Cita√ß√Ķes sobre Testemunhas

59 resultados
Frases sobre testemunhas, poemas sobre testemunhas e outras cita√ß√Ķes sobre testemunhas para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A história é émula do tempo, repositório dos factos, testemunha do passado, exemplo do presente, advertência do futuro.

Tornar p√ļblico o benef√≠cio que se recebeu, √© tomar o mundo como testemunha da inten√ß√£o que se tem de ficar reconhecido.

Deixar√≠amos de praticar o maior n√ļmero de faltas se, no momento de as praticar, houvesse testemunhas presenciais.

Oh Retrato da Morte, oh Noite Amiga

Oh retrato da morte, oh noite amiga
Por cuja escurid√£o suspiro h√° tanto!
Calada testemunha do meu pranto,
Des meus desgostos secret√°ria antiga!

Pois manda Amor, que a ti somente os diga,
D√°-lhes pio agasalho no teu manto;
Ouve-os, como costumas, ouve, enquanto
Dorme a cruel, que a delirar me obriga:

E vós, oh cortesãos da escuridade,
Fantasmas vagos, mochos piadores,
Inimigos, como eu, da claridade!

Em bandos acudi aos meus clamores;
Quero a vossa medonha sociedade,
Quero fartar meu coração de horrores.

As Realidades do Sonho

O sonho √© a explos√£o dos s√ļbditos na aus√™ncia do rei. Se o homem fosse um ser √ļnico, n√£o sonharia. Mas cada um de n√≥s √© uma tribo em que somente um chefe tem os privil√©gios da vida iluminada. O chefe √© a pessoa reconhecida pelos semelhantes, o ¬ęmim¬Ľ legal da sociedade e da raz√£o, obrigado a uma concord√Ęncia fixa consigo mesmo. S√≥ ele tem rela√ß√Ķes expressas com o mundo exterior e o √ļnico a reinar nas horas de vig√≠lia. Mas abaixo dele h√° um pequeno povo de cadetes expulsos, de insurrectos punidos, de h√≥spedes indesej√°veis – exilados da zona da consci√™ncia, mas donos do subconsciente, encerrados no subterr√£neo, mas prontos para a evas√£o, vencidos mas n√£o mortos. H√° a crian√ßa que foi renegada pelo jovem, o delinquente imobilizado pela moral e a lei, o louco que todos os dias estende armadilhas √† raz√£o raciocinadora, o poeta que a pr√°tica condenou ao sil√™ncio, o bobo dominado pelas amarguras, o antepassado b√°rbaro que ainda se recorda do machado de pedra e dos festins de Tiestes.
O eu quotidiano e vulgar, o respeit√°vel, o vigilante, o vitorioso, dominou essa tribo de larvas inimigas, de irm√£os renegados e moribundos. E como a alma tem o seu subsolo,

Continue lendo…

Não existe testemunha mais terrível Рacusador mais poderoso Рdo que a consciência que habita em nós.

Sobre a Reforma

Lan√ßar-me-ia num discurso demasiado longo se referisse aqui em particular todas as raz√Ķes naturais que levam os velhos a retirarem-se dos neg√≥cios do mundo: as mudan√ßas de humor, de condi√ß√Ķes f√≠sicas e o enfraquecimento org√Ęnico levam as pessoas e a maior parte dos animais, a afastarem-se pouco a pouco dos seus semelhantes. O orgulho, que √© insepar√°vel do amor-pt√≥prio, substitui-se-lhes √† raz√£o: j√° n√£o pode ser lisonjeado pela maior parle das coisas que lisonjeiam os outros, porque a experi√™ncia lhe fez conhecer o valor do que todos os homens desejam na juventude e a impossibilidade de o continuar a disfrutar; as diversas vias que parecem abertas aos jovens para alcan√ßar grandeza, prazeres, reputa√ß√£o e tudo o mais que eleva os homens, est√£o-lhes vedadas, quer pela fortuna ou pela sua conduta, quer pela inveja ou pela injusti√ßa dos outros; o caminho de reingresso nessas vias √© demasiado longo e demasiado √°rduo para quem j√° se perdeu nelas; as dificuldades parecem-lhes imposs√≠veis de ultrapassar e a idade j√° lhes n√£o permite tais pretens√Ķes. Tornam-se insens√≠veis √† amizade, n√£o s√≥ porque talvez nunca tenham encontrado nenhuma verdadeira, mas tamb√©m porque viram morrer grande n√ļmero de amigos que ainda n√£o tinham tido tempo nem ocasi√£o de desiludir a sua amizade e,

