Cita√ß√Ķes sobre Alem√£es

34 resultados
Frases sobre alem√£es, poemas sobre alem√£es e outras cita√ß√Ķes sobre alem√£es para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Essência do Fanatismo

A ess√™ncia do fanatismo consiste em considerar determinado problema como t√£o importante que ultrapasse qualquer outro. Os bizantinos, nos dias que precederam a conquista turca, entendiam ser mais importante evitar o uso do p√£o √°zimo na comunh√£o do que salvar Constantinopla para a cristandade. Muitos habitantes da pen√≠nsula indiana est√£o dispostos a precipitar o seu pa√≠s na ru√≠na por divergirem numa quest√£o importante: saber se o pecado mais detest√°vel consiste em comer carne de porco ou de vaca. Os reaccion√°rios amercianos prefiririam perder a pr√≥xima guerra do que empregar nas investiga√ß√Ķes at√≥micas qualquer indiv√≠duo cujo primo em segundo grau tivesse encontrado um comunista nalguma regi√£o. Durante a Primeira Guerra Mundial, os escoceses sabat√°rios, a despeito da escassez de v√≠veres provocada pela actividade dos submarinos alem√£es, protestavam contra a planta√ß√£o de batatas ao domingo e diziam que a c√≥lera divina, devido a esse pecado, explicava os nossos malogros militares. Os que op√Ķem objec√ß√Ķes teol√≥gicas √† limita√ß√£o dos nascimentos, consentem que a fome, a mis√©ria e a guerra persistam at√© ao fim dos tempos porque n√£o podem esquecer um texto, mal interpretado, do G√©nese. Os partid√°rios entusiastas do comunismo, tal como os seus maiores inimigos, preferem ver a ra√ßa humana exterminada pela radioactividade do que chegar a um compromisso com o mal –

Continue lendo…

A filosofia n√£o √© assim t√£o ruim. Infelizmente, √© como a R√ļssia: cheia de p√Ęntanos e frequentemente invadida pelos alem√£es.

A Luta para a Supress√£o Radical das Guerras

A minha participa√ß√£o na produ√ß√£o da bomba at√≥mica consistiu numa √ļnica ac√ß√£o: assinei uma carta dirigida ao presidente Roosevelt, na qual se sublinhava a necessidade de levar a cabo experi√™ncias em grande escala, para investiga√ß√£o das possibilidades de produ√ß√£o duma bomba at√≥mica.
Tive bem consciência do grande perigo que significava para a Humanidade o êxito desse empreendimento. Mas a probabilidade de que os Alemães trabalhassem no mesmo problema e fossem bem sucedidos, obrigou-me a dar este passo. Não tinha outra solução, embora tivesse sido sempre um pacifista convicto. Foi, portanto, uma reacção de legítima defesa.
Enquanto, por√©m, as na√ß√Ķes n√£o estiverem resolvidas a trabalhar em comum para suprimir a guerra, a resolverem os seus conflitos por decis√£o pac√≠fica e a protegerem os seus interesses de maneira legal, v√™em-se obrigadas a preparar-se para a guerra. V√™em-se, mais, obrigadas a preparar todos os meios, mesmo os mais detest√°veis, para n√£o se deixarem ficar para tr√°s, na corrida geral aos armamentos. Este caminho conduz fatalmente √† guerra que, nas condi√ß√Ķes actuais, significa destrui√ß√£o geral.
Nestas condi√ß√Ķes, a luta contra os meios n√£o tem probabilidades de √™xito. S√≥ ainda pode valer a supress√£o radical das guerras e do perigo de guerra.

Continue lendo…

O Homem Corrige Deus

N√≥s encontramos o soldado em v√°rias esp√©cies inferiores. A formiga tem ex√©rcitos e creio que pol√≠cia civil. Qualquer obscuro passarinho √© um aut√™ntico Bleriot. N√£o h√° industrial alem√£o que se aproxime da abelha. O canto do galo e os versos da Il√≠ada. Jo√£o de Deus e o rouxinol, o castor e o arquitecto, a sub-marinha e os tubar√Ķes, representam cousas e criaturas que se confundem…
Mas o Fil√≥sofo revela-se apenas no homem. A Filosofia √© o sinal luminoso que o destaca da mesquinha escuridade ambiente… S√≥ o homem √© suscept√≠vel de magicar, de refazer a Cria√ß√£o √† sua imagem… O homem corrige Deus.

Funchal

O restaurante do peixe na praia, uma simples barraca, construída por náufragos.

