Textos sobre Meias

35 resultados
Textos de meias escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Sou os Sonhos que n√£o Realizei

A tristeza de n√£o ser mais do que aquilo que deixei de ser. De n√£o fazer mais do que aquilo que deixei por fazer. Sou os sonhos que n√£o realizei, os passos que n√£o dei. Sou a vida, sim, que n√£o vivi. E √© assim que vivo, entre pensamentos de que sou e a lucidez, sempre tempor√°ria mas sempre triste, de que n√£o sou. De que n√£o consigo ser. Os dias, lentos e parcimoniosos, s√£o leves brisas de tempo, folhas que o vento, sem esfor√ßo, carrega para o destino final. Escrevo porque s√≥ sei escrever. Escrevo porque nada sei fazer. E aguardo que, letra a letra, se v√°, imagem a imagem, o sonho prometido. E aguardo que, sonho a sonho, se v√°, promessa a promessa, o destino ansiado. Sou, mais do que o que sou, o que n√£o sou: o que n√£o fui capaz de ser. Fiquei a meio, sempre a meio, do que desejei finalizar. Meio escritor, meio humano, meio poeta e meio insano, meio senhor, meio crian√ßa, meio sorriso na meia inf√Ęncia. Fiquei a meio, sempre a meio, do que desejei finalizar. Fui o quase g√©nio, o quase artista, o quase pedinte, o quase louco. Fui quase feliz,

Continue lendo…

O Inseguro

A eterna can√ß√£o: Que fiz durante o ano, que deixei de fazer, por que perdi tanto tempo cuidando de aproveit√°-lo? Ah, se eu tivesse sido menos apressado! Se parasse meia hora por dia para n√£o fazer absolutamente nada ‚ÄĒ quer dizer, para sentir que n√£o estava fazendo coisas de programa, sem cor nem sabor. A√≠, a fantasia galopava, e eu me reencontraria como gostava de ser; como seria, se eu me deixasse…
Não culpo os outros. Os outros fazem comigo o que eu consinto que eles façam, dispersando-me. Aquilo que eu lhes peço para fazerem: não me deixarem ser eu-um. Nem foi preciso rogar-lhes de boca. Adivinharam. Claro que eu queria é sair com eles por aí, fugindo de mim como se foge de um chato. Mas não foi essa a dissipação maior. No trabalho é que me perdi completamente de mim, tornando-me meu próprio computador. Sem deixar faixa livre para nenhum ato gratuito. Na programação implacável, só omiti um dado: a vida.

Que sentimento tive da vida, este ano? Que escava√ß√£o tentei em suas jazidas? A que profundidade cheguei? Substitu√≠ a no√ß√£o de profundidade pela de altura. N√£o quis saber de minera√ß√Ķes. Cravei os olhos no espa√ßo,

Continue lendo…

A Amizade e o Amor Segundo uma Lógica de Bazar

Desconfia-se do que √© dado e pesa-se o que se recebe. A amizade e o amor parecem gerir-se, por vezes, segundo uma l√≥gica de bazar. J√° nem √© considerado m√°-educa√ß√£o perguntar quanto √© que uma prenda custou. Se esse pre√ßo √© excessivo chega-se a dizer que n√£o se pode aceitar. Recusar uma d√°diva √© como chamar interesseiro ao dador. √Č desconfiar que existe uma segunda inten√ß√£o. De qualquer forma, s√≥ quem tem medo (ou corre o risco) de se vender pode pensar que algu√©m est√° a tentar compr√°-lo. Quem d√° de bom cora√ß√£o merece ser aceite de bom cora√ß√£o. A ess√™ncia sentimental da d√°diva √© ultrajada pela frieza da avalia√ß√£o.
A mania da equitatividade contamina os esp√≠ritos justos. √Č o caso das pessoas que, n√£o desconfiando de uma d√°diva, recusam-se a aceitar uma prenda que, pelo seu valor, n√£o sejam capazes de retribuir. Esta atitude, apesar de ser nobre, acaba por ser igualmente destrutiva, pois sup√Ķe que existe, ou poder√° vir a existir, uma expectativa de retribui√ß√£o da parte de quem d√°. Mas quem d√° n√£o d√° para ser pago. D√° para ser recebido. N√£o d√° como quem faz um dep√≥sito ou investimento. O valor de uma prenda n√£o est√° na prenda –

