Cita√ß√Ķes sobre Casais

61 resultados
Frases sobre casais, poemas sobre casais e outras cita√ß√Ķes sobre casais para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Lembrança

Fui Essa que nas ruas esmolou
E fui a que habitou Paços Reais;
No m√°rmore de curvas ogivais
Fui Essa que as m√£os p√°lidas poisou…

Tanto poeta em versos me cantou!
Fiei o linho √† porta dos casais…
Fui descobrir a √ćndia e nunca mais
Voltei! Fui essa nau que n√£o voltou…

Tenho o perfil moreno, lusitano,
E os olhos verdes, cor do verde Oceano,
Sereia que nasceu de navegantes…

Tudo em cinzentas brumas se dilui…
Ah, quem me dera ser Essas que eu fui,
As que me lembro de ter sido… dantes!…

Troque, sem hesitar, qualquer discuss√£o por bons instantes de paz. Cada minuto a mais que um casal fica unido, em doce cumplicidade, estreita e robustece a paix√£o.

A Fraqueza Infantil do Orgulho

Todos querem a paz, mas h√° muita gente que n√£o se disp√Ķe a fazer as pazes. Parece que n√£o acreditam que duas pessoas zangadas ou um casal desavindo se possam reconciliar. Preferem afirmar posi√ß√Ķes. De facto, o orgulhoso n√£o √© inteligente! Se fosse inteligente, j√° teria percebido que a coisa mais humana √© levantar-se dos seus erros e recome√ßar cada dia. N√£o o tentar e agarrar-se aos seus direitos parece for√ßa, mas √© fraqueza infantil.

(

Dialogar em Vez de Discutir

Est√° o casal aos gritos, est√£o os pol√≠ticos aos berros… E comenta-se a prop√≥sito: “√Č preciso discutir para chegar a algum lado, da discuss√£o nasce a luz”. Bem, a verdade √© que n√£o se v√™ nada. S√≥ quando sou capaz de ouvir, quando sinceramente admito que o outro pode ter raz√£o ou parte dela, √© que posso come√ßar a ver. √Č isso que acontece? Deus queira… Discutir √© querer ganhar. Dialogar √© procurar a verdade com o que h√° de bom em cada um.

(

Véspera

Amor: em teu regaço as formas sonham
o instante de existir: ainda é bem cedo
para acordar, sofrer. Nem se conhecem
os que se destruir√£o em teu bruxedo.

Nem tu sabes, amor, que te aproximas
a passo de veludo. √Čs t√£o secreto,
reticente e ardiloso, que semelhas
uma casa fugindo ao arquitecto.

Que presságios circulam pelo éter,
que signos de paix√£o, que suspir√°lia
hesita em consumar-se, como fl√ļor,
se não a roça enfim tua sandália?

Não queres morder célere nem forte.
Evitas o clar√£o aberto em susto.
Examinas cada alma. √Č fogo inerte?
O sacrifício há de ser lento e augusto.

Ent√£o, amor, escolhes o disfarce.
Como brincas (e és sério) em cabriolas,
em risadas sem modo, pés descalços,
no círculo de luz que desenrolas!

Contempla este jardim: os namorados,
dois a dois, l√°bio a l√°bio, v√£o seguindo
de teu capricho o hermético astrolábio,
e perseguem o sol no dia findo.

E se deitam na relva; e se enlaçando
num desejo menor, ou na indecisa
procura de si mesmos,

Continue lendo…

Casamento e Fus√£o Moral

Na vida conjugal, o casal s√≥ deve formar de certo modo uma √ļnica pessoa moral, animada e governada pelo gosto da mulher e pela intelig√™ncia do homem. Se as mulheres mostram mais liberdade e fineza no sentimento, em compensa√ß√£o os homens parecem mais ricos no discernimento que a experi√™ncia d√°. Acrescentemos que quanto mais um car√°cter √© sublime, mais ele tende a fazer todos os seus esfor√ßos para o contentamento do ser amado, e √© caracter√≠stico de uma bela alma responder a isso com complac√™ncia. Sob essa rela√ß√£o, toda a pretens√£o √† superioridade seria, portanto, inepta e reveladora de um gosto grosseiro ou de uma uni√£o mal sucedida. Tudo se perde quando se disputa o comando. Pois uma vez que a uni√£o repousa na inclina√ß√£o, ela √© meio rompida assim que o dever come√ßa a se fazer entender.
Um tom duro e impiedoso é um dos mais detestáveis nas mulheres, um dos mais vis e desprezíveis nos homens. O sábio comando da natureza quer, além disso, que toda essa delicadeza, toda essa ternura de sentimento só tenha plena força no começo, em seguida a vida em comum e os afazeres domésticos vêm enfraquecê-la, pouco a pouco, e transformá-la em amizade familiar.

