Cita√ß√Ķes sobre Sumo

26 resultados
Frases sobre sumo, poemas sobre sumo e outras cita√ß√Ķes sobre sumo para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Miser√°veis Macabros

√Č que n√£o foram t√£o poucas como isso as vezes que vi a piedade enganar-se. N√≥s, que governamos os homens, aprendemos a sondar-lhes os cora√ß√Ķes, para s√≥ ao objecto digno de estima dispensarmos a nossa solicitude. Mais n√£o fa√ßo do que negar essa piedade √†s feridas de exibi√ß√£o que comovem o cora√ß√£o das mulheres. Assim como tamb√©m a nego aos moribundos, e al√©m disso aos mortos. E sei bem porqu√™.
Houve uma altura da minha mocidade em que senti piedade pelos mendigos e pelas suas √ļlceras. At√© chegava a apalavrar curandeiros e a comprar b√°lsamos por causa deles. As caravanas traziam-me de uma ilha long√≠nqua unguentos derivados do ouro, que t√™m a virtude de voltar a compor a pele ao cimo da carne. Procedi assim at√© descobrir que eles tinham como artigo de luxo aquele insuport√°vel fedor. Surpreendi-os a co√ßar e a regar com bosta aquelas p√ļstulas, como quem estruma uma terra para dela extrair a flor cor de p√ļrpura. Mostravam orgulhosamente uns aos outros a sua podrid√£o e gabavam-se das esmolas recebidas.
Aquele que mais ganhara comparava-se a si pr√≥prio ao sumo sacerdote que exp√Ķe o √≠dolo mais prendado. Se consentiam em consultar o meu m√©dico, era na esperan√ßa de que o cancro deles o surpreendesse pela pestil√™ncia e pelas propor√ß√Ķes.

Continue lendo…

O Preço da Honra

As coisas que mais ocorrem na vida e s√£o tidas pelos homens como o supremo bem resumem-se, ao que se pode depreender das suas obras, nestas tr√™s: as riquezas, as honras e a concupisc√™ncia. Por elas a mente se v√™ t√£o distra√≠da que de modo algum poder√° pensar em qualquer outro bem. Realmente, no que tange √† concupisc√™ncia, o esp√≠rito fica por ela de tal maneira possu√≠do como se repousasse num bem, tornando-se de todo impossibilitado de pensar em outra coisa; mas, ap√≥s a sua frui√ß√£o, segue-se a maior das tristezas, a qual, se n√£o suspende a mente, pelo menos a perturba e a embota. Tamb√©m procurando as honras e a riqueza, n√£o pouco a mente se distrai, mormente quando s√£o buscadas apenas por si mesmas, porque ent√£o ser√£o tidas como o sumo bem. Pela honra, por√©m, muito mais ainda fica distra√≠da a mente, pois sempre se sup√Ķe ser um bem por si e como que o fim √ļltimo, ao qual tudo se dirige.
Al√©m do mais, nestas √ļltimas coisas n√£o aparece, como na concupisc√™ncia, o arrependimento. Pelo contr√°rio, quanto mais qualquer delas se possuir, mais aumentar√° a alegria e consequentemente sempre mais somos incitados a aument√°-las. Se, por√©m,

Continue lendo…

PARA√ćSO

Deixa ficar comigo a madrugada,
para que a luz do Sol me n√£o constranja.
Numa taça de sombra estilhaçada,
deita sumo de lua e de laranja.

Arranja uma pianola, um disco, um posto,
onde eu ou√ßa o estertor de uma gaivota…
Crepite, em derredor, o mar de Agosto…
E o outro cheiro, o teu, à minha volta!

Depois, podes partir. Só te aconselho
que acendas, para tudo ser perfeito,
à cabeceira a luz do teu joelho,
entre os len√ß√≥is o lume do teu peito…

Podes partir. De nada mais preciso
para a minha ilusão do Paraíso.

