Passagens sobre Imagem

488 resultados
Frases sobre imagem, poemas sobre imagem e outras passagens sobre imagem para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Devemos fazer distin√ß√£o entre imagem ilus√≥ria e natureza verdadeira; quando negamos terminantemente a imagem ilus√≥ria e afirmamos categoricamente a natureza verdadeira plena de harmonia, o aspecto imperfeito reconhecido pelos cinco sentidos desaparece por completo e manifesta-se o ‚ÄėEu verdadeiro‚Äô perfeito, harmonioso e absolutamente livre.

Na Desesperação Já Repousava

Na desesperação já repousava
o peito longamente magoado,
e, com seu dano eterno concertado,
j√° n√£o temia, j√° n√£o desejava;

quando √ľa sombra v√£ me assegurava
que algum bem me podia estar guardado
em t√£o fermosa imagem que o treslado
n’alma ficou, que nela se enlevava.

Que crédito que dá tão facilmente
o coração áquilo que deseja,
quando lhe esquece o fero seu destino!

Oh! deixem-me enganar, que eu sou
contente; que, posto que maior meu dano seja,
fica-me a glória já do que imagino.

Todos os males s√£o produtos do mundo das ilus√Ķes. Logo, enquanto a pessoa estiver seguindo a vontade de Deus, vivificando o Amor e a Sabedoria da Imagem Verdadeira, ser√° imposs√≠vel sobreviver-lhe algum mal.

Se pisares acidentalmente num peda√ßo de corda e julgares tratar-se de uma serpente, ficar√°s t√£o assustado com teu pr√≥prio equ√≠voco, que at√© poder√°s adoecer. No entanto, a corda continua sendo corda mesmo que tenhas pensado ser uma serpente. Assim tamb√©m √© a Imagem Verdadeira do homem. Mesmo que a pessoa adoe√ßa por ter uma vis√£o err√īnea de sua Imagem Verdadeira, esta continua perfeita, isenta de envelhecimento, doen√ßa e morte.

A Obra Nunca Está Concluída

Considera-se, muitas vezes, a obra de um criador como uma sequ√™ncia de testemunhos isolados. Confunde-se ent√£o artista e literato. Um pensamento profundo est√° em perp√©tua forma√ß√£o, esgota a experi√™ncia de uma vida e nela se modela. Do mesmo modo, a cria√ß√£o √ļnica de um homem fortifica-se nos seus rostos sucessivos e m√ļltiplos, que s√£o as obras. Umas completam as outras, corrigem-as ou alcan√ßam-as, contradizem-as tamb√©m. Se alguma coisa termina a cria√ß√£o, n√£o √© o grito vitorioso e ilus√≥rio do artista, ofuscado: ¬ęDisse tudo¬Ľ, mas a morte do criador que fecha a sua experi√™ncia e o livro do seu g√©nio.
Esse esfor√ßo, esta consci√™ncia sobre-humana, n√£o aparece for√ßosamente ao leitor. N√£o h√° mist√©rio na cria√ß√£o humana. √Č a vontade que faz esse milagre. Em todo o caso, n√£o h√° verdadeira cria√ß√£o sem segredo. Sem d√ļvida, uma sequ√™ncia de obras pode n√£o passar de uma s√©rie de aproxima√ß√Ķes do mesmo pensamento. Mas podemos conceber outra esp√©cie de criadores que procederiam por justaposi√ß√£o. As suas obras podem parecer sem rela√ß√£o entre si. Em certa medida, s√£o contradit√≥rias. Mas, colocadas de novo no seu conjunto, denunciam uma ordem. √Č, pois, da morte que recebem o seu sentido definitivo. Aceitam a sua luz mais clara da pr√≥pria vida do seu autor.

