Cita√ß√Ķes sobre Celebridades

29 resultados
Frases sobre celebridades, poemas sobre celebridades e outras cita√ß√Ķes sobre celebridades para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Os Feitos Simples s√£o os Mais Elogiados e Lembrados

Duas pátrias produziram dois heróis: de Tebas saiu Hércules; de Roma saiu Catão. Foi Hércules aplauso da orbe, foi Catão enfado de Roma. A um admiraram todos, ao outro esquivaram-se os romanos. Não admite controvérsia a vantagem que levou Catão a Hércules, pois o excedeu em prudência; mas ganhou Hércules a Catão em fama. Mais de árduo e primoroso teve o assunto de Catão, pois se empenhou em sujeitar os monstros dos costumes, e Hércules os da natureza; mas teve mais de famoso o do tebano. A diferença consistiu em que Hércules empreendeu façanhas plausíveis e Catão odiosas. A plausibilidade do cargo levou a glória de Alcides (nome anterior de Hércules) aos confins do mundo, e passará ainda além deles caso se alarguem. O desaprezível do cargo circunscreveu Catão ao interior das muralhas de Roma.
Com tudo isto, preferem alguns, e não os menos judiciosos, o assunto primoroso ao mais plausível, e pode mais com eles a admiração de poucos que o aplauso de muitos, sendo vulgares. Os milagres de ignorantes apelam aos empenhos plausíveis. O árduo, o primoroso de um superior assunto poucos o percebem, embora eminentes, sendo assim raros os que nele acreditam. A facilidade do plausível permite-se a todos,

Continue lendo…

N√£o h√° nada t√£o ilus√≥rio como a extens√£o de uma celebridade; parece √†s vezes que uma reputa√ß√£o chega at√© aos confins de um reino – quando na realidade ela escassamente passa das √ļltimas casas de um bairro.

Ser uma celebridade é ridículo, mas é uma moeda que eu quero usar bem.

A Vida Vazia da Cidade

Instal√°mo-nos, portanto, na cidade. A√≠ toda a vida √© suport√°vel para as pessoas infelizes. Um homem pode viver cem anos na cidade, sem dar por que morreu e apodreceu h√° muito. Falta tempo para o exame de consci√™ncia. As ocupa√ß√Ķes, os neg√≥cios, os contactos sociais, a sa√ļde, as doen√ßas e a educa√ß√£o das crian√ßas preenchem-nos o tempo. T√£o depressa se tem de receber visitas e retribu√≠-las, como se tem de ir a um espect√°culo, a uma exposi√ß√£o ou a uma confer√™ncia.
De facto, na cidade aparece a todo o momento uma celebridade, duas ou três ao mesmo tempo que não se pode deixar de perder. Tão depressa se tem de seguir um regime, tratar disto ou daquilo, como se tem de falar com os professores, os explicadores, as governantas. A vida torna-se assim completamente vazia.

A Celebridade é um Plebeísmo

Às vezes, quando penso nos homens célebres, sinto por eles toda a tristeza da celebridade.
A celebridade √© um plebe√≠smo. Por isso deve ferir uma alma delicada. √Č um plebe√≠smo porque estar em evid√™ncia, ser olhado por todos inflige a uma criatura delicada uma sensa√ß√£o de parentesco exterior com as criaturas que armam esc√Ęndalo nas ruas, que gesticulam e falam alto nas pra√ßas. O homem que se torna c√©lebre fica sem vida √≠ntima: tornam-se de vidro as paredes da sua vida dom√©stica; √© sempre como se fosse excessivo o seu traje; e aquelas suas m√≠nimas ac√ß√Ķes – ridiculamente humanas √†s vezes – que ele quereria invis√≠veis, coa-as a lente da celebridade para espectaculosas pequenezes, com cuja evid√™ncia a sua alma se estraga ou se enfastia. √Č preciso ser muito grosseiro para se poder ser c√©lebre √† vontade.
Depois, al√©m dum plebe√≠smo, a celebridade √© uma contradi√ß√£o. Parecendo que d√° valor e for√ßa √†s criaturas, apenas as desvaloriza e as enfraquece. Um homem de g√©nio desconhecido pode gozar a vol√ļpia suave do contraste entre a sua obscuridade e o seu g√©nio; e pode, pensando que seria c√©lebre se quisesse, medir o seu valor com a sua melhor medida, que √© ele pr√≥prio.

Continue lendo…

Génio, Talento e Celebridade

Pode-se supor que a presen√ßa no mesmo homem de mais de um elemento intelectual facilitaria a sua imediata celebridade. At√© certo limite √© assim, mas o √© at√© um limite menor do que se poderia conjecturar na ociosidade da hip√≥tese. Um homem dotado ao mesmo tempo de grande g√©nio e de grande intelig√™ncia (como Shakespeare), ou de grande g√©nio e grande talento (como Milton), n√£o acumula na sua √©poca ou na seguinte os resultados do g√©nio e os resultados de outra qualidade. √Č que estes diferentes elementos intelectuais est√£o misturados por coexistirem no homem, e derrama-se na subst√Ęncia da intelig√™ncia ou do talento o sagrado veneno do g√©nio; a bebida √© amarga, embora retenha algo do seu gosto comum. Os antigos misturavam mel com vinho e achavam isso gostoso; mas o n√©ctar n√£o pode fazer qualquer vinho gostoso ao paladar da gente comum.
Um homem que pudesse ter em si pr√≥prio, em certo grau, g√©nio, talento e intelig√™ncia, estaria preparado para produzir impacto no seu tempo pela sua intelig√™ncia, na sua √©poca pelo seu talento e na generalidade dos futuros tempos e √©pocas pelo seu g√©nio. Mas como o seu g√©nio afectaria o seu talento e o seu talento e o seu g√©nio a sua intelig√™ncia –

Continue lendo…

Uma geração transmite suas celebridades à geração seguinte, que não tem espaço para recebê-las, pois está preparando as suas próprias.

