Textos sobre Influência

70 resultados
Textos de influência escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

A Moda

As varia√ß√Ķes da sensibilidade sob a influ√™ncia das modifica√ß√Ķes do meio, das necessidades, das preocupa√ß√Ķes, etc., criam um esp√≠rito p√ļblico que varia de uma gera√ß√£o para outra e mesmo muitas vezes no espa√ßo de uma gera√ß√£o. Esse esp√≠rito publico, rapidamente dilatado por contacto mental, determina o que se chama a moda. Ela √© um possante factor de propaga√ß√£o da maior parte dos elementos da vida social, das nossas opini√Ķes e das nossas cren√ßas.
Não é só o vestuário que se submete às suas vontades. O teatro, a literatura, a política, a arte, as próprias idéias científicas lhe obedecem, e é por isso que certas obras apresentam um fundo de semelhança que permite falar do estilo de uma época.
Em virtude da sua acção inconsciente, submetemo-nos à moda sem que o percebamos. Os espíritos mais independentes a ela não se podem subtrair. São muito raros os artistas, os escritores que ousam produzir uma obra muito diferente das ideias do dia.
A influência da moda é tão pujante que ela obriga-nos, por vezes, a admirar coisas sem interesse e que parecerão mesmo de uma fealdade extrema, alguns anos mais tarde. O que nos impressiona numa obra de arte é muito raramente a obra em si mesma,

Continue lendo…

A Fraqueza do Idealismo

A arte idealista esquece que h√° no homem – nervos, fatalidades heredit√°rias, sujei√ß√Ķes √†s influ√™ncias determinantes de hora, alimento, atmosfera, etc; irresist√≠veis teimas f√≠sicas, tend√™ncias de carnalidade fatais; resultantes l√≥gicas de educa√ß√£o; ac√ß√Ķes determinantes ao meio, etc,etc; a arte convencional, enfim, mutila o homem moral – como a ci√™ncia convencional mutila o homem f√≠sico; s√£o ambas aprovadas pelos Monsenhores arcebispos de Paris e dadas em leitura nos col√©gios; mas uma ensina falso, como a outra educa falso: ambas nocivas portanto.

A Psicologia de Grupo

O indiv√≠duo num grupo est√° sujeito, atrav√©s da influ√™ncia deste, ao que com frequ√™ncia constitui uma profunda altera√ß√£o na sua actividade mental. A sua submiss√£o √† emo√ß√£o torna-se extraordinariamente intensificada, enquanto que a sua capacidade intelectual √© acentuadamente reduzida, com ambos os processos evidentemente dirigindo-se para uma aproxima√ß√£o com os outros indiv√≠duos do grupo; e esse resultado s√≥ pode ser alcan√ßado pela remo√ß√£o daquelas inibi√ß√Ķes aos instintos que s√£o peculiares a cada indiv√≠duo, e pela resigna√ß√£o deste √†quelas express√Ķes de inclina√ß√Ķes que s√£o especialmente suas. Aprendemos que essas consequ√™ncias, ami√ļde importunas, s√£o, at√© certo ponto pelo menos, evitadas por uma ¬ęorganiza√ß√£o¬Ľ superior do grupo, mas isto n√£o contradiz o fato fundamental da psicologia de grupo: as duas teses relativas √† intensifica√ß√£o das emo√ß√Ķes e √† inibi√ß√£o do intelecto nos grupos primitivos.

A Felicidade não Inclui o Êxtase

A sensa√ß√£o de sermos unos com a natureza animal, vegetal e mineral, e a satisfa√ß√£o de mergulhar nessa sensa√ß√£o, n√£o √© de todo degradante. √Č t√£o bom sentir pulsar dentro de n√≥s toda a vida, e simultaneamente buscar aquela exist√™ncia superior cuja realiza√ß√£o s√≥ nos √© poss√≠vel sonhar ou pressentir!
Não permitis que considerem fantasmas os dois grandes pólos do homem, a verdade e a felicidade; quando sonhamos sonhos de felicidade, é certo já a termos conquistado.
A satisfação de uma paixão absolutamente pessoal é embriaguez ou prazer: não é felicidade.
A felicidade é algo duradouro e indestrutível; caso contrário, não seria felicidade. Aqueles que gostariam de perpetuar a embriaguez e de incluir nela a felicidade, andam atrás do impossível. O êxtase é um estado excepcional cuja permanência nos mataria, e a natureza inteira depressa se eclipsaria sob a influência desse estado delirante.