Continue lendo…

Uma Declaração de Amor

Uma declara√ß√£o de amor n√£o √© acontecimento do dom√≠nio p√ļblico, uma baleia que vara na praia sob o sol dos desastres e convoca multid√Ķes, desalinhando h√°bitos quotidianos; uma declara√ß√£o de amor √© um acto de grande intimidade que ergue um v√©u transparente de onde brotam mel e p√°ssaros azuis. As palavras directas ou indirectas, ditas ou escritas, suscitam a car√≠cia √ļnica, irrepet√≠vel, a leve percuss√£o que desenha no sil√™ncio a imagem do que se ama. E assim ter√° de se guardar. Num lugar seguro onde os sismos n√£o possam encontrar o mapa do tesouro.

A outra pessoa n√£o √© apenas uma imagem. √Č um sil√™ncio morno, monstro, a explodir significados que n√£o somos capazes de entender, mas que distinguimos at√© ao centro do nevoeiro mais s√≥lido e que, se for preciso, defendemos at√© a nossa pele se gastar, at√© gastarmos a pele e, claro, morrermos.

Nenhuma arte simula a vida como o cinema. Todavia, n√£o √© uma vida. Tamb√©m n√£o √© propriamente uma arte. Porque √© uma acumula√ß√£o, uma s√≠ntese de todas as artes. O cinema n√£o existia sem a pintura, sem a literatura, sem a dan√ßa, sem a m√ļsica, sem o som, sem a imagem, tudo isto √© um conjunto de todas as artes, de todas sem exce√ß√£o.

H√° quem pense que o papel da religi√£o consiste em despertar o ‚Äėhomem em ilus√£o‚Äô e conduzi-lo √† Verdade. Mas a verdadeira religi√£o propicia a compreens√£o de que o ‚Äėhomem em ilus√£o‚Äô n√£o existe originalmente, e promove o surgimento natural e espont√Ęneo do homem verdadeiro ‚Äď a Imagem Verdadeira ‚Äď eternamente feliz. ‚ÄėHomem em ilus√£o‚Äô n√£o existe originalmente. Por isso, s√≥ lhe resta desaparecer, quando o ser humano desperta para a Imagem Verdadeira.

O Bem consiste em servir à Imagem Verdadeira da Vida, em viver conforme a vontade da Imagem Verdadeira da Vida. De nada adianta viver dividido, ora recorrendo à matéria, ora recorrendo à Imagem Verdadeira da Vida. O homem não pode servir a dois senhores.

A Essência das Coisas

Nunca me conformei com um conceito puramente científico da Existência, ou aritmético-geométrico, quantitativo-extensivo. A existência não cabe numa balança ou entre os ponteiros dum compasso. Pesar e medir é muito pouco; e esse pouco é ainda uma ilusão. O pesado é feito de imponderáveis, e a extensão de pontos inextensos, como a vida é feita de mortes.
A realidade n√£o est√° nas apar√™ncias transit√≥rias, reflexos palpitantes, simulacros luminosos, um aflorar de quimeras materiais. Nem √© s√≥lida, nem l√≠quida, nem gasosa, nem electromagn√©tica, palavras com o mesmo significado nulo. Foge a todos os c√°lculos e a todos os olhos de vidro, por mais longe que eles vejam, ou se trate dum n√ļcleo at√≥mico perdido no infinitamente pequeno, ou da nebulosa Andr√≥meda, a seiscentos mil anos de luz da minha aldeia!
A essência das coisas, essa verdade oculta na mentira, é de natureza poética e não científica. Aparece ao luar da inspiração e não à claridade fria da razão. Esta apenas descobre um simples jogo de forças repetido ou modificado lentamente, gestos insubstanciais, formas ocas, a casca de um fruto proibido.
Mas o miolo é do poeta. Só ele saboreia a vida até ao mais íntimo do seu gosto amargoso,

Continue lendo…

N√£o h√° movimento sem tempo. Mesmo parado, o tempo passa, n√£o √© preciso que se mova, porque tudo se move, o tempo corre. O tempo √© movimento em si. E a imagem…

Conta teu sofrimento a Deus e não às pessoas. Quando contas às pessoas, teu sofrimento ecoa e aumenta ainda mais. Quando contas a Deus, teu sofrimento desaparece. Deus é a Imagem Verdadeira (perfeição absoluta) e onde brilha a luz da Imagem Verdadeira é impossível existir a treva do sofrimento: o sofrimento transforma-se em alegria e a lamentação, em agradecimento. Tudo de bom já foi dado a ti.

