Textos sobre Falhas

29 resultados
Textos de falhas escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

O Maior Amor e as Coisas que Se Amam

Tomara poder desempenhar-me, sem hesita√ß√Ķes nem ansiedades, deste mandato subjectivo cuja execu√ß√£o por demorada ou imperfeita me tortura e dormir descansadamente, fosse onde fosse, pl√°tano ou cedro que me cobrisse, levando na alma como uma parcela do mundo, entre uma saudade e uma aspira√ß√£o, a consci√™ncia de um dever cumprido.

Mas dia a dia o que vejo em torno meu me aponta novos deveres, novas responsabilidades da minha intelig√™ncia para com o meu senso moral. Hora a hora a (…) que escreve as s√°tiras surge col√©rica em mim. Hora a hora a express√£o me falha. Hora a hora a vontade fraqueja. Hora a hora sinto avan√ßar sobre mim o tempo. Hora a hora me conhe√ßo, m√£os in√ļteis e olhar amargurado, levando para a terra fria uma alma que n√£o soube contar, um cora√ß√£o j√° apodrecido, morto j√° e na estagna√ß√£o da aspira√ß√£o indefinida, inutilizada.

Nem choro. Como chorar? Eu desejaria poder querer (desejar) trabalhar, febrilmente trabalhar para que esta p√°tria que v√≥s n√£o conheceis fosse grande como o sentimento que eu sinto quando n’ela penso. Nada fa√ßo. Nem a mim mesmo ouso dizer: amo a p√°tria, amo a humanidade. Parece um cinismo supremo. Para comigo mesmo tenho um pudor em diz√™-lo.

Continue lendo…

Incoerência Humana

√Č f√°cil imaginar os homens inteiri√ßos, reduzi-los a f√≥rmulas simples que se condenam com uma palavra, negligenciando o resto, que as desmente; o mais dif√≠cil seria sair de si para entrar nos outros e julg√°-los segundo o ponto de vista deles, sem preconceitos, acompanhar nos seus desvios e nas suas incoer√™ncias uma natureza incerta feita mais pelo acaso do que pela vontade, desenredar, quando falha a l√≥gica, os sofismas semiconscientes sob os quais a paix√£o dissimula o ego√≠smo dos seus conselhos.

Amizade sem Tabus

Se a todos nós fosse concedido o poder, como num passe de mágica, de ler a mente uns dos outros, suponho que o primeiro efeito seria que quase todas as amizades se desfariam. O segundo efeito, entretanto, poderia ser excelente, pois um mundo sem amigos seria sentido como intolerável, e nós teríamos de aprender a gostar uns dos outros sem a necessidade de um véu de ilusão para esconder de nós mesmos que não nos consideramos uns aos outros pessoas absolutamente perfeitas. Sabemos que os nossos amigos têm as suas falhas, e que apesar disso são pessoas de um modo geral aprazíveis das quais gostamos. Consideramos intolerável, no entanto, que tenham a mesma atitude conosco. Esperamos que pensem que, ao contrário do resto da humanidade, nós não temos falhas. Quando somos compelidos a reconhecer que temos falhas, tomamos esse facto óbvio com demasiada seriedade.

Saber Lidar com a Inj√ļria

De nada serve tudo ver e tudo ouvir. N√£o prestemos aten√ß√£o √†s inj√ļrias: a maior parte delas n√£o nos atinge porque as ignoramos. N√£o queres estar irado? N√£o sejas curioso. Aquele que procura saber o que foi dito sobre si, que desenterra as palavras maldosas, mesmo quando foram ditas em segredo, atormenta-se a si mesmo. √Č uma determinada interpreta√ß√£o dessas palavras que faz com que ela nos pare√ßam inj√ļrias: assim, devemos aceit√°-las, rirmo-nos delas ou perdo√°-las. Devemos circunscrever a ira de diversas maneiras; tomemos a maior parte delas como um jogo ou uma brincadeira. Conta-se que, tendo sido agredido com uma bofetada, S√≥crates disse ser aborrecido que os homens n√£o soubessem quando deveriam sair de casa com um elmo. O que importa n√£o √© a maneira como a inj√ļria √© feita, mas sim a maneira como √© tomada; nem vejo por que motivo a modera√ß√£o h√°-de ser dif√≠cil, pois sei de tiranos, cheios de orgulho, de fortuna e de autoritarismo, que reprimiram a crueldade a que estavam habituados. Um tirano ateniense, Pis√≠strato, se a mem√≥ria n√£o me falha, tendo ouvido, de um conviva √©brio, palavras ofensivas sobre a sua crueldade, n√£o faltando sequer quem o apoiasse e o incitasse aqui e ali,

