Passagens sobre Filosofia

301 resultados
Frases sobre filosofia, poemas sobre filosofia e outras passagens sobre filosofia para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Toda a filosofia que eu havia examinado indicou claramente que cada adversidade traz consigo a semente de uma vantagem equivalente

Interrogado sobre o que havia aprendido com a filosofia, disse: ‘A fazer, sem ser comandado, aquilo que os outros fazem apenas por medo da lei’.

A Filosofia é Essencial para Compreender a Vida

Bem longe de se assustar ou mesmo de enrubescer com o nome de fil√≥sofo, n√£o existe ningu√©m no mundo que n√£o devesse possuir fortes laivos de filosofia. Ela conv√©m a todos; a sua pr√°tica √© √ļtil em todas as idades, para todos os sexos e para todas as condi√ß√Ķes: ela consola-nos da felicidade do outro, das prefer√™ncias indignas, dos fracassos, do decl√≠nio das nossas for√ßas ou da nossa beleza; arma-nos contra a pobreza, a velhice, a doen√ßa e a morte, contra os tolos e os maus zombeteiros; faz-nos viver sem uma mulher ou faz-nos suportar aquela com quem vivemos!

Depender de Alguém

Depender de alguém, das ideias dos outros ou das filosofias das massas é negar a nossa própria existência, é abdicar totalmente do poder que nos foi concedido à nascença e a mais profunda ingratidão para com a oportunidade que nos foi dada de aqui estar. Como já o disse, cada um de nós é um ser especial e precioso, com responsabilidades pessoais e sociais diferentes de todos os outros. Cada um de nós pode fazer a diferença.
Quantas vezes já deixaste de arriscar porque não to permitiram? Quantas vezes já sonhaste com algo diferente daquilo que te foi imposto ou ensinado e por isso desististe? Quantas vezes foste feliz por depender de algo ou alguém?
Muitas pessoas optam, conscientemente, pela depend√™ncia por acharem que a vida se torna mais f√°cil nesse estado de submiss√£o. Na verdade n√£o lhes √© exigido que lutem por nada, por ningu√©m e, muito menos, por elas. Agora, pergunto eu, que interesse √© que isto tem? Esta gente, apesar de respirar e dar ares da sua gra√ßa, j√° morreu e s√≥ anda aqui a fazer figura de corpo presente, pois as suas vidas j√° n√£o s√£o desafiantes. Ser dependente √© ter medo de assumir o risco das suas paix√Ķes,

Continue lendo…

O problema crucial é o seguinte: a filosofia aspira à verdade total, que o mundo não quer.

A filosofia desagrada, porque abstrai e espiritualiza; a poesia debita, porque materializa e figura todos os seus objectos. Quereis persuadir e dominar os homens, falai à sua imaginação, e confiai pouco na sua razão.

Trabalhar com nobreza, esperar com sinceridade, enternecer-se com o homem Рesta é a verdadeira filosofia.

Espinosa

Gosto de ver-te, grave e solit√°rio,
Sob o fumo de esqu√°lida candeia,
Nas m√£os a ferramenta de oper√°rio,
E na cabeça a coruscante idéia.

E enquanto o pensamento delineia
Uma filosofia, o p√£o di√°rio
A tua m√£o a labutar granjeia
E achas na independência o teu salário.

Soem c√° fora agita√ß√Ķes e lutas,
Sibile o bafo aspérrimo do inverno,
Tu trabalhas, tu pensas, e executas

S√≥brio, tranq√ľilo, desvelado e terno,
A lei comum, e morres, e transmutas
O suado labor no prêmio eterno.

Não creio que a filosofia e a própria razão sejam os guias do homem num futuro próximo; contudo, continuarão a ser o belo santuário que sempre foram para os escolhidos.

A Necessidade da Filosofia

A filosofia n√£o brota por ser √ļtil, mas t√£o-pouco pela ac√ß√£o irracional de um desejo veemente. √Č constitutivamente necess√°ria ao intelectual. Porqu√™? A sua nota radical era buscar o todo como um tal todo, capturar o Universo, ca√ßar o Unic√≥rnio. Mas porqu√™ esse profundo anseio? Por que n√£o nos contentamos com o que, sem filosofar, achamos no mundo, com o que j√° √© e a√≠ est√° patente diante de n√≥s? Por esta simples raz√£o: tudo o que √© e est√° a√≠, quanto nos √© dado, presente, patente, √© por sua ess√™ncia um mero bocado, peda√ßo, fragmento, coto. E n√£o podemos v√™-lo sem prever e verificar que est√° a menos a por√ß√£o que falta. Em todo o ser que √© dado, em todo o dado do mundo encontramos a sua essencial linha de fractura, o seu car√°cter de parte e s√≥ parte – vemos a ferida da sua mutila√ß√£o ontol√≥gica, grita-nos a sua dor de amputado, a sua nostalgia do bocado que lhe falta para ser completo, o seu divino descontentamento. H√° doze anos, quando eu falava em Buenos Aires, definia o descontentamento ¬ęcomo um amar sem amado e uma como dor que sentimos em membros que n√£o temos¬Ľ. √Č o achar de menos o que n√£o somos,