No Teatro, a Verdade Esquiva-se Sempre

No teatro, a verdade esquiva-se sempre. Nunca a encontramos por completo, mas √© for√ßoso procur√°-la. Essa busca √© claramente aquilo que guia os nossos esfor√ßos. √Č essa a nossa tarefa. Na maioria das vezes √© no escuro que trope√ßamos na verdade, esbarramos nela, ou vislumbramos uma imagem ou uma forma que parece corresponder √† verdade, muitas vezes sem nos darmos conta disso. Mas a verdade verdadeira √© que, na arte do teatro, n√£o h√° nunca uma verdade √ļnica que possamos encontrar. H√° muitas. Estas verdades desafiam-se mutuamente, fogem, reflectem-se, ignoram-se, espica√ßam-se, s√£o insens√≠veis umas √†s outras. √Äs vezes pensamos que temos a verdade de um momento na m√£o, e depois ela escapa-se-nos por entre os dedos e desaparece.

√Č por meio da ora√ß√£o que a alma evolui e a natureza divina da Imagem Verdadeira se manifesta cada vez mais.

O Amor n√£o Acontece. Decide-se.

H√° quem julgue que o amor √© alheio √† vontade humana, algo superior que elege, embala e conduz‚Ķ e que quase nada se pode fazer perante tamanha for√ßa. Isso √© uma mera paix√£o no seu sentido menos nobre. E, nesse caso, sim, o amor acontece… Ao contr√°rio, amar √© estar acima das paix√Ķes e dos apetites. Mesmo quando o amor nasce de uma espontaneidade, resulta de um claro discernimento.

O amor decorre de uma decisão. De um compromisso. Constrói-se de forma consciente. Através do heroísmo de alguém livre que decide ser o que poucos ousam. Escolhe para fim de si mesmo ser o meio para a felicidade daquele a quem ama. Sim, decide-se amar e, sim, decide-se a quem amar.

O amor aut√™ntico √© raro e extraordin√°rio, embora o seu nome sirva para quase tudo… a maior parte das vezes designa ego√≠smos entrela√ßados, cada vez mais comuns. S√£o poucos os que se aventuram, os que arriscam tudo, os que se disp√Ķem a amar mesmo quando sabem que poucos sequer perceber√£o o que fazem, o seu porqu√™ e o para qu√™.
O amor n√£o sup√Ķe reciprocidade. Amar √© dar-se por completo e aceitar tudo… n√£o se contabilizam ganhos e perdas,

Continue lendo…

A teoria da nega√ß√£o, que considera ef√™mero o mundo fenom√™nico, quando n√£o se fundamenta na certeza da exist√™ncia do Eu divino (Imagem Verdadeira), degenera em pessimismo e niilismo. A mesma teoria da nega√ß√£o, quando se alicer√ßa na certeza da exist√™ncia do Eu divino (Imagem Verdadeira), torna-se a maior das filosofias otimistas. Esta √ļltima √© a Seicho-No-Ie.

Quem pensa que não será forte se não subjugar os outros, desconhece a Imagem Verdadeira de sua Vida. Na Imagem Verdadeira, ele é forte mesmo sem subjugar ninguém.

Quando estamos dormindo, quando estamos acordados, quando tomamos refei√ß√Ķes, enfim, em cada momento devemos nos cuidar para n√£o nos afastarmos de nossa Imagem Verdadeira.