Muitos, chegados √† porta, voltam para tr√°s, mas n√£o assim as rajadas de vento do mar. Uma sombra encontra-se num cub√≠culo fumarento e assa dois peixes, segundo uma antiga receita da Atl√Ęntida, pequenas explos√Ķes de alho.

O óleo flui sobre as rodelas do tomate. Cada dentada diz que o oceano nos quer bem, um zunido das profundezas.

Ela e eu: olhamos um para o outro. Assim como se trep√°ssemos as agrestes colinas floridas, sem qualquer cansa√ßo. Encontramo-nos do lado dos animais, bem-vindos, n√£o envelhecemos. Mas j√° suport√°mos tantas coisas juntos, lembramo-nos disso, horas em que tamb√©m de pouco ou nada serv√≠amos ( por exemplo, quando esper√°vamos na bicha para doar o sangue saud√°vel ‚Äď ele tinha prescrito uma transfus√£o). Acontecimentos, que nos podiam ter separado, se n√£o nos tiv√©ssemos unido, e acontecimentos que, lado a lado, esquecemos ‚Äď mas eles n√£o nos esqueceram!

Eles tornaram-se pedras, pedras claras e escuras, pedras de um mosaico desordenado.

E agora aconteceu: os cacos voam todos na mesma direcção, o mosaico nasce.

Ele espera por nós. Do cimo da parede,

Continue lendo…

Pensar o Meu País

Pensar o meu pa√≠s. De repente toda a gente se p√īs a um canto a meditar o pa√≠s. Nunca o t√≠nhamos pensado, pens√°ramos apenas os que o governavam sem pensar. E de s√ļbito foi isto. Mas para se chegar ao pa√≠s tem de se atravessar o espesso nevoeiro da mediocralhada que o infestou. Ser√° que a democracia exige a mediocridade? Mas os povos civilizados dizem que n√£o. N√≥s √© que temos um estilo de ser med√≠ocres. N√£o √© quest√£o de se ser ignorante, incompetente e tudo o mais que se pode acrescentar ao estado em bruto. N√£o √© quest√£o de se ser est√ļpido. Temos saber, temos intelig√™ncia. A quest√£o √© s√≥ a do equil√≠brio e harmonia, a quest√£o √© a do bom senso. H√° um modo profundo de se ser que fica vivo por baixo de todas as cataplasmas de verniz que se lhe aplicarem. H√° um modo de se ser grosseiro, sem ao menos se ter o rasgo de assumir a grosseria. E o resultado √© o rid√≠culo, a f√≠fia, a ¬ęfuga do p√© para o chinelo¬Ľ. O Espanhol √© um ¬ęb√°rbaro¬Ľ, mas assume a barbaridade. N√≥s somos uns camp√≥nios com a obsess√£o de parecermos civilizados. O Franc√™s √© um ser artificioso,

Continue lendo…

A Monstruosa Am√°lgama da Identidade Europeia

O mal do totalitarismo é ser uniformizador e impositivo. Há sempre um modelo de perfeição, que os povos mais atrasados terão de seguir e com o qual terão de se comparar. Há sempre uma identidade superior, uma ideologia acima da realidade, um futuro comum aos mais diversos interesses. O totalitarismo é o grande inimigo da diferença e a própria democracia liberal, ao impor e exigir certas igualdades menos naturais, tem aspectos totalitários.
√Č com horror que assisto √† constru√ß√£o da chamada ¬ęidentidade¬Ľ europeia, uma monstruosa am√°lgama beneluxiana que reduz todos os ingredientes nacionais a uma pasta amorfa de argamassa processada. Quando temo pela resist√™ncia da nossa diferen√ßa √† uniformiza√ß√£o europeia, n√£o temo a nossa domina√ß√£o de todas as nacionalidades ‚ÄĒ temo √© a domina√ß√£o de todas as nacionalidades por um euro-h√≠brido que n√£o seja escolhido ou amado por nenhuma delas. A verdade √© que a It√°lia est√° menos italiana, a Alemanha est√° menos alem√£, a Inglaterra est√° menos inglesa e Portugal est√° menos portugu√™s. E nem por isso est√£o mais parecidos com outra nacionalidade qualquer. O que perderam em car√°cter n√£o ganharam em mais nada. As na√ß√Ķes europeias est√£o cada vez mais iguais, mais incaracter√≠sticas, mais chatas. Qualquer dia deixa de ter piada viajar.