Prazer com Virtude

Que dizer do facto de tanto os homens bons como os maus terem prazer, e de os homens infames terem tanto gosto em cometer actos vergonhosos como os homens honestos t√™m nas suas ac√ß√Ķes excelentes? √Č por isso que os antigos prescreveram que se procurasse a vida melhor, n√£o a mais agrad√°vel, de forma a que o prazer fosse, n√£o o guia, mas um companheiro da vontade recta e boa. Na verdade, a natureza deve ser o nosso guia: a raz√£o observa-a e consulta-a. Por isso, viver feliz √© o mesmo que viver de acordo com a natureza. Passo a explicar o que quer isto dizer: se conservarmos os nossos dons corporais e as nossas aptid√Ķes naturais com dilig√™ncia, mas tamb√©m com impavidez, tomando-os como bens ef√©meros e fugazes; se n√£o nos tornarmos servos deles, nem nos submetermos a coisas exteriores; se as coisas que s√£o circunstanciais e agrad√°veis ao corpo forem para n√≥s como auxiliares e tropas ligeiras num castro (que obedecem, n√£o comandam); nesta medida, todas estas coisas ser√£o √ļteis √† mente.
N√£o se deixe o homem corromper pelas coisas externas e inalcan√ß√°veis, e admire-se apenas a si pr√≥prio, confiando no seu √Ęnimo e mantendo-se preparado para tudo,

Continue lendo…

O Bem Supremo

Muito discutiu a antiguidade em torno do supremo bem. O que √© o supremo bem? Seria o mesmo que perguntar o que √© o supremo azul, o supremo acepipe, o supremo andar, o ler supremo, etc. Cada um p√Ķe a felicidade onde pode, e quanto pode ao seu gosto. (…) Sumo bem √© o bem que vos deleita a ponto de nos polarizar toda a sensibilidade, assim como mal supremo √© aquele que vos torna completamente insens√≠vel. Eis os dois p√≥los da natureza humana. Esses dois momentos s√£o curtos. N√£o existem deleites extremos nem extremos tormentos capazes de durar a vida inteira. Supremo bem e supremo mal s√£o quimeras.Conhecemos a bela f√°bula de Cr√Ęntor, que fez comparecer aos jogos ol√≠mpicos a Fortuna, a Vol√ļpia, a Sa√ļde e a Virtude.
Fortuna: РO sumo bem sou eu, pois comigo tudo se obtém.
Vol√ļpia: – Meu √© o pomo, porquanto n√£o se aspira √† riqueza sen√£o para ter-me a mim.
Sa√ļde: – Sem mim n√£o h√° vol√ļpia e a riqueza seria in√ļtil.
Virtude: – Acima da riqueza, da vol√ļpia e da sa√ļde estou eu, que embora com ouro, prazeres e sa√ļde pode haver infelicidade, se n√£o h√° virtude.

Continue lendo…

A Felicidade n√£o Tem Medida

N√£o duvidas de que a vida feliz seja o supremo bem; logo, se a vida possui o supremo bem, ent√£o √© sumamente feliz. E tal como o supremo bem n√£o pode receber qualquer acr√©scimo (o que haveria acima do supremo?!), tamb√©m a vida feliz o n√£o pode, pois a felicidade n√£o existe sem o supremo bem. Repara: se disseres que algu√©m √© “mais” feliz, tornar√°s poss√≠vel que se diga tamb√©m “muito mais”; e assim ir√°s fazendo in√ļmeras grada√ß√Ķes no supremo bem, quando por “sumo bem” eu entendo tudo o que n√£o tem valor algum acima de si. Se algu√©m √© menos feliz do que um outro, segue-se que preferir√° a vida desse outro (por ser mais feliz) √† sua pr√≥pria; ora, um homem feliz n√£o considera nada prefer√≠vel √† sua vida.
Qualquer destas duas situa√ß√Ķes √© inaceit√°vel: existir algo que o homem feliz preferiria ter em lugar daquilo que tem, ou n√£o preferir ter algo que seja melhor do que aquilo que tem. De facto, quanto mais um homem √© avisado, tanto mais se procurar√° chegar ao que h√° de melhor, e ambicionar√° alcan√ß√°-lo seja de que modo for. Ora, como pode ser feliz algu√©m que pode, que deve mesmo,

Continue lendo…

A Guerra

Musa, pois cuidas que é sal
o fel de autores perversos,
e o mundo levas a mal,
porque leste quatro versos
de Hor√°cio e de Juvenal,

Agora os ver√°s queimar,
j√° que em v√£o os fecho e os sumo;
e leve o vol√ļvel ar,
de envolta como turvo fumo,
o teu furor de rimar.

