Passagens sobre Efeito

387 resultados
Frases sobre efeito, poemas sobre efeito e outras passagens sobre efeito para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Ao Longo da Escrita deste Livro

No ano passado, em outubro, talvez a 27, sei que foi a uma ter√ßa-feira, a minha m√£e incentivou-me a dar um passeio. H√° muito que desistiu de me dissuadir dos livros, tanto l√™s que tresl√™s, mas mant√©m o h√°bito de, cuidadosa, depois de bater √† porta com pouca for√ßa, entrar no meu quarto e perguntar: n√£o te apetece dar um passeio? Na maioria das vezes, n√£o tenho disposi√ß√£o para lhe responder mas, nessa tarde, estava a meio de um cap√≠tulo altru√≠sta e decidi fazer-lhe a vontade. O volante do carro, as minhas m√£os a sentirem todas as pedras quase como se estivesse a desliz√°-las na estrada. Estacionei no campo, a pouca dist√Ęncia de um grupo de homens e mulheres, botas de borracha, que estavam a apanhar azeitona. Espalhavam uma gritaria animada que n√£o se alterou quando sa√≠ do carro e me aproximei, boa tarde. Uma vantagem do meu nome √© que dispenso alcunha. Olha o Livro, boa tarde. O sol estava a p√īr-se. Troquei gra√ßas, enquanto dois homens recolheram os pan√Ķes carregados debaixo da √ļltima oliveira e os levaram √†s costas.
N√£o esque√ßo o que vi a seguir. As mulheres dobraram os pan√Ķes vazios e dispuseram-nos na terra, em forma de corredor.

Continue lendo…

O Amor Infinito

Da mulher o que nos comove e enleva √© a parte impoluta que ela tem do c√©u; √© a magia que a fada exercita obedecendo a interno impulso, n√£o sabido dela, n√£o sabido de n√≥s. Ali h√° mensagem de outras regi√Ķes; aqui, no peito arquejante, nos olhos amarados de gozozas l√°grimas, h√° um espirar para o alto, um ir-se o cora√ß√£o avoando desde os olhos, desde o sorriso dela para soberanas e imorredouras alegrias. N√≥s √© que n√£o sabemos nem podemos ver sen√£o o pouquinho desse infinito que nos entre-luz nas gra√ßas do primeiro amor, do segundo amor, de quantos estremecimentos de s√ļbita embriaguez nos fazem crer que despimos o inv√≥lucro de barro e pairamos alados sobre a regi√£o das l√°grimas.

√Č Deus que n√£o quer ou somos n√≥s que n√£o podemos prorrogar a dura√ß√£o ao sonho? Se Deus, que mal faria √† sua divina grandeza que o pequenino guzano o adorasse sempre? Porque vai t√£o r√°pida aquela esta√ß√£o em que o homem √© bom porque ama, e √© caritativo e dadivoso porque tudo sobeja √† sua felicidade? Quando poderam aliar-se um amor puro com a impureza das inten√ß√Ķes? Quais olhos de homem afectivo e como santificado por seu amor recusaram chorar sobre desgra√ßas estranhas?

Continue lendo…

√Č um costume existente somente nos mundos imperfeitos. Onde busca-se, para quase tudo, atacar os efeitos e, quase nunca, √†s causas.

Aconselharia as mulheres, quando se interrogam sobre os efeitos da idade no seu encanto, a consultarem menos o espelho do que o rosto dos seus contempor√Ęneos.

Confiança Audaz

H√° um momento na aprendizagem de cada homem em que este chega √† convic√ß√£o de que a inveja √© ignor√Ęncia; que a imita√ß√£o √© suic√≠dio; que ele tem que se tomar a ele pr√≥prio tanto para melhor, tanto para pior, como a sua parcela; que embora o universo esteja cheio de coisas boas, nenhuma semente de milho nutritiva chegar√° a ele sen√£o atrav√©s da labuta que ele ofere√ßa nesse lote de terreno que lhe foi dado para cultivar. O poder que reside nele √© novo na natureza, e nenhum outro sen√£o ele sabe o que √© que pode fazer, e n√£o o saber√° at√© que o tente. N√£o √© por nada que uma cara, um car√°cter, um facto, causa muito impress√£o nele, e outros n√£o t√™m qualquer efeito. Esta escultura na mem√≥ria n√£o existe sem uma harmonia pr√©-estabelecida. O olho foi colocado onde um raio deve cair, de forma a testemunhar esse raio em particular. N√≥s apenas nos exprimimos pela metade, e temos vergonha da ideia divina que cada um de n√≥s representa. Podemos ser de confian√ßa e de motiva√ß√Ķes boas e proporcionais, e darmo-nos fielmente, mas Deus n√£o ter√° o seu trabalho mais manifesto feito por cobardes. Um homem est√° seguro e tranquilo quando coloca todo o cora√ß√£o no seu trabalho ou outra actividade e faz o seu melhor de acordo consigo pr√≥prio;

Continue lendo…

O Natal √© o encontro com Deus que nasce na pobreza da gruta de Bel√©m para ensinar o poder da humildade. Com efeito, o Natal √© tamb√©m a festa da luz que n√£o √© aceite pela gente ¬ęeleita¬Ľ, mas pela gente pobre e simples que esperava do Senhor a salva√ß√£o.

O fundamentalismo religioso, com efeito, ainda antes de descartar seres humanos perpetrando horrendos massacres, nega Deus, relegando-O a mero pretexto ideológico.

O desejo de Deus √© j√°, pela sua pr√≥pria natureza, uma uni√£o com Deus e, por conseguinte, uma prece. O desejo √©, com efeito, pura abertura ao outro, plena recetividade. H√° uma grande diferen√ßa entre ¬ęnecessidade¬Ľ e ¬ędesejo¬Ľ.