As Nossas Dependências

Coisas h√° que dependem de n√≥s – e outras h√° que de n√≥s n√£o dependem. O que depende de n√≥s s√£o os nossos ju√≠zos, as nossas tend√™ncias, os nossos desejos, as nossas avers√Ķes: numa palavra, todos os actos e obras do nosso foro √≠ntimo. O que de n√≥s n√£o depende √© o nosso corpo, a riqueza, a celebridade, o poder; enfim, todas as obras e actos que de maneira nenhuma nos constituem.
As coisas que dependem de nós são por natureza livres, sem impedimento, isentas de obstáculos; e as que de nós não dependem são inconsistentes, servis, susceptíveis de impedimento, estranhas.
Tem em mente, portanto, o seguinte: se avalias livre o que por natureza é servil, e julgas decente para ti o que te é estranho, sentir-te-ás embaraçado, aflito, inquieto Рe em breve culparás os Deuses e os homens. Mas se crês teu o que unicamente é teu, e por estranho o que efectivamente estranho te é, então niguém te poderá constranger, nem tão pouco causar embaraços; não atacarás ninguém, a ninguém acusarás, nada farás contra a tua vontade; prejudicar-te, ninguém te prejudicará; e não terás um só inimigo Рe prova disso é sobre ti a ausência de qualquer dano.

Continue lendo…

A Glória Mais Genuína

A glória mais genuína, a póstera, nunca é ouvida por quem é seu objecto e, no entanto, ele é tido por feliz. Assim, a sua felicidade consistiu propriamente nas grandes qualidades que lhe conferiram a sua glória e no facto de que encontrou oportunidade para desenvolvê-las; logo, foi-lhe permitido agir como era adequado, ou praticar aquilo que praticava com prazer e amor. Pois só as obras assim nascidas alcançam glória póstera. A sua felicidade consistiu, pois, no grande coração, ou também na riqueza de um espírito cuja estampa, nas suas obras, recebe a admiração dos séculos vindouros. Tal felicidade consistiu nos seus próprios pensamentos, cuja meditação será a ocupação e o gozo dos espíritos mais nobres de um imenso futuro. O valor da glória póstera reside, portanto, em merecê-la, e isso é a sua recompensa verdadeira.
Se chegou a haver obras que adquiriram gl√≥ria na posteridade e que tamb√©m a obtiveram entre os seus contempr√Ęneos, tratam-se de circunst√Ęncias fortuitas, sem grande import√Ęncia. Pois, como os homens, via de regra, s√£o privados de ju√≠zo pr√≥prio e, sobretudo, n√£o t√™m capacidade alguma para apreciar as realiza√ß√Ķes elevadas e dif√≠ceis, acabam sempre por seguir nesse dom√≠nio a autoridade alheia, e a gl√≥ria de g√©nero superior,

Continue lendo…

A Leitura é a Maior das Amizades

A amizade, a amizade que diz respeito aos indiv√≠duos, √© sem d√ļvida uma coisa fr√≠vola, e a leitura √© uma amizade. Mas pelo menos √© uma amizade sincera, e o facto de ela se dirigir a um morto, a uma pessoa ausente, confere-lhe algo de desinteressado, de quase tocante. E al√©m disso uma amizade liberta de tudo quanto constitui a fealdade dos outros. Como n√£o passamos todos, n√≥s os vivos, de mortos que ainda n√£o entraram em fun√ß√Ķes, todas essas delicadezas, todos esses cumprimentos no vest√≠bulo a que chamamos defer√™ncia, gratid√£o, dedica√ß√£o e a que misturamos tantas mentiras, s√£o est√©reis e cansativas. Al√©m disso, ‚ÄĒ desde as primeiras rela√ß√Ķes de simpatia, de admira√ß√£o, de reconhecimento, as primeiras palavras que escrevemos, tecem √† nossa volta os primeiros fios de uma teia de h√°bitos, de uma verdadeira maneira de ser, da qual j√° n√£o conseguimos desembara√ßar-nos nas amizades seguintes; sem contar que durante esse tempo as palavras excessivas que pronunci√°mos ficam como letras de c√Ęmbio que temos que pagar, ou que pagaremos mais caro ainda toda a nossa vida com os remorsos de as termos deixado protestar. Na leitura, a amizade √© subitamente reduzida √† sua primeira pureza.
Com os livros,

Continue lendo…

A glória pela glória é uma especulação reles. Os homens felizes pela sua celebridade são ingénuos; os homens soberbos pelo seu génio são tolos.

Sou uma pessoa esquisita. N√£o gosto de ficar com celebridades e n√£o me encaixo nesse mundo.