Se tu de ferir n√£o cessas,
que serve ser bom o intento?
Mais carapuças não teças;
que importa d√°-las ao vento,
se podem achar cabeças?

Tendo as s√°tiras por boas,
do Parnaso nos dois cumes
em hora negra revoas;
tu d√°s golpes nos costumes,
e cuidam que é nas pessoas.

Deixa esquipar Inglaterra
cem naus de alterosa popa,
deixa regar sangue a terra.
Que te importa que na Europa
haja paz ou haja guerra?

Deixa que os bons e a gentalha
brigar ao Casaca v√£o,
e que, enquanto a turba ralha,
v√° recebendo o balc√£o
os despojos da batalha.

Que tens tu que ornada história
diga que peitos ferinos,

Continue lendo…

Prazer n√£o Significa Felicidade

Aqueles que disseram ser o prazer o sumo bem, viram bem a posição vergonhosa em que o colocaram. Negam eles também que a virtude possa ser separada do prazer e dizem que ninguém pode viver honestamente sem viver agradavelmente, tal como ninguém pode viver agradavelmente sem viver honestamente. Não vejo como elementos tão diversos podem ser postos lado a lado. Porque não se poderá, pergunto-vos, separar a virtude do prazer? Visto que o princípio de todo o bem é a virtude, será ela também a raiz de tudo o que vós amais e desejais? Todavia, se a virtude e o prazer não fossem coisas distintas, não se compreenderia por que razão há umas coisas que são agradáveis, mas desonestas, e outras que são honestíssimas, mas penosas e causadoras de sofrimento.
Acrescenta ainda que, enquanto o prazer se coaduna com uma vida vergonhosa, a virtude n√£o admite uma m√° vida, e quantos h√° que s√£o infelizes n√£o por n√£o terem prazer, mas precisamente por causa do prazer, o que n√£o aconteceria se conjugassem o prazer com a virtude, a qual existe muitas vezes sem ele, sem nunca precisar dele para existir.
Porquê confundir coisas tão diversas ou mesmo opostas?

Continue lendo…

O Amor em Visita

Dai-me uma jovem mulher com sua harpa de sombra
e seu arbusto de sangue. Com ela
encantarei a noite.
Dai-me uma folha viva de erva, uma mulher.
Seus ombros beijarei, a pedra pequena
do sorriso de um momento.
Mulher quase incriada, mas com a gravidade
de dois seios, com o peso l√ļbrico e triste
da boca. Seus ombros beijarei.

Cantar? Longamente cantar.
Uma mulher com quem beber e morrer.
Quando fora se abrir o instinto da noite e uma ave
o atravessar trespassada por um grito marítimo
e o p√£o for invadido pelas ondas –
seu corpo arder√° mansamente sob os meus olhos palpitantes.
Ele – imagem vertiginosa e alta de um certo pensamento
de alegria e de impudor.
Seu corpo arder√° para mim
sobre um lençol mordido por flores com água.

Em cada mulher existe uma morte silenciosa.
E enquanto o dorso imagina, sob os dedos,
os bord√Ķes da melodia,
a morte sobe pelos dedos, navega o sangue,
desfaz-se em embriaguez dentro do coração faminto.
– Oh cabra no vento e na urze,

Continue lendo…

Mudez Perversa

Que mudez infernal teus l√°bios cerra
Que ficas vago, para mim olhando,
Na atitude de pedra, concentrando
No entanto, n’alma, convuls√Ķes de guerra!

A mim tal fel essa mudez encerra,
Tais dem√īnios rev√©is a est√£o forjando
Que antes te visse morto, desabando
Sobre o teu corpo grossas p√°s de terra.

N√£o te quisera nesse atroz e sumo
Mutismo horrível que não gera nada,
Que n√£o diz nada, n√£o tem fundo e rumo.

Mutismo de tal dor desesperada,
Que quando o vou medir com o estranho prumo
Da alma fico com a alma alucinada!

