Citação de

Poupar a Vontade

Em compara√ß√£o com o comum dos homens, poucas coisas me atingem, ou, dizendo melhor, me prendem; pois √© razo√°vel que elas atinjam, contanto que n√£o nos possuam. Tenho grande zelo em aumentar pelo estudo e pela reflex√£o esse privil√©gio de insensibilidade, que em mim √© naturalmente muito saliente. Desposo – e consequentemente me apaixono por – poucas coisas. A minha vis√£o √© clara, mas detenho-a em poucos objectos; a sensibilidade, delicada e male√°vel. Mas a apreens√£o e aplica√ß√£o, tenho-a dura e surda: dificilmente me envolvo. Tanto quanto posso, emprego-me todo em mim; por√©m mesmo nesse objecto eu refrearia e suspenderia de bom grado a minha afei√ß√£o para que ela n√£o se entregasse por inteiro, pois √© um objecto que possuo por merc√™ de outr√©m e sobre o qual a fortuna tem mais direito do que eu. De maneira que at√© a sa√ļde, que tanto estimo, ser-me-ia preciso n√£o a desejar e n√£o me dedicar a ela t√£o desenfreadamente a ponto de achar insuport√°veis as doen√ßas. Devemos moderar-nos entre o √≥dio e o amor √† voluptuosidade; e Plat√£o receita um caminho mediano de vida entre ambos.
Mas √†s paix√Ķes que me distraem de mim e me prendem alhures, a essas certamente me oponho com todas as minhas for√ßas. A minha opini√£o √© que devemos emprestar-nos a outr√©m e s√≥ nos darmos a n√≥s mesmos. Se a minha vontade se mostrasse f√°cil de se hipotecar e se empenhar, eu n√£o sobreviveria a ela: sou fr√°gil demais, tanto por natureza como por h√°bito, Avesso √†s ocupa√ß√Ķes e nascido para a seguran√ßa do √≥cio (Ov√≠dio). As discuss√Ķes combativas e encarni√ßadas que no final dessem vit√≥ria ao meu advers√°rio, o desenlace que tornasse vergonhoso o meu ardente ass√©dio talvez me corroessem muito cruelmente. Se eu cravasse os dentes a fundo, como fazem os outros, a minha alma nunca teria for√ßa para suportar os sobressaltos e emo√ß√Ķes que acompanham os que abarcam tanto; seria incontinenti desconjuntada por essa agita√ß√£o intestina. Se por vezes me impeliram ao manejo de assuntos alheios, prometi tom√°-los nas m√£os, n√£o no pulm√£o nem no f√≠gado; encarregar-me deles, n√£o incorpor√°-los; interessar-me por eles, sim, apaixonar-me, de forma alguma; atento a eles mas n√£o os fico a chocar. J√° tenho trabalho suficiente dispondo e organizando a multid√£o dom√©stica que trago nas minhas entranhas e nas minhas veias sem nelas alojar uma multid√£o estrangeira que me oprima; e sou suficientemente afectado pelos meus assuntos essenciais, pessoais e naturais sem convidar outros, forasteiros. Os que sabem o quanto devem a si e quantas obriga√ß√Ķes t√™m para consigo mesmos descobrem que a natureza lhes deu essa miss√£o suficientemente cabal e nada ociosa. Tens largamente o que fazer em tua casa: n√£o te afastes.