Caminhamos Todos para a Eternidade

Influência da brevidade do tempo sobre os trabalhos dos homens: suponde que um astrónomo demonstrasse geometricamente que daqui a mil anos um planeta no seu percurso cortará a órbita terrestre precisamente no momento e no ponto em que a terra ali se encontrar e que a destruição da terra será a consequência dessa enorme colisão; o langor irá então apoderar-se de todas as actividades; não haverá mais ambição, monumentos, poetas, historiadores e talvez tampouco guerreiros ou guerras. Cada um cultivará o seu jardim e plantará as suas couves. Sem desconfiarmos, caminhamos todos para a eternidade.

N√£o Morrer√° Como os Restantes

Certo dia, quando recolhia esp√©cimes por baixo de um carvalho, encontrei, entre as outras plantas e ervas daninhas, e do mesmo tamanho que elas, uma planta de cor escura com folhas contra√≠das e um caule direito e r√≠gido. Quando ia tocar-lhe, disse-me com voz firme: ¬ęDeixa-me em paz! N√£o sou uma erva para o teu herb√°rio, como as outras a quem a natureza deu apenas um ano de vida. A minha vida mede-se em s√©culos. Sou um pequeno carvalho.¬Ľ Assim √© aquele cuja influ√™ncia se far√° sentir ao longo dos s√©culos, quando crian√ßa, quando jovem, muitas vezes j√° quando homem, uma criatura viva aparentemente igual √†s restantes e t√£o insignificante como elas. Mas basta que lhe d√™em tempo e, com o tempo, pessoas que saibam reconhec√™-lo. N√£o morrer√° como os restantes.

A Diferença entre Ficção e Crença

Não há nada mais livre do que a imaginação humana; embora não possa ultrapassar o stock primitivo de ideias fornecidas pelos sentidos externos e internos, ela tem poder ilimitado para misturar, combinar, separar e dividir estas ideias em todas as variedades da ficção e da fantasia imaginativa e novelesca. Ela pode inventar uma série de eventos com toda a aparência de realidade, pode atribuir-lhes um tempo e um lugar particulares, concebê-los como existentes e des­crevê-los com todos os pormenores que correspondem a um facto histórico, no qual ela acredita com a máxima certeza. Em que consiste, pois, a diferença entre tal ficção e a crença?
Ela não se localiza sim­plesmente numa ideia particular anexada a uma concepção que obtém o nosso assentimento, e que não se encontra em nenhuma ficção conhecida. Pois, como o espírito tem autoridade sobre todas as suas ideias, poderia voluntariamente anexar esta ideia particular a uma ficção e, por conseguinte, seria capaz de acreditar no que lhe agradasse, embora se opondo a tudo que encontramos na experiência diária. Po­demos, quando pensamos, juntar a cabeça de um homem ao corpo de um cavalo, mas não está em nosso poder acreditar que semelhante animal tenha alguma vez existido.

Continue lendo…

Existem Três Tipos de Escritores

Pode-se dizer que existem três tipos de autores. Em primeiro lugar, temos aqueles que escrevem sem pensar. Escrevem a partir da memória, das reminiscências, ou mesmo directamente dos livros dos outros. Esta classe é a mais numerosa. Em segundo lugar, há aqueles que pensam enquanto escrevem. Pensam para escrever. Muito vulgares. Em terceiro lugar, temos aqueles que pensaram antes de começar a escrever. Escrevem simplesmente porque pensaram. Muito raros.

Mesmo entre o pequeno n√ļmero de escritores que pensam seriamente antes de come√ßar a escrever, h√° extremamente poucos que pensam acerca do tema propriamente dito: os restantes pensam simplesmente em livros, naquilo que os outros disseram acerca do assunto. Necessitam, quer isso dizer, do est√≠mulo pr√≥ximo e poderoso das ideias produzidas por outras pessoas para conseguirem pensar. Essas ideias s√£o, pois, o seu tema imediato, de modo que ficam constantemente sob a sua influ√™ncia e, consequentemente, nunca alcan√ßam a verdadeira originalidade. A minoria acima referida, por outro lado, √© estimulada a pensar pelo tema em si, de modo que os seus pensamentos s√£o dirigidos imediatamente para ele. S√≥ entre esses se descobrem os escritores que perduram e se tornam imortais.
Só vale a pena ler a obra daquele que escreve directamente a partir da sua própria cabeça.