Continue lendo…

O Efeito Nefasto da Afirmação e Repetição

A afirma√ß√£o e a repeti√ß√£o s√£o agentes muito poderosos pelos quais s√£o criadas e propagadas as opini√Ķes. A educa√ß√£o √©, em parte, baseada neles. Os pol√≠ticos e os agitadores de toda a natureza fazem disso um uso quotidiano. Afirmar, depois repetir, representa mesmo o fundo principal dos seus discursos.
A afirmação não precisa de se apoiar numa prova racional qualquer: deve, simplesmente, ser curta e enérgica, e cumpre que impressione. Pode-se considerar como tipo dessas três qualidades o manifesto seguinte, recentemente reproduzido em vários jornais:

Quem produziu o trigo, isto é, o pão para todos? O camponês!

Quem faz brotar a aveia, a cevada, todos os cereais? O camponês!

Quem cria o gado para dar a carne? O camponês!

Quem cria o carneiro para proporcionar a lã? O camponês!

Quem produz o vinho, a cidra, etc.? O camponês!

Quem nutre a caça? O camponês!

E, entretanto, quem come o melhor p√£o, a melhor carne?

Quem usa as mais belas roupas?

Quem bebe o bordeaux e o champagne?

Quem se aproveita da caça?

O burguês!!

Quem se diverte e repousa à vontade?

Continue lendo…

O Provincianismo Português (I)

Se, por um daqueles artifícios cómodos, pelos quais simplificamos a realidade com o fito de a compreender, quisermos resumir num síndroma o mal superior português, diremos que esse mal consiste no provincianismo. O facto é triste, mas não nos é peculiar. De igual doença enfermam muitos outros países, que se consideram civilizantes com orgulho e erro.
O provincianismo consiste em pertencer a uma civiliza√ß√£o sem tomar parte no desenvolvimento superior dela ‚ÄĒ em segui-la pois mimeticamente, com uma subordina√ß√£o inconsciente e feliz. O s√≠ndroma provinciano compreende, pelo menos, tr√™s sintomas flagrantes: o entusiasmo e admira√ß√£o pelos grandes meios e pelas grandes cidades; o entusiasmo e admira√ß√£o pelo progresso e pela modernidade; e, na esfera mental superior, a incapacidade de ironia.
Se h√° caracter√≠stico que imediatamente distinga o provinciano, √© a admira√ß√£o pelos grandes meios. Um parisiense n√£o admira Paris; gosta de Paris. Como h√°-de admirar aquilo que √© parte dele? Ningu√©m se admira a si mesmo, salvo um paran√≥ico com o del√≠rio das grandezas. Recordo-me de que uma vez, nos tempos do “Orpheu”, disse a M√°rio de S√°-Carneiro: “V. √© europeu e civilizado, salvo em uma coisa, e nessa V. √© v√≠tima da educa√ß√£o portuguesa. V. admira Paris,

Continue lendo…

voz numa pedra

N√£o adoro o passado
não sou três vezes mestre
n√£o combinei nada com as furnas
não é para isso que eu cá ando
decerto vi Osíris porém chamava-se ele nessa altura Luiz
decerto fui com Isis mas disse-lhe eu que me chamava Jo√£o
nenhuma nenhuma palavra est√° completa
nem mesmo em alem√£o que as tem t√£o grandes
assim também eu nunca te direi o que sei
a n√£o ser pelo arco em flecha negro e azul do vento

N√£o digo como o outro: sei que n√£o sei nada
sei muito bem que soube sempre umas coisas
que isso pesa
que lan√ßo os turbilh√Ķes e vejo o arco √≠ris
acreditando ser ele o agente supremo
do coração do mundo
vaso de liberdade expurgada do menstruo
rosa viva diante dos nossos olhos
Ainda longe longe essa cidade futura
onde ¬ęa poesia n√£o mais ritmar√° a ac√ß√£o
porque caminhar√° adiante dela¬Ľ
Os pregadores de morte v√£o acabar?
Os segadores do amor v√£o acabar?
A tortura dos olhos vai acabar?
Passa-me ent√£o aquele canivete
porque há imenso que começar a podar
passa n√£o me olhas como se olha um bruxo
detentor do milagre da verdade
a machadada e o propósito de não sacrificar-se não construirão ao sol coisa nenhuma
nada est√° escrito afinal