Continue lendo…

√ďdios e Rancores

Recusa ser testemunha em processos: serias necessariamente alvo do rancor de uma das partes. Nunca forne√ßas informa√ß√Ķes acerca de um homem que n√£o seja bem nascido – e menos ainda se √© de baixa extrac√ß√£o -, e faz como se tudo ignorasses a seu respeito. Se, em conversa, resolveres lan√ßar uma ofensa contra algu√©m, sobretudo n√£o tomes um ar pesado, mas continua a falar como se nada fosse. Em presen√ßa de terceiros, n√£o manifestes a ningu√©m favores especiais, pois considerar-se-ia que desprezas os outros e serias votado a um √≥dio constante.
Evita avan√ßar na carreira de modo demasiado r√°pido ou vistoso. √Č necess√°rio que, perante uma luz que se torna cada vez mais brilhante, os olhos se habituem a pouco e pouco; caso contr√°rio, desviam-se. Nunca v√°s contra o que agrada √† gente do povo, quer se trate de simples tradi√ß√Ķes ou mesmo de h√°bitos que te repugnam.
Se és forçado a admitir que cometeste uma acção odiosa, não atices o ódio que desperta dando a impressão que não a lastimas ou, pior ainda, troçando das tuas vítimas, ou orgulhando-te do que fizeste: serias odiado duas vezes mais. O melhor é ausentares-te, deixares agir o tempo e não te manifestares.

Continue lendo…

Nunca Mostrar Espírito e Entendimento

Como ainda √© inexperiente quem sup√Ķe que, ao mostrar esp√≠rito e entendimento, recorre a um meio seguro para fazer-se benquisto em sociedade! Na verdade, na maioria das pessoas, tais qualidades despertam √≥dio e rancor, que ser√£o t√£o mais amargos quanto quem os sentir n√£o tiver o direito de externar o motivo, chegando at√© a dissimul√°-lo para si mesmo. Isso acontece da seguinte forma: se algu√©m nota e sente uma grande superioridade intelectual naquele com quem fala, ent√£o conclui tacitamente e sem consci√™ncia clara que este, em igual medida, notar√° e sentir√° a sua inferioridade e a sua limita√ß√£o. Essa conclus√£o desperta o √≥dio, o rancor e a raiva mais amarga.
(…) Mostrar esp√≠rito e entendimento √© uma maneira indirecta de repreender nos outros a sua incapacidade e estupidez. Ademais, o indiv√≠duo comum revolta-se ao avistar o seu oposto, sendo a inveja o seu instigador secreto. A satisfa√ß√£o da vaidade √©, como se pode ver diariamente, um prazer que as pessoas colocam acima de qualquer outro, mas que s√≥ √© poss√≠vel por interm√©dio da compara√ß√£o delas pr√≥prias com os demais. No entanto, nenhum m√©rito torna o homem mais orgulhoso do que o intelectual: s√≥ neste repousa a sua superioridade em rela√ß√£o aos animais.

Continue lendo…

Ira Induzida

O melhor remédio para a ira é fazer uma pausa. Pede-a não para perdoares, mas para reflectires: os primeiros impulsos da ira são os mais graves; ela desaparece se tiver que esperar. Não tentes afastá-la por inteiro: conseguirás vencê-la por completo se a arrancares por partes.
Entre os actos que nos ofendem, uns s√£o-nos narrados, outros s√£o vistos ou ouvidos por n√≥s mesmos. N√£o devemos acreditar prontamente naqueles que nos s√£o narrados: muitos homens mentem para enganar, outros tantos mentem porque foram enganados; outros ganham favores com incrimina√ß√Ķes e inventam uma ofensa para se mostrarem indignados; outro √© um homem maldoso e quer destruir amizades s√≥lidas; outro n√£o merece confian√ßa e gosta de observar ao longe e em seguran√ßa as desaven√ßas que cria.
Quando tens que emitir um juízo sobre um qualquer assunto, não poderás admitir os factos sem que deles haja uma testemunha, e a testemunha não tem validade se não houver um juramento; darás a palavra às duas partes, farás um intervalo, não as ouvirás uma vez apenas (a verdade manifesta-se àquele que mais vezes a toma em mãos): e condenas prontamente um amigo? Ficas irado antes de o ouvir, antes de interrogares, antes de permitires-lhe conhecer o acusador ou o crime?

Continue lendo…

IX

Pouco importa, formosa Daliana,
Que fugindo de ouvir me, o fuso tomes;
Se quanto mais me afliges, e consomes,
Tanto te adoro mais, bela serrana.

