feliz, ditoso como um rei
enlaçará teu virgem corpo em flor.

Meu coração no entanto não se cansa:
amam metade os que amam com espr’an√ßa,
amar sem espr’an√ßa √© o verdadeiro amor.

Aos Realistas

√ď seres frios que vos sentis t√£o coura√ßados contra a paix√£o e a quimera e que tanto gostar√≠eis de fazer da vossa doutrina um adorno e um objecto de orgulho, dais-vos o nome de realistas e dais a entender que o mundo √© verdadeiramente tal como vos aparece; que sois os √ļnicos a ver a verdade isenta de v√©us e que sois v√≥s talvez a melhor parte dessa verdade… √≥ queridas imagens de Sais! Mas n√£o sereis ainda v√≥s pr√≥prios, mesmo no vosso estado mais despojado, seres surpreendentemente obscuros e apaixonados se vos compararmos aos peixes? N√£o sereis ainda demasiado parecidos com artistas apaixonados? E o que vem a ser a ¬ęrealidade¬Ľ aos olhos de um artista apaixonado? Ainda n√£o deixaste de julgar as coisas como f√≥rmulas que t√™m a sua origem nas paix√Ķes e nos complexos amorosos dos s√©culos passados! A vossa frieza est√° ainda cheia de uma secreta e inextirp√°vel embriaguez!
O vosso amor pela ¬ęrealidade¬Ľ, se for necess√°rio escolher-vos um exemplo, que coisa antiga! Que velho ¬ęamor¬Ľ! N√£o h√° sentimento, sensa√ß√£o, que n√£o contenham uma certa dose, que n√£o tenham sido, tamb√©m, trabalhados e alimentados por qualquer exagero da imagina√ß√£o, por um preconceito, uma sem-raz√£o, uma incerteza,

Continue lendo…

Meus ídolos como pilotos sempre foram Niki Lauda e Gilles Villeneuve. O primeiro pela frieza e Villeneuve pela agressividade.

Tédio

Passo pálida e triste. Oiço dizer:
“Que branca que ela √©! Parece morta!”
E eu que vou sonhando, vaga, absorta,
N√£o tenho um gesto, ou um olhar sequer…

Que diga o mundo e a gente o que quiser!
— O que √© que isso me faz? O que me importa?…
O frio que trago dentro gela e corta
Tudo que é sonho e graça na mulher!

O que é que me importa?! Essa tristeza
√Č menos dor intensa que frieza,
√Č um t√©dio profundo de viver!

E √© tudo sempre o mesmo, eternamente…
O mesmo lago pl√°cido, dormente…
E os dias, sempre os mesmos, a correr…

Considera√ß√Ķes Sobre a Amizade

√Č a insufici√™ncia do nosso ser que faz nascer a amizade, e √© a insufici√™ncia da pr√≥pria amizade que a faz perecer. Est√°-se sozinho, sente-se a pr√≥pria mis√©ria, sente-se necessidade de apoio, procura-se quem lhe favore√ßa os gostos, um companheiro nos prazeres e nos pesares; quer-se um homem de quem se possa possuir o cora√ß√£o e o pensamento. Ent√£o a amizade parece ser o que de mais doce h√° no mundo; tem-se o que se desejou, logo se muda de ideia. Quando se v√™ de longe algum bem, ele fixa de in√≠cio os nossos desejos, e quando se chega a ele, sente-se o seu nada. A nossa alma, de que ele prendia a vista na dist√Ęncia, n√£o pode repousar-se nele quando v√™ mais adiante: assim a amizade, que de longe limitava todas as nossas pretens√Ķes, cessa de limit√°-las de perto; n√£o preenche o vazio que prometera preencher; deixa-nos necessidades que nos distraem e nos levam a outros bens.
Ent√£o a gente torna-se negligente, dif√≠cil, exige-se logo como um tributo as complac√™ncias que de in√≠cio eram recebidas como um dom. √Č do car√°cter dos homens apropriar-se a pouco e pouco at√© das gra√ßas de que beneficiam; uma longa posse acostuma-os naturalmente a olhar as coisas que possuem como sendo deles;

Continue lendo…

Uma Mulher sem Areia Nenhuma

Tenho o santo horror da frieza calculada, da boa educa√ß√£o, do prudente ju√≠zo duma mulher. Aos homens pertence tudo isso, e a mulher deve ser muito feminina, muito espont√Ęnea, muito cheia de pequeninos nadas que encantem e que embalem. Meu amigo, se esperas ter uma mulher sem areia nenhuma, morres de aborrecimento e de frio ao p√© dela e n√£o ser√° com certeza ao p√© de mim… Comigo h√°s-de ter sempre que pensar e que fazer. H√°s-de rir das minhas tolices, h√°s-de ralhar quando elas passarem a disparates (h√£o-de ser pequeninos…) e h√°s-de gostar mais de mim assim, do que se eu fosse a pr√≥pria deusa Minerva com todo o ju√≠zo que todos os deuses lhe deram.