Continue lendo…

As Minhas Fraquezas

H√° uma certa fraqueza, uma falha em mim que √© suficientemente clara e distinta mas dif√≠cil de descrever: √© uma mistura de timidez, reserva, verbosidade, tibieza; pretendo com isto caracterizar qualquer coisa de espec√≠fico, um grupo de fraquezas que sob um certo aspecto constituem uma √ļnica fraqueza claramente definida (o que n√£o tem nada a ver com esses v√≠cios graves que s√£o a mentira, a vaidade, etc.). Esta fraqueza impede-me de enlouquecer, eu cultivo-a; com medo da loucura, sacrifico toda a ascens√£o que eu poderia fazer e perderei de certeza o neg√≥cio, porque n√£o √© poss√≠vel fazerem-se neg√≥cios nesta esfera. A menos que a sonol√™ncia n√£o se misture e com o seu trabalho diurno e nocturno n√£o quebre todos os obst√°culos e n√£o prepare o caminho. Mas nesse caso serei apanhado pela loucura ‚ÄĒ porque para se fazer uma ascens√£o √© preciso querer-se e eu n√£o queria.

Todos Erramos

Apontamos quase sempre o dedo a quem erra… Condenamos os outros com enorme facilidade. Compreendemo-los pouco, perdoamo-los ainda menos. Mas, ser√° que atirar pedras √© o mais justo, eficaz e melhor?

Temos uma necessidade quase prim√°ria de julgar o comportamento alheio, de o analisar e avaliar ao mais √≠nfimo detalhe, sempre de um ponto de vista superior, como se o sentido da nossa exist√™ncia, a nossa miss√£o, passasse por sentenciar todos quantos cruzam a sua vida com a nossa… condenando-os… na firme convic√ß√£o de que assim estamos a ajudar… a melhorar.

Comete erro em cima de erro quem se dedica a julgar os erros dos outros…

Julgamos de forma absoluta, na maior parte das vezes, generalizando um gesto ou dois, achando que cada pequena a√ß√£o revela tudo quanto h√° a saber sobre determinada pessoa… mais, achamos que cada homem ou √© bom ou √© mau… como se n√£o fossemos todos… de carne e osso… de luz e sombras.
J√° a n√≥s n√£o nos julgamos nem nos deixamos julgar. Consideramos que, no caso espec√≠fico da nossa vida, s√£o tantos os factores que t√™m de se levar em conta (quase todos atenuantes) que se torna imposs√≠vel qualquer tipo de veredicto…

Continue lendo…

O Crime da Palavra

Nenhum código, nenhuma instituição humana pode prevenir o crime moral que mata com uma palavra. Nisso consta a falha das justiças sociais; aí está a diferença que há entre os costumes da sociedade e os do povo; um é franco, outro é hipócrita; a um, a faca, à outra, o veneno da linguagem ou das ideias; a um a morte, à outra a impunidade.

A Minha Educação Prejudicou-me em Vários Aspectos

Dormi, acordei, dormi, acordei, vida miser√°vel. (…) Quando penso nisso, tenho de dizer que a minha educa√ß√£o me prejudicou muito em v√°rios aspectos. N√£o fui, de facto, educado num lugar longe de tudo, como por exemplo entre ru√≠nas, nas montanhas; contra esse facto eu n√£o poderia realmente exprimir a minha censura. Apesar de correr o risco de n√£o poder ser compreendido por todos os meus antigos professores, eu bem preferiria ter sido um habitante dessas pequenas ru√≠nas, queimado pelo sol que por entre os destro√ßos me apareceria de todos os lados sobre a t√©pida hera, mesmo que eu a princ√≠pio houvesse sido fraco sob a press√£o das minhas boas qualidades, que com a for√ßa da erva teriam crescido dentro de mim.