Continue lendo…

Tem-me Custado a Passar o Dia

Ent√£o o rico fochinhinho chegou fixe? A rica fochinhinha est√° mais triste do que a triste noite. O pai chega hoje no comboio da noite e vamos esper√°-lo √† esta√ß√£o. Que pena n√£o ser o meu preto que chega! Mas se Deus quiser… s√°bado a esta hora estou eu bem mais contente do que hoje: Tem-me custado a passar o dia como tu nem calculas; tenho estado deitada a olhar para o mapa, a ler e a bordar para ter o bordado muito adiantado quando o fochinhinho chegar.
Ando como os parvos a olhar para as paredes, mais chateada do que nunca. Então o pirilau está triste e cheio de saudades? Escrevo hoje só meia folha de papel porque ainda não recebi carta tua e não tenho pois que responder a coisa alguma, a não ser dizer-te que estou a achar os dias com 48 horas cada um. Dize-me o que fazes no quartel que é para que eu vá calculando o que tens feito e o que te resta fazer. Vai ao teatro para te distraíres, já que eu não vejo aqui nada. Só quero sair ao passeio e ao teatro quando vier o rico amor meu. Não te esqueças de fazer a fatiota de cotim.

Continue lendo…

Falar com Estranhos

J√° reparou? E mais f√°cil ser-se verdadeiro com os estranhos. As pessoas que viajam de comboio come√ßam a falar com estranhos e contam coisas que nunca contaram aos amigos, porque, com um estranho, n√£o se sentem envolvidas. Meia hora mais tarde, chegam ao seu destino e saem; esquecem e o estranho esquecer√° tudo aquilo que lhe contaram. Por isso nada do que lhe disseram tem qualquer import√Ęncia. N√£o se correm riscos com um estranho.

Ao falar com estranhos, as pessoas s√£o mais verdadeiras e revelam o seu cora√ß√£o. Mas ao falar com os amigos, com os familiares ‚ÄĒ pai, m√£e, mulher, marido, irm√£o, irm√£ ‚ÄĒ h√° uma profunda inibi√ß√£o inconsciente. ¬ęN√£o digas isso, ele pode ficar magoado. N√£o fa√ßas isso, ela pode n√£o gostar. N√£o te comportes dessa maneira, o pai √© velho, pode ficar chocado.¬Ľ Ent√£o a pessoa continua a controlar-se. A pouco e pouco, a verdade cai na cave do seu ser e ela torna-se muito esperta e astuciosa com o n√£o verdadeiro. Continua a fazer falsos sorrisos, que n√£o passam de pinturas nos l√°bios. Continua a dizer coisas simp√°ticas, sem qualquer significado. Come√ßa a sentir-se aborrecida com o namorado ou com os pais, mas continua a dizer: ¬ęEstou muito contente por te ver!¬Ľ Enquanto isso,

Continue lendo…

Uma Apreciação Correcta do Nosso Valor

Uma aprecia√ß√£o correcta do valor daquilo que se √© em si e para si mesmo, comparado √†quilo que se √© apenas aos olhos de outr√©m, contribuir√° em muito para a nossa felicidade. √Ä primeira rubrica pertence tudo o que preenche o tempo da nossa pr√≥pria exist√™ncia, o conte√ļdo √≠ntimo desta. (…) Pelo contr√°rio, o lugar daquilo que somos para outr√©m √© a consci√™ncia alheia, √© a representa√ß√£o sob a qual nela aparecemos, junto com os conceitos que lhe s√£o aplicados. Ora, isso √© algo que n√£o existe imediatamente para n√≥s, mas apenas de modo mediato, vale dizer, na medida em que determina a conduta dos outros para connosco. E mesmo isso s√≥ √© levado em conta caso tenha influ√™ncia sobre alguma coisa que possa modificar aquilo que somos em n√≥s e para n√≥s mesmos. Ademais, aquilo que se passa, como tal, na consci√™ncia alheia, √©-nos indiferente.
E tamb√©m nos tornaremos cada vez mais indiferentes quando alcan√ßarmos um conhecimento suficiente da superficialidade e da futilidade dos pensamentos, da limita√ß√£o dos conceitos, da pequenez dos sentimentos, da absurdez das opini√Ķes e do n√ļmero de erros na maioria das cabe√ßas. E, ainda, √† medida que aprendermos pela pr√≥pria experi√™ncia o desd√©m com que,

