Passagens sobre Dentes

168 resultados
Frases sobre dentes, poemas sobre dentes e outras passagens sobre dentes para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

XIV

Viver n√£o pude sem que o fel provasse
Desse outro amor que nos perverte e engana:
Porque homem sou, e homem n√£o h√° que passe
Virgem de todo pela vida humana.

Por que tanta serpente atra e profana
Dentro d’alma deixei que se aninhasse?
Por que, abrasado de uma sede insana,
A impuros l√°bios entreguei a face?

Depois dos l√°bios s√īfregos e ardentes,
Senti duro castigo aos meus desejos
O gume fino de perversos dentes…

E não posso das faces poluídas
Apagar os vestígios desses beijos
E os sangrentos sinais dessas feridas!

Briga

Brigar é simples.
Chame-se covarde ao contendor.
Ele olhe nos olhos e:
‚ÄĒ Repete.
Repita-se: ‚ÄĒ Covarde.
Ent√£o ele recite, resoluto:
‚ÄĒ Puta que pariu.
‚ÄĒ A sua, fio da puta.

Cessem as palavras. Bofet√£o.
Articulem-se os dois no braço a braço.
Soco de l√° soco de c√°
pontapé calço rasteira
unha, dente, sérios, aplicados
na honra de lutar:
um corpo só de dois que se embolaram.

Dure o tempo que durar
a resistência de um.
N√£o desdoura apanhar, mas que se cumpra
a lei da briga, simples.

A Morte РO Sol Do Terrível

(com tema de Renato Carneiro Campos)

Mas eu enfrentarei o Sol divino,
o Olhar sagrado em que a Pantera arde.
Saberei porque a teia do Destino
n√£o houve quem cortasse ou desatasse.

N√£o serei orgulhoso nem covarde,
que o sangue se rebela ao toque e ao Sino.
Verei feita em top√°zio a luz da Tarde,
pedra do Sono e cetro do Assassino.

Ela vir√°, Mulher, afiando as asas,
com os dentes de cristal, feitos de brasas,
e h√° de sagrar-me a vista o Gavi√£o.

Mas sei, também, que só assim verei
a coroa da Chama e Deus, meu Rei,
assentado em seu trono do Sert√£o.

Anivers√°rio

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religi√£o qualquer.

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande sa√ļde de n√£o perceber coisa nenhuma,
De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a.olhar para a vida, perdera o sentido da vida.

Sim, o que fui de suposto a mim-mesmo,
O que fui de coração e parentesco.
O que fui de ser√Ķes de meia-prov√≠ncia,
O que fui de amarem-me e eu ser menino,
O que fui ‚ÄĒ ai, meu Deus!, o que s√≥ hoje sei que fui…
A que dist√Ęncia!…
(Nem o acho… )
O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!

O que eu sou hoje é como a umidade no corredor do fim da casa,

Continue lendo…

Pastelaria

Afinal o que importa não é a literatura
nem a cr√≠tica de arte nem a c√Ęmara escura

Afinal o que importa não é bem o negócio
nem o ter dinheiro ao lado de ter horas de ócio

Afinal o que importa não é ser novo e galante
– ele h√° tanta maneira de compor uma estante!

Afinal o que importa é não ter medo: fechar os olhos frente ao precipício
e cair verticalmente no vício

Não é verdade, rapaz? E amanhã há bola
antes de haver cinema madame blanche e parola

Que afinal o que importa não é haver gente com fome
porque assim como assim ainda h√° muita gente que come

Que afinal o que importa é não ter medo
de chamar o gerente e dizer muito alto ao pé de muita gente:
Gerente! Este leite est√° azedo!

Que afinal o que importa √© p√īr ao alto a gola do peludo
à saída da pastelaria, e lá fora Рah, lá fora! Рrir de tudo

No riso admir√°vel de quem sabe e gosta
ter lavados e muitos dentes brancos à mostra

Se n√≥s vivermos sob a lei de Tali√£o, ¬ęolho por olho, dente por dente¬Ľ, nunca sairemos da espiral do mal. O Maligno √© astuto e convence-nos de que com a nossa justi√ßa humana podemos salvar-nos e salvar o mundo. Na realidade, quem se vinga permanecer√° para sempre infeliz.

