Citação de

Toda a Ideia Geral é Puramente Intelectual

As ideias gerais s√≥ se podem introduzir na esp√©cie com o aux√≠lio das palavras, e o entendimento n√£o as apreende sen√£o por meio das proposi√ß√Ķes. √Č uma das raz√Ķes por que os animais n√£o poderiam formar tais ideias, nem jamais adquirir a perfectibilidade que delas depende. Quando um macaco vai, sem hesitar, de uma noz a outra, julga-se que tenha a ideia geral dessa esp√©cie de fruta e que compare o seu arqu√©tipo a esses dois indiv√≠duos? N√£o, sem d√ļvida; mas, a vista de uma dessas nozes lembra √† sua mem√≥ria as sensa√ß√Ķes que recebeu da outra, e os seus olhos, modificados de certa maneira, anunciam ao seu gosto a modifica√ß√£o que vai receber. Toda a ideia geral √© puramente intelectual; por pouco que a imagina√ß√£o tome parte nela, a ideia torna-se, logo, particular.
Procurai tra√ßar a imagem de uma √°rvore em geral, e jamais o conseguireis; contra a vossa vontade, √© preciso v√™-la grande ou pequena, desgalhada ou em copa, clara ou escura; e, se dependesse de v√≥s n√£o ver sen√£o o que se acha em toda a √°rvore, essa imagem n√£o se pareceria mais com uma √°rvore. Os seres puramente abstractos v√™em-se do mesmo modo, ou n√£o se concebem sen√£o por meio do discurso. S√≥ a defini√ß√£o do tri√Ęngulo vos d√° a verdadeira ideia: logo que o figurais no vosso esp√≠rito, √© um certo tri√Ęngulo e n√£o outro, e n√£o podeis deixar de tornar as suas linhas sens√≠veis ou o plano colorido. √Č preciso, pois, enunciar proposi√ß√Ķes, √© preciso falar para ter ideias gerais: porque, logo que a imagina√ß√£o p√°ra, o esp√≠rito s√≥ marcha com o aux√≠lio do discurso.