Continue lendo…

Da Natureza do Mistério

As coisas misteriosas s√£o o que h√° de mais belo, grandioso, e doce na exist√™ncia. Os mais maravilhosos sentimentos s√£o os que nos agitam com certa confus√£o: pudor, amor casto, amizade virtuosa, rescendem misterioso perfume. Dirieis que os cora√ß√Ķes amantes com meias palavras se compreendem e se franqueiam. A inoc√™ncia, santa ignor√Ęncia, n√£o √© per si o mais inef√°vel dos mist√©rios? Exulta a inf√Ęncia porque tudo ignora; amisera-se a velhice porque tudo sabe: felizmente para ela, principiam os mist√©rios da morte onde fenecem os da vida. D√°-se nos afectos o que se d√° nas virtudes: as mais ang√©licas s√£o as que, derivadas imediatamente de Deus, √† maneira da caridade, folgam de esconder-se √† vista, como a origem delas.

Opini√Ķes Discordantes

. √Č preciso repetir de vez em quando a nossa pro¬≠fiss√£o de f√© e exprimir em voz alta aquilo que valori¬≠zamos e aquilo que condenamos. Os nossos advers√°¬≠rios tamb√©m n√£o deixam de o fazer.
. Os advers√°rios acreditam que nos refutam ao repetir as suas opini√Ķes sem dar aten√ß√£o √† nossa. . Os que contradizem e entram em disputa de¬≠viam pensar de vez em quando que nem todas as linguagens s√£o entend√≠veis por toda a gente.
. Quando alguém afirma que conseguiu contra­dizer-me não pensa que se limitou a contrapor uma visão das coisas à minha, e que, portanto, com isso nada conseguiu de facto. Um terceiro tem o direito de lhe fazer o mesmo, e assim por diante, até ao in­finito.
. Em Nova Iorque h√° noventa confiss√Ķes crist√£s diferentes e cada uma delas tem a sua maneira pr√≥¬≠pria de adorar a Deus e ao Senhor Jesus, sem por isso se confundirem umas com as outras. Dev√≠amos levar a cabo qualquer coisa de semelhante na inves¬≠tiga√ß√£o relativa √† Natureza – e, ali√°s, em toda a in¬≠vestiga√ß√£o. Pois, que significado tem toda a gente falar de liberalidade e cada um pretender limitar os outros segundo a sua pr√≥pria maneira de pensar e de se exprimir?

Continue lendo…

Só Hoje

1. S√≥ hoje, vou ser feliz. Isto pressup√Ķe que o que Abraham Lincoln disse √© verdadeiro: ¬ęA maioria das pessoas √© feliz na medida em que resolve s√™-lo.¬Ľ A felicidade est√° dentro de n√≥s, n√£o √© uma quest√£o exterior.

2. Só hoje, vou tentar adaptar-me às coisas como elas são e não tentar adaptar tudo aos meus próprios desejos. Vou aceitar a minha família, o meu trabalho e a minha sorte tal como são e adaptar-me a eles.

3. Só hoje, vou cuidar do meu corpo. Vou exercitá-lo, cuidar dele, nutri-lo, não abusar dele nem negligenciá-lo, para que seja uma máquina perfeita ao meu dispor.

4. S√≥ hoje, vou tentar fortalecer a minha mente. Vou aprender alguma coisa √ļtil. N√£o vou ser um pregui√ßoso mental. Vou ler alguma coisa que exija esfor√ßo, racioc√≠nio e concentra√ß√£o.

5. Só hoje, vou exercitar a minha mente de três maneiras: vou fazer bem a alguém sem essa pessoa descobrir. Vou fazer pelo menos duas coisas que não quero fazer, como sugere William James, só para me exercitar.

