Passagens sobre Continuidade

31 resultados
Frases sobre continuidade, poemas sobre continuidade e outras passagens sobre continuidade para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

N√£o √© normal a liga√ß√£o mulher com mulher e homem com homem. Mas √© toler√°vel. Eles que fa√ßam l√° o que entenderem. Mas o casamento tem um √ļnico fim: preservar a continuidade da esp√©cie.

‚ÄėCria√ß√£o infinita‚Äô n√£o significa obra inacabada. N√£o √© ‚Äėconclus√£o est√°tica‚Äô, mas sim ‚Äėconclus√£o din√Ęmica‚Äô. N√£o √© ‚Äėconclus√£o que se caracteriza pela cessa√ß√£o de movimento‚Äô, mas sim ‚Äėconclus√£o que se caracteriza pela continuidade de movimento‚Äô.

A Esperança é o Bordão da Vida

A esperan√ßa √© o bord√£o da vida. H√° uma coisa do Padre Vieira, muito bonita, em que ele fala do Non. Terr√≠vel palavra √© o non, de qualquer lado por onde se pegue, √© sempre Non ‚Äď isto aparece no meu filme ‚ÄúNon ou a v√£ gl√≥ria de mandar‚ÄĚ, dito por esse grande actor, o Ruy de Carvalho. A √ļltima palavra do Vieira sobre Non √©: ‚ÄúO Non tira a esperan√ßa, que √© a √ļltima coisa que a natureza deixou ao homem‚ÄĚ. Sem esperan√ßa n√£o se pode viver.

[A esperança e o desejo são o que nos impele a fazer, prosseguir. Mas não é supremamente difícil mantê-los vivos?]

O desejo n√£o nos impele para existir. O desejo impele para a continuidade da esp√©cie. O que nos impele √† exist√™ncia √© o que diz o maia, ‚Äúcome para viveres‚ÄĚ, e isso √© a fome. A fome √© o que nos garante a subsist√™ncia. Se n√£o tiv√©ssemos fome, n√£o com√≠amos, n√£o comendo, n√£o sobreviv√≠amos. Se n√£o tiv√©ssemos o desejo, n√£o ter√≠amos a rela√ß√£o sexual e a rela√ß√£o sexual √© que garante a continuidade da esp√©cie. O desejo √© uma coisa, a fome √© outra. S√£o os dois para a continuidade: um para a continuidade do indiv√≠duo,

Continue lendo…

Memória vs Recordação РAs Armas da Juventude e da Velhice

Recordar-se n√£o √© o mesmo que lembrar-se; n√£o s√£o de maneira nenhuma id√™nticos. A gente pode muito bem lembrar-se de um evento, rememor√°-lo com todos os pormenores, sem por isso dele ter a recorda√ß√£o. A mem√≥ria n√£o √© mais do que uma condi√ß√£o transit√≥ria da recorda√ß√£o: ela permite ao vivido que se apresente para consagrar a recorda√ß√£o. Esta distin√ß√£o torna-se manifesta ao exame das diversas idades da vida. O velho perde a mem√≥ria, que geralmente √© de todas as faculdades a primeira a desaparecer. No entanto, o velho tem algo de poeta; a imagina√ß√£o popular v√™ no velho um profeta, animado pelo esp√≠rito divino. Mas a recorda√ß√£o √© a sua melhor for√ßa, a consola√ß√£o que os sustenta, porque lhe d√° a vis√£o distante, a vis√£o de poeta. Ao inv√©s, o mo√ßo possui a mem√≥ria em alto grau, usa dela com facilidade, mas falta-lhe o m√≠nimo dom de se recordar. Em vez de dizer: ¬ęaprendido na mocidade, conservado na velhice¬Ľ, poder√≠amos propor: ¬ęmem√≥ria na mocidade, recorda√ß√£o na velhice¬Ľ. Os √≥culos dos velhos s√£o graduados para ver ao perto; mas o mo√ßo que tem de usar √≥culos, usa-os para ver ao longe; porque lhe falta o poder da recorda√ß√£o, que tem por efeito afastar,

