Frases sobre Pobres

258 resultados
Frases de pobres escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

O facto √© que as emo√ß√Ķes dos pobres eram mais francas, mais gratuitas e inapel√°veis – e que, de cada vez que eu o recapitulava, lembrava-me da minha pr√≥pria fam√≠lia.

Mérito é o que dizeis? Ah, pobre ingénuos!
O dinheiro, esse sim é que é mérito, irmãos.
Apenas os ricos s√£o bons, bonitos,
am√°veis, jovens e s√°bios.

Os tristes, os deserdados, os pobres, os oprimidos, quando tudo lhes falta, o p√£o, o lume, o vestido, t√™m sempre, no fundo da alma, uma cantiga pequena que os consola, que os aquece, que os alegra. √Č a √ļltima coisa que fica no pobre. E ent√£o a cantiga vale mais do que todos os poemas.

Um partido de pobres nunca ganharia uma eleição, porque os pobres não têm nada para prometer. Quem faz promessas são os ricos, ou, mais exactamente, é o poder.

A verdadeira trag√©dia do pobre √© que s√≥ pode aspirar √† ren√ļncia. Os belos pecados, como as coisas belas, s√£o privil√©gio dos ricos.

Como pastores, sede simples no estilo de vida, desprendidos, pobres e misericordiosos, para andar depressa e nada interpor entre vós e os outros

O Natal √© o encontro com Deus que nasce na pobreza da gruta de Bel√©m para ensinar o poder da humildade. Com efeito, o Natal √© tamb√©m a festa da luz que n√£o √© aceite pela gente ¬ęeleita¬Ľ, mas pela gente pobre e simples que esperava do Senhor a salva√ß√£o.

Maria é quem sabe transformar uma gruta para animais na casa de Jesus, com alguns pobres panos e uma montanha de ternura.

Os Estados não se avaliam pelo dinheiro que têm, mas sim pela sua história e pela sua gente. Nesse sentido, Portugal não pode ser considerado um País pobre, bem pelo contrário.

A fam√≠lia tem muitos problemas que a p√Ķem √† prova. Uma dessas provas √© a pobreza. Estamos a pensar nas muitas fam√≠lias que povoam as periferias das megal√≥poles, mas tamb√©m nas zonas rurais… Quanta mis√©ria, quanta degrada√ß√£o! Apesar de tudo, h√° fam√≠lias pobres que procuram levar com dignidade a sua vida quotidiana, confiando muitas vezes na b√™n√ß√£o de Deus.

Por muito que se goste de chorar o passado ou preferir o presente, a Hist√≥ria demonstra, em tra√ßos largos, que o futuro √© sempre melhor para a maioria das pessoas. A sensa√ß√£o do dia-a-dia de estar tudo cada vez pior perde sempre quando √© comparada com as condi√ß√Ķes h√° apenas um s√©culo atr√°s. Nem √© preciso recuar no tempo – basta ver a facilidade com que se morre nos pa√≠ses muito mais pobres do que o nosso, que s√£o muito mais do que metade dos que existem. Nos mais pobres, a expectativa m√©dia de vida √© igual √† nossa h√° dois s√©culos atr√°s.

Quando a vida interior se fecha nos próprios interesses, deixa de haver espaço para os outros, já não entram os pobres, já não se ouve a voz de Deus, já não se goza da doce alegria do Seu amor, nem pulsa o entusiasmo de fazer o bem.

A fome e as car√™ncias dos pa√≠ses mais pobres do mundo s√£o consequ√™ncia direta de guerras e altera√ß√Ķes clim√°ticas. √Č errado apresent√°-las como doen√ßas incur√°veis.

Quanto me fazem pensar os trinta anos de vida oculta de Jesus! Da primeira inf√Ęncia e da adolesc√™ncia em Nazar√© numa fam√≠lia pobre e depois no deserto, em solid√£o e na esteira de grandes mestres como Jo√£o Batista, para jejuar, rezar, fazer sil√™ncio e preparar-se para a tarefa que o esperava, a miss√£o p√ļblica.

Parece mesmo que todas as cidades, mesmo aquelas que surgem mais florescentes e ordenadas, t√™m a capacidade de gerar nelas uma obscura ¬ęanticidade¬Ľ. Parece que ao lado dos cidad√£os existem tamb√©m os n√£o-cidad√£os: as pessoas invis√≠veis, pobres de recursos e de calor humano, que habitam ¬ęn√£o-lugares¬Ľ, que vivem ¬ęn√£o-rela√ß√Ķes¬Ľ. Mas perante eles devemos recordar-nos de que Deus n√£o abandonou a cidade; Ele mora na cidade.

Pensando bem, a mais ténue fronteira entre a sanidade e a loucura não poderá traçar-se noutro lugar senão aí mesmo: na possibilidade de, para além de tudo o mais, um homem continuar a admirar o seu pai. Pobres daqueles que não o consigam nunca.