O Amor entre o Trigo

Cheguei ao acampamento dos Hern√°ndez antes do meio-dia, fresco e alegre. A minha cavalgada solit√°ria pelos caminhos desertos, o repouso do sono, tudo isso refulgia na minha taciturna juventude.
A debulha do trigo, da aveia, da cevada, fazia-se ainda com éguas. Nada no mundo é mais alegre que ver rodopiar as éguas, trotando à volta do calcadouro do cereal, sob o grito espicaçante dos cavaleiros. Brilhava um sol esplêndido e o ar era um diamante silvestre que fazia brilhar as montanhas. A debulha é uma festa de ouro. A palha amarela acumula-se em montanhas douradas. Tudo é actividade e bulício, sacos que correm e se enchem, mulheres que cozinham, cavalos que tomam o freio nos dentes, cães que ladram, crianças que a cada momento é preciso livrar, como se fossem frutos da palha, das patas dos cavalos.

Oe Hernández eram uma tribo singular. Os homens, despenteados e por barbear, em mangas de camisa e com revólver à cinta, andavam quase sempre besuntados de óleo, de poeiras, de lama, ou molhados até aos ossos pela chuva. Pais, filhos, sobrinhos, primos, eram todos da mesma catadura. Estavam horas inteiras ocupados debaixo de um motor, em cima de um tecto,

Continue lendo…

O Orgulho Nacional

O tipo mais barato de orgulho √© o orgulho nacional. Ele trai naquele que por ele √© possu√≠do a aus√™ncia de qualidades individuais, das quais ele se poderia orgulhar; caso contr√°rio, n√£o recorreria √†quelas que compartilha com tantos milh√Ķes. Quem possui m√©ritos pessoais distintos reconhecer√°, antes, de modo mais claro, os defeitos da sua pr√≥pria na√ß√£o, pois sempre os tem diante dos olhos. Mas todo o pobre-diabo, que n√£o tem nada no mundo de que se possa orgulhar, agarra-se ao √ļltimo recurso, o de se orgulhar com a na√ß√£o √† qual pertence; isso faz com que se sinta recuperado e, na sua gratid√£o, pronto para defender com unhas e dentes todos os defeitos e desvarios pr√≥prios √† tal na√ß√£o. Desse modo, de cinquenta ingleses, por exemplo, haver√° no m√°ximo um que concordar√° connosco quando falarmos, com justo desprezo, da beatice est√ļpida e degradante da sua na√ß√£o; mas esta √ļnica excep√ß√£o ser√° com certeza um homem de cabe√ßa.

A não-violência e a covardia não combinam. Posso imaginar um homem armado até os dentes que no fundo é um covarde. A posse de armas insinua um elemento de medo, se não mesmo de covardia. Mas a verdadeira não-violência é uma impossibilidade sem a posse de um destemor inflexível.

Retrato do Artista em C√£o Jovem

Com o focinho entre dois olhos muito grandes
por tr√°s de l√°grimas maiores
este é de todos o teu melhor retrato
o de cão jovem a que só falta falar
o de cão através da cidade
com uma dor adolescente
de esquina para esquina cada vez maior
latindo docemente a cada lua
voltando o focinho a cada esperança
ainda sem dentes para as piores surpresas
mas avançando a passo firme
ao encontro dos alimentos

aqui est√°s tal qual
és bem tu o cão jovem que ninguém esperava
o cão de circo para os domingos da família
o c√£o vadio dos outros dias da semana
o c√£o de sempre
cada vez que h√° um c√£o jovem
neste local da terra

Na aldeia, até as plantas tinham garras. Tudo o que é vivo, em Kulumani, está treinado para morder. As aves abocanham o céu, os ramos rasgam as nuvens, a chuva morde a terra, os mortos usam os dentes para se vingarem do destino.

Posfácio à Toca do Lobo

РPai, vem da morte e vamos às perdizes.
Vejo a aurora, que tinge do seu rajo
de dente a dente a Serra de Soajo…
РCiprestes, desatai-o das raízes!

– Este Inverno as perdizes est√£o em barda:
criaram-se as ninhadas sem granizo.
Vamos chumbar dos perdig√Ķes o guizo,
anda matar securas da espingarda.

A tua Holland… O animal de presa…
O azul brunido… Velha e como nova…
Bem a merecias a alegrar-te a cova.
Penou-te de saudades, com certeza.

Aqui a tens. Porque era ver-te, olh√°-la,
sequer um dia que não fosse vê-la.
Olha deluz-se a derradeira estrela,
j√° folga a luz no lustra aqui da sala.

