Passagens sobre Entrega

97 resultados
Frases sobre entrega, poemas sobre entrega e outras passagens sobre entrega para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Unicidade e Sacralidade da Vida

Experimentai a felicidade da dedica√ß√£o e entrega, a felicidade da mod√©stia e simplicidade e a felicidade da coopera√ß√£o e solicitude! Nenhum outro caminho vos conduz t√£o r√°pida e t√£o seguramente no sentido do conhecimento da unicidade e sacralidade da vida! Nenhum outro caminho t√£o-pouco vos conduz com tanta certeza ao objectivo da arte de viver, √† alegre supera√ß√£o do ego√≠smo – jamais atrav√©s da ren√ļncia da personalidade, mas mediante o seu mais elevado desenvolvimento.

O homem não se entrega aos anjos, nem se rende inteiramente à morte, senão pela fraqueza de sua débil vontade.

O Dom de Deixar Ir

√Č preciso aprender a viver. A qualidade da nossa exist√™ncia depende de um equil√≠brio fundamental na nossa rela√ß√£o com o mundo: apego e desapego. Nesta vida, a pondera√ß√£o, a propor√ß√£o e a subtileza s√£o sempre melhores que qualquer arrebatamento. Mas o essencial √© aprender que a exist√™ncia √© feita de d√°divas e perdas.

Eis porque quem reza deve pedir e agradecer: tudo √©, na verdade, um dom. Tudo passa… importa pois prepararmo-nos para a perda, ainda que tantas vezes n√£o seja sen√£o tempor√°ria… Alegrias e dores. S√≥ h√° felicidade num cora√ß√£o onde habita a sabedoria e paci√™ncia dos tempos e dos momentos, a paz de quem sabe que s√£o muitos os porqu√™s e para qu√™s que ultrapassam a capacidade humana de compreender.

Na vida, tudo se recebe e tudo se perde.
Amar é um apego natural mas também obriga a que deixemos o outro ser quem é, abrindo mão e permitindo-lhe que parta, ou que fique, sem desejar outra coisa senão que seja radicalmente livre. Aprendendo que há muito mais valor no ato de quem decide ficar do que naquele de quem só está por não poder partir.

Nada verdadeiramente nos pertence. O sublime do amor está aí,

Continue lendo…

Pesada Noite

A noite cai de bruços,
cai com o peso fundo do cansaço,
cai como pedra, como braço,
cai como um século de cera,
aos tombos, aos soluços,
entre a maçã maciça e a perene pêra,
entre a tarde e o crep√ļsculo,
dilatação da madrugada, elástica,
cai, de borracha,
imita√ß√£o de m√ļsculo,
cai, parecendo que se agacha
na sombra, e feminina, e √°gil
salta, com molas de gin√°stica
nos pés, o abismo
do press√°gio,
a noite, essa mandíbula do trismo,
tétano e espasmo,
ao mesmo tempo, a noite
amorosa, à espreita do orgasmo,
ferina, mas também açoite,
contraditória
como existir esquecimento
no íntimo do homem,
na intimidade viva da memória,
reminiscências que o consomem
fugindo com o vento,
a noite, a noite acata
tudo que ocorre,
tanto aquele que mata
quanto aquele que morre,
a noite, a sensação e aguda
de um sono
fechando os olhos, invencível
como fera que estuda
a vítima, abandono
completo, fuga, salto
nas garras do impossível,
a noite pétrea do basalto,

Continue lendo…

Corpo de Mulher…

Corpo de mulher, brancas colinas, coxas
[brancas,
pareces-te com o mundo na tua atitude de
[entrega.
O meu corpo de lavrador selvagem escava em ti
e faz saltar o filho do mais fundo da terra.

Fui s√≥ como um t√ļnel. De mim fugiam os
[p√°ssaros,
e em mim a noite forçava a sua invasão
[poderosa.
Para sobreviver forjei-te como uma arma,
como uma flecha no meu arco, como uma pedra
na minha funda.

Mas desce a hora da vingança, e eu amo-te.
Corpo de pele, de musgo, de leite √°vido e firme.
Ah os copos do peito! Ah os olhos de ausência!
Ah as rosas do p√ļbis! Ah a tua voz lenta e
[triste!

Corpo de mulher minha, persistirei na tua graça.
Minha sede, minha √Ęnsia sem limite, meu
[caminho indeciso!
Escuros regos onde a sede eterna continua,
e a fadiga continua, e a dor infinita.

Os Tent√°culos da Escrita

Os tent√°culos da escrita. A escrita √© um polvo, um molusco vers√°til. Tem infinitos recursos. Escapa sempre. Abstractiza-se. Disfar√ßa-se, adensa-se, adelga√ßa-se, esconde-se. Impele-se r√°pida. Compreende tudo: ascese, consolo √≠ntimo, entrega; fluxos, refluxos, invas√Ķes, esvaziamentos, obstina√ß√£o feroz. O seu rigor √© m√≠stico. √Č uma infinita demanda. Perscruta o inaudito. Sideral Alice atravessa todas as portas, todos os espelhos. Cruza, descobre, inventa universos. A escrita √© um fragmento do espanto, j√° algu√©m o disse.