Continue lendo…

Noitinha

A noite sobre n√≥s se debru√ßou…
Minha alma ajoelha, p√Ķe as m√£os e ora!
O luar, pelas colinas, nesta hora,
√Č √°gua dum gomil que se entornou…

Não sei quem tanta pérola espalhou!
Murmura algu√©m pelas quebradas fora…
Flores do campo, humildes, mesmo agora.
A noite, os olhos brandos, lhes fechou…

Fumo beijando o colmo dos casais…
Serenidade idílica de fontes,
E a voz dos rouxin√≥is nos salgueirais…

Tranquilidade… calma… anoitecer…
Num êxtase, eu escuto pelos montes
O cora√ß√£o das pedras a bater…

Somos os Comandantes das Nossas Vidas

Se alguém te disser que aquilo que queres não interessa para nada, desinteressa-te dessa pessoa.

Somos os comandantes das nossas vidas.

Somos n√≥s, portanto, que escolhemos com quem queremos caminhar, e ai de algu√©m que acredite que pode entrar √† for√ßa na nossa vida sem a devida autoriza√ß√£o. Na minha n√£o entram, disso podes ter a certeza. E se todos pens√°ssemos assim, se todos ag√≠ssemos em conformidade com esta breve alus√£o ao nosso poder pessoal, viver√≠amos todos num aut√™ntico mar de rosas. Mas n√£o. Este princ√≠pio b√°sico √© o terror de muita gente. A maioria talvez. Malta que acredita que tem de aguentar o supl√≠cio de viver ou conviver com quem lhe quer mal ou lhe √© indiferente. √Č uma desgra√ßa. √Č o reinado do medo. Do medo de ficar sozinho, de nunca mais sentir nada por ningu√©m, de tudo o que possam dizer ou pensar se agirem como desejam, da rea√ß√£o do outro, de mago√°-lo, enfim, o medo de tudo. Ora bem, esta onda de passividade e permissividade gera a extin√ß√£o da confian√ßa, fomenta o canibalismo do amor-pr√≥prio e inverte todo e qualquer tipo de educa√ß√£o apropriada. Como √© que algum filho, por exemplo, pode desenvolver-se em amor se tudo o que v√™ em casa s√£o duas pessoas que mal se olham ou que se atacam,

Continue lendo…

A Única Alegria Neste Mundo é a de Começar

A √ļnica alegria neste mundo √© a de come√ßar. √Č belo viver, porque viver √© come√ßar, sempre, a cada instante. Quando esta sensa√ß√£o desapaece – pris√£o, doen√ßa, h√°bito, estupidez – deseja-se morrer.
√Č por isso que quando uma situa√ß√£o dolorosa se reproduz de modo id√™ntico – parece id√™ntica – nada apaga o horror que tal coisa nos provoca.
O princ√≠pio acima enunciado n√£o √©, portanto, pr√≥prio de um viveur. Porque h√° mais h√°bito na experi√™ncia a todo o custo (cfr, o antip√°tico ¬ęviajar a todo o custo¬Ľ) do que na charneira normal aceite com o sentido do dever e vivida com entusiasmo e intelig√™ncia. Estou convencido de que h√° mais h√°bito nas aventuras de do que num bom casamento.
Porque o próprio da aventura é conservar uma reserva mental de defesa; é por isso que não existem boas aventuras. Só é boa aventura aquela em que nos abandonamos: o matrimónio, em suma, talvez até aqueles que são feitos no céu.
Quem não sente o perene recomeçar que vivifica a existência normal de um casal é, no fundo, um parvo que, por mais que diga, não sente, sequer, um verdadeiro recomeçar em cada aventura.
A lição é sempre a mesma: atirarmo-nos para a frente e saber suportar o castigo.

Continue lendo…

Envelhecer

√Č bom envelhecer!

Sentir cair o tempo,
magro fio de areia,
numa ampulheta inexistente!

Passam casais jovens
abra√ßados!…

As √°rvores
balan√ßam novos ramos!…

E o fio de areia
a cair, a cair, a cair…

Marília de Dirceu

(excerto)

Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,
que viva de guardar alheio gado,
de tosco trato, de express√Ķes grosseiro,
dos frios gelos e dos sóis queimado.
Tenho próprio casal e nele assisto;
d√°-me vinho, legume, fruta, azeite;
das brancas ovelhinhas tiro o leite
e mais as finas l√£s, de que me visto.
Graças, Marília bela, graças à minha estrela!

Eu vi o meu semblante numa fonte:
dos anos inda n√£o est√° cortado;
os pastores que habitam este monte
respeitam o poder do meu cajado.
Com tal destreza toco a sanfoninha,
que inveja até me tem o próprio Alceste:
ao som dela concerto a voz celeste,
nem canto letra que n√£o seja minha.
Graças, Marília bela,
graças à minha estrela!

Mas tendo tantos dotes da ventura,
só apreço lhes dou, gentil pastora,
depois que o teu afeto me segura
que queres do que tenho ser senhora.
E bom, minha Marília, é bom ser dono
de um rebanho, que cubra monte e prado;
porém, gentil pastora, o teu agrado
vale mais que um rebanho e mais que um trono.

Continue lendo…

A espécie compromete-se com um casal a que haja amor entre os dois. Mas logo que se apanha servida, vira-lhes as costas e eles que se arranjem.

