Cita√ß√Ķes sobre Pesquisa

28 resultados
Frases sobre pesquisa, poemas sobre pesquisa e outras cita√ß√Ķes sobre pesquisa para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

O Amor é o Homem Inacabado

Todas as √°rvores com todos os ramos com todas
[as folhas
A erva na base dos rochedos e as casas
[amontoadas
Ao longe o mar que os teus olhos banham
Estas imagens de um dia e outro dia
Os vícios as virtudes tão imperfeitos
A transparência dos transeuntes nas ruas do acaso
E as mulheres exaladas pelas tuas pesquisas
[obstinadas
As tuas ideias fixas no coração de chumbo nos
[l√°bios virgens
Os vícios as virtudes tão imperfeitos
A semelhança dos olhares consentidos com os
[olhares conquistados
A confus√£o dos corpos das fadigas dos ardores
A imitação das palavras das atitudes das ideias
Os vícios as virtudes tão imperfeitos

O amor é o homem inacabado.

Tradução de António Ramos Rosa

A Jo√£o De Deus

Se é lei, que rege o escuro pensamento,
Ser v√£ toda a pesquisa da verdade,
Em vez da luz achar a escuridade,
Ser uma queda nova cada invento;

√Č lei tamb√©m, embora cru tormento,
Buscar, sempre buscar a claridade,
E só ter como certa realidade
O que nos mostra claro o entendimento.

O que h√° de a alma escolher, em tanto engano?
Se uma hora crê de fé, logo duvida;
Se procura, s√≥ acha… o desatino!

Só Deus pode acudir em tanto dano:
Esperemos a luz duma outra vida,
Seja a terra degrêdo, o céu destino.

Uma Nação Sem Ideal Desaparece Rapidamente da História

Qualquer que seja a ra√ßa ou o tempo considerado, o objectivo constante da atividade humana foi sempre a pesquisa da felicidade, a qual consiste, em √ļltima an√°lise, ainda o repito, em procurar o prazer e evitar a dor. Sobre essa concep√ß√£o fundamental os homens estiveram constantemente de acordo; as suas diverg√™ncias aplicam-se somente √† id√©ia que se concebe da felicidade e aos meios de a conquistar.
As suas formas s√£o diversas, mas o termo que se tem em mira √© id√™ntico. Sonhos de amor, de riqueza, de ambi√ß√£o ou de f√© s√£o os possantes factores de ilus√Ķes que a natureza emprega para conduzir-nos aos seus fins. Realiza√ß√£o de um desejo presente ou simples esperan√ßa, a felicidade √© sempre um fen√≥meno subjectivo. Desde que os contornos do sonho se implantam um pouco no esp√≠rito, com ardor n√≥s tentamos obt√™-lo.
Mudar a concepção da felicidade de um indivíduo ou de um povo, isto é, o seu ideal, é mudar, ao mesmo tempo, a sua concepção da vida e, por conseguinte, o seu destino. A história não é mais do que a narração dos esforços empregues pelo homem para edificar um ideal e destruí-lo em seguida, quando, tendo-o atingido, descobre a sua fragilidade.

Continue lendo…

Só vale a pena discutir com as pessoas com as quais já estamos de acordo quanto aos pontos fundamentais; só aí se mantém, na pesquisa, a fraternidade essencial; tudo o resto é concorrência, batalha, luta pelo triunfo; não menos reais por serem disfarçados.

Tu Dás-me Objectivos, Direcção e Felicidade

Eu estava √† procura na ci√™ncia da satisfa√ß√£o que o esfor√ßo da pesquisa e o momento da descoberta oferecem; eu nunca fui daquelas pessoas que n√£o aguentam o pensamento de terem desperdi√ßado a sua vida antes de terem conseguido escrever o seu nome na rocha pelo meio das ondas. Mas quando penso como √© que eu seria se n√£o te tivesse encontrado ‚Äď sem ambi√ß√£o, sem saber desfrutar os pequenos prazeres da vida, sem qualquer fasc√≠nio pela magia do ouro, e ao mesmo tempo dotado de uma intelig√™ncia moderada e sem quaisquer meios materiais ‚Äď iria sentir-me muito miser√°vel e entraria em decl√≠nio. Tu d√°s-me n√£o apenas objectivos e direc√ß√£o, mas tamb√©m tanta felicidade, que nunca poderia sentir-me insatisfeito com o presente infortunado que vivo neste momento; tu d√°s-me esperan√ßa e a certeza do sucesso. Eu sabia-o mesmo antes de tu me amares e sei-o agora que tu me amas, e √© gra√ßas a ti que me tornei um homem auto-confiante e corajoso.

