Citação de

Pais Aprisionados

As crianças tornaram-se uma arma de arremesso Ă  medida de quase tudo. Justificam as discussões entre marido e mulher, justificam a falta de generosidade para com o prĂłximo, justificam a indisponibilidade e a inacção em geral – e no fim, em muitos casos (…), ainda nos absolvem pelo fracasso a que, pulverizados os sonhos da infância, os objectivos da juventude e as agendas da primeira idade adulta, nos vemos a certa altura obrigados a resumir o balanço das nossas vidas. E talvez haja, afinal, uma certa racionalidade no cosmos. Talvez haja uma razĂŁo para nunca, atĂ© hoje, nĂłs nĂŁo termos tido filhos, eu e outros como eu. Talvez nenhum de nĂłs esteja ainda pronto para resistir Ă  inevitável tentação de transformar os filhos num desmentido oficial para a nossa frustração. Talvez, no dia em que os tivermos, estejamos já preparados para conter o impulso de culpá-los por essa frustração. E talvez sejamos nĂłs, enfim, os primeiros a fugir Ă  inclinação para considerar que a nossa vida apenas começou no dia em que começou a vida dos nossos filhos. AtĂ© porque, disto tenho eu a certeza, filhos de pais cuja memĂłria alcança para alĂ©m do dia do primeiro parto resultam sempre em adultos mais saudáveis, desempoeirados e independentes.