Continue lendo…

A Actualidade Absorve o Romance

O esp√≠rito do romance √© o esp√≠rito da complexidade. Cada romance diz ao leitor: ¬ęAs coisas s√£o mais complicadas do que tu pensas¬Ľ. √Č a verdade eterna do romance mas que cada vez se faz menos ouvir na algazarra das respostas simples e r√°pidas que precedem a pergunta e a excluem. Para o esp√≠rito do nosso tempo √© ou Anna ou ent√£o Karenine quem tem raz√£o, e a velha sabedoria de Cervantes, que nos fala da dificuldade de saber e da inacess√≠vel verdade, parece inc√≥moda e in√ļtil.
O esp√≠rito do romance √© o esp√≠rito de continuidade: cada obra √© a resposta √†s obras precedentes, cada obra cont√©m toda a experi√™ncia anterior do romance. Mas o esp√≠rito do nosso tempo est√° fixado sobre a actualidade que √© t√£o expansiva, t√£o ampla, que empurra o passado do nosso horizonte e reduz o tempo ao √ļnico segundo presente. Inclu√≠do neste sistema, o romance j√° n√£o √© obra (coisa destinada a durar, a ligar o passado ao futuro) mas acontecimento da actualidade como outros acontecimentos, um gesto sem amanh√£.

Da √ćndole dos Homens

A √≠ndole √©, muitas vezes, ocultada; outras, subjugada; quase nunca extinta. A for√ßa faz a √≠ndole mais violenta, em repres√°lia; a doutrina e o discurso tornam-a menos importuna; somente o costume alcan√ßa alter√°-la e refre√°-la. √Äquele que busca vencer a sua pr√≥pria √≠ndole n√£o se deve propor tarefas nem muito grandes nem muito pequenas; as primeiras tornar-le-√£o desalentado ante os sucessivos fracassos; as outras, devido √†s repetidas vit√≥rias, tornar-le-√£o convencido. A princ√≠pio, deve-se adestrar com aux√≠lios, como o fazem os nadadores com bexigas ou corti√ßas; mas ao cabo de certo tempo, √© mister se adestre com desvantagens, como os dan√ßarinos com sapatos pesados. Chega-se a grande perfei√ß√£o quando a pr√°tica √© mais √°rdua do que o uso. Quando a √≠ndole √© pujante e, por consequ√™ncia, dif√≠cil de vencer, o primeiro passo ser√° resistir-lhe e deter-lhe os √≠mpetos a tempo, a exemplo daquele que, quando estava irado, repetia as vinte e quatro letras do alfabeto; em seguida, racion√°-la em quantidade, como o que, proibido de beber vinho, passou dos repetidos brindes a um trago nas refei√ß√Ķes; por fim, anul√°-la de todo.
Não erra o antigo preceito em recomendar que, para endireitar a índole, se a encurve até ao extremo contrário,

Continue lendo…

A Dist√Ęncia Entre Gera√ß√Ķes

A solu√ß√£o de continuidade entre as gera√ß√Ķes depende da impossibilidade de transmitir a experi√™ncia, de fazer evitar aos outros os erros j√° cometidos por n√≥s. A verdadeira dist√Ęncia entre duas gera√ß√Ķes √© dada pelos elementos que t√™m em comum e que obrigam √† repeti√ß√£o c√≠clica das mesmas experi√™ncias, como nos comportamentos das esp√©cies animais transmitidos pela heran√ßa biol√≥gica; ao passo que os elementos da verdadeira diversidade existente entre n√≥s e eles s√£o, pelo contr√°rio, o resultado das modifica√ß√Ķes irrevers√≠veis que cada √©poca traz consigo, ou seja, dependem da heran√ßa hist√≥rica que n√≥s lhes transmitimos, a verdadeira heran√ßa de que somos respons√°veis, mesmo que por vezes o sejamos de forma inconsciente. Por isso n√£o temos nada a ensinar: sobre aquilo que mais se parece com a nossa experi√™ncia n√£o podemos influir; naquilo que traz o nosso cunho, n√£o sabemos reconhecer-nos.

