Textos sobre Comparação

44 resultados
Textos de comparação escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Os Malefícios da Rivalidade na Escola

Poucas serão as escolas em que o mestre não anime entre os alunos o espírito de emulação; aos mais atrasados apontam-se os que avançaram como marcos a atingir e ultrapassar; e aos que ocuparam os primeiros lugares servem os do fim da classe de constantes esporas que os não deixam demorar-se no caminho, cada um se vigia a si e aos outros e a si próprio apenas na medida em que se estabelece um desnível com o companheiro que tem de superar ou de evitar.
A mesquinhez de uma vida em que os outros n√£o aparecem como colaboradores, mas como inimigos, n√£o pode deixar de produzir toda a surda inveja, toda a vaidade, todo o despeito que se marcam em linhas principais na psicologia dos estudantes submetidos a tal regime; nenhum amor ao que se estuda, nenhum sentimento de constante enriquecer, nenhuma vis√£o mais ampla do mundo; esfor√ßo de vencer, temor de ser vencido; √© j√° todo o temperamento de ¬ęstruggle¬Ľ que se afina na escola e lan√ßar√° amanh√£ sobre a terra mais uma turma dos que tudo se desculpam.
Quem n√£o sabe combater ou n√£o tem interesse pela luta ficar√° para tr√°s, entre os piores; e √© certamente esta predomin√Ęncia dada ao esp√≠rito de batalha um dos grandes malef√≠cios dos sistemas escolares assentes sobre a rivalidade entre os alunos;

Continue lendo…

O Professor como Mestre

N√£o me basta o professor honesto e cumpridor dos seus deveres; a sua norma √© burocr√°tica e vejo-o como pouco mais fazendo do que exercer a sua profiss√£o; estou pronto a conceder-lhe todas as qualidades, uma relativa intelig√™ncia e aquele saber que lhe assegura superioridade ante a classe; acho-o digno dos louvores oficiais e das aten√ß√Ķes das pessoas mais s√©rias; creio mesmo que tal distin√ß√£o foi expressamente criada para ele e seus pares. De resto, √© sempre poss√≠vel a compara√ß√£o com tipos inferiores de humanidade; e ante eles o professor exemplar aparece cheio de m√©rito. Simplesmente, notaremos que o ser mestre n√£o √© de modo algum um emprego e que a sua actividade se n√£o pode aferir pelos m√©todos correntes; ganhar a vida √© no professor um acr√©scimo e n√£o o alvo; e o que importa, no seu ju√≠zo final, n√£o √© a ideia que fazem dele os homens do tempo; o que verdadeiramente h√°-de pesar na balan√ßa √© a pedra que lan√ßou para os alicerces do futuro.
A sua contribuição terá sido mínima se o não moveu a tomar o caminho de mestre um imenso amor da humanidade e a clara inteligência dos destinos a que o espírito o chama;

Continue lendo…

A Caridade como Dever

Ser caritativo quando se pode s√™-lo √© um dever, e h√° al√©m disso muitas almas de disposi√ß√£o t√£o compassiva que, mesmo sem nenhum outro motivo de vaidade ou interesse, acham √≠ntimo prazer em espalhar alegria √† sua volta e se podem alegrar com o contentamento dos outros, enquanto este √© obra sua. Eu afirmo por√©m que neste caso uma tal ac√ß√£o, por conforme ao dever, por am√°vel que ela seja, n√£o tem contudo nenhum verdadeiro valor moral, mas vai emparelhar com outras inclina√ß√Ķes, por exemplo o amor das honras que, quando por feliz acaso topa aquilo que efectivamente √© de interesse geral e conforme ao dever, √© consequentemente honroso e merece louvor e est√≠mulo, mas n√£o estima; pois √† sua m√°xima falta o conte√ļdo moral que manda que tais ac√ß√Ķes se pratiquem, n√£o por inclina√ß√£o, mas por dever.
Admitindo pois que o √Ęnimo desse filantropo estivesse velado pelo desgosto pessoal que apaga toda a compaix√£o pela sorte alheia, e que ele continuasse a ter a possibilidade de fazer bem aos desgra√ßados, mas que a desgra√ßa alheia o n√£o tocava porque estava bastante ocupado com a sua pr√≥pria; se agora, que nenhuma inclina√ß√£o o estimula j√°, ele se arrancasse a esta mortal insensibilidade e praticasse a ac√ß√£o sem qualquer inclina√ß√£o,