Clandestinidade

Secreto me acho
e secreto me sentes
quando
secreto me julgas,
Impuro me reconheço
quando
o nosso silêncio
s√£o vozes turbas.
D√ļbio √© o desejo
quando
não é transparente
a √°gua em que se deita
precavidamente.
Clandestinos somos
quando
o que somos
teme a face que pesquisa.
Os olhos s√£o claros
quando
a superfície do espelho
é lisa.

Inteligência e Intuição

O instinto √© simpatia. Se esta simpatia pudesse alargar o seu objecto e tamb√©m reflectir sobre si mesma, dar-nos-ia a chave das opera√ß√Ķes vitais – do mesmo modo que a intelig√™ncia, desenvolvida e reeducada, nos introduz na mat√©ria. Porque, n√£o √© de mais repeti-lo, a intelig√™ncia e o instinto est√£o orientados em dois sentidos opostos: aquela para a mat√©ria inerte, este para a vida. A intelig√™ncia, por meio da ci√™ncia, que √© obra sua, desvendar-nos-√° cada vez mais completamente o segredo das opera√ß√Ķes f√≠sicas; da vida apenas nos d√°, e n√£o pretende ali√°s dar-nos outra coisa, uma tradu√ß√£o em termos de in√©rcia. Gira em derredor, obtendo de fora o maior n√ļmero de vis√Ķes do objecto que chama at√© si, em vez de entrar nele. Mas √© ao interior mesmo da vida que nos conduzir√° a intui√ß√£o, quero dizer o instinto tornado desinteressado, consciente de si mesmo, capaz de reflectir sobre o seu objecto e de o alargar indefinidamente.
Que um esforço deste género não é impossível, é o que demonstra já a existência no homem de uma faculdade estética ao lado da percepção normal. O nosso olhar apercebe os traços do ser vivo, mas justapostos uns aos outros, e não organizados entre si.

Continue lendo…

O Poeta Descreve O Que Era Naquele Tempo A Cidade Da Bahia.

A cada canto um grande conselheiro,
Que nos quer governar cabana e vinha;
N√£o sabem governar sua cozinha,
E podem governar o mundo inteiro.

Em cada porta um bem freq√ľentado olheiro,
Que a vida do vizinho e da vizinha
Pesquisa, escuta, espreita e esquadrinha,
Para o levar à praça e ao terreiro.

Muitos mulatos desavergonhados,
Trazidos sob os pés os homens nobres,
Posta nas palmas toda a picardia,

Estupendas usuras nos mercados,
Todos os que n√£o furtam muito pobres:
E eis aqui a cidade da Bahia.

A Génese de um Poema

A maior parte dos escritores, sobretudo os poetas, preferem deixar supor que comp√Ķem numa esp√©cie de espl√™ndido frenesim, de ext√°tica intui√ß√£o; literalmente, gelar-se-iam de terror √† ideia de permitir ao p√ļblico que desse uma espreitadela por detr√°s da cena para ver os laboriosos e incertos partos do pensamento, os verdadeiros planos compreendidos s√≥ no √ļltimo minuto, os in√ļmeros balbucios de ideias que n√£o alcan√ßaram a maturidade da plena luz, as imagina√ß√Ķes plenamente amadurecidas e, no entanto, rejeitadas pelo desespero de as levar a cabo, as op√ß√Ķes e as rejei√ß√Ķes longamente ponderadas, as t√£o dif√≠ceis emendas e acrescentas, numa palavra, as rodas e as empenas, as m√°quinas para mudan√ßa de cen√°rio, as escadas e os al√ßap√Ķes, o vermelh√£o e os posti√ßos que em 99% dos casos constituem os acess√≥rios do histri√£o liter√°rio.
(…) No que a mim diz respeito, n√£o compartilho da repugn√Ęncia de que falei e nunca senti a m√≠nima dificuldade em rememorar a marcha progressiva de todas as minhas obras. Escolho O Corvo por ser a mais conhecida. Proponho-me demonstrar claramente que nenhum pormenor da sua composi√ß√£o se pode explicar pelo acaso ou pela intui√ß√£o, que a obra se desenvolveu, a par e passo, at√© √† sua conclus√£o com a precis√£o e o rigor l√≥gico de um problema matem√°tico.

Continue lendo…

Se você rouba idéias de um autor, é plágio. Se você rouba de muitos autores, é pesquisa.

Nenhuma pesquisa de biblioteca pode substituir os dados de primeira m√£o, obtidos numa conversa cara a cara.