Simplicidade e Perseverança

O que pensas que foi a vida dos homens que se conseguiram erguer acima do comum? Um combate cont√≠nuo. Se se tratar de um escritor, para escrever, uma luta contra a pregui√ßa (que ele sente tanto como o homem comum): e isto porque o seu g√©nio quer manifestar-se – e ele n√£o obedece apenas ao desejo v√£o de se tornar c√©lebre, mas ao apelo da sua consci√™ncia. Calem-se portanto os que trabalham com frieza: poder-se-√° imaginar o que √© trabalhar sob a influ√™ncia da inspira√ß√£o? Que medo, que hesita√ß√£o sentimos em despertar esse le√£o adormecido, cujos rugidos fazem estremecer todo o nosso ser! Mas, voltando atr√°s: ser firme, simples e verdadeiro – eis o √ļtil ensinamento de todos os momentos.

Amar Intensamente

De que vale no mundo ser-se inteligente, ser-se artista, ser-se alguém, quando a felicidade é tão simples! Ela existe mais nos seres claros, simples, compreensíveis e por isso a tua noiva de dantes, vale talvez bem mais que a tua noiva de agora, apesar dos versos e de tudo o mais. Ela não seria exigente, eu sou-o muitíssimo. Preciso de toda a vida, de toda a alma, de todos os pensamentos do homem que me tiver. Preciso que ele viva mais da minha vida que da vida dele. Preciso que ele me compreenda, que me adivinhe. A não ser assim, sou criatura para esquecer com a maior das friezas, das crueldades. Eu tenho já feito sofrer tanto! Tenho sido tão má! Tenho feito mal sem me importar porque quando não gosto, sou como as estátuas que são de mármore e não sentem.

A Noite Suavemente Descia

A noite
Suavemente descia;
E eu nos teus braços deitádo
Até sonhei que morria.

E via
Goivos e cravos aos mólhos;
Um Christo crucificado;
Nos teus olhos,
Suavidade e frieza;
Damasco r√īxo, cinzento,
Rendas, velludos puídos,
Perfumes caros entornados,
Rum√īr de vento em surdina,
Insenso, rézas, brocados;
Penumbra, sinos dobrando;
Vellas ardendo;
Guitarras, soluços, pragas,
E eu… devagar morrendo.

O teu rosto moreninho,
Eu achei-o mais formoso,
Mas, sem lagrimas, enxuto;
E o teu corpo delgado,
O teu corpo gracioso,
Estava todo coberto de lucto.

Depois, anciosamente,
Procurei a tua boca,
A tua boca sadía;
Beij√°mo-nos doidamente…
– Era dia!

E os nossos corpos unidos,
Como corpos sem sentidos,
No ch√£o rolaram… e assim ficaram!…

Para poder obter a perfeição, fora precisa uma frieza de fora do homem; e não haveria então coração de homem com que amar a própria perfeição.

A Necessidade da Mentira

A imoralidade da mentira n√£o consiste na viola√ß√£o da sacrossanta verdade. Ao fim e ao cabo, tem direito a invoc√°-la uma sociedade que induz os seus membros compulsivos a falar com franqueza para, logo a seguir, tanto mais seguramente os poder surpreender. √Ä universal verdade n√£o conv√©m permanecer na verdade particular, que imediatamente transforma na sua contr√°ria. Apesar de tudo, √† mentira √© inerente algo repugnante cuja consci√™ncia submete algu√©m ao a√ßoite do antigo l√°tego, mas que ao mesmo tempo diz algo acerca do carcereiro. O erro reside na excessiva sinceridade. Quem mente envergonha-se, porque em cada mentira deve experimentar o indigno da organiza√ß√£o do mundo, que o obriga a mentir, se ele quiser viver, e ainda lhe canta: “Age sempre com lealdade e rectid√£o”.
Tal vergonha rouba a for√ßa √†s mentiras dos mais subtilmente organizados. Elas confundem; por isso, a mentira s√≥ no outro se torna imoralidade como tal. Toma este por est√ļpido e serve de express√£o √† irresponsabilidade. Entre os insidiosos pr√°ticos de hoje, a mentira j√° h√° muito perdeu a sua honrosa fun√ß√£o de enganar acerca do real. Ningu√©m acredita em ningu√©m, todos sabem a resposta. Mente-se s√≥ para dar a entender ao outro que a algu√©m nada nele importa,

Continue lendo…

Tudo é Belo

Tudo é belo
Mulher e por exemplo uma √°gua quando a gente bebe
ou uma √°gua que a gente joga na cara
e fica deixando a frieza vir penetrando na pele;
a √°gua que escorre da bica e cai no monjolo e o monjolo toca;
a água de um poço na mata.
A água quando a gente bebe é por exemplo como um beijo.

Mulher e por exemplo café, ou estrada quando o trem-de-ferro
atravessa um rio;
um rio que banha terras verdes, longe.

Tudo é belo.
√Ārvore de cedro e por exemplo um homem que est√°
preso injustamente, um homem que tem esperança
e que é mais forte que os risos e sevícias,
quando tentam matar nele a esperança…

Tudo é belo.
A cabeça fatigada de um homem.
As pernas solit√°rias. As m√£os solid√°rias.
O peito largo como um tronco de √°rvore secular.

Tudo é belo.
Mulher e por exemplo, as can√ß√Ķes.
O caminho do nascimento à morte de um homem.

Se gostas de mim como até agora me tem parecido, o que tu terás a sofrer com os meus pobres nervos de sensitiva em que as mãos mais delicadas não podem tocar sem a fazer estremecer! Sou duma sensibilidade excessiva, aguda, profundíssima. Tudo me faz mal, e a sombra da frieza é para mim já o insuportável sofrimento.