Quem ama venceu o mundo o mundo, n√£o tem medo de perder nada. O verdadeiro amor √© um ato de entrega total…

Sempre a Amante Ultrapassa o Amado

O destino gosta de inventar desenhos e figuras. A sua dificuldade reside no que é complicado. A própria vida, porém, tem a dificuldade da simplicidade. Só tem algumas coisas de uma dimensão que nos excede. O santo, declinando o destino, escolhe estas coisas por amor a Deus. Mas que a mulher, segundo a sua natureza, tenha de fazer a mesma escolha em relação ao homem, isso evoca a fatalidade de todos os laços de amor: decidida e sem destino, como um ser eterno, fica ao lado dele, que se transformará. Sempre a amante ultrapassa o amado, porque a vida é maior do que o destino. A sua entrega quer ser sem medida: esta é a sua felicidade. A dor inominada do seu amor, porém, foi sempre esta: exigirem-lhe que limitasse essa entrega.

O Amor n√£o Acontece. Decide-se.

H√° quem julgue que o amor √© alheio √† vontade humana, algo superior que elege, embala e conduz‚Ķ e que quase nada se pode fazer perante tamanha for√ßa. Isso √© uma mera paix√£o no seu sentido menos nobre. E, nesse caso, sim, o amor acontece… Ao contr√°rio, amar √© estar acima das paix√Ķes e dos apetites. Mesmo quando o amor nasce de uma espontaneidade, resulta de um claro discernimento.

O amor decorre de uma decisão. De um compromisso. Constrói-se de forma consciente. Através do heroísmo de alguém livre que decide ser o que poucos ousam. Escolhe para fim de si mesmo ser o meio para a felicidade daquele a quem ama. Sim, decide-se amar e, sim, decide-se a quem amar.

O amor aut√™ntico √© raro e extraordin√°rio, embora o seu nome sirva para quase tudo… a maior parte das vezes designa ego√≠smos entrela√ßados, cada vez mais comuns. S√£o poucos os que se aventuram, os que arriscam tudo, os que se disp√Ķem a amar mesmo quando sabem que poucos sequer perceber√£o o que fazem, o seu porqu√™ e o para qu√™.
O amor n√£o sup√Ķe reciprocidade. Amar √© dar-se por completo e aceitar tudo… n√£o se contabilizam ganhos e perdas,

Continue lendo…

Uma pessoa que não se ama dá um trabalho do caraças. Não se entrega, sente pela metade, duvida, cobra, culpa, desconfia e ainda se vitima. Repito, alguém no seu perfeito juízo escolhe esse padrão de pessoa para se relacionar?

Com a Fortuna n√£o Perde o Ser de Besta

Na carreira veloz, a deusa cega
Lança às vezes a mão a um feio mono
E o sobe, num instante, a um coche, a um trono,
Onde a Virtude com trabalho chega.

Porém se, louca, num jumento pega,
Por mais que o erga n√£o lhe d√° abono:
Bem se vê que foi sonho de seu sono,
Quando a vara ou bast√£o ela lhe entrega.

Pouco importa adornar asno casmurro
Com jaezes reais, mantas de festa,
Se a conhecer se d√° no rouco zurro.

Quem, no berço, por vil se manifesta,
Quem nele baixo foi, quem nace burro,
Co’a Fortuna n√£o perde o ser de besta.

Primeiro amor não é nada, surgem, entrega e união com outra pessoa, significa (para o que seria uma união de esclarecidos e inacabados, ainda não ordenada?), é um grande incentivo para o indivíduo amadurecer.

A paix√£o √© feita de carradas de infelicidade e outras carradas de felicidade. (…) Vale a pena, vale sempre a pena, se n√£o houver paix√£o, amor, eu insisto em chamar amor, se n√£o houver paix√£o, nunca se sabe o que √© viver, o que √© a entrega, uma lucidez que d√° alegria, uma lucidez que s√≥ se tem nessas alturas, depois passa, lucidez e entusiasmo.

Uma Palavra, Um Gesto

N√£o quiseste, – ou quem sabe? … vacilaste na hora
em que esperei de ti uma palavra, um gesto…
– bastaria um olhar quando me fui embora,
um olhar… e eu feliz entenderia o resto…

Mas, n√£o. Nem um olhar, num um vago protesto,
em um tremor na voz de quem sofre e n√£o chora…
Ah! teria bastado uma palavra, um gesto,
para tudo, afinal, ser diferente agora…

Parti! levou-me a vida, ao l√©u, e redemoinho…
Hoje, volto, – e tu me olhas a falar de amor
e me entregas as m√£os num gesto de carinho…

E evito teu olhar… E n√£o me manifesto…
– √Č que, j√° n√£o te posso dar, seja o que for,
nem mesmo uma palavra de esperan√ßa, um gesto…

O Saber Oral

O novo saber que o g√©nero humano vai adquirindo n√£o compensa o saber que se propaga apenas pela transmiss√£o oral directa, o qual, uma vez perdido, nunca mais se pode readquirir e retransmitir: nenhum livro pode ensinar aquilo que apenas se pode aprender na inf√Ęncia, se se entrega o ouvido e o olho atentos ao canto e ao voo dos p√°ssaros e se se encontra ent√£o algu√©m que pontualmente lhes saiba dar um nome.