Quando penso nisso, tenho de dizer que a minha educa√ß√£o me prejudicou muito em v√°rios aspectos. Esta censura aplica-se a uma quantidade de pessoas, ou seja, aos meus pais, a algumas pessoas de fam√≠lia, a alguns amigos da casa, a v√°rios escritores, a uma certa cozinheira, que durante todo um ano me levou √† escola, a um monte de professores (que nas minhas recorda√ß√Ķes tenho de comprimir num grupo estreito, que doutra maneira me falha um aqui e outro ali ‚ÄĒ mas,

Continue lendo…

Tirania e Liberdade Lado a Lado

Tirania e liberdade n√£o se podem considerar isoladas, mesmo se, vistas temporalmente, se revezam uma √† outra. N√£o h√° d√ļvidas de que se pode dizer que a tirania suprime e aniquila a liberdade – mas, por outro lado, uma tirania s√≥ pode ser poss√≠vel, quando a liberdade se domestica e se volatiliza no seu conveito vazio.
O ser humano tende a confiar no aparelho político ou ainda a submeter-se-lhe, quando devia haurir das suas próprias fontes. O que é uma falha em imaginação. Ele tem de conhecer os pontos nos quais não pode deixar que a sua decisão soberana seja negociada. Enquanto as coisas estiverem em ordem, a água estará canalizada e a corrente eléctrica ligada. Se a vida e a propriedade forem ameaçadas, um grito de alarme fará afluir magicamente Bombeiros e Polícia. O grande perigo está em que o ser humano conta em excesso com estas ajudas e fica desamparado quando lhe faltam. Todo o conforto tem de ser pago. A situação do animal doméstico arrasta atrás de si a do animal de abate.

Receita para o Sucesso e Boa Fama

Nunca te lances em v√°rias empresas ao mesmo tempo: n√£o ser√°s admirado por te dispersares. Mais vale ser bem sucedido numa √ļnica, mas brilhante. Falo por experi√™ncia.
No início da tua carreira, não te poupes nem a longas horas de reflexão nem aos mais rudes esforços. Também não tomes iniciativas, se não tiveres a certeza de ter bom êxito. Tão brilhante quando te estreias como em qualquer outra coisa: uma vez conquistada a fama, mesmo os teus erros serão títulos de glória.
Quando estiveres assoberbado por um assunto que te compete, recusa completamente tudo o que possa distrair a tua aten√ß√£o. De facto, se se perceber que faltaste – ainda que minimamente – aos deveres do teu cargo, imediatamente isso te ser√° apontado. E, n√£o obstante tudo o mais que possas ter feito, n√£o obstante o fardo das preocupa√ß√Ķes que te oprimiam, a tua falha ser√° imputada a essa tarefa suplementar.
Quando te lan√ßas numa empresa, nunca te associes a uma pessoa mais competente ou mais experiente que tu. De igual modo, quando visitas algu√©m, n√£o te fa√ßas acompanhar por um terceiro que tenha melhores rela√ß√Ķes com o anfitri√£o que tu.
Se tiveres de deixar um cargo,

Continue lendo…

Uma Completa Fome por Ti

Anais,

N√£o esperes que continue s√£o. N√£o vamos ser sensatos. Foi um casamento, em Louveciennes ‚ÄĒ n√£o podes neg√°-lo. Voltei com peda√ßos de ti pegados a mim. Estou a andar, a nadar num oceano de sangue, o teu sangue andaluz, destilado e venenoso. Tudo o que fa√ßo e digo e penso tem a ver com o casamento. Vi-te como a senhora do teu lar, uma moura de cara pesada, uma negra com um corpo branco, olhos por toda a tua pele, mulher, mulher, mulher. N√£o consigo ver como conseguirei viver longe de ti ‚ÄĒ estas interrup√ß√Ķes s√£o uma morte. Como te pareceu quando o Hugo voltou? Eu continuava a√≠? N√£o consigo imaginar-te a moveres-te com ele como fizeste comigo. Pernas fechadas. Fragilidade. Doce, trai√ßoeira aquiesc√™ncia. Docilidade de p√°ssaro. Tornaste-te uma mulher comigo. Isso quase me aterrorizou. N√£o tens s√≥ trinta anos de idade… Tens mil anos de idade.