6. Só hoje, vou ser agradável. Vou apresentar-me o melhor que puder, vestir-me o mais correctamente possível,

Continue lendo…

Um Silêncio Cauto e Prudente é o Cofre da Sensatez

– (…) V√≥s quereis tentar a sorte na grande cidade, e sabeis bem que √© l√° que deveis gastar essa aura de valentia que a longa inac√ß√£o dentro destas muralhas vos houver concedido. Procurareis tamb√©m a fortuna, e devereis ser h√°bil a obt√™-la. Se aqui aprendeste a escapar √† bala de um mosquete, l√° deveis aprender a saber escapar √† inveja, ao ci√ļme, √† rapacidade, batendo-vos com armas iguais com os vossos advers√°rios, ou seja, com todos. E portanto escutai-me. H√° meia hora que me interrompeis dizendo o que pensais, e com o ar de interrogar quereis mostrar-me que me engano. Nunca mais o fa√ßais, especialmente com os poderosos. √Äs vezes a confian√ßa na vossa arg√ļcia e o sentimento de dever testemunhar a verdade poderiam impelir-vos a dar um bom conselho a quem √© mais do que v√≥s. Nunca o fa√ßais. Toda a vit√≥ria produz √≥dio no vencido, e se se obtiver sobre o nosso pr√≥prio senhor, ou √© est√ļpida ou √© prejudicial. Os pr√≠ncipes desejam ser ajudados mas n√£o superados.
Mas sede prudente também com os vossos iguais. Não humilheis com as vossas virtudes. Nunca falei de vós mesmos: ou vos gabaríeis, que é vaidade, ou vos vituperaríeis,

Continue lendo…

Idiotia e Felicidade

Como pode ser-se idiota e, ao mesmo tempo, feliz, pergunta-me um leitor? Pois explico j√°. A idiotia e a felicidade s√£o ideias muito vagas, dif√≠ceis de cingir em conceitos de circula√ß√£o universal, digamos. Mas, pensando melhor, acho que certa idiotia √© suscept√≠vel de conferir ao idiota seu propriet√°rio (ou seu prisioneiro) uma esp√©cie de seguran√ßa em si pr√≥prio que o levar√°, em determinados momentos, julgo eu, a uma beatitude muito pr√≥xima do que se pode chamar estado de felicidade.Assim sendo, n√£o vejo incompatibilidade entre o ser-se idiota e o ser-se feliz. Bem sei que h√° v√°rias maneiras de se chegar a idiota. Uma delas foi experimentada comigo. Uma parente minha queria por for√ßa reconverter-me ao Catolicismo e, deste modo, passava a vida a dizer-me: ¬ęAlexandre, n√£o penses. Se come√ßas a pensar estragas tudo. A cren√ßa em Deus, se, em vez de pensares, reaprenderes a rezar, vem por si. √Č uma gra√ßa, sabias? V√°, reza comigo.¬Ľ E ensinava-me ora√ß√Ķes que eu, muitas vezes de m√£os postas, repetia aplicadamente. Acabei por n√£o me casar com ela.
Não quero dizer, com isto, que não acredite na chamada (creio eu) revelação. Se revelação não existisse, como poderia um poeta do tomo de Paul Claudel entrar um dia em Notre-Dame e sentir-se,

Continue lendo…

Hábito e Inércia

Ao princípio, somos carne animada pela alma; a meio caminho, meias máquinas; perto do fim, autómatos rígidos e gelados como cadáveres. Quando a morte chega, encontramo-nos em tudo semelhantes aos mortos. Esta petrificação progressiva é obra do hábito.
O hábito torna-nos cegos às maravilhas do mundo Рindiferentes e inconscientes perante os milagres quotidianos -, embota a força dos sentidos e dos sentimentos Рtorna-nos escravos dos costumes, mesmo tristes e culpados: suprime a vista, espanto, fogo e liberdade. Escravos, frígidos, insensatos, cegos: tudo propriedade dos cadáveres. A subjugação aos hábitos é uma subjugação da morte; um suicídio gradual do espírito.
O h√°bito suprime as cores, incrusta, esconde: partes da nossa vida afundam-se gradualmente na inconsci√™ncia e deixam de ser vida para se tornarem pe√ßas de um mecanismo imprevisto. O c√≠rculo do espont√Ęneo reduz-se; a liberdade e novidade decaem na monotonia do vulgar.
√Č como se o sangue se tornasse, a pouco e pouco, s√≥lido como os ossos e a alma um sistema de correias e rodas. A mat√©ria n√£o passa de esp√≠rito petrificado pelos h√°bitos. Nasce-se esp√≠rito e mat√©ria e termina-se apenas como mat√©ria. A casca converteu em madeira a pr√≥pria linfa.
A casca é necessária para proteger o albume,