Continue lendo…

A Filosofia é uma Dama tão impertinente e trapaceira que se envolver em processo significa a mesma coisa que ter qualquer tipo de negócio com ela.

A Convicção é Sempre Cega

O intelecto humano, quando assente numa convic√ß√£o (ou por j√° bem aceite e acreditada porque o agrada), tudo arrasta para seu apoio e acordo. E ainda que em maior n√ļmero, n√£o observa a for√ßa das inst√Ęncias contr√°rias, despreza-as, ou, recorrendo a distin√ß√Ķes, p√Ķe-nas de parte e rejeita, n√£o sem grande e pernicioso preju√≠zo. Gra√ßas a isso, a autoridade daquelas primeiras afirma√ß√Ķes permanece inviolada. E bem se houve aquele que, ante um quadro pendurado no templo, como ex-voto dos que se salvaram dos perigos de um naufr√°gio, instado a dizer se ainda se recusava a a√≠ reconhecer a provid√™ncia dos deuses, indagou por sua vez:¬ęE onde est√£o pintados aqueles que, a despeito do seu voto, pereceram?¬Ľ Essa √© a base de praticamente toda a supersti√ß√£o, trate-se de astrologia, interpreta√ß√£o de sonhos, aug√ļrios e que tais: encantados, os homens, com tal sorte de quimeras, marcam os eventos em que a predi√ß√£o se cumpre; quando falha – o que √© bem mais frequente – negligenciam-nos e passam adiante.
Esse mal insinua-se de maneira muito mais subtil na filosofia e nas ciências. Nestas, o de início aceite tudo impregna e reduz o que se segue, até quando parece mais firme e aceitável. Mais ainda: mesmo não estando presentes essa complacência e falta de fundamento a que nos referimos,

Continue lendo…

O Perigo nas Rela√ß√Ķes Humanas

Nas rela√ß√Ķes humanas o perigo √© coisa de todos os dias. Deves precaver-te bem contra este perigo, deves estar sempre de olhos bem abertos: n√£o h√° nenhum outro t√£o frequente, t√£o constante, t√£o enganador! A tempestade amea√ßa antes de rebentar, os edif√≠cios estalam antes de cair por terra, o fumo anuncia o inc√™ndio pr√≥ximo: o mal causado pelo homem √© s√ļbito e disfar√ßa-se com tanto mais cuidado quanto mais pr√≥ximo est√°. Fazes mal em confiar na apar√™ncia das pessoas que se te dirigem: t√™m rosto humano, mas instintos de feras. S√≥ que nestas apenas o ataque directo √© perigoso; se nos passam adiante n√£o voltam atr√°s √† nossa procura. Ali√°s, somente a necessidade as instiga a fazer mal; a fome ou o medo √© que as for√ßam a lutar. O homem, esse, destr√≥i o seu semelhante por prazer. Tu, contudo, pensando embora nos perigos que te podem vir do homem, pensa tamb√©m nos teus deveres enquanto homem. Evita, por um lado, que te fa√ßam mal, evita, por outro, que fa√ßas tu mal a algu√©m. Alegra-te com a satisfa√ß√£o dos outros, comove-te com os seus dissabores, nunca te esque√ßas dos servi√ßos que deves prestar, nem dos perigos a evitar. Que ganhar√°s tu vivendo segundo esta norma?

Continue lendo…

A Felício Dos Santos

Felício amigo, se eu disser que os anos
Passam correndo ou passam vagarosos,
Segundo s√£o alegres ou penosos,
Tecidos de afei√ß√Ķes ou desenganos,

“Filosofia √© esta de ran√ßosos!”
Dir√°s. Mas n√£o h√° outra entre os humanos.
N√£o se contam sorrisos pelos danos,
Nem das tristezas desabrocham gozos.

Banal, confesso. O precioso e o raro
√Č, seja o c√©u nublado ou seja claro,
Tragam os tempos amargura ou gosto,

N√£o desdizer do mesmo velho amigo,
Ser com os teus o que eles s√£o contigo,
Ter um só coração, ter um só rosto.