Passagens sobre Zelo

34 resultados
Frases sobre zelo, poemas sobre zelo e outras passagens sobre zelo para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Hipocrisia do Conselho

Nada é mais hipócrita do que pedir ou dar conselhos. Quem pede, parece ter um respeito venerando pelos sentimentos do amigo a quem os pede, mas, no fundo, quer é fazer aprovar os sentimentos próprios e, assim, tornar o outro responsável pela sua conduta. Por outro lado, o que presta os conselhos retribui a confiança que lhe é dada, com um zelo ardente e desinteressado, apesar de, quase sempre, querer, através dos conselhos que dá, satisfazer os seus interesses ou a sua glória.

Cuide de quem ama com zelo e devoção. Pode ser uma eternidade para encontrar um grande amor; mas pode ser um segundo o tempo para perdê-lo.

Ao Lado do Ofício de Mandar Deve Andar o de Sugerir

Ningu√©m pode mandar s√≥, se houver de mandar como conv√©m. Ao lado do of√≠cio de mandar, deve andar sempre o of√≠cio de sugerir, ou como companheiro, ou como instrumento insepar√°vel. A obriga√ß√£o e exerc√≠cio deste segundo e t√£o importante of√≠cio, √© o que significa a mesma palavra sugerir; que vem a ser, lembrar, advertir, inspirar, aconselhar, conferir, persuadir, despertar, instar. Os talentos que para o mesmo of√≠cio se requerem, s√£o maiores e mais relevantes: grande entendimento, grande compreens√£o, grande ju√≠zo, grande conselho, grande zelo, grande fidelidade, grande vigil√Ęncia, grande cuidado, grande valor. As disposi√ß√Ķes e os meios com que se exercita, ainda s√£o de mais altas e mais interiores prerrogativas: suma comunica√ß√£o, suma confian√ßa, √≠ntima amizade, √≠ntima familiaridade, √≠ntimo amor; e n√£o s√≥ perfeita uni√£o, sen√£o ainda unidade. De sorte que os dous sujeitos em que concorrerem estes dous of√≠cios, de tal maneira h√£o-de ser dous, que verdadeiramente sejam um: de tal maneira h√£o-de ser diversos, que verdadeiramente sejam o mesmo. H√°-se de multiplicar neles o n√ļmero, mas n√£o se h√°-de dividir a unidade.

O Interesse na Amizade

Aqueles que almejam somente o interesse na amizade, afastam dela o seu mais doce v√≠nculo. O que nos agrada n√£o √© a utilidade oferecida pelo nosso amigo, mas sim o carinho desse amigo; e tudo o que nos for oferecido por ele ser-nos-√° agrad√°vel, contanto que transpare√ßa a dedica√ß√£o. T√£o longe est√° que seja a indig√™ncia que cultiva as amizades que justamente aqueles que, pelas suas riquezas, pelo seu cr√©dito e sobretudo pelas suas virtudes, a mais segura das garantias, t√™m menos necessidade dos outros, ‚ÄĒ s√£o os mais generosos e benfeitores. N√£o sei se ser√° bom que os nossos amigos n√£o necessitem de n√≥s. Como poderia mostrar meu zelo por Cipi√£o, se ele n√£o procurasse os meus conselhos e os meus servi√ßos, seja na paz, ou na guerra? A nossa amizade n√£o nasceu pois, da utilidade, mas a utilidade a seguiu.

