Passagens sobre Negação

79 resultados
Frases sobre nega√ß√£o, poemas sobre nega√ß√£o e outras passagens sobre nega√ß√£o para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A teoria da nega√ß√£o, que considera ef√™mero o mundo fenom√™nico, quando n√£o se fundamenta na certeza da exist√™ncia do Eu divino (Imagem Verdadeira), degenera em pessimismo e niilismo. A mesma teoria da nega√ß√£o, quando se alicer√ßa na certeza da exist√™ncia do Eu divino (Imagem Verdadeira), torna-se a maior das filosofias otimistas. Esta √ļltima √© a Seicho-No-Ie.

Cai a Chuva Abandonada

Cai a chuva abandonada
à minha melancolia,
a melancolia do nada
que é tudo o que em nós se cria.

Memória estranha de outrora
n√£o a sei e est√° presente.
Em mim por si se demora
e nada em mim a consente

do que me fala à razão.
Mas a razão é limite
do que tem ocasi√£o

de negar o que me fite
de onde é a minha mansão
que é mansão no sem-limite.
Ao longe e ao alto é que estou
e só daí é que sou.

Pequenos Poemas Mentais

Mental: nada, ou quase nada sentimental.

I

Quem n√£o sai de sua casa,
n√£o atravessa montes nem vales,
não vê eiras
nem mulheres de infusa,
nem homens de mangual em riste, suados,
quem vive como a aranha no seu redondel
cria mil olhos para nada.
Mil olhos!
Implac√°veis.
E hoje diz: odeio.
Ontem diria: amo.
Mas odeia, odeia com ind√īmitos √≥dios.
E se se aplaca, como acha o tempo pobre!
E a liberdade in√ļtil,
in√ļtil e v√£,
riqueza de miser√°veis.

II

Como sempres, h√°-de-chegar, desde os tempos!
Vozes, cumprimentos, ofegantes entradas.
Mas que vos reunir√°, pensamentos?
Chegais a existir, pensamentos?
√Č prov√°vel, mas desconfiados e inv√°lidos,
Rosnando est√ļpidos, com c√£es.

√ď in√ļteis, aquietai-vos!
Voltai como os c√£es das quintas
ao ponto da partida, decepcionados.
E enrolai-vos tristonhos, rabugentos, desinteressados.

III

Esse gesto…
Esse des√Ęnimo e essa vaidade…
A vaidade ferida comove-me,
comove-me o ser ferido!

A vaidade não é generosa, é egoísta,
Mas chega a ser bela,

Continue lendo…

Homem para Deus

Ele vai só ele não tem ninguém
onde morrer um pouco toda a morte que o espera
Se é ele o portador do grande coração
e sabe abrir o seio como a terra
temei n√£o partam dele as grandes nega√ß√Ķes
Que h√° de comum entre ele e quem na juventude foi
que m√£o estendem eles um ao outro
por sobre tanta morte que nos dias veio?
E no seu coração que todo o homem ri e sofre
√© l√° que as esta√ß√Ķes recolhem findo o fogo
onde aquecer as mãos durante a tentação
é lá que no seu tempo tudo nasce ou morre
N√£o leva mais de seu que esse pequeno orgulho
de saber que decerto qualquer coisa acabar√°
quando partir um dia para n√£o voltar
e que ent√£o finalmente uma atitude sua h√°-de implicar
embora diminuta uma qualquer consequência
O que deus ter√° visto nele para morrer por ele?
Oh que responsabilidade a sua
Que não dê como a árvore sobre a vida simples sombra
que faça mais do que crescer e ir perdendo vestes

Oh que difícil não é criar um homem para deus

Nascença Eterna

Nascença Eterna,
Nasce mais uma vez!
Refaz a humílima Caverna
Que nunca se desfez.

Dist√Ęncia Transcendente,
Chega-te, uma vez mais,
Tão perto que te aqueças, como a gente,
No bafo dos obscuros animais.

Os que te dizem n√£o,
Os épicos do absurdo,
Que afirmarão, na sua negação,
Sen√£o seu olho cego, ouvido surdo?

Infelizes supremos,
Com seu fracasso alcançam nomeada,
E contentes se atiram aos extremos
Do seu nada.

Na nossa ambiguidade,
Somos piores, nós, talvez,
E uns e outros só vemos a verdade
Que, Verdade de Sempre!, tu nos dês.

Se nada tem sentido sem a fé
No seu sentido, Sol que n√£o te apagas,
Rompe mais uma vez na noite, que não é
Sen√£o o dia de outras plagas.

Perpétua Luz, Contínua Oferta
A nossa escuridade interna,
Abre-te, Porta sempre aberta,
Mais uma vez, na humílima Caverna.

A masculinidade s√≥ pode ser experimentada, alcan√ßada, reconhecida, e personificada em oposi√ß√£o √† feminilidade. Quando os homens colocam sexo, viol√™ncia, e morte como verdades er√≥ticas elementares, eles pretendem dizer isto ‚ÄĒ que sexo, ou foder, √© o ato que os possibilita experimentarem sua pr√≥pria realidade, ou identidade, ou masculinidade o mais concretamente; que viol√™ncia, ou sadismo, √© o meio pelo qual ele efetiva essa realidade, ou identidade, ou masculinidade; e que a morte, ou a nega√ß√£o, ou a inexist√™ncia, ou a contamina√ß√£o pela f√™mea √© o que eles arriscam cada vez que penetram no que eles imaginam ser o vazio do buraco da f√™mea.