Felicidade e Virtude

Como, ao que parece, h√° muitos fins e podemos buscar alguns em vista de outros: por exemplo, a riqueza, a m√ļsica, a arte da flauta e, em geral, todos aqueles fins que podem denominar-se instrumentos, √© evidente que nenhum desses fins √© perfeito e definitivo por si mesmo. Mas o sumo bem deve ser coisa perfeita e definitiva. Por conseguinte, se existe uma s√≥ e √ļnica coisa que seja definitiva e perfeita, ela √© precisamente o bem que procuramos; e se h√° muitas coisas deste g√©nero, a mais definitiva entre elas ser√° o bem. Mas, em nosso entender, o bem que apenas deve buscar-se por si mesmo √© mais definitivo que aquele que se procura em vista de outro bem; e o bem que n√£o deve buscar-se nunca com vista noutro bem √© mais definitivo que os bens que se buscam ao mesmo tempo por si mesmos e por causa desse bem superior; numa palavra, o perfeito, o definitivo, o completo, √© o que √© eternamente apetec√≠vel em si, e que nunca o √© em vista de um objecto distinto dele.
Eis aí precisamente o carácter que parece ter a felicidade; buscamo-la por ela e só por ela, e nunca com mira em outra coisa.

Continue lendo…

Faz Acontecer

Mais vale uma √ļnica a√ß√£o rumo ao que desejas do que dez palavras ditas, cem frases escritas ou mil pensamentos iguais.

As coisas n√£o acontecem pelo n√ļmero de vezes que as dizes, escreves ou pensas nelas; as coisas acontecem por aquilo que tu fazes para elas acontecerem.

Nada acontece porque, e por exemplo, afirmas que amanhã é que vais começar a perder peso ou porque desabafas sistematicamente para o papel todas as tuas tristezas ou porque não paras de pensar naquilo que te faria bem. Nada. Rigorosamente nada. O que dizes é zero se não deres forma às tuas palavras. O que escreves é nulo se não existir compromisso para além das palavras. E o que pensas não vale nada se não deres vida aos pensamentos.

As palavras faladas ou escritas têm uma força poderosíssima, é indesmentível, assim como tudo aquilo que pensamos. No entanto, sem ação, sem criação em movimento, de nada valem. O sumo de todas as conversas que tens, de todos os livros que lês ou de todos os diários que escreves e todas as ideias que te pincelam a cabeça, resume-se a nada se daí não se originar mudança.

E não há mudança sem saíres do conforto.

Continue lendo…

Alegria e Tranquilidade

A alegria pode sofrer interrup√ß√Ķes no caso de pessoas ainda insuficientemente avan√ßadas, enquanto, no caso do s√°bio, o bem estar √© um tecido cont√≠nuo que nenhuma ocorr√™ncia, nenhum acidente pode romper; em todo o tempo, em todo o lugar o s√°bio goza de tranquilidade! Porqu√™? Porque o s√°bio n√£o depende de factores externos, n√£o est√° √† espera dos favores da fortuna ou dos outros homens. A sua felicidade est√° dentro dele; faz√™-la vir de fora seria expuls√°-la da alma, que √© onde, de facto, a felicidade nasce! Pode uma vez por outra surgir qualquer ocorr√™ncia que lembre ao s√°bio a sua condi√ß√£o de mortal, mas ocorr√™ncias deste tipo s√£o de somenos import√Ęncia e n√£o o atingem mais do que √† flor da pele. O s√°bio, insisto, pode ser tocado ao de leve por um ou outro contratempo, mas para ele o sumo bem permanece inalter√°vel. Volto a dizer que lhe podem ocorrer contratempos provindos do exterior, tal como um homem de f√≠sico robusto n√£o est√° livre de um fur√ļnculo ou de uma ferida superficial; em profundidade, por√©m, n√£o h√° mal que o atinja.
A diferença existente, insisto ainda outra vez, entre o homem que atingiu a plenitude da sabedoria e aquele que ainda lá não chegou é a mesma que se verifica entre um homem são e um convalescente de doença grave e prolongada.