Continue lendo…

Aprender a Escrita pela Leitura

Ao lermos um autor, não temos a capacidade de adquirir as suas eventuais qualidades, como o poder de convencimento, a riqueza de imagens, o dom da comparação, a ousadia, ou o amargor, ou a concisão, ou a graça, ou a leveza da expressão, ou o espírito arguto, contrastes surpreendentes, laconismo, ingenuidade e outras semelhantes. No entanto, podemos evocar em nós mesmos tais qualidades, tornarmo-nos conscientes da sua existência, caso já tenhamos alguma predisposição para elas, ou seja, caso as tenhamos potentia; podemos ver o que é possível fazer com elas, podemos sentir-nos confirmados na nossa tendência, ou melhor, encorajados a empregar tais qualidades; com base em exemplos, podemos julgar o efeito da sua aplicação e assim aprender o seu uso correcto; somente então as possuímos também actu.
Esta √©, portanto, a √ļnica maneira na qual a leitura nos torna aptos para escrever, na medida em que nos ensina o uso que podemos fazer dos nossos pr√≥prios dons naturais; portanto, pressupondo sempre a exist√™ncia destes. Por outro lado, sem esses dons, n√£o aprendemos nada com a leitura, excepto a maneira fria e morta, e tornamo-nos imitadores banais.

A Doutrina da Humanidade

Ter suficiente domínio sobre si mesmo para julgar os outros em comparação consigo e agir em relação a eles como nós quereríamos que eles agissem para connosco é o que se pode chamar a doutrina da humanidade; nada há mais para além disso.
Se não se tem um coração misericordioso e compassivo, não se é um homem; se não se têm os sentimentos da vergonha e da aversão, não se é um homem; se não se têm os sentimentos da abnegação e da cortesia, não se é um homem; se não se tem o sentimento da verdade e do falso ou do justo e do injusto, não se é um homem. Um coração misericordioso e compassivo é o princípio da humanidade; o sentimento da vergonha e da aversão é o princípio da equidade e da justiça; o sentimento da abnegação e da cortesia é o princípio do convívio social; o sentimento do verdadeiro e do falso ou do justo e injusto é o princípio da sabedoria. Os homens têm estes quatro princípios, do mesmo modo que têm quatro membros.

A Eleição Narcísica dos Ideais dos Povos

As pessoas estar√£o sempre prontamente inclinadas a incluir entre os predicados ps√≠quicos de uma cultura os seus ideais, ou seja, as suas estimativas a respeito de que realiza√ß√Ķes s√£o mais elevadas e em rela√ß√£o √†s quais se devem fazer esfor√ßos por atingir. Parece, a princ√≠pio, que esses ideais determinam as realiza√ß√Ķes da unidade cultural; contudo, o curso real dos acontecimentos parece indicar que os ideais baseiam-se nas primeiras realiza√ß√Ķes que foram tornadas poss√≠veis por uma combina√ß√£o entre os dotes internos da cultura e as circunst√Ęncias externas, e que essas primeiras realiza√ß√Ķes s√£o ent√£o erigidas pelo ideal como algo a ser levado avante. A satisfa√ß√£o que o ideal oferece aos participantes da cultura √©, portanto, de natureza narc√≠sica; repousa no seu orgulho pelo que j√° foi alcan√ßado com √™xito. Tornar essa satisfa√ß√£o completa exige uma compara√ß√£o com outras culturas que visaram a realiza√ß√Ķes diferentes e desenvolveram ideais distintos. √Č a partir da intensidade dessas diferen√ßas que toda a cultura reivindica o direito de olhar com desd√©m para o resto. Desse modo, os ideais culturais tornam-se fonte de disc√≥rdia e inimizades entre unidades culturais diferentes, tal como se pode constatar claramente no caso das na√ß√Ķes.

