Cita√ß√Ķes sobre Desperd√≠cio

34 resultados
Frases sobre desperd√≠cio, poemas sobre desperd√≠cio e outras cita√ß√Ķes sobre desperd√≠cio para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Gosto Relevante

Toda a boa capacidade é difícil de contentar. Há cultura do gosto, assim como do engenho. Relevantes ambos, são irmãos de um mesmo ventre, filhos da capacidade, herdados por igual na excelência. Engenho sublime nunca criou gosto rasteiro.
H√° perfei√ß√Ķes como s√≥is e h√° perfei√ß√Ķes como luzes. Galanteia a √°guia o sol, perde-se nele a mariposa pela luz de uma candeia e toma-se a altura a uma torrente pela eleva√ß√£o do gosto. T√™-lo bom √© j√° algo, t√™-lo relevante muito √©. Ligam-se os gostos √† comunica√ß√£o, e s√≥ por sorte se avista quem o tenha superlativo.
Têm muitos por felicidade (de empréstimo será) gozar do que lhes apetece, condenando a infelizes todos os demais; mas desforram-se estes com as mesmas linhas, assim se podendo ver uma metade do mundo rindo-se da outra, com maior ou menor necessidade.
√Č qualidade um gosto cr√≠tico, um paladar dif√≠cil de satisfazer; os mais valentes objectos temem-no e as mais seguras perfei√ß√Ķes receiam-no. √Č a avalia√ß√£o precios√≠ssima, e regate√°-la √© pr√≥prio de discretos; toda a escassez em moeda de aplauso √© fidalga e, ao contr√°rio, os desperd√≠cios de estima merecem castigo de desprezo.
A admira√ß√£o √© vulgarmente um manifesto da ignor√Ęncia;

Continue lendo…

Creio que o mais urgente e incomparável desperdício de tempo é o que chamamos de sofrimento.

O Desperdício

O desperd√≠cio. Ele √© a faixa mais larga de todo o acontecer no universo. E na vida. Quanta energia se esgota at√© ao seu nada, para ter raz√£o esse tal segundo princ√≠pio da termodin√Ęmica. Que mundo incr√≠vel se perdeu com as pessoas que se n√£o cumpriram, que frac√ß√£o enorme do c√©rebro ficou sem aplica√ß√£o. E numa simples vida, que gasto enorme no comer e no dormir. N√≥s pod√≠amos ser como as plantas de ra√≠zes a√©reas e que s√≥ comem ar. Ou ser como o sol, que n√£o dorme. Ou Deus que tamb√©m n√£o, at√© h√° pouco. Mas nessa despropor√ß√£o alucinante entre o que se desperdi√ßa e o que se aproveita, o homem cria o espa√ßo para ser maior que o universo. Porque foi preciso o homem para o universo nascer. Tudo t√£o pouco.

A instrução não previne desperdício de tempo ou erros; e os erros por si próprios são geralmente os melhores professores de todos.

Lentos nos Fomos Esquecendo

Lentos nos fomos esquecendo. Quando
o tempo da velhice nos foi vindo
a tez apareceu amorenada de anos
e afeita ao espírito.
A lavoura sabia aos nossos passos.
Até os desperdícios
iluminavam debilmente o arm√°rio
e a penumbra dos rinc√Ķes escritos.
Mas nós só estávamos
em nos havermos esquecido.
Ou, às vezes, a aura do trabalho
quase fazia com que na mesa o sítio
aparecesse coroado de anos
sobre a mão a mover-se pelo seu próprio espírito.

Memória

I

Na cristalina, líquida presença,
crescente lua no abismo enquanto
o mar se cala, desconheço a margem
onde me espera no desejo
esguio do poente a deusa branca…

À ínfima visão dum lírio encosto
o meu solu√ßo! O espa√ßo √© grande…
N√£o invoco o lugar mas a verdade
surge aqu√©m da espera…

Gaivotas sussurrantes, deixo a m√ļsica
morrer, pegadas frescas, desperdícios
quentes na relva da minha alma…

II

Quando se oculta julgando a noite
indefesa enorme, a fugidia
estrela me ilumina e desce!

Vem até mim, quebrada a natural
cad√™ncia do seu mundo, e cresce… cresce…
Tent√°culos de luz me envolvem. Comovido,
aperto em minhas m√£os o elanguescente
ardor do seu chegar…

III

Reconquisto agora o teu rosto, um horizonte,
silêncio de grito suspenso, labirinto,
mais desfeito
no h√°lito das nuvens…

Me surges t√£o sem ti
que envolve o dia a espessura deste longe…
E afogo assim na √≠ntima, na √ļnica
beleza do teu rasto,
o meu solu√ßo de √°gua…

Continue lendo…

Ser vegetariano é discordar: discordar do curso que as coisas tomaram hoje. Fome, crueldade, desperdício, guerras Рprecisamos nos posicionar contra essas coisas. O vegetarianismo é a minha forma de me posicionar.

A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do sofrimento, perdemos também a felicidade. A dor é inevitável. O sofrimento é opcional.

O supérfluo deixa de ser supérfluo. O desperdício deixa de ser desperdício. Não precisas restringir drasticamente as despesas. Basta tua mente se enriquecer, para que se manifeste a provisão infinita que existe dentro de ti.

Maus hábitos são desperdício de Vida. Aquele que aumenta dia a dia os bons hábitos, vive em dobro a sua Vida.

Comprar em excesso é desperdício. Quem desperdiça não reconhece o valor da Vida dedicada à produção das coisas adquiridas.

O ódio e a ira atritam a Vida. O atrito é desperdício de energia. O sentimento de gratidão lubrifica a Vida.