Aqui estou de volta e ainda fervilhando de paixão, como vinho a fermentar. Não uma paixão apenas da carne, mas uma completa fome por ti, uma fome devoradora. Leio no jornal acerca de suicídios e homicídios e compreendo-o perfeitamente. Sinto-me assassino, suicida. Sinto talvez ser uma desgraça nada fazer,

Continue lendo…

Nada nos Satisfaz

Se ocasionalmente nos ocupássemos em nos exa­minar, e o tempo que gastamos para controlar os outros e para saber das coisas que estão fora de nós o empregás­semos em nos sondar a nós mesmos, facilmente sentiríamos o quanto todo esse nosso composto é feito de peças frágeis e falhas. Acaso não é uma prova singular de imperfeição não conseguirmos assentar o nosso contentamento em coi­sa alguma, e que, mesmo por desejo e imaginação, esteja fora do nosso poder escolher o que nos é necessário? Dis­so dá bom testemunho a grande discussão que sempre houve entre os filósofos para descobrir qual é o soberano bem do homem, a qual ainda perdura e perdurará eterna­mente, sem solução e sem acordo: Enquanto nos escapa, o objecto do nosso desejo sempre nos parece preferível a qualquer outra coisa; vindo a desfrutá-lo, um outro desejo nasce em nós, e a nossa sede é sempre a mesma. (Lucrécio).
Não importa o que venhamos a conhecer e des­frutar, sentimos que não nos satisfaz, e perseguimos cobi­çosos as coisas por vir e desconhecidas, pois as presentes não nos saciam; em minha opinião, não que elas não te­nham o bastante com que nos saciar, mas é que nos apo­deramos delas com mão doentia e desregrada: Pois ele viu que os mortais têm à sua disposição praticamente tudo o que é necessário para a vida;

Continue lendo…

Analisar as Nossas Rela√ß√Ķes

Nenhuma mudança psíquica sustentável ocorre rapidamente. São necessários o autoconhecimento, a educação, o treino, a utilização de ferramentas e, em especial, a compreensão básica do mais complexo dos universos, a mente humana.
Qualquer mulher gostaria de remover a impaciência, a ansiedade, as fobias, o humor depressivo e a timidez da sua mente. Mas a vontade consciente de mudança ou superação de um conflito, por mais forte e poderosa que seja, não é eficiente. Não basta o Eu querer reorganizar a sua personalidade, é preciso utilizar estratégias adequadas. Até um psicopata gostaria de ser gentil e afetivo em toda a sua agenda psíquica, mas, no calor das crises, os monstros alojados no seu inconsciente devoram-no e magoam os outros.

O Eu deve ser equipado, em especial, para ser o Autor da sua hist√≥ria. Porque brilhamos no mundo exterior, mas somos t√£o opacos no mundo interior? Porque √© que as guerras, os homic√≠dios, as discrimina√ß√Ķes, os dist√ļrbios ps√≠quicos, os conflitos sociais fazem a pauta da nossa hist√≥ria? Por que raz√£o sonham os pais em proporcionar a melhor educa√ß√£o aos seus filhos, mas nem sempre t√™m √™xito? Porque √© que casais apaixonados que fazem juras de amor podem acabar inimigos?

Continue lendo…

O Gosto Pela Contemplação

O poder interior do homem pode-se comparar ao de um rio que, impedido por um dique, forme uma bacia artificial dando assim origem a uma fonte de energia. Mas h√° s√©culos que este dique tem uma falha, a bacia est√° quase vazia, a energia pouco menos que gasta e todas as regi√Ķes em volta est√£o na escurid√£o. Deve-se portanto refor√ßar o dique e permitir que o n√≠vel da √°gua suba. Por outras palavras, para encontrar uma ideia do homem, isto √©, uma fonte de verdadeira energia, necessita-se que os homens reencontrem o gosto pela contempla√ß√£o. A contempla√ß√£o √© o dique que alimenta de √°gua a bacia. Ela permite aos homens acumular de novo a energia de que a ac√ß√£o os privou.

A Culpa dos Males que nos Acontecem

Em todos os males que nos acontecem, olhamos mais para a intenção do que para o efeito. Uma telha que cai de um telhado pode ferir-nos mais, mas não nos desola tanto como uma pedra atirada de propósito por uma mão maldosa. O golpe, por vezes, falha mas a intenção nunca erra o alvo. A dor física é a que menos se sente nos ataques da sorte e, quando os infortunados não sabem a quem culpar pelas suas infelicidades, culpam o destino, que personificam e ao qual atribuem olhos e uma inteligência disposta a atormentá-los intencionalmente.
√Č o caso de um jogador que, irritado com as suas perdas, se enfurece sem saber contra quem. Imagina que a sorte se encarni√ßa intencionalmente para o atormentar e, encontrando alimento para a sua c√≥lera, excita-se e enfurece-se contra um inimigo que ele pr√≥prio criou. O homem s√°bio, que em todas as infelicidades que lhe acontecem s√≥ v√™ golpes da fatalidade cega, n√£o tem essas agita√ß√Ķes insensatas; grita na sua dor, mas sem exalta√ß√£o, sem c√≥lera; do mal que o atinge s√≥ sente os ataques materiais, e os golpes que recebe podem ferir a sua pessoa, mas nenhum atinge o seu cora√ß√£o.