Inveja e Proximidade

Não é a desproporção entre nós e os outros que produz a inveja, mas, pelo contrário, a proximidade. Um soldado raso não nutre pelo seu general inveja comparável à que poderá sentir pelo seu sargento ou por um cabo; nem um escritor eminente encontrará tanta inveja por banda dos escritorecos vulgares como nos autores que dele mais se aproximam. Uma grande desproporção anula a relação, seja impedindo-nos de nos compararmos com aquilo que nos é remoto, seja minorando os efeitos da comparação.

O Mais Fundo de Nós Mesmos

A uma certa altura do auto-conhecimento, quando est√£o presentes outras circunst√Ęncias que favorecem a auto-seguran√ßa, invariavelmente e sem outra hip√≥tese sentimo-nos execr√°veis. Todas as medidas do bem ‚ÄĒ por muito que as opini√Ķes possam diferir sobre isto ‚ÄĒ parecer√£o demasiado altas. Vemos que n√£o passamos de um ninho de ratos feito de dissimula√ß√Ķes miser√°veis. O mais insignificante dos nossos actos n√£o deixa de estar contaminado por estas dissimula√ß√Ķes. Estas inten√ß√Ķes dissimuladas s√£o t√£o horr√≠veis que no decurso do nosso exame de consci√™ncia n√£o vamos querer ponder√°-las de perto, mas, pelo contr√°rio, ficaremos contentes de as avistar de longe. Estas inten√ß√Ķes n√£o s√£o todas elas feitas apenas de ego√≠smo, o ego√≠smo em compara√ß√£o parece um ideal do bem e do belo. A porcaria que vamos encontrar existe por si s√≥; reconheceremos que viemos ao mundo pingando este fardo e sairemos outra vez irreconhec√≠veis, ou ent√£o demasiado reconhec√≠veis, por causa dela. Esta porcaria √© o fundo mais profundo que encontraremos; nos fundos mais profundos n√£o haver√° lava, n√£o, mas porcaria. √Č o mais fundo e o mais alto e at√© as d√ļvidas que o exame de consci√™ncia origina em breve enfraquecer√£o e se tornar√£o complacentes como o espojar de um porco na imund√≠cie.

Continue lendo…

Vaidade e Vanglória

Era uma linda inven√ß√£o de Esopo a do moscardo que, sentado no eixo da roda, dizia: ¬ęQuanta poeira fa√ßo levantar!¬Ľ Assim h√° muitas pessoas v√£s que quando um neg√≥cio marcha por si ou vai sendo movido por agentes mais importantes, desde que estejam relacionados com ele por um s√≥ pormenor, imaginam que s√£o eles quem conduz tudo: os que t√™m que ser facciosos, porque toda a vaidade assenta em compara√ß√Ķes. T√™m de ser necessariamente violentos, para fazerem valer as suas jact√Ęncias. N√£o podem guardar segredo, e por isso n√£o s√£o √ļteis para ningu√©m, mas confirmam o prov√©rbio franc√™s: Beaucoup de bruit, peu de fruit.
Este defeito não é, porém, sem utilidade para os negócios políticos: onde houver uma opinião ou uma fama a propagar, seja de virtude seja de grandeza, esses homens são óptimos trombeteiros.
(…) A vaidade ajuda a perpetuar a mem√≥ria dos homens, e a virtude nunca foi considerada pela natureza humana como digna de receber mais do que um pr√©mio de segunda m√£o. A gl√Ķria de C√≠cero, de S√©neca, de Pl√≠nio o Mo√ßo, n√£o teria durado tanto tempo se eles n√£o fossem de algum modo vaidosos; a vaidade √© como o verniz, que n√£o s√≥ faz brilhar,

Continue lendo…

Respeite a Você Mais do que aos Outros

N√£o pense que a pessoa tem tanta for√ßa assim a ponto de levar qualquer esp√©cie de vida e continuar a mesma. (…) Nem sei como lhe explicar minha alma. Mas o que eu queria dizer √© que a gente √© muito preciosa, e que √© somente at√© um certo ponto que a gente pode desistir de si pr√≥pria e se dar aos outros e √†s circunst√Ęncias. (…) Pretendia apenas lhe contar o meu novo car√°cter, ou falta de car√°cter. (…) Querida, quase quatro anos me transformaram muito. Do momento em que me resignei, perdi toda a vivacidade e todo interesse pelas coisas. Voc√™ j√° viu como um touro castrado se transforma num boi? Assim fiquei eu… em que pese a dura compara√ß√£o… Para me adaptar ao que era inadapt√°vel, para vencer minhas repulsas e meus sonhos, tive que cortar meus grilh√Ķes – cortei em mim a forma que poderia fazer mal aos outros e a mim. E com isso cortei tamb√©m minha for√ßa. Espero que voc√™ nunca me veja assim resignada, porque √© quase repugnante. (…) Uma amiga, um dia desses, encheu-se de coragem, como ela disse, e me perguntou: voc√™ era muito diferente, n√£o era? Ela disse que me achava ardente e vibrante,