Trinta anos depois, caçar contigo,
e sempre conversando e √† chala√ßa…
Mais que perdizes, hoje, melhor caça
√Č matar fomes do ca√ßar antigo.

Ver-te sorrir à escapatória sonsa
da velha que n√£o viu ¬ęperdiz nem chasco!¬Ľ
E o Lorde a anunci√°-la sob o fasco,
e tu lambendo o cigarrinho de on√ßa…

√ď pai, se n√£o vivias h√° trinta anos,
também há trinta eu não vivia,

Continue lendo…

Atreve-te a Julgar

Atreve-te a julgar. Julga os outros julgando-te a ti mesmo. A natureza das coisas √© a tua natureza. Respira-te, despe-te, faz amor com as tuas convic√ß√Ķes, n√£o te limites a sorrir quando n√£o sabes o que dizer. Os teus dentes est√£o lavados, as tuas m√£os s√£o am√°veis, mas falta-te decis√£o nos passos e firmeza nos gestos. Procura-te. Tenta encontrar-te antes que te agarre a voracidade do tempo. Faz as coisas com paix√£o. Uma paix√£o irrequieta, que n√£o te d√™ descanso e te fa√ßa doer a respira√ß√£o. Aspira o ar, bebe-o com for√ßa, √© teu, nem um c√™ntimo pagar√°s por ele.

Conduta e Poesia

Quando o tempo nos vai comendo com o seu rel√Ęmpago quotidiano decisivo, as atitudes fundadas, as confian√ßas, a f√© cega se precipitam e a eleva√ß√£o do poeta tende a cair como o mais triste n√°car cuspido, perguntamo-nos se j√° chegou a hora de envilecermos. A hora dolorosa de ver como o homem se sust√©m a puro dente, a puras unhas, a puros interesses. E como entram na casa da poesia os dentes e as unhas e os ramos da feroz √°rvore do √≥dio. √Č o poder da idade, ou proventura, a in√©rcia que faz retroceder as frutas no pr√≥prio bordo do cora√ß√£o, ou talvez o ¬ęart√≠stico¬Ľ se apodere do poeta e, em vez do canto salobro que as ondas profundas devem fazer saltar, vemos cada dia o miser√°vel ser humano defendendo o seu miser√°vel tesouro de pessoa preferida?
A√≠, o tempo avan√ßa com cinza, com ar e com √°gua! A pedra que o lodo e a ang√ļstia morderam floresce com prontid√£o com estrondo de mar, e a pequena rosa regressa ao seu delicado t√ļmulo de corola.
O tempo lava e desenvolve, ordena e continua.
E que fica ent√£o das pequenas podrid√Ķes, das pequenas conspira√ß√Ķes do sil√™ncio, dos pequenos frios sujos da hostilidade?

Continue lendo…

Sou a Tua Casa

Sou a tua casa, a tua rua, a tua seguran√ßa, o teu destino. Sou a ma√ß√£ que comes e a roupa que vestes. Sou o degrau por onde sobes, o copo por onde bebes, o teu riso e o teu choro, o teu frio e a tua lareira. O pedinte que ajudas, o asilo que te quer acolher. Sou o teu pensamento, a tua recorda√ß√£o, a tua vontade. E tamb√©m o artes√£o que para ti trabalha, o medo que te perturba e o c√£o que te guia quando entras pela noite. Sou o s√≠tio onde descansas, a √°rvore que te d√° sombra, o vento que contigo se comove. Sou o teu corpo, o teu esp√≠rito, o teu brilho, a tua d√ļvida. Sou a tua m√£e, o teu amante, o marfim dos teus dentes. E sou, na luz do outono, o teu olhar. Sou a tua parteira e a tua l√°pide. Os teus vinte anos. O cora√ß√£o sepultado em ti. Sou as tuas asas, a tua liberdade, e tudo o que se move no teu interior. Sou a tua ressaca, o teu transtorno, o rel√≥gio que mede o tempo que te resta. Sou a tua mem√≥ria, a mem√≥ria da tua mem√≥ria,

Continue lendo…

Do Mal Guardado Come o Gato

Dizem que o gato e o ladr√£o
leva o mal arrecadado;
mas vós do melhor guardado
na canastra lançais mão.
Porque vossos dentes s√£o
umas mui agudas puas,
e vossas unhas gazuas,
e vós uns salteadores;
e assim vos fazeis senhores
de minhas cousas e suas.