Eu n√£o tenho lealdade estil√≠stica. √Č por isso que as pessoas t√™m a percep√ß√£o de que estou sempre a mudar. Mas existe uma continuidade real da minha parte. Como um artista de artif√≠cios, acredito que tenho mais integridade que qualquer um dos meus contempor√Ęneos.

Narcisimo Passado e Futuro

Ninguém se trocaria por um dos seus semelhantes, mas todos se trocariam pelo seu sonho. Porque o homem quer conquistar, mas sem deixar de se possuir. Deseja a continuidade do eu e, juntamente, a sua metamorfose Рpretensão contraditória que constitui um dos episódios do eterno automatismo.
O homem ama-se e desama-se. Diante dos outros, mostra-se quase sempre satisfeito consigo – com medo de ser ultrapassado ou emulado -, mas quando est√° s√≥ com o seu eu, experimenta um t√©dio, uma repulsa, uma repugn√Ęncia, que em regra se transformam em desejo de transforma√ß√£o. Nem todos s√£o capazes de se contemplar sem adula√ß√£o at√© √†s √ļltimas ra√≠zes e reconhecer, ainda que no sigilo da alma, a sua mis√©ria, mas quase todos t√™m a sua sensa√ß√£o e, com frequ√™ncia, a certeza – o t√©dio de si pode notar-se mesmo sem as formas do ju√≠zo. E os outros instintos – soberba, gula do mais e do novo – ajudam a desejar a mudan√ßa. Existe com frequ√™ncia em n√≥s o narcisismo, mas o espelho √© sempre colocado no passado e no futuro – no presente, nunca.

O Amor Maior

O amor é preocupação. Ter o coração já previamente ocupado. Ter medo que alguma coisa de mal aconteça à pessoa amada. Sofrer mais por não poder aliviar o sofrimento da pessoa amada do que ela própria sofre.
O amor √© banal. √Č por isso que √© t√£o bonito. O que se quer da pessoa amada: antes que ela nos ame tamb√©m, √© que ela seja feliz, que seja saud√°vel, que tudo lhe corra bem. Embora se saiba que o mundo n√£o o permite, passa-se por cima da realidade, do racioc√≠nio do que √© poss√≠vel, e quer-se, e espera-se, que Deus abra, no caso dela, uma excep√ß√£o.

A paix√£o pode parecer mais interessante. Mas irrita-me que se compare com o amor. Como se pode comparar dois sentimentos que n√£o t√™m uma √ļnica semelhan√ßa? Se o amor e a paix√£o coincidem, √© como a cor do c√©u e do mar num dia de Ver√£o ‚ÄĒ √© uma alegria, mas nada nos diz acerca do que distingue o ar da √°gua.
Dizer que o amor pode começar como paixão é uma forma falaciosa de estabelecer uma continuidade entre uma e outra, geralmente pejorativa para o amor, que é entendido como um resíduo da paixão,