Continue lendo…

Nunca Mostrar Espírito e Entendimento

Como ainda √© inexperiente quem sup√Ķe que, ao mostrar esp√≠rito e entendimento, recorre a um meio seguro para fazer-se benquisto em sociedade! Na verdade, na maioria das pessoas, tais qualidades despertam √≥dio e rancor, que ser√£o t√£o mais amargos quanto quem os sentir n√£o tiver o direito de externar o motivo, chegando at√© a dissimul√°-lo para si mesmo. Isso acontece da seguinte forma: se algu√©m nota e sente uma grande superioridade intelectual naquele com quem fala, ent√£o conclui tacitamente e sem consci√™ncia clara que este, em igual medida, notar√° e sentir√° a sua inferioridade e a sua limita√ß√£o. Essa conclus√£o desperta o √≥dio, o rancor e a raiva mais amarga.
(…) Mostrar esp√≠rito e entendimento √© uma maneira indirecta de repreender nos outros a sua incapacidade e estupidez. Ademais, o indiv√≠duo comum revolta-se ao avistar o seu oposto, sendo a inveja o seu instigador secreto. A satisfa√ß√£o da vaidade √©, como se pode ver diariamente, um prazer que as pessoas colocam acima de qualquer outro, mas que s√≥ √© poss√≠vel por interm√©dio da compara√ß√£o delas pr√≥prias com os demais. No entanto, nenhum m√©rito torna o homem mais orgulhoso do que o intelectual: s√≥ neste repousa a sua superioridade em rela√ß√£o aos animais.

Continue lendo…

Comparação de Verdades

A verdade, esteja em que pessoa estiver, n√£o se apaga por compara√ß√£o com outra verdade e, qualquer diferen√ßa que possa parecer haver entre duas pessoas, o que √© verdade numa n√£o apaga de modo algum o que √© verdade na outra. Podem ter mais ou menos adeptos e ser mais ou menos brilhantes, mas s√£o sempre iguais pela sua verdade, que nunca √© mais verdadeira nos grandes do que na arraia-mi√ļda. A arte da guerra est√° mais espalhada do que a poesia, mas o poeta e o conquistador podem comparar-se um ao outro, porque s√£o verdadeiramente o que s√£o, tal como o legislador, o pintor, etc.
(…) Uma pessoa pode ter v√°rias verdades e outra pode n√£o ter nenhuma. O que tem v√°rias √© mais apreciado e brilha mais nos c√≠rculos em que o outro n√£o brilha, mas, na altura em que tanto um como outro s√£o verdadeiros, brilham da mesma maneira.

A Dor Evitada

√Č certo que a infelicidade n√£o depende apenas da dor, mas a alegria, essa, s√≥ devia depender da aus√™ncia de dor f√≠sica. Vinte s√©culos inteiros e completos n√£o inventaram uma explica√ß√£o do sofrimento; sofre-se em compara√ß√£o com o que √© n√£o sofrer, e nenhum homem saud√°vel quer ser educado previamente para aquilo que √© mau. J√° n√£o se treina a resist√™ncia √† dor: evita-se, sim, a mistura com essa ‘coisa’ repelente.

Gonçalo M.

A Portugalite

Entre as afec√ß√Ķes de boca dos portugueses que nem a pasta medicinal Couto pode curar, nenhuma h√° t√£o generalizada e galopante como a Portugalite. A Portugalite √© uma inflama√ß√£o nervosa que consiste em estar sempre a dizer mal de Portugal. √Č altamente contagiosa (transmite-se pela saliva) e at√© hoje n√£o se descobriu cura.