Continue lendo…

A Exacta Glória é a Póstuma

A exacta gl√≥ria √© a p√≥stuma, a que nenhum dente r√≥i, e que s√≥ desce sobre um nome depois da ressurrei√ß√£o intemporal do seu possuidor. Todos sabemos que a imortalidade do poeta lhe nasce das cinzas. Mas o artista enquanto vive √© homem. Rege-o tanto uma lei de cima como uma lei de baixo. E por isso, pela transit√≥ria fama entre meia d√ļzia de condicionados contempor√Ęneos, √© capaz de matar um irm√£o. Velhos e novos aprestam nesta triste luta as mesmas armas e as mesmas unhas. Os velhos querem guardar os loiros; os novos querem tirar-lhos das m√£os. E sem haver a mais pequena esperan√ßa de paz entre as duas for√ßas. √Č da pr√≥pria natureza dos contendores que nenhum ceda. A sofreguid√£o √© tanto da fisiologia senil, como da infantil…

O Teu Céu

√Č em vida que tens o teu c√©u. Mas n√£o √© um c√©u prometido. Um c√©u prometido √© um c√©u precavido, um c√©u prevenido ‚Äď um c√©u invertido. O que j√° sabes que vai ser c√©u √© um mart√≠rio. Se sabes que vai ser c√©u: ent√£o √© porque n√£o √© c√©u. √Čs tu que, todos os dias, tens de agarrar nas tuas perninhas e no monte de ant√≠teses de que √©s feito. √Čs tu que tens de rezar pelo teu c√©u. Mas rezar n√£o √© de joelhos. Rezar nem sequer √© cruzar os dedos e olhar para o c√©u √† espera de que de l√° caia alguma coisa. O mais inusitado que podes esperar que caia do c√©u s√£o perdigotos de quem, como tu, pensa que rezar √© dizer meia d√ļzia de palavras com os joelhos dobrados e as m√£os unidas em forma de impot√™ncia. Mas rezar n√£o √© nada disso. Vou-te explicar o que √© rezar. Oremos, irm√£o.

Rezar não é ajoelhar nem é falar nem é esperar. Rezar é lutar. Não é por acaso que depois de morrer alguém de quem se gosta se faz o luto. Luto. Ouve bem, lê bem: sente bem. Luto. Luto.

Continue lendo…

Experiência de Vida é Essencial ao Bom Escritor

A maior desgra√ßa que pode acontecer a um artista √© come√ßar pela literatura, em vez de come√ßar pela vida. Cora-se de vergonha, depois, diante das ingenuidades impressas, que s√£o cueiros sujos e pretendem ser livros. S√≥ a experi√™ncia, a dor e o trabalho trazem a dignidade que uma obra liter√°ria exige. Mesmo que n√£o se tenha g√©nio, pode-se, ent√£o, ter compostura. E seja qual for a dura√ß√£o do que se escreve, uma coisa ao menos os vindouros poder√£o respeitar: a nobreza do que v√£o ler. Mas poucos sabem esperar pela hora da matura√ß√£o. E antes desse livro curado pelo fumo da vida, v√™em-se quase sempre meia d√ļzia de outros, infantis, imbecis, esquem√°ticos como o b√™-√°-b√°. ¬ęPenitet me¬Ľ ‚ÄĒ creio que √© a f√≥rmula do arrependimento.