A Lealdade é um Amor que Esquece o Mundo

S√≥ se √© realmente leal quando se est√° sujeito a algu√©m ou a algo. A√≠, onde mesmo um sonho pode ser senhor. Na sujei√ß√£o de quem serve uma causa, na sujei√ß√£o de quem se submete a um chefe, na sujei√ß√£o √† pessoa amada, na sujei√ß√£o do sentimento e na sujei√ß√£o do dever, no sacrif√≠cio da liberdade, da raz√£o e do interesse. No desperd√≠cio e no desprezo do que est√° √† vista e do que est√° √† m√£o, √© nesta desagrad√°vel situa√ß√£o que se acha ou n√£o acha a lealdade. √Č por ser selvagem e servil, mas s√≥ a um senhor, que a lealdade tem valor. √Č muito dif√≠cil ser-se leal, mas s√≥ porque √© muito dif√≠cil seguirmos o cora√ß√£o. A lealdade √© um amor que esquece o mundo.
Ao escolher um amigo, e ao ser-se amigo dele, rejeitam-se as outras pessoas. Quando estamos apaixonados, é através dessa pessoa que amamos a humanidade. O amor ocupa-nos muito. E para os outros, não fica quase nada.
N√£o se consegue ser leal ao ponto de calar o cora√ß√£o. Mas sofremos com as nossas deslealdades. Sabemos perfeitamente o que estamos a fazer, quem sacrific√°mos, e porqu√™. √Č por causa da consci√™ncia da nossa imperfei√ß√£o que o ideal da verdadeira lealdade n√£o pode ser abandonado ou alterado.

Continue lendo…

O Supremo Palhaço da Criação

A velha no√ß√£o antropom√≥rfica de que todo o universo se centraliza no homem ‚Äď de que a exist√™ncia humana √© a suprema express√£o do processo c√≥smico ‚Äď parece galopar alegremente para o ba√ļ das ilus√Ķes perdidas. O facto √© que a vida do homem, quanto mais estudada √† luz da biologia geral, parece cada vez mais vazia de significado. O que no passado deu a impress√£o de ser a principal preocupa√ß√£o e obra-prima dos deuses, a esp√©cie humana come√ßa agora a apresentar o aspecto de um sub-produto acidental das maquina√ß√Ķes vastas, inescrut√°veis e provavelmente sem sentido desses mesmos deuses.
(…) O que n√£o quer dizer, naturalmente, que um dia a tal teoria seja abandonada pela grande maioria dos homens. Pelo contr√°rio, estes a abra√ßar√£o √† medida que ela se tornar cada vez mais duvidosa. De fato, hoje, a teoria antropom√≥rfica ainda √© mais adoptada do que nas eras de obscurantismo, quando a doutrina de que um homem era um quase Deus foi no m√≠nimo aperfei√ßoada pela doutrina de que as mulheres inferiores. O que mais est√° por tr√°s da caridade, da filantropia, do pacifismo, da ‚Äúinspira√ß√£o‚ÄĚ e do resto dos atuais sentimentalismos? Uma por uma, todas estas tolices s√£o baseadas na no√ß√£o de que o homem √© um animal glorioso e indescrit√≠vel,

Continue lendo…

Definição por Soma

Um consumir-se a cada instante
um escoar-se e um desperdício
um e contudo outro e diverso
um processar-se e um processo

Para tocar o que do vento
para prender o que da fuga
para morder o que do sono
para tão só há que esquecer

Combatido por trevas √ļltimas
combatido por rostos p√°lidos
combatido por chuva e névoa
combatido e a dar combate

Chego ao inóspito do clima
chego ao vazio onde só o sexo
chego ao anónimo e mortal
chego ao agudo e seus rec√īnditos

Essa unidade com o m√ļltiplo
essa inclus√£o pelo abandono
essa causalidade absurda
essa e n√£o outra que a disputa

Discórdia que se aceita íntegra
discórdia que mascara os pactos
discórdia dos estados físicos
disc√≥rdia e disc√≥rdia e insol√ļvel

Quando de cada nascimento
quando visível o invisível
quando o que há é só o agora
quando dissolução do tempo

Passo por fios de cabelo
passo por r√°pidos que fogem
passo por bons e maus momentos
passo e no entanto permaneço

Homem que sou e com memória
homem e póstumo e morrendo
homem que alto e sobrevive
homem e seco e secas l√°grimas

Há máquinas de felicidade dispendiosas, que funcionam com enorme desperdício, e há outras económicas, que, com as migalhas da sorte, criam alegria para uma existência inteira.

A vida humana é o maior desperdício económico da natureza: no momento em que poderíamos começar a tirar proveito da nossa experiência, morremos, e os que vêm a seguir voltam a começar do zero. Voltar a ensinar a criança a andar, levá-la à escola para que distinga uma circunferência de um quadrado, o amarelo do vermelho, o sólido do líquido, o duro do mole.

Sociedade do Desperdício

Uma tenta√ß√£o imediata do nosso tempo √© o desperd√≠cio. N√£o √© s√≥ resultado duma inven√ß√£o constante da oferta que leva ao apetite do consumo, como √©, sobretudo, uma forma de aristocracia t√©cnica. O tecnocrata, novo aristocrata da intelig√™ncia artificial, dos n√ļmeros e dos computadores, prop√Ķe uma sociedade de dissipa√ß√£o. Prop√Ķe-na na medida em que favorece os m√©todos de maior rendimento e a rapina dos recursos naturais. As hormonas que fazem crescer uma vitela em tr√™s meses, as √°rvores que d√£o fruto tr√™s vezes por ano, tudo obriga a natureza a render mais. Para qu√™? Para que os alimentos se amontoem nas lixeiras e os desperd√≠cios de cozinha ou de vestu√°rio sirvam afinal para descrever o bluff da produtividade.