Continue lendo…

As Nossas Possibilidades de Felicidade

√Č simplesmente o princ√≠pio do prazer que tra√ßa o programa do objectivo da vida. Este princ√≠pio domina a opera√ß√£o do aparelho mental desde o princ√≠pio; n√£o pode haver d√ļvida quanto √† sua efici√™ncia, e no entanto o seu programa est√° em conflito com o mundo inteiro, tanto com o macrocosmo como com o microcosmo. N√£o pode simplesmente ser executado porque toda a constitui√ß√£o das coisas est√° contra ele; poder√≠amos dizer que a inten√ß√£o de que o homem fosse feliz n√£o estava inclu√≠da no esquema da Cria√ß√£o. Aquilo a que se chama felicidade no seu sentido mais restrito vem da satisfa√ß√£o ‚ÄĒ frequentemente instant√Ęnea ‚ÄĒ de necessidades reprimidas que atingiram uma grande intensidade, e que pela sua natureza s√≥ podem ser uma experi√™ncia transit√≥ria. Quando uma condi√ß√£o desejada pelo princ√≠pio do prazer √© protelada, tem como resultado uma sensa√ß√£o de consolo moderado; somos constitu√≠dos de tal forma que conseguirmos ter prazer intenso em contrastes, e muito menos nos pr√≥prios estados intensos. As nossas possibilidades de felicidade s√£o assim limitadas desde o princ√≠pio pela nossa forma√ß√£o. √Č muito mais f√°cil ser infeliz.
O sofrimento tem três procedências: o nosso corpo, que está destinado à decadência e dissolução e nem sequer pode passar sem a ansiedade e a dor como sinais de perigo;

Continue lendo…

Regras de Conduta para Viver sem Sobressaltos

Vou indicar-te quais as regras de conduta a seguir para viveres sem sobressaltos. (…) Passa em revista quais as maneiras que podem incitar um homem a fazer o mal a outro homem: encontrar√°s a esperan√ßa, a inveja, o √≥dio, o medo, o desprezo. De todas elas a mais inofen¬≠siva √© o desprezo, tanto que muitas pessoas se t√™m sujeitado a ele como forma de passarem despercebidas. Quem despreza o outro calca-o aos p√©s, √© evidente, mas passa adiante; ningu√©m se afadiga teimosamente a fazer mal a algu√©m que despreza. √Č como na guerra: ningu√©m liga ao soldado ca√≠do, combate-se, sim, quem se ergue a fazer frente.
Quanto √†s esperan√ßas dos desonestos, bastar-te-√°, para evit√°-las, nada possu√≠res que possa suscitar a p√©rfida cobi√ßa dos outros, nada teres, em suma, que atraia as aten√ß√Ķes, porquanto qualquer objecto, ainda que pouco valioso, suscita desejos se for pouco usual, se for uma raridade. Para escapares √† inveja dever√°s n√£o dar nas vistas, n√£o gabares as tuas propriedades, saberes gozar discretamente aquilo que tens. Quanto ao √≥dio, ou derivar√° de alguma ofensa que tenhas feito (e, neste caso, bastar-te-√° n√£o lesares ningu√©m para o evitares), ou ser√° puramente gratuito, e ent√£o ser√° o senso comum quem te poder√° proteger.

Continue lendo…

Uma Apreciação Correcta do Nosso Valor

Uma aprecia√ß√£o correcta do valor daquilo que se √© em si e para si mesmo, comparado √†quilo que se √© apenas aos olhos de outr√©m, contribuir√° em muito para a nossa felicidade. √Ä primeira rubrica pertence tudo o que preenche o tempo da nossa pr√≥pria exist√™ncia, o conte√ļdo √≠ntimo desta. (…) Pelo contr√°rio, o lugar daquilo que somos para outr√©m √© a consci√™ncia alheia, √© a representa√ß√£o sob a qual nela aparecemos, junto com os conceitos que lhe s√£o aplicados. Ora, isso √© algo que n√£o existe imediatamente para n√≥s, mas apenas de modo mediato, vale dizer, na medida em que determina a conduta dos outros para connosco. E mesmo isso s√≥ √© levado em conta caso tenha influ√™ncia sobre alguma coisa que possa modificar aquilo que somos em n√≥s e para n√≥s mesmos. Ademais, aquilo que se passa, como tal, na consci√™ncia alheia, √©-nos indiferente.
E tamb√©m nos tornaremos cada vez mais indiferentes quando alcan√ßarmos um conhecimento suficiente da superficialidade e da futilidade dos pensamentos, da limita√ß√£o dos conceitos, da pequenez dos sentimentos, da absurdez das opini√Ķes e do n√ļmero de erros na maioria das cabe√ßas. E, ainda, √† medida que aprendermos pela pr√≥pria experi√™ncia o desd√©m com que,