Reinventar o Mistério

Cada vez acredito mais nisso: pode efectivamente haver bom sexo sem pecado. Mas n√£o pode, nunca p√īde, nem nunca poder√° haver bom sexo sem mist√©rio. Se muitos casais perdem o desejo ao fim de alguns anos, √© porque o mist√©rio desapareceu. Se outros tantos o mant√™m latejante ao fim de v√°rias d√©cadas, √© porque encontraram uma forma de reinventar o mist√©rio. Feitas as contas, tem de haver sempre alguma espontaneidade – at√© alguma pressa, alguma urg√™ncia. E o melhor, apesar de tudo, √© que o sexo seja muitas vezes bom e todas as restantes apenas assim-assim. No exacto instante em que for perfeito perder√° dois ter√ßos do interesse, se n√£o o interesse todo. Da pr√≥xima j√° n√£o poder√° ser melhor.

√Č claro: quatro quintos dos portugueses discordar√£o aberta e ostensivamente disto. Nos estudos sociol√≥gicos e nas conversas de caf√©, nas telenovelas e nas reportagens ¬ędo social¬Ľ, n√£o encontro outra coisa sen√£o atletas sexuais – e nenhum atleta sexual alguma vez poder√° ser surpreendido a aceitar que a sua √ļltima sess√£o foi apenas assim-assim (e muito menos que a pr√≥xima poder√° ser assim-assim tamb√©m).

O Esplendor da Heterossexualidade, pelo Desejo

Somos um objecto, na paixão, totalmente submissos, sem poder prever os golpes que sofremos; aí reside a grandeza, a loucura, o assombro da paixão.
Para mim, o desejo só pode ter lugar entre o masculino e o feminino, entre sexos diferentes.
O outro desejo é um autodesejo, é, para mim, como que o prolongamento da prática masturbatória do homem ou da mulher. O esplendor da paixão, a sua imensidade, o seu sofrimento, o seu inferno, reside no facto de só poder verificar-se entre géneros irreconciliáveis, o masculino e o feminino. Tanto a paixão como o desejo.

Os casais homossexuais são muito mais estáveis do que os casais heterossexuais, porque na homosexualidade há uma prática simples e cómoda do desejo. A prática heterossexual é ainda selvagem, é ainda a floresta do desejo.
Na prática homossexual não creio que exista esse fenómeno de posse que existe na heterossexual. Na prática homossexual existe uma espécie de intermutabilidade do prazer, as pessoas nunca pertencem na homossexualidade como pertencem na heterossexualidade.
√Č um inferno n√£o se poder escapar ao desejo de uma pessoa, √© a isso que eu chamo, quando a mim, o esplendor da heterossexualidade.

Tanto poeta em versos me cantou! Fiei o linho √† porta dos casais… Fui descobrir a √ćndia e nunca mais voltei! Fui essa nau que n√£o voltou…

Casal que se digladia em disputas internas, antes que um derrote o outro, ambos ser√£o derrotados pelo mundo exterior!

N√£o invejo casais individuais, invejo todos os casais; e mesmo quando tenho inveja de um casal isoladamente, √© a felicidade da vida de casado em geral, em toda a sua infinita variedade, que eu invejo ‚Äď a felicidade que se encontra em qualquer casamento, at√© no caso mais prov√°vel, iria certamente lan√ßar-me no desespero.

Setentrional

Talvez j√° te n√£o lembres, triste Helena,
Dos passeios que d√°vamos sozinhos,
À tardinha, naquela terra amena,
No tempo da colheita dos bons vinhos.

Talvez j√° te n√£o lembres, pesarosa,
Da casinha caiada em que moramos,
Nem do adro da ermida silenciosa,
Onde nós tantas vezes conversamos.

Talvez já te esquecesses, ó bonina,
Que viveste no campo só comigo,
Que te osculei a boca purpurina,
E que fui o teu sol e o teu abrigo.

Que fugiste comigo da Babel,
Mulher como n√£o h√° nem na Circ√°ssia,
Que bebemos, nós dois, do mesmo fel,
E regamos com prantos uma ac√°cia.

Talvez j√° te n√£o lembres com desgosto
Daquelas brancas noites de mistério,
Em que a Lua sorria no teu rosto
E nas lajes campais do cemitério.

Talvez j√° se apagassem as miragens
Do tempo em que eu vivia nos teus seios,
Quando as aves cantando entre as ramagens
O teu nome diziam nos gorjeios.

Quando, à brisa outoniça, como um manto,
Os teus cabelos de √Ęmbar, desmanchados,
Se prendiam nas folhas dum acanto,

Continue lendo…

A Idade do Divórcio

Devia haver uma idade para o div√≥rcio como h√° para o casamento. As desilus√Ķes dom√©sticas t√™m o seu tempo para se transformarem em cicatrizes que v√£o desaparecendo com o passar dos anos. Por isso √© que nos velhos casais h√° uma recorda√ß√£o da vida em comum que se assemelha √† santidade. Contam perip√©cias leves e d√£o ao passado um colorido quase caricato pela for√ßa do distanciamento em que se encontram. A verdade √© que sofreram os mesmos desenganos e turbul√™ncias que os jovens arrumam e p√Ķem de lado sem dar tempo a transformarem-nos em recalques.