Na noite de Pentecostes, a ¬ęrespira√ß√£o¬Ľ do Cristo Ressuscitado enche de vida os pulm√Ķes da Igreja; e, com efeito, as bocas dos disc√≠pulos, ¬ęcheios o Esp√≠rito Santo¬Ľ (Atos dos Ap√≥stolos 2: 1-11), abrem-se para proclamar a todos as grandes obrar de Deus.

A Necessidade da Compaix√£o

Arrebatavam-me os espect√°culos teatrais, cheios de imagens das minhas mis√©rias e de alimento pr√≥prio para o fogo das minhas paix√Ķes. Mas porque quer o homem condoer-se, quando presenceia cenas dolorosas e tr√°gicas, se de modo algum deseja suport√°-las? Todavia, o espectador anseia por sentir esse sofrimento que, afinal, para ele constitui um prazer. Que √© isto sen√£o rematada loucura? Com efeito, tanto mais cada um se comove com tais cenas quanto menos curado se acha de tais afectos (delet√©rios). Mas ao sofrimento pr√≥prio chamamos ordinariamente desgra√ßa, e √† comparticipa√ß√£o das dores alheias, compaix√£o. Que compaix√£o √© essa em assuntos fict√≠cios e c√©nicos, se n√£o induz o espectador a prestar aux√≠lio, mas somente o convida √† ang√ļstia e a comprazer o dramaturgo na propor√ß√£o da dor que experimenta? E se aquelas trag√©dias humanas, antigas ou fingidas, se representam de modo a n√£o excitarem a compaix√£o, e espectador retira-se enfastiado e criticando. Pelo contr√°rio, se se comove, permanece atento e chora de satisfa√ß√£o.
Amamos, portanto, as l√°grimas e as dores. Mas todo o homem deseja o gozo. Ora, ainda que a ningu√©m apraz ser desgra√ßado, apraz-nos contudo a ser compadecidos. N√£o gostaremos n√≥s dessas emo√ß√Ķes dolorosas pelo √ļnico motivo de que a compaix√£o √© companheira insepar√°vel da dor?

Continue lendo…

A Dialéctica é o Último Recurso

A dial√©ctica s√≥ se adopta quando n√£o se pode utilizar nenhum outro meio. Sabe-se que com ela se inspira desconfian√ßa, que ela persuade pouco. Nada √© mais f√°cil de suprimir que o efeito de um dial√©ctico: a experi√™ncia de toda a reuni√£o em que haja discursos prova-o. A dial√©ctica s√≥ pode ser um recurso coagido, nas m√£os dos que n√£o t√™m j√° outras armas. √Č preciso que se tenha de conseguir pela for√ßa os pr√≥prios direitos: antes n√£o se faz nenhum uso dela.

O amor essencialmente é união, e quanto mais une ou procura unir os que se amam, tanto maiores efeitos tem, e tanto maiores afectos mostra de amor.

Questionação do Inquestionável

Toda a pergunta implica uma interrogação a um olhar vigilante. Mas a vigília cansa. Nunca porém o soubemos como hoje, porque só hoje verdadeiramente interrogamos Рsó hoje sabemos ser essa a questionação do inquestionável.
Mas reconhecemo-lo precisamente por termos interrogado. Porque ao longo da Hist√≥ria, jamais o homem de facto interrogou, por n√£o saber que interrogava. Esbo√ßada embora h√° muito a quest√£o do fundamental, ela perturbou-se-nos no entusiasmo de lhe responder em positivo ou negativo. Porque a nega√ß√£o n√£o nega, a destrui√ß√£o n√£o destr√≥i, excepto se n√£o h√° mais nada para destruir: at√© l√° constr√≥i ainda – nem que seja o pr√≥prio acto de destruir. Fazer e desfazer, com efeito, s√£o iguais como acto e entusiasmo desse acto. A grande diferen√ßa n√£o √© a que separa um do outro, mas a que os separa a ambos de n√≥s. A grande diferen√ßa √© a que vai da seguran√ßa do falar √† perturba√ß√£o do sil√™ncio; do ¬ęsim¬Ľ ou ¬ęn√£o¬Ľ como limite, ao querer ir al√©m do limite sem mais al√©m para ir. Mas a luz que ilumina, o que iluminou? Que a ci√™ncia te explique o que √© uma simples pedra, explicou por cima do que seria interessante explicar. H√° uma quest√£o ainda,

Continue lendo…

A trag√©dia √© a imita√ß√£o de uma ac√ß√£o s√©ria e conclu√≠da em si mesma… que, mediante uma s√©rie de casos que suscitam piedade e terror, tem por efeito aliviar e purificar a alma de tais paix√Ķes.

Somos o que somos por efeito do que se é e não do que se acumulou sobre isso. O que se acumula apenas coordena o que já se é no nível a que se vai ser.

Epit√°fio √© uma inscri√ß√£o num t√ļmulo que mostra que as virtudes adquiridas pela morte t√™m efeito retroactivo.

Os artistas s√≥ amam na natureza os efeitos de linha e cor; para se interessar pelo bem-estar de uma tulipa, para cuidar de que um craveiro n√£o sofra sede, para sentir magoa de que a geada tenha queimado os primeiros rebent√Ķes das ac√°cias – para isso s√≥ o burgu√™s, o burgu√™s que todas as manh√£s desce ao seu quintal com um chap√©u velho e um regador, e v√™ nas √°rvores e nas plantas uma outra fam√≠lia muda, por que ele √© tamb√©m respons√°vel…

Uma preocupação fundamental pelos outros nas nossas vidas individuais e comunitárias teria muito efeito em transformar o mundo naquele lugar melhor que tão apaixonadamente sonhámos.