A Portugalite √© contra√≠da por cada portugu√™s logo que entra em contacto com Portugal. √Č uma doen√ßa n√£o tanto ven√©rea como venal. Para compreend√™-la √© necess√°rio estudar a rela√ß√£o de cada portugu√™s com Portugal. Esta rela√ß√£o √© semelhante a uma outra que j√° √© cl√°ssica na literatura. Suponhamos ent√£o que Portugal √© fundamentalmente uma meretriz, mas que cada portugu√™s est√° apaixonado por ela. Est√° sempre a dizer mal dela, o que √© compreens√≠vel porque ela trata-o extremamente mal. Chega at√© a julgar que a odeia, porque n√£o acha uma √ļnica raz√£o para am√°-la. Contudo, existem cinco sinais ‚ÄĒ t√≠picos de qualquer grande e arrastada paix√£o ‚ÄĒ que demonstram que os portugueses, contra a vontade e contra a l√≥gica, continuam apaixonados por ela, por muito afectadas que sejam as ¬ębocas¬Ľ que mandam.

Em primeiro lugar, estão sempre a falar dela. Como cada português é um amante atraiçoado e desgraçado pela mesma mulher,

Continue lendo…

Glória é Vaidade

A gl√≥ria repousa propriamente sobre aquilo que algu√©m √© em compara√ß√£o com os outros. Portanto, ela √© essencialmente relativa; por isso, s√≥ pode ter valor relativo. Desapareceria inteiramente se os outros se tornassem o que o glorioso √©. Uma coisa s√≥ pode ter valor absoluto se o mantiver sob todas as circunst√Ęncias; aqui, contudo, trata-se daquilo que algu√©m √© imediatamente e por si mesmo. Consequentemente, √© nisso que tem de residir o valor e a felicidade do grande cora√ß√£o e do grande esp√≠rito. Logo, valiosa n√£o √© a gl√≥ria, mas aquilo que faz com que algu√©m a mere√ßa, pois isso, por assim dizer, √© a subst√Ęncia, e a gl√≥ria √© apenas o acidente. Ela age sobre quem √© c√©lebre, sobretudo como um sintoma exterior pelo qual ele adquire a confirma√ß√£o da opini√£o elevada de si mesmo. Desse modo, poder-se-ia dizer que, assim como a luz n√£o √© vis√≠vel se n√£o for reflectida por um corpo, toda a excel√™ncia s√≥ adquire total consci√™ncia de si pr√≥pria pela gl√≥ria. Mas o sintoma n√£o √© sempre infal√≠vel, visto que tamb√©m h√° gl√≥ria sem m√©rito e m√©rito sem gl√≥ria. Eis a justificativa para a frase t√£o distinta de Lessing: Algumas pessoas s√£o famosas, outras merecem s√™-lo.

Continue lendo…

A Educação da Fé

Sendo a f√© um dom, como pode ser motivo de educa√ß√£o? N√£o pode realmente ser ensinada, mas sim irradiada. Os que a possuem podem significar a estrela-guia, a perseveran√ßa num encontro dif√≠cil de suceder, mas cuja esperan√ßa comove todo o nosso ser. √Č poss√≠vel que a Igreja se volte para esse apostolado da f√© que foi extremamente importante no seu come√ßo. N√£o o velho sistema de grupos sect√°rios que s√£o o modelo dos processos pol√≠ticos e que, quando se afirma um movimento e este toma amplitude, se eliminam. N√£o √© isso. Trata-se de focos de comunica√ß√£o que dispensam a organiza√ß√£o premeditada e at√© a linguagem elaborada, o discurso piedoso e a erudi√ß√£o duma exegese. Um interessar a alma na f√© sem recorrer ao preconceito da santidade. Descobrir a imensa novidade da f√© num mundo em que o pr√≥prio crist√£o vive de maneira pag√£ e singularmente a coberto dos antigos textos que esqueceu ou que desconhece completamente.