Continue lendo…

O Criador de Opini√£o

O papel de criador e director de movimentos de opini√Ķes pertence aos homens de Estado em todas as quest√Ķes que interessam a vida exterior de um pa√≠s. A sua tarefa √© extremamente penosa. Eles devem possuir, com efeito, uma mentalidade bastante desenvolvida para que a l√≥gica racional lhes sirva de guia, devendo, no entanto, actuar nos homens por influ√™ncias afectivas e m√≠sticas, estranhas √† raz√£o, √ļnicas, por√©m, capazes de acarret√°-los.
Esses grandes elementos morais, que cumpre saber manejar, ser√£o durante muito tempo ainda os mais possantes factores aptos a dirigir os povos. Eles n√£o criam os navios e os canh√Ķes, mas, como se exprimiu o almirante Togo, ¬ęs√£o a alma dos navios e dos canh√Ķes¬Ľ. As influ√™ncias irracionais, que provocam os movimentos de opini√Ķes, incessantemente mudam, conforme a luz vari√°vel que banha as coisas. Deve-se saber adivinh√°-las, quando se as quer dominar e n√£o esquecer que uma opini√£o qualquer universalmente aceite constituir√° sempre, para a multid√£o, uma verdade.

O Livro Não Influencia a Acção

Tu e eu somos o que somos e seremos o que formos. Quanto a ser-se envenenado por um livro, n√£o existe tal coisa. A Arte n√£o tem qualquer influ√™ncia sobre a ac√ß√£o. Aniquila o desejo de agir. √Č soberbamente est√©ril. Os livros a que o mundo chama imorais s√£o os livros que mostram ao mundo o seu opr√≥bio, nada mais.

Lugares e Estados de Alma

A influência exercida sobre a nossa alma, pelos diferentes lugares, é uma coisa digna de observação. Se a melancolia nos conquista infalivelmente quando estamos à beira das águas, uma outra lei da nossa natureza impressionante faz com que, nas montanhas, os nossos sentimentos se purifiquem: ali a paixão ganha em profundidade o que parece perder em vivacidade.

O Pensamento não Domina a Acção

(…) hoje reconhe√ßo, naquilo que ent√£o aconteceu, o esquema por meio do qual o pensamento e a ac√ß√£o se conjugaram ou divergiram durante toda a minha vida. Penso, chego a um resultado, fixo-o numa conclus√£o e apercebo-me de que a ac√ß√£o √© algo independente, algo que pode seguir a conclus√£o, mas n√£o necessariamente. Durante a minha vida, fiz muitas coisas que n√£o tinha decidido fazer, e n√£o fiz outras que tinha firmemente decidido fazer. Algo que existe em mim, seja l√° o que for, age; algo que me faz ir ter com uma mulher que j√° n√£o quero voltar a ver, que faz ao superior um reparo que me pode custar o emprego, que continua a fumar embora eu tenha decidido deixae de fumar, e que deixa de fumar quando me resignei a ser um fumador para o resto dos meus dias.
N√£o quero dizer que o pensamento e a decis√£o n√£o tenham alguma influ√™ncia na ac√ß√£o. Mas a ac√ß√£o n√£o decorre s√≥ do que foi pensado e decidido antes. Surge de uma fonte pr√≥pria, e √© t√£o independente como o meu pensamento e as minhas decis√Ķes.