A Nossa Vida é Estilhaçada pelo Pormenor

Vivemos mesquinhamente, quais formigas, ainda que a fábula nos relate que há muito tempo atrás fomos transformados em homens; como os pigmeus lutamos com gruas; e é erro sobre erro, remendo sobre remendo, e a nossa melhor virtude decorre de uma miséria supérflua e evitável. A nossa vida é estilhaçada pelo pormenor.
Um homem honesto dificilmente precisa de contar para al√©m dos seus dez dedos das m√£os, acrescentando, em caso extremo, os seus dez dedos dos p√©s, e o resto que se amontoe. Simplicidade, simplicidade, simplicidade! Digo: ocupai-vos de dois ou tr√™s afazeres, e n√£o de cem ou mil; contai meia d√ļzia em vez de um milh√£o e tomai nota das receitas e despesas na ponta do polegar. A meio do agitado mar da vida civilizada, tantas s√£o as nuvens, as tempestades, as areias movedi√ßas, tantos s√£o os mil e um imprevistos a ser levados em conta, que para n√£o se afundar, para n√£o ir a pique antes de chegar ao porto, um homem tem de ser um grande calculista para lograr √™xito.
Simplificar, simplificar, simplificar. Em vez de tr√™s refei√ß√Ķes por dia, se preciso for, comer apenas uma; em vez de cem pratos, cinco; e reduzir proporcionalmente as outras coisas.

Continue lendo…

Nada d√° tanta ideia da const√Ęncia de car√°cter, como a firmeza de caminhar. Uma alem√£, uma inglesa, anda como pensa – direita e certa. As nossas raparigas, constantemente sentadas e aninhadas, quando t√™m de se p√īr a p√© e de marchar, gingam e rolam.

Gostava que os partidos de esquerda se entendessem, mas n√£o quero pedir tanto… Talvez um dia seja poss√≠vel. Lembro uma coisa: os social-democratas e os comunistas alem√£es passavam a vida a discordar e a discutir quando apareceu o Hitler. Acabaram todos em campos de concentra√ß√£o. Temos de pensar nisso.

O aforismo, a senten√ßa, nos quais pela primeira vez sou mestre entre os alem√£es, s√£o formas de ¬ęeternidade¬Ľ: a minha ambi√ß√£o √© dizer em dez frases o que outro qualquer diz num livro -, o que outro qualquer ¬ęn√£o¬Ľ diz nem num livro inteiro…

A Felicidade e a Virtude N√£o S√£o Argumentos

Ningu√©m tomar√° facilmente por verdadeira uma doutrina somente porque ela torna felizes ou virtuosos os homens: exceptuando, talvez, os am√°veis ¬ęidealistas¬Ľ que se entusiasmam pelo Bom, o Verdadeiro, o Belo e fazem nadar, no seu charco, toda a esp√©cie de variegadas, pesadonas e bonacheironas idealidades. A felicidade e a virtude n√£o s√£o argumentos. Mas de bom grado se esquece, mesmo os esp√≠ritos ponderados, que tornar infeliz e tornar mau n√£o s√£o t√£o-pouco contra-argumentos. Uma coisa deveria ser certa, embora fosse muit√≠ssimo prejudicial e perigosa; seria at√© poss√≠vel fazer parte da estrutura b√°sica da exist√™ncia o perecermos por causa do nosso conhecimento total, – de forma que a for√ßa de um esp√≠rito se mediria justamente pela quantidade de ¬ęverdade¬Ľ que era capaz de suportar ou, mais claramente, pelo grau em que necessitasse de a diluir, velar, adocicar, embotar, falsificar. Mas est√° fora de d√ļvida o facto de os maus e infelizes serem mais favorecidos e terem maior possibilidade de √™xito na descoberta certas partes da verdade; para n√£o falar dos maus que s√£o felizes, – esp√©cie que os moralistas passam em sil√™ncio.

√Č poss√≠vel que a dureza e a ast√ļcia forne√ßam, para o desenvolvimento do esp√≠rito e do fil√≥sofo firmes e independentes,

Continue lendo…

Uma Fraqueza de Eterna Disponibilidade

O perfil da nossa personalidade profunda, que √© inconfund√≠vel, que √© verdadeiro, n√£o tem, por variadas raz√Ķes, a nitidez de contornos de que se podem gabar homens doutros meridianos. Um espanhol, um franc√™s, um alem√£o, um ingl√™s, s√£o incompreens√≠veis fora das suas raias. Um portugu√™s, apesar das fortes ra√≠zes nacionais que o individualizam, entende-se perfeitamente longe de Portugal. H√° nele uma fraqueza de eterna disponibilidade, de pronta e conciliante aceita√ß√£o do que se lhe op√Ķe, de am√°vel adapta√ß√£o ao meio hostil, que o fazem capaz em todo o mundo, mas incapaz no seu mundo. Da√≠ n√£o ter possivelmente grandes coisas para exprimir, a n√£o ser o lirismo de ser assim. Infelizmente, n√£o √© por interm√©dio dos seus poetas l√≠ricos que um povo pode comunicar com os outros.