Saber Subtrair-se

Pois se √© grande li√ß√£o de vida o saber negar, maior ser√° saber negar-se a si mesmo, aos neg√≥cios, √†s pessoas. H√° ocupa√ß√Ķes estranhas, carunchos do precioso tempo, e pior que nada fazer √© ocupar-se com impertin√™ncias. Para ser avisado n√£o basta n√£o ser intrometido, √© mister conseguir que n√£o o intrometam. N√£o se h√°-de ser tanto de todos que n√£o se seja de si mesmo. Tampouco dos amigos se h√°-de abusar, nem querer deles mais do que concederiam. Todo o demasiado √© vicioso, muito mais no trato. Com essa prudente temperan√ßa conserva-se melhor o agrado e a estima de todos, porque n√£o se fere a precios√≠ssima dec√™ncia. Tenha, pois, liberdade de g√©nio apaixonado do selecto, e nunca peque contra a f√© do seu bom gosto.

Amar um Ser é Matar Todos os Outros

Não há uma coisa que se faça por um ser (que se faça verdadeiramente) que não negue um outro. E quando não nos podemos resignar a negar os seres, há uma lei que nos estiriliza para sempre. De certo modo, amar um ser é matar todos os outros.

A Crise da Democracia

√Č natural que a crise da democracia, imposs√≠vel de negar, se revele sob o aspecto de sucessivas crises pol√≠ticas. Mas para qu√™ jogar com as palavras? Quando a m√°quina se desarranja, frequentemente, por melhor eco e por mais vistosas engrenagens que possua, torna-se urgente p√ī-la de lado como in√ļtil, aproveitando-lhe, √© claro, as inova√ß√Ķes, tudo o que for suscept√≠vel de aplicar a outra m√°quina…
(…) N√£o √© poss√≠vel negar certas verdades e conquistas da democracia que s√£o hoje indispens√°veis √† vida de todos os regimes. Mas os sistemas propriamente ditos, na sua inteireza, nascem, vivem e morrem como os homens. As escolas pol√≠ticas e sociais s√£o como as escolas liter√°rias. Esgotada a sua capacidade criadora, a sua flama, perdem a for√ßa, extinguem-se, depois de terem deixado a sua marca, o tra√ßo profundo da sua influ√™ncia. Os pr√≥prios defensores da democracia procuram transigir com o esp√≠rito do seu tempo, confessando e admitindo a necessidade de modificar o sistema das suas ideias, de renovar os √≥rg√£os da democracia. Mas que prop√Ķem eles, afinal, para que se efective essa renova√ß√£o? Medidas rid√≠culas que n√£o se adaptam ao pr√≥prio sistema: ligeiras altera√ß√Ķes no regulamento interno das C√Ęmaras, limita√ß√Ķes no tempo dos discursos, restri√ß√Ķes no uso da palavra,

Continue lendo…

Nenhum segue mais leis que as da conveniência própria. Imaginar o contrário é querer emendar o mundo, negar a experiência e esperar impossíveis.

A Religião e o Jornalismo São as Únicas Forças Verdadeiras

Todas as artes s√£o uma futilidade perante a literatura. As artes que se dirigem √† visualidade, al√©m de serem √ļnicos os seus produtos, e perec√≠veis, podendo portanto, de um momento para o outro, deixar de existir, n√£o existem sen√£o para criar ambiente agrad√°vel, para distrair ou entreter ‚ÄĒ exactamente como as artes de representar, de cantar, de dan√ßar, que todos reconhecem como sendo inferiores em rela√ß√£o √†s outras. A pr√≥pria m√ļsica n√£o existe sen√£o enquanto executada, participando portanto da futilidade das artes de representa√ß√£o. Tem a vantagem de durar, em partituras; mas essa n√£o √© como a dos livros, ou coisas escritas, cuja valia est√° em que s√£o partituras acess√≠veis a todos os que sabem ler, existindo ali para a interpreta√ß√£o imediata de quem l√™, e n√£o para a interpreta√ß√£o do executante, transmitida depois ao ouvinte.
As literaturas, porém, são escritas em línguas diferentes, e, como não há possibilidades de haver uma língua universal, nem, se vier a havê-la, será o grego antigo, onde tantas obras de arte se escreveram, ou o latim, ou o inglês ou outra qualquer, e se for uma delas não será as outras, segue que a literatura, sendo escrita para a posteridade, não a atinge senão,