Falar Sempre, Pensar Nunca

Desde que, com a ajuda do cinema, das soap operas e do horney, a psicologia profunda penetra nos √ļltimos rinc√Ķes, a cultura organizada corta aos homens o acesso √† derradeira possibilidade da experi√™ncia de si mesmo. E esclarecimento j√° pronto transforma n√£o s√≥ a reflex√£o espont√Ęnea, mas o discernimento anal√≠tico, cuja for√ßa √© igual √† energia e ao sofrimento com que eles se obt√™m, em produtos de massas, e os dolorosos segredos da hist√≥ria individual, que o m√©todo ortodoxo se inclina j√° a reduzir a f√≥rmulas, em vulgares conven√ß√Ķes.
At√© a pr√≥pria dissolu√ß√£o das racionaliza√ß√Ķes se torna racionaliza√ß√£o. Em vez de realizar o trabalho de autognose, os endoutrinados adquirem a capacidade de subsumir todos os conflitos em conceitos como complexo de inferioridade, depend√™ncia materna, extrovertido e introvertido, que, no fundo, s√£o pouco menos que incompreens√≠veis. O horror em face ao abismo do eu √© eliminado mediante a consci√™ncia de que n√£o se trata mais do que uma artrite ou de sinus troubles.
Os conflitos perdem assim o seu aspecto amea√ßador. S√£o aceites; n√£o sanados, mas encaixados somente na superf√≠cie da vida normalizada como seu ingrediente inevit√°vel. S√£o, ao mesmo tempo, absorvidos como um mal universal pelo mecanismo da imediata identifica√ß√£o do indiv√≠duo com a inst√Ęncia social;

Continue lendo…

Usa os objetos com zelo. Porém, a Vida humana é mais preciosa que os objetos. Aquele que maltrata o ser humano para zelar os objetos, inverte a ordem natural das coisas. Não ralhes com o próximo só porque ele quebrou um prato. O homem é mais valioso que um prato.

Inveja Justa e Injusta

Quando a fortuna envia a alguém bens de que ele é verdadeiramente indigno, e a inveja só é excitada em nós porque amando naturalmente a justiça ficamos contrariados que ela não seja observada na distribuição desses bens, trata-se de um zelo que pode ser desculpável; principalmente quando o bem que invejamos de outros é de tal natureza que pode converter-se em mal nas mãos deles, como se for algum cargo ou ofício em cujo exercício eles possam comportar-se mal.
Mesmo quando desejamos para nós o mesmo bem e somos impedidos de tê-lo, porque ouros que são menos merecedores o possuem, isto torna mais violenta tal paixão; e ela não deixa de ser desculpável, contanto que o ódio que contém se relacione somente com a má distribuição do bem que se inveja, e não com as pessoas que o possuem e distribuem.
Mas há poucos que sejam tão justos, e tão generosos a ponto de não ter ódio por aqueles que os precederam na obtenção de um bem que não é comunicável a várias pessoas e que eles haviam desejado para si mesmos, embora os que os obtiveram sejam tanto ou mais merecedores. E o que habitualmente é mais invejado é a glória,

Continue lendo…

O Caminho de um Criador

Creio que tem havido sempre na nossa terra uma descabida preocupação canónica à ilharga de cada artista. Interessa mais ao zelo nacional averiguar se um poeta morreu sacramentado, do que ler os seus versos. Ninguém quer saber se o caminho de um criador o leva à morada das musas e da beleza; espreita-se da janela, mas é para ver se ele vai à missa. Ora isto é de analfabetos, de pessoas que verdadeiramente não sabem nem querem saber do valor de um poema, do mundo de liberdade e de independência que ele encerra. E uma gente assim não me convém, nem tão-pouco o Deus intolerante que servem. Por isso me vou divertindo com as minhas divindades naturais, luciferinamente, certo de que o diabo é ainda uma grande companhia. Foi a ele que Jesus disse que o seu reino não era deste mundo. E o meu, precisamente, é.

A Supress√£o dos Desejos

Nenhuma das coisas que se admiram e se buscam com zelo √© √ļtil aos que as obtiveram; mas quando ainda n√£o se as t√™m, imagina-se que, se acontecerem, todos os bens estar√£o presentes com elas; e, quando est√£o diante de n√≥s, sentimos a mesma febre, a mesma agita√ß√£o e aborrecimento, o mesmo desejo pelas coisas que n√£o temos. Pois n√£o √© saciando-se com as coisas desejadas que se prepara a liberdade, √© pela supress√£o dos desejos.

De tudo,ao meu amor serei atento antes, e com tal zelo, se sempre, e tanto quem mesmo em fase do maior encanto dele se encante mais meu pensamento.