Ou j√° fujas do abrigo da cabana,
Ou sobre os altos montes mais te assomes,
Faremos imortais os nossos nomes,
Eu por ser firme, tu por ser tirana.

Um obséquio, que foi de amor rendido,
Bem pode ser, pastora, desprezado;
Mas nunca se ver√° desvanecido:

Sim, que para lisonja do cuidado,
Testemunhas ser√£o de meu gemido
Este monte, este vale, aquele prado.

Um Homem de Sucesso

Uma pessoa n√£o √© exatamente o que come, como diz o ditado e como eu pr√≥prio dei por garantido; uma pessoa √© sobretudo o lugar onde come, e com quem come, e a corre√ß√£o com que nomeia o que come e a seguran√ßa com que escolhe, da ementa, os pratos certos, perante testemunhas. Um homem de sucesso √©, muito especialmente, aquele que depois diz onde comeu e com quem. S√£o essas coisas que definem o seu estatuto e a altitude a que voa, e que determinam se vaie a pena perder um quarto de hora com ele, pagar-lhe um copo e at√© tentar marcar um jantar para outro dia, estabelecer uma rela√ß√£o. Ou se, pelo contr√°rio, deves responder-lhe que est√°s atrasado para uma reuni√£o e consultar duas ou tr√™s vezes o rel√≥gio antes de te afastares rapidamente, mesmo que ele esteja disposto a pagar–te o jantar.

N√£o Est√°s a Ver

Todos os dias, todos nós assistimos Рseja como utentes, vítimas ou observadores Рa uma prática irritantemente portuguesa.
Algu√©m faz uma longa e pormenorizada descri√ß√£o de uma coisa extraordin√°ria (ou, mais ami√ļde, banal) que lhe aconteceu. N√≥s ouvimos, com paci√™ncia e empatia exageradas, e comentamos conforme as mais bem equilibradas expectativas.
Descrevem-nos um momento de horror (“atravessou-se um gato na estrada, tive de desviar-me e quase bati noutro carro”) e, quando n√≥s simpatizamos (muitos de n√≥s tendo passado pela mesma experi√™ncia de medo de morrer ou matar), o nosso interlocutor d√° como perdidos os quartos de hora que gastou a dar-nos uma narrativa completa e, apesar da nossa sincera afirma√ß√£o de empatia (“Coitado! Sei exactamente o que sentiste!”), atira-nos invariavelmente √† cara a mesma psicop√°tica acusa√ß√£o: “N√£o est√°s a ver!”
√Č portugu√™s pensar que aquilo que se sente ou que nos acontece n√£o pode ser sentido ou acontecer a mais ningu√©m. Temos a ideia est√ļpida, avan√ßada por Cam√Ķes – do saber de experi√™ncia feito -, que cada um sabe o que sabe e vive o que vive. Dizer “n√£o est√°s a ver” a quem v√™ perfeitamente – o mais das vezes espontaneamente – √© uma esp√©cie de distancia√ß√£o.

Continue lendo…

A Glória em Função dos Feitos e das Obras

Enquanto a nossa honra vai at√© onde somos pessoalmente conhecidos, a gl√≥ria, pelo contr√°rio, precede o nosso conhecimento e leva-o at√© onde ela mesmo consegue ir. Todo o indiv√≠duo tem direito √† honra; √† gl√≥ria, apenas as excep√ß√Ķes, pois apenas mediante realiza√ß√Ķes excepcionais √© poss√≠vel atingi-la. Tais realiza√ß√Ķes, por sua vez, s√£o feitos ou obras. A partir deles, abrem-se dois caminhos para a gl√≥ria. Antes de mais nada, √© o grande cora√ß√£o que capacita para os feitos; para as obras, a grande cabe√ßa. Ambas possuem as suas pr√≥prias vantagens e desvantagens. A diferen√ßa principal √© que os feitos passam, e as obras permanecem.
Dos feitos, permanece apenas a lembrança, que se torna cada vez mais fraca, desfigurada e indiferente, e que está até mesmo fadada a extinguir-se gradualmente, caso a história não a recolha e a transmita para a posteridade em estado petrificado. As obras, pelo contrário, são imortais e podem, pelo menos as escritas, sobreviver em todos os tempos. O mais nobre dos feitos tem apenas uma influência temporária; a obra genial, pelo contrário, vive e faz efeito, de modo benéfico e sublime, por todos os tempos. De Alexandre, o Grande, vivem nome e memória, mas Platão e Aristóteles,

Continue lendo…