Sofro se isso acontecer, que algu√©m leia meus livros apenas no m√©todo do vira-depressa-a-p√°gina din√Ęmico. Escrevi-os com amor, aten√ß√£o, dor e pesquisa, e queria de volta como m√≠nimo uma aten√ß√£o completa. (…) E no entanto o c√≥mico √© que eu n√£o tenho mais paci√™ncia de ler fic√ß√£o.

Homens Exageradamente Subtis

Os homens exageradamente subtis raro s√£o grandes homens, e as suas pesquisas s√£o, na maior parte dos casos, t√£o in√ļteis como requintadas. Afastam-se cada vez mais da vida pr√°tica, de que se deveriam aproximar. Assim como os mestres de dan√ßa ou de esgrima n√£o come√ßam por ensinar a anatomia dos bra√ßos e das pernas, tamb√©m uma filosofia s√£ e utiliz√°vel deve partir de muito mais alto do que todas as suas especula√ß√Ķes. ¬ęDeve p√īr-se o p√© assim para se n√£o cair¬Ľ e ¬ę√© necess√°rio acreditar nisto pois seria absurdo n√£o acreditar¬Ľ, constituem bases muito boas.
As pessoas que quiserem ir mais longe podem fazê-lo, mas sem pensarem que fazem algo de grande, porque se tudo resultar, nada mais encontrarão, no fim de contas, do que aquilo que o homem razoável sabia há muito.
O homem que faz uma nova demonstração do décimo segundo teorema de Euclides merece ser chamado engenhoso, mas nem por isso contribuirá mais para o alargamento das fronteiras da ciência do que se não tivesse feito tal invenção. Mas nunca, por certo, chegareis a convencer o céptico, porque que argumento deste mundo será capaz de convencer um homem capaz de acreditar em absurdidades? E alguém que quer ser convencido merecerá ser refutado?

Continue lendo…

A História é Sempre Fabricada

A história não está ligada ao homem, nem a qualquer objecto em particular. Consiste inteiramente no seu método; a experiência comprova que ele é indispensável para inventariar a integralidade dos elementos de uma estrutura qualquer, humana ou não humana. Longe portanto de a pesquisa da inteligibilidade resultar na história como o seu ponto de chegada, é a história que serve de ponto de partida para toda a busca de inteligibilidade. Assim como se diz de certas carreiras, a história leva a tudo, mas contanto que se saia dela.

Lapsos com Sentido

A deforma√ß√£o que constitui um lapso tem um sentido. O que compreendemos por estas palavras: tem um sentido? Que o efeito do lapso talvez tenha o direito de ser considerado como um acto ps√≠quico completo com objectivo pr√≥prio, como uma manifesta√ß√£o que tem o seu conte√ļdo e significado pr√≥prios.
(…) Quando falamos do sentido de um processo ps√≠quico, esse sentido n√£o √© para n√≥s nada al√©m da inten√ß√£o √† qual serve e do lugar que ocupa na s√©rie ps√≠quica. Poder√≠amos at√©, na maioria das nossas pesquisas, subsitutir o termo sentido pelos termos inten√ß√£o ou tend√™ncia.

Livros Antigos Portugueses

Quisemos mostrar, ou antes tornar conhecidos, os nossos livros. 0 nosso intuito √© simples; tentando dar vida a esses livros, procuramos deixar ver a obra Portuguesa, especialmente nos s√©culos xv e xvi, atrav√©s dos ¬ęliuros de forma¬Ľ que foram impressos em Portugal, acompanhando-os de alguns ¬ęde penna¬Ľ, e de outros escritos em linguagem, mas publicados fora do pa√≠s. Os livros s√£o amigos silenciosos e fi√©is junto dos quais se aprende a li√ß√£o da vida. S√£o o ensinamento, e em muitos casos a prova, da √©poca que se deseja descrever; aqueles que s√£o coevos desses tempos, podemos, certamente, consider√°-los como a melhor documenta√ß√£o ‚ÄĒ exceptuando os manuscritos originais ‚ÄĒ para essas pesquisas. A meta do nosso esfor√ßo √© erguer bem alto o nome do nosso pa√≠s, demonstrar os feitos dos Portugueses e, servindo a nossa P√°tria, ¬ęlevantar a bandeira dos triunfos dela¬Ľ. √Č um trabalho sem pretens√Ķes, que nada vem dizer de novo, e que nada julga ensinar, mas que, esperamos, provar√° o nosso amor pela P√°tria querida. E se alcan√ßarmos esse fim ambicionado, teremos a consola√ß√£o suprema de um dever cumprido.

. Manuel II, ¬ęLivros Antigos Portugueses 1489-1600¬Ľ’