Continue lendo…

Esta é a Forma Fêmea

Esta é a forma fêmea:
dos pés à cabeça dela exala um halo divino,
ela atrai com ardente
e irrecusável poder de atração,
eu me sinto sugado pelo seu respirar
como se eu n√£o fosse mais
que um indefeso vapor
e, a n√£o ser ela e eu, tudo se p√Ķe de lado
‚ÄĒ artes, letras, tempos, religi√Ķes,
o que na terra é sólido e visível,
e o que do céu se esperava
e do inferno se temia,
tudo termina:
estranhos filamentos e renovos
incontroláveis vêm à tona dela,
e a acção correspondente
é igualmente incontrolável;
cabelos, peitos, quadris,
curvas de pernas, displicentes m√£os caindo
todas difusas, e as minhas também difusas,
maré de influxo e influxo de maré,
carne de amor a inturgescer de dor
deliciosamente,
inesgotáveis jactos límpidos de amor
quentes e enormes, trémula geléia
de amor, alucinado
sopro e sumo em delírio;
noite de amor de noivo
certa e maciamente laborando
no amanhecer prostrado,
a ondular para o presto e proveitoso dia,
perdida na separação do dia
de carne doce e envolvente.

Continue lendo…

Pelicano

Onda que vais morrendo em nova onda,
mar que vais morrendo noutro mar,
assim a minha vida se desprenda e do meu sumo
escorra a vida para as bocas que se finam
de desejar.

√ď dia que vais escoando como os rios
e empalideces rostos e cabelos,
traze a palavra para a incerteza
dos que vagueiam à deriva;
a bandeira amarela se rasgue
e dos farrapos se gere outra cor.

√ď dia correndo e findando,
some-te l√° no cimo da fraga
mas deixa que no teu rasto fique o sangue
anunciando a esperança noutro dia.

Sê como a onda que morre para outra começar.

O Ponto mais Alto da Moral Consiste na Gratid√£o

O ponto mais alto da moral consiste na gratid√£o. E esta verdade proclam√°-la-√£o todas as cidades, todos os povos, mesmo os oriundos das regi√Ķes b√°rbaras, neste ponto est√£o de acordo os bons e os maus. Haver√° quem aprecie sobre¬≠tudo o prazer, outros haver√° que julguem prefer√≠vel o esfor√ßo activo; uns consideram a dor como o sumo mal, para outros a dor n√£o ser√° sequer um mal; alguns inclui¬≠r√£o a riqueza no sumo bem, outros dir√£o que a riqueza foi inventada para o mal da humanidade e que o homem mais rico √© aquele a quem a fortuna nada encontra para dar; no meio desta diversidade de posi√ß√Ķes uma coisa h√° que todos afirmar√£o, como soe dizer-se, a uma s√≥ voz: que devemos gratid√£o √†queles que nos favorecem. Neste ponto toda esta multid√£o de opini√Ķes se mostra de acordo, mesmo quando por vezes pagamos favores com inj√ļrias; e a pri¬≠meira causa de ingratid√£o √© n√£o podermos ser suficiente¬≠mente gratos. A insensatez chegou ao ponto de se tornar perigos√≠ssimo fazer um grande benef√≠cio a algu√©m; como se considera uma vergonha n√£o pagar o benef√≠cio, julga-se prefer√≠vel n√£o existir ningu√©m que no-lo fa√ßa! Goza em paz o que de mim recebeste; n√£o to reclamo,

Continue lendo…

O Tempo Passa? N√£o Passa

O tempo passa? N√£o passa
no abismo do coração.
Lá dentro, perdura a graça
do amor, florindo em canção.

O tempo nos aproxima
cada vez mais, nos reduz
a um só verso e uma rima
de m√£os e olhos, na luz.

N√£o h√° tempo consumido
nem tempo a economizar.
O tempo é todo vestido
de amor e tempo de amar.

O meu tempo e o teu, amada,
transcendem qualquer medida.
Além do amor, não há nada,
amar é o sumo da vida.

S√£o mitos de calend√°rio
tanto o ontem como o agora,
e o teu anivers√°rio
é um nascer toda a hora.

E nosso amor, que brotou
do tempo, n√£o tem idade,
pois só quem ama
escutou o apelo da eternidade.