Continue lendo…

A Vida é um Sonho um Pouco Menos Inconstante

Se sonhássemos todas as noites a mesma coisa, ela afectar-nos-ia tanto como os objectos que vemos todos os dias. E, se um artista estivesse seguro de sonhar todas as noites, durante doze horas, que é um rei, creio que seria quase tão feliz como um rei que sonhasse todas as noites, durante doze horas, que era um artista.
Se sonh√°ssemos todas as noites que somos perseguidos por inimigos, e agitados por esses fantasmas penosos, e se pass√°ssemos todos os dias em diversas ocupa√ß√Ķes, como quando se faz uma viagem, sofrer-se-ia quase tanto como se isso fosse verdadeiro, e apreender-se-ia o dormir como se apreende o despertar quando se teme entrar em semelhantes desgra√ßas realmente. E, com efeito, isto faria pouco mais ou menos o mesmo mal que a realidade.
Mas, porque os sonhos s√£o todos diferentes, e porque mesmo um se diversifica, o que se v√™ neles afecta bem menos que o que se v√™ acordado, por causa da continuidade, que n√£o √© contudo t√£o cont√≠nua e igual que n√£o mude tamb√©m, mas menos bruscamente, a n√£o ser raramente, como quando se viaja; e ent√£o diz-se: ¬ęParece-me que sonho¬Ľ; pois a vida √© um sonho um pouco menos inconstante.

Continue lendo…

Mera mudança não é crescimento. Crescimento é a síntese de mudança e continuidade, e onde não há continuidade não há crescimento.

O Homem Irracional

Cubram-no de todos os bens terrenos, mergulhem-no na felicidade com a cabeça imersa de modo a só umas bolhas rebentarem à superfície; dêem-lhe uma prosperidade económica tal que não tenha mais nada que fazer senão dormir, comer doces e tratar da continuidade ininterrupta da história universal Рentão ele, o homem, mesmo assim, só por ingratidão, por maldade, far-vos-á uma pulhice qualquer. Arriscará até os doces e desejará propositadamente o mais prejudicial dos absurdos, o mais antieconómico disparate, unicamente para misturar com toda essa sensatez positiva o seu nocivo elemento fantástico. Desejará conservar precisamente os seus sonhos fantásticos, a sua estupidez mais ordinária, unicamente para confirmar a si mesmo (como se fosse assim tão indispensável) que as pessoas continuam a ser pessoas e não teclas de piano em que sejam as próprias leis da natureza a tocar, mas prometendo tocar a tal ponto que se tornará já impossível desejar qualquer coisa para além do calendário.
Mais ainda: mesmo que o homem se tornasse realmente uma tecla de piano, mesmo que tal facto lhe fosse provado por meio das ciências naturais e da matemática, não ganharia juízo, mas faria, de propósito, qualquer coisa contra, apenas por ingratidão; só para continuar na sua!

Continue lendo…

O Regulador do Prazer e da Dor: o H√°bito

O h√°bito √© o grande regulador da sensibilidade; ele determina a continuidade dos nossos atos, embota o prazer e a dor e nos familiariza com as fadigas e com os mais penosos esfor√ßos. O mineiro habitua-se t√£o bem √† sua dura exist√™ncia que dela se recorda saudoso quando a idade o obriga a abandon√°-la e o condena a viver ao sol. O h√°bito, regulador da vida habitual, √© tamb√©m o verdadeiro sustent√°culo da vida social. Pode-se compar√°-lo √† in√©rcia, que se op√Ķe, em mec√Ęnica, √†s varia√ß√Ķes de movimento. A dificuldade para um povo consiste, primeiramente, em criar h√°bitos sociais, depois em n√£o permanecer muito tempo neles. Quando o jugo dos h√°bitos pesou muito tempo num povo, ele s√≥ se liberta desse jugo por meio de revolu√ß√Ķes violentas. O repouso na adapta√ß√£o, que o h√°bito consiste, n√£o se deve prolongar. Povos envelhecidos, civiliza√ß√Ķes adiantadas, indiv√≠duos idosos tendem a sofrer demasiado o jugo do costume, isto √©, do h√°bito.

Seria in√ļtil dissertar longamente sobre o seu papel, que mereceu a aten√ß√£o de todos os fil√≥sofos e se tornou um dogma da sabedoria popular.