Polidez é Inteligência

A polidez √© uma conven√ß√£o t√°cita para ignorarmos a m√≠sera condi√ß√£o moral e intelectual do ser humano e assim evitarmos acus√°-la mutuamente; desse modo, ela vem menos a lume, para proveito de todos. Polidez √© intelig√™ncia; consequentemente, impolidez √© parvo√≠ce. Criar inimigos por impolidez, de maneira desnecess√°ria e caprichosa, √© t√£o demente quanto pegar fogo √† pr√≥pria casa. Pois a polidez, como as fichas de jogo, √© notoriamente uma moeda falsa: economiz√°-la √© prova de insensatez. Pelo contr√°rio, gast√°-la em profus√£o √© prova de sensatez. Todas as na√ß√Ķes concluem as suas cartas com ¬ęseu mui obediente servidor¬Ľ. S√≥ os alem√£es suprimem o ¬ęservidor¬Ľ porque, segundo dizem, n√£o √© verdadeiro! Quem, pelo contr√°rio, leva a polidez at√© ao sacrif√≠cio dos interesses reais, assemelha-se √†quele que, em lugar das fichas de jogo, desse aut√™nticas moedas de ouro. Do mesmo modo que a cera, dura e quebradi√ßa, torna-se male√°vel com um pouco de calor, assumindo qualquer forma desejada, tamb√©m se pode, com alguma polidez e amabilidade, tornar flex√≠veis e d√≥ceis os homens recalcitrantes e hostis. A polidez, portanto, √© para o homem o que o calor √© para a cera.

Uma Direc√ß√£o, e N√£o Solu√ß√Ķes

A diferen√ßa entre solu√ß√£o e direc√ß√£o √© esta: a solu√ß√£o √© sempre um rem√©dio passageiro para disfar√ßar a desgra√ßa. Ao passo que a direc√ß√£o √© a pr√≥pria dignidade posta nas m√£os do desgra√ßado para que deixe de o ser, e a direc√ß√£o √ļnica √© a garantia perp√©tua dessa dignidade. E foi o que fez Goethe: Descobriu a direc√ß√£o √ļnica. Artista, na verdadeira acep√ß√£o da palavra; Artista √© aquele que precede a pr√≥pria ci√™ncia. Por isso Goethe afastou-se de quantas realidades irrealiz√°veis onde costumam habitar instaladas as gentes. E impass√≠vel, desde cima, assistiu ao desenrolar da trag√©dia. E viu o mundo inteiro por cima de todas as cabe√ßas, e viu a Europa toda e com cada um dos seus peda√ßos, e viu cada indiv√≠duo da Humanidade como um pequenino astro tonto que nem sabe sequer ir na par√°bola da sua pr√≥pria traject√≥ria, e viu que de todos os seres deste mundo o √ļnico que errava o seu fim era o Homem, o dono da Terra! E viu que era na Humanidade que estavam os √ļnicos seres deste mundo que n√£o cumpriam com o seu pr√≥prio destino, e finalmente viu! Viu com os seus pr√≥prios olhos o que ningu√©m tinha visto antes dele.

Continue lendo…

A Doença da Disciplina

Das fei√ß√Ķes de alma que caracterizam o povo portugu√™s, a mais irritante √©, sem d√ļvida, o seu excesso de disciplina. Somos o povo disciplinado por excel√™ncia. Levamos a disciplina social √†quele ponto de excesso em que cousa nenhuma, por boa que seja ‚ÄĒ e eu n√£o creio que a disciplina seja boa ‚ÄĒ por for√ßa que h√°-de ser prejudicial.
Tão regrada, regular e organizada é a vida social portuguesa que mais parece que somos um exército de que uma nação de gente com existências individuais. Nunca o português tem uma acção sua, quebrando com o meio, virando as costas aos vizinhos. Age sempre em grupo, sente sempre em grupo, pensa sempre em grupo. Está sempre à espera dos outros para tudo. E quando, por um milagre de desnacionalização temporária, pratica a traição à Pátria de ter um gesto, um pensamento, ou um sentimento independente, a sua audácia nunca é completa, porque não tira os olhos dos outros, nem a sua atenção da sua crítica.
Parecemo-nos muito com os alem√£es. Como eles, agimos sempre em grupo, e cada um do grupo porque os outros agem.
Por isso aqui, como na Alemanha, nunca é possível determinar responsabilidades; elas são sempre da sexta pessoa num caso onde só agiram cinco.

Continue lendo…

A palavra ser (sein) significa duas coisas em alemão: estar aí (Dasein) e pertencer-lhe (Ihm gehoren).