A Nossa Vida é Estilhaçada pelo Pormenor

Vivemos mesquinhamente, quais formigas, ainda que a fábula nos relate que há muito tempo atrás fomos transformados em homens; como os pigmeus lutamos com gruas; e é erro sobre erro, remendo sobre remendo, e a nossa melhor virtude decorre de uma miséria supérflua e evitável. A nossa vida é estilhaçada pelo pormenor.
Um homem honesto dificilmente precisa de contar para al√©m dos seus dez dedos das m√£os, acrescentando, em caso extremo, os seus dez dedos dos p√©s, e o resto que se amontoe. Simplicidade, simplicidade, simplicidade! Digo: ocupai-vos de dois ou tr√™s afazeres, e n√£o de cem ou mil; contai meia d√ļzia em vez de um milh√£o e tomai nota das receitas e despesas na ponta do polegar. A meio do agitado mar da vida civilizada, tantas s√£o as nuvens, as tempestades, as areias movedi√ßas, tantos s√£o os mil e um imprevistos a ser levados em conta, que para n√£o se afundar, para n√£o ir a pique antes de chegar ao porto, um homem tem de ser um grande calculista para lograr √™xito.
Simplificar, simplificar, simplificar. Em vez de tr√™s refei√ß√Ķes por dia, se preciso for, comer apenas uma; em vez de cem pratos, cinco; e reduzir proporcionalmente as outras coisas.

Continue lendo…

Refaz a Minha Vida Arruinada

Meu querido rapaz,

Recebi o teu telegrama h√° meia hora, e quero apenas enviar-te uma linha para dizer que sinto que a minha √ļnica esperan√ßa de novamente fazer arte maravilhosa est√° em encontrar-te e permanecer contigo. Antes n√£o era assim, mas agora √© diferente, e tu consegues verdadeiramente recriar em mim a energia e a sensa√ß√£o alegre de poder, das quais a arte depende.

Todos est√£o furiosos comigo por regressar a ti, mas eles n√£o nos compreendem. Sinto que apenas contigo sou capaz de fazer algo, seja o que for. Refaz, por favor, a minha vida arruinada, e ent√£o a nossa amizade e o nosso amor ter√£o, para o mundo, um significado diferente.

Que me dera que, quando nos encontrámos em Rouen, não nos tivéssemos despedido. Existem agora abismos de terra e espaço entre nós. Mas amamo-nos.

Boa noite, meu querido.

A Grande Vantagem da Vida

– A grande vantagem da vida √© ensinar-nos outra vez a chorar. A vida infantiliza. Fica-se maior no que nos faz ser mais pequenos. Cresce-se fora o que se vai perdendo por dentro. Passamos a inf√Ęncia a querer crescer, a adolesc√™ncia a querer crescer. E depois percebemos que s√≥ quer crescer quem ainda se sente pequeno. Um adulto sente-se pequeno mas pensa ao contr√°rio. Sente-se pequeno e quer ficar mais pequeno. Voltar ao tempo em que havia sonhos.
‚Äď Onde se perdem os sonhos?
‚Äď Todos os sonhos se perdem. Mesmo aqueles que vais ganhar, e vais ganhar muitos, se v√£o perder. Porque j√° deixaram de ser sonhos. Sonhaste aquilo, tiveste aquilo. E acabou. L√° se foi o sonho. O segredo √© conseguir gerar novos sonhos. Sonhos que consigam ocupar o espa√ßo em branco deixado pelo sonho perdido.
‚Äď Mesmo que tenha sido ganho.
‚Äď Mesmo que tenha sido ganho.
‚Äď Queria ser como tu.
‚Äď E eu queria ser como tu. Queria olhar para a frente e ver que o caminho n√£o acaba, o caminho a perder de vista.
‚Äď O teu n√£o se perde de vista?
‚Äď O meu faz-me perder a vista.

Continue lendo…

N√£o h√° Nada que Resista ao Tempo

N√£o h√° nada que resista ao tempo. Como uma grande duna que se vai formando gr√£o a gr√£o, o esquecimento cobre tudo. Ainda h√° dias pensava nisto a prop√≥sito de n√£o sei que afecto. Nisto de duas pessoas julgarem que se amam tresloucadamente, de n√£o terem mutuamente no corpo e no pensamento sen√£o a imagem do outro, e da√≠ a meia d√ļzia de anos n√£o se lembrarem sequer de que tal amor existiu, cruzarem-se numa rua sem qualquer estremecimento, como dois desconhecidos.
Essa certeza, hoje ent√£o, radicou-se ainda mais em mim.
Fui ver a casa onde passei um dos anos cruciais da minha vida de menino. E nem as portas, nem as janelas, nem o panorama em frente me disseram nada. Tinha c√° dentro, √© certo, uma nebulosa sentimental de tudo aquilo. Mas o concreto, o real, o n√ļmero de degraus da escada, a cara da senhoria, a significa√ß√£o terrena de tudo aquilo, desaparecera.