Amigos para Sempre

Os amigos cada vez mais se vêem menos. Parece que era só quando éramos novos, trabalhávamos e bebíamos juntos que nos víamos as vezes que queríamos, sempre diariamente. E, no maior luxo de todos, há muito perdido: porque não tínhamos mais nada para fazer.
Nesta semana, tenho almo√ßado com amigos meus grandes, que, pela primeira vez nas nossas vidas, n√£o vejo h√° muitos anos. Cada um come√ßa a falar comigo como se n√£o tiv√©ssemos passado um √ļnico dia sem nos vermos.
Nada falha. Tudo dispara como se nos estivera ‚Äď e est√° ‚Äď na massa do sangue: a excita√ß√£o de contar coisas e partilhar ninharias; as risotas por piadas de h√° muito repetidas; as promessas de esperan√ßas que est√£o h√° que d√©cadas por realizar.
H√° grandes amigos que tenho a sorte de ter que insistem na import√Ęncia da Presen√ßa com letra grande. At√© agora nunca concordei, achando que a saudade faz pouco do tempo e que o cora√ß√£o √© mais sens√≠vel √† lembran√ßa do que √† repeti√ß√£o. Enganei-me. O melhor que os amigos e as amigas t√™m a fazer √© verem-se cada vez que podem. √Č verdade que, mesmo tendo passado dez anos, sente-se o prazer inencontr√°vel de reencontrar quem se pensava nunca mais encontrar.

Continue lendo…

O Falso Conforto da Religi√£o

O homem comum entende como sendo a sua religi√£o um sistema de doutrinas e promessas que, por um lado lhe explica os enigmas deste mundo com uma perfei√ß√£o invej√°vel, e que por outro lhe garante que uma Provid√™ncia atenta cuidar√° da sua exist√™ncia e o compensar√°, numa futura exist√™ncia, por qualquer falha nesta vida. O homem comum s√≥ consegue imaginar essa Provid√™ncia sob a figura de um pai extremamente elevado, pois s√≥ algu√©m assim conseguiria compreender as necessidades dos filhos dos homens ou enternecer-se com as suas ora√ß√Ķes e aplacar-se com os sinais dos seus remorsos. Tudo isto √© t√£o manifestamente infantil, t√£o incongruente com a realidade, que para aquele que manifeste uma atitude amistosa para com a humanidade √© penoso pensar que a grande maioria dos mortais nunca ser√° capaz de estar acima desta vis√£o de vida.
√Č ainda mais humilhante descobrir como √© grande o n√ļmero de pessoas, hoje em dia, que n√£o podem deixar de perceber que essa religi√£o √© insustent√°vel, e, no entanto, tentam defend√™-la sucessivamente, numa s√©rie de lament√°veis actos retr√≥gados. Gostar√≠amos de pertencer ao n√ļmero dos crentes, para podermos advertir os fil√≥sofos que tentam preservar o Deus da religi√£o substituindo-o por um princ√≠pio impessoal,

Continue lendo…

Concentração de Poder

A maioria das pessoas n√£o faz ideia da enorme capacidade que conseguimos invocar imediatamente quando concentramos todos os nossos recursos em dominar uma √ļnica √°rea das nossas vidas. A concentra√ß√£o controlada √© como um raio laser capaz de cortar qualquer coisa que pare√ßa estar a ser um impedimento para si. Quando nos concentramos consistentemente em melhorar uma determinada √°rea, desenvolvemos distin√ß√Ķes √ļnicas sobre como tornar essa √°rea melhor. Um motivo por que t√£o poucos de n√≥s alcan√ßam o que realmente desejam √© que nunca direcionamos a nossa concentra√ß√£o; nunca concentramos a nossa energia. A maioria das pessoas improvisa ao longo da vida, sem nunca decidir dominar uma √°rea espec√≠fica. Na verdade, acredito que a maioria das pessoas falha na vida simplesmente porque se especializa em coisas menores. Acredito que uma das principais li√ß√Ķes da vida √© aprender a entender o que nos leva a fazer o que fazemos.

√Č prefer√≠vel a tua pr√≥pria tarefa, embora realizada com falhas, do que te imiscu√≠res em tarefa alheia, embora a fa√ßas de maneira excelente.