A prova de que o cristão vive como um bárbaro é o sentido que tomou a arte religiosa. Não é raro encontrar nas salas de convívio burguesas, juntamente com a televisão, ou a mesa de jogo, ou a instalação estereofónica para o gira-disco,

Continue lendo…

O Mérito só Existe se Enaltecido por Outros

O relato das conversas de S√≥crates que os seus amigos nos legaram tem a nossa aprova√ß√£o apenas porque nos sentimos intimidados pela aprova√ß√£o geral delas. N√£o se trata de uma coisa que venha do nosso conhecimento; uma vez que n√£o se adaptam √†s nossas pr√°ticas; se alguma coisa de semelhante viesse a ser produzida nos nossos dias poucos haveria que as tivessem em grande considera√ß√£o. N√£o somos capazes de apreciar qualquer honra que n√£o esteja salientada, inflaccionada e aumentada pelo art√≠ficio. Tais honras que tantas vezes surgem disfar√ßadas com a ingenuidade e a simplicidade, dificilmente seriam notadas por uma vis√£o interior t√£o grosseira como a nossa… Para n√≥s n√£o ser√° a ingenuidade um parente pr√≥ximo da simplicidade de esp√≠rito e uma qualidade merecedora de censura? S√≥crates fazia mover a sua alma com o movimento natural das pessoas comuns: assim fala um campon√™s, assim fala uma mulher… As suas indu√ß√Ķes e compara√ß√Ķes s√£o retiradas das mais comuns e mais conhecidas actividades do homem; qualquer pessoa √© capaz de as compreender. Sob uma forma t√£o comum nos nossos dias nunca ter√≠amos sido capazes de discernir a nobreza e esplendor destes conceitos espantosos; n√≥s que estamos habituados a criticar todo aquele que n√£o esteja inchado pela erudi√ß√£o para ser base e lugar-comum e que n√£o temos consci√™ncia dos ricos a n√£o ser quando pomposamente exibidos.

Continue lendo…

A Nossa Prodigiosa Parcialidade

Todos nós temos uma prodigiosa parcialidade em favor de nós mesmos, e, se déssemos sempre vazão a esses nossos sentimentos, causaríamos a maior indignação uns aos outros, não somente pela presença imediata de um objecto de comparação tão desagradável, mas também pela contrariedade dos nossos respectivos juízos. Assim, do mesmo modo que estabelecemos o direito natural para assegurar a propriedade dentro da sociedade e impedir o choque entre interesses pessoais, também estabelecemos as regras da boa educação, a fim de impedir o choque entre os orgulhos dos homens e tornar o seu relacionamento agradável e inofensivo. Nada é mais desagradável que um homem com uma imagem presunçosa de si mesmo, embora quase todo o mundo tenha uma forte inclinação para esse vício.

Regra Essencial de Leitura

Uma regra da leitura consiste em reduzir a poucas palavras a intenção e a ideia principal do autor e em apossar-se delas sob essa froma. Quem lê assim, fica ocupado e lucra. Existe uma espécie de leitura, na qual o espírito nada ganha e perde muito: é a leitura sem comparação com os próprios conhecimentos e sem integração com o próprio sistema de pensar.

Amor e Amizade Afectam Sempre Terceiros

Pretende-se sempre obter a mesma prefer√™ncia que se conce¬≠de; o amor deve ser rec√≠proco. Para se conseguir ser amado, √© pre¬≠ciso ser-se am√°vel; para se ser preferido, √© preciso ser-se mais am√°vel que outro, mais am√°vel que todos os outros, pelo menos aos olhos do objecto amado. Da√≠, os primeiros olhares sobre os nossos semelhantes; da√≠, as primeiras compara√ß√Ķes com eles, da√≠ a emu¬≠la√ß√£o, as rivalidades, o ci√ļme. Um cora√ß√£o penetrado de um sen¬≠timento que transborda gosta de se expandir: da necessidade de uma amada, em breve nasce a de um amigo. Aquele que experi¬≠menta a do√ßura de ser amado quereria s√™-Io por todos, e todos n√£o poderiam pretender ser preferidos, sem que houvesse muitos des¬≠contentes. Com o amor e a amizade, nascem as desaven√ßas, a an¬≠tipatia, o √≥dio. Do seio de tantas paix√Ķes diferentes, vejo a opini√£o que, para si mesma, erige um trono firme, e os est√ļpidos mortais, sujeitos ao seu dom√≠nio, basearam a sua exist√™ncia nos ju√≠zos de outr√©m.