Intelecto Sentimental

O intelecto humano n√£o √© luz pura, pois recebe influ√™ncia da vontade e dos afectos, donde se poder gerar a ci√™ncia que se quer. Pois o homem inclina-se a ter por verdade o que prefere. Em vista disso, rejeita as dificuldades, levado pela impaci√™ncia da investiga√ß√£o; a sobriedade, porque sofreia a esperan√ßa; os princ√≠pios supremos da natureza, em favor da supersti√ß√£o; a luz da experi√™ncia, em favor da arrog√Ęncia e do orgulho, evitando parecer se ocupar de coisas vis e ef√©meras; paradoxos, por respeito √† opini√£o do vulgo. Enfim, in√ļmeras s√£o as f√≥rmulas pelas quais o sentimento, quase sempre imperceptivelmente, se insinua e afecta o intelecto.

A Crença é Baseada no Desejo

A influ√™ncia dos nossos desejos sobre as nossas cren√ßas √© do conhecimento e da observa√ß√£o de todos, mas a natureza dessa influ√™ncia √©, em geral, muito mal interpretada. √Č costume supor que a massa das nossas cren√ßas prov√©m de alguma base racional e que o desejo √© apenas uma for√ßa perturbadora ocasional. Exactamente o oposto se aproximaria mais da verdade: a grande massa de cren√ßas pela qual somos amparados na nossa vida di√°ria √© apenas projec√ß√£o do desejo, corrigida aqui e ali, em pontos isolados, pelo rude choque dos factos.

O Regulador do Prazer e da Dor: o H√°bito

O h√°bito √© o grande regulador da sensibilidade; ele determina a continuidade dos nossos atos, embota o prazer e a dor e nos familiariza com as fadigas e com os mais penosos esfor√ßos. O mineiro habitua-se t√£o bem √† sua dura exist√™ncia que dela se recorda saudoso quando a idade o obriga a abandon√°-la e o condena a viver ao sol. O h√°bito, regulador da vida habitual, √© tamb√©m o verdadeiro sustent√°culo da vida social. Pode-se compar√°-lo √† in√©rcia, que se op√Ķe, em mec√Ęnica, √†s varia√ß√Ķes de movimento. A dificuldade para um povo consiste, primeiramente, em criar h√°bitos sociais, depois em n√£o permanecer muito tempo neles. Quando o jugo dos h√°bitos pesou muito tempo num povo, ele s√≥ se liberta desse jugo por meio de revolu√ß√Ķes violentas. O repouso na adapta√ß√£o, que o h√°bito consiste, n√£o se deve prolongar. Povos envelhecidos, civiliza√ß√Ķes adiantadas, indiv√≠duos idosos tendem a sofrer demasiado o jugo do costume, isto √©, do h√°bito.

Seria in√ļtil dissertar longamente sobre o seu papel, que mereceu a aten√ß√£o de todos os fil√≥sofos e se tornou um dogma da sabedoria popular.

‚ÄúQue s√£o os nossos princ√≠pios naturais‚ÄĚ, diz Pascal, ‚Äúsen√£o os nossos princ√≠pios acostumados. E nas crian√ßas,

Continue lendo…

Viver sem Sofrimento

Os prazeres ardentes s√£o moment√Ęneos, e custam graves inconvenientes. O que devemos cobi√ßar √© viver sem sofrer muito. Aquele que sofre foge-Ihe uma parte da exist√™ncia. O mal √© nocivo √† plenitude da vida por que √© sempre causa do aniquilamento. Quando o sofrimento nos amea√ßa, e receamos que as for√ßas defensivas nos fale√ßam, suspendem-se os outros movimentos do nosso cora√ß√£o, e ent√£o pouco h√° que esperar de n√≥s, por que se torna incerto o nosso destino. O bem-estar de grande numero de individuos, que vivem retirados das agita√ß√Ķes, depende mais da sua disposi√ß√£o habitual de pensamento que da influ√™ncia de causas exteriores. A crise moral pode surpreend√™-los e mago√°-los momentaneamente; mas a for√ßa dos acontecimentos √© meramente relativa. Os sofrimentos s√£o mais ou menos intensos, conforme a √©poca em que nos oprimem. O que ontem poderia aniquilar-me, levemente me incomoda hoje. Cinco minutos de reflex√£o me bastam. A maior parte dos objectos encerram e presentam, indirectamente pelo menos, as propriedades oportunas. P√ī-las em ac√ß√£o √© no que assenta a industria da felicidade. Ha a√≠ que farte instrumentos fecundos de prazeres √ļteis; ponto √© saber mene√°-los. Quem n√£o sabe trabalhar com eles, fere-se. Discernir, isto √©, reflectir √© o que mais importa…

Continue lendo…