Continue lendo…

Egoísmo Relativo

Por mim, o meu ego√≠smo √© a superf√≠cie da minha dedica√ß√£o. O meu esp√≠rito vive constantemente no estudo e no cuidado da Verdade, e no escr√ļpulo de deixar, quando eu despir a veste que me liga a este mundo, uma obra que sirva o progresso e o bem da Humanidade.
Reconhe√ßo que o sentido intelectual que esse Servi√ßo da Humanidade toma em mim, em virtude do meu temperamento, me afasta, muitas vezes, das pequenas manifesta√ß√Ķes que em geral revelam o esp√≠rito humanit√°rio. Os actos de caridade, a dedica√ß√£o por assim dizer quotidiana s√£o cousas que raras vezes aparecem em mim, embora nada haja em mim que represente a nega√ß√£o delas.
Em todo o caso, reconheço, em justiça para comigo próprio, que não sou mais egoísta que a maioria dos indivíduos, e muito menos o sou que a maioria dos meus colegas nas artes e nas letras. Pareço egoísta àqueles que, por um egoísmo absorvente, exigem a dedicação dos outros como um tributo.

Somos a Resposta que Damos ao que Nos Acontece

Somos frágeis. A vida é dura. Não somos o que nos acontece.

H√° pesos que n√£o podemos rejeitar. Toda a revolta seria t√£o ilus√≥ria quanto in√ļtil. Mas n√£o devemos ficar pela simples resigna√ß√£o, √© preciso que assumamos esses pesos e os queiramos levar de vencidos. Que escolhamos ser quem somos, apesar deles. Com eles. Neles.

Somos a resposta que damos ao que nos acontece.

Temos de aceitar a indiferen√ßa e a incompreens√£o dos outros. As d√ļvidas e as contradi√ß√Ķes do mundo s√£o um peso acrescido, que devemos carregar junto √†s nossas pr√≥prias dores, falhas e fraquezas.

Depois, h√° ainda os pesos que os outros n√£o podem, ou n√£o querem, levar…

Os males pesam, sempre. Sejam os meus, os do mundo ou os dos que amo… h√° que aceit√°-los primeiro, para lhes fazer frente depois.

√Č essencial aceitar a fraqueza das nossas for√ßas. A imperman√™ncia de tudo o que temos. A fragilidade do que somos.

Por vezes, a cruz é o caminho.

√Č na dor que o verdadeiro amor se manifesta.

Tenho de me negar a mim mesmo se quero amar o outro.

Continue lendo…

Questionação do Inquestionável

Toda a pergunta implica uma interrogação a um olhar vigilante. Mas a vigília cansa. Nunca porém o soubemos como hoje, porque só hoje verdadeiramente interrogamos Рsó hoje sabemos ser essa a questionação do inquestionável.
Mas reconhecemo-lo precisamente por termos interrogado. Porque ao longo da Hist√≥ria, jamais o homem de facto interrogou, por n√£o saber que interrogava. Esbo√ßada embora h√° muito a quest√£o do fundamental, ela perturbou-se-nos no entusiasmo de lhe responder em positivo ou negativo. Porque a nega√ß√£o n√£o nega, a destrui√ß√£o n√£o destr√≥i, excepto se n√£o h√° mais nada para destruir: at√© l√° constr√≥i ainda – nem que seja o pr√≥prio acto de destruir. Fazer e desfazer, com efeito, s√£o iguais como acto e entusiasmo desse acto. A grande diferen√ßa n√£o √© a que separa um do outro, mas a que os separa a ambos de n√≥s. A grande diferen√ßa √© a que vai da seguran√ßa do falar √† perturba√ß√£o do sil√™ncio; do ¬ęsim¬Ľ ou ¬ęn√£o¬Ľ como limite, ao querer ir al√©m do limite sem mais al√©m para ir. Mas a luz que ilumina, o que iluminou? Que a ci√™ncia te explique o que √© uma simples pedra, explicou por cima do que seria interessante explicar. H√° uma quest√£o ainda,

Continue lendo…

O Constante Desejo de Mudança Cega o Progresso

Penso, baseando-me em todos os dados que de h√° um ano para c√° nos saltam aos olhos, que se pode afirmar que qualquer progresso deve acarretar necessariamente n√£o um avan√ßo ainda maior mas, ao fim e ao cabo, a nega√ß√£o do progresso e o retorno ao ponto de partida. A hist√≥ria do g√©nero humano prova-o. No entanto, a confian√ßa cega desta gera√ß√£o, e da que a precedeu, nas ideias modernas, no advento de n√£o sei que era da humanidade que deveria marcar uma profunda transforma√ß√£o – mas que, no meu entender, para influenciar o destino de cada um deveria antes de mais afect√°-lo na pr√≥pria natureza do homem -, esta confian√ßa no futuro, que nada nos s√©culos que nos precederam justifica, constitui seguramente a √ļnica garantia desses bens futuros, dessas revolu√ß√Ķes t√£o desejadas pela vontade dos homens.
N√£o ser√° evidente que o progresso, ou seja a marcha progressiva das coisas – tanto para o bem como para o mal -, acabou, hoje, por conduzir a sociedade √† beira de um abismo, onde ela poder√° facilmente vir a cair para dar lugar √† mais completa barb√°rie? E a raz√£o disso, a √ļnica raz√£o para que isso suceda, n√£o residir√° nessa lei que neste mundo imp√Ķe a todas as outras: isto √©,

Continue lendo…