Retrocesso Civilizacional

S√£o talvez as prioridades dos nossos tempos que acarretam um retrocesso e uma eventual deprecia√ß√£o da vida contemplativa. Mas h√° que confessar que a nossa √©poca √© pobre em grandes moralistas, que Pascal, Epicteto, S√©neca, Plutarco pouco s√£o lidos ainda, que o trabalho e o esfor√ßo – outrora, no s√©quito da grande deusa Sa√ļde – parecem, por vezes, grassar como uma doen√ßa. Porque faltam tempo para pensar e sossego no pensar, j√° n√£o se examina as opini√Ķes diferentes: a gente contenta-se em odi√°-las. Dada a enorme acelera√ß√£o da vida, o esp√≠rito e o olhar s√£o acostumados a ver e a julgar parcial ou erradamente, e toda a gente se assemelha aos viajantes que ficam a conhecer um pa√≠s e um povo, vendo-os do caminho-de-ferro.
Uma atitude independente e cautelosa em mat√©ria de conhecimento √© menosprezada quase como uma esp√©cie de tolice, o esp√≠rito livre √© difamado, nomeadamente, por eruditos que, na sua arte de observar as coisas, sentem a falta da min√ļcia e do zelo de formigas que lhes s√£o pr√≥prios, e bem gostariam de bani-lo para um canto isolado da ci√™ncia: quando ele tem a miss√£o, completamente diferente e superior, de comandar, a partir de uma posi√ß√£o solit√°ria,

Continue lendo…

Quando presto algum serviço a um amigo ou lhe zelo os interesses, não há motivo para que me louvem; pois creio que apenas pratiquei um acto indigno de censura.

Soneto de Fidelidade

De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, ang√ļstia de quem vive
Quem sabe a solid√£o, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

O ci√ļme √© odioso quando proveniente de algu√©m que nos desagrada, mas pode at√© ser agrad√°vel quando demonstra as inquietudes de um enamorado que nos cativou e que assim mostra seu apre√ßo. Quanto mais zelo patentear, mais amor nos merece.

Triste Padeço

Aves que o ar discorrei,
No v√īo as asas batendo,
E por vossas penas conta
Às minhas meu sentimento.

Compadecidas ouvi
De minha dor os excessos,
Mas em dizer que é saudade,
Digo o que posso dizer-vos.
Triste padeço, e ausente
Os golpes dos meus receios
Nas batalhas da dist√Ęncia,
Nos desafios do tempo.

Nas violências, do que choro,
Dos alívios desespero,
Que n√£o adormece a queixa,
Quando a desperta o desvelo.

Esmoreceu a esperança
Nas dila√ß√Ķes do desejo
Prognosticando a ruína
Frenético o pensamento.

Se meu mal s√£o sintomas,
Mortais ausências, e zelos,
Era o remédio esquecer-me,
Se em mim houvera esquecimento.

Mas se faz no meu cuidado
Opera√ß√Ķes o veneno,
Viva de senti-lo quem,
Não morre de padecê-lo.

J√° que morro, ingrata sorte,
Às mãos da tua porfia,
Deixa-me inquirir um dia
A causa da minha morte:

Se amor com impulso forte
Me rendeu, como me aparta
Do bem, que na alma retrata
Minha doce saudade,

Continue lendo…

Um Rafeiro Fiel de um Pastor Triste

Tó, Mondego, vem cá; pois tu somente
Alivias um pouco o meu cuidado;
Que em parte se consola um desgraçado,
Quando tem quem lhe escute o mal que sente.

Tu firme; tu leal; tu finalmente
Me tens na minha ausência acompanhado:
Raro impulso de amor! Porque ao seu lado
Ninguém quer suportar um descontente.

Ora deixa, que em prémio da piedade,
Com que o teu zelo ao meu tormento assiste,
Farei teu nome emblema da amizade.

E os versos meus que um tempo alegre ouviste
Cantar√£o, para exemplo da lealdade,
Um Rafeiro fiel de um Pastor triste.