‚ÄúQue s√£o os nossos princ√≠pios naturais‚ÄĚ, diz Pascal, ‚Äúsen√£o os nossos princ√≠pios acostumados. E nas crian√ßas,

Continue lendo…

Génio, Talento e Celebridade

Pode-se supor que a presen√ßa no mesmo homem de mais de um elemento intelectual facilitaria a sua imediata celebridade. At√© certo limite √© assim, mas o √© at√© um limite menor do que se poderia conjecturar na ociosidade da hip√≥tese. Um homem dotado ao mesmo tempo de grande g√©nio e de grande intelig√™ncia (como Shakespeare), ou de grande g√©nio e grande talento (como Milton), n√£o acumula na sua √©poca ou na seguinte os resultados do g√©nio e os resultados de outra qualidade. √Č que estes diferentes elementos intelectuais est√£o misturados por coexistirem no homem, e derrama-se na subst√Ęncia da intelig√™ncia ou do talento o sagrado veneno do g√©nio; a bebida √© amarga, embora retenha algo do seu gosto comum. Os antigos misturavam mel com vinho e achavam isso gostoso; mas o n√©ctar n√£o pode fazer qualquer vinho gostoso ao paladar da gente comum.
Um homem que pudesse ter em si pr√≥prio, em certo grau, g√©nio, talento e intelig√™ncia, estaria preparado para produzir impacto no seu tempo pela sua intelig√™ncia, na sua √©poca pelo seu talento e na generalidade dos futuros tempos e √©pocas pelo seu g√©nio. Mas como o seu g√©nio afectaria o seu talento e o seu talento e o seu g√©nio a sua intelig√™ncia –

Continue lendo…

O que faz subsistir nas sociedades? A tradição, a continuidade, a tendência para permanecer, isto é, para não viver.

Crescer ou Decrescer

Tudo o que n√£o cresce, decresce e arrisca-se a desaparecer. Este parece ser um princ√≠pio b√°sico da vida. N√£o h√° meio termo, ningu√©m fica de fora desta realidade. Se deixo de investir numa rela√ß√£o, ela n√£o se aguenta; se n√£o dou continuidade √† minha forma√ß√£o, deformo-me inevitavelmente, e por a√≠ fora… E quem n√£o continua a investir na f√© e no amor, corre o risco de perder ambas as coisas.

(

A avers√£o pelo erro √© o mais grave dos erros. √Č t√£o vital errarmos como acertarmos. Devemos afastar o medo de errar. Devemos manter o gosto por experimentar, mesmo cometendo falhas. A natureza foi evoluindo gra√ßas ao erro b√°sico que √© a muta√ß√£o. Se os genes nunca falhassem n√£o haveria a diversidade necess√°ria para a continuidade da Vida.

Os Pseudo-S√°bios

Os verdadeiros s√°bios perguntam como se comporta dada coisa em si mesma e na sua rela√ß√£o com outras coisas, sem se preocuparem com a utilidade, ou seja, com a aplica√ß√£o no dom√≠nio do j√° conhecido ou no dom√≠nio daquilo que √© necess√°rio √† vida. H√° outros esp√≠ritos, gente bastante diferente, que, sendo mais agudos, mais virados para a vida, mais experimentados e familiarizados com a t√©cnica, tratam imediatamente de encontrar as aplica√ß√Ķes.
Os pseudo-s√°bios procuram apenas retirar t√£o depressa quanto poss√≠vel algum proveito pessoal das novas descobertas, tratando de obter uma gl√≥ria v√£, seja pela tentativa de dar continuidade ou alargamento √† descoberta em causa, seja pela introdu√ß√£o de correc√ß√Ķes, ou at√© por uma simples anexa√ß√£o pessoal, por exemplo, afectando grandes preocupa√ß√Ķes em rela√ß√£o ao assunto. O car√°cter sempre prematuro desses comportamentos prejudica a verdadeira ci√™ncia, traz-lhe maior incerteza e confus√£o, e atrofia-lhe manifestamente aquilo que ela pode produzir de mais belo, isto √©, o seu florescimento pr√°tico.