Frases sobre Objeto

127 resultados
Frases de objeto escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Eu não me prendo aos objetos. Prendo-me mais às pessoas. Quando viajo levo só o computador, não tenho nenhum fetiche.

A atitude artística se distingue da atitude prática do desejo no sentido de que a arte deixa subsistir seu objeto em liberdade total, enquanto o desejo emprega seu objeto para seu próprio uso, destruindo-o.

A linguagem não é um fenómeno superposto ao ser-para-o-outro: é originalmente o ser-para-o-outro, ou seja, o facto de que uma subjectividade se experimenta como objecto para o outro.

Um livro de contos √© um livro ligeiro de emo√ß√Ķes curtas: deve portanto ser leve, port√°til, f√°cil de se levar na algibeira para debaixo de uma √°rvore, e confort√°vel para se ter √† cabeceira da cama. N√£o pode ter o formato dum relat√≥rio, que, sendo destinado em definitivo a embrulhar objectos, deve ter de antem√£o o tamanho c√≥modo do papel de embrulho; nem pode ter o volume dum calhama√ßo de erudi√ß√£o hist√≥rica, impresso com o fim de ornamentar uma biblioteca.

O √ļnico modo de exprimir uma emo√ß√£o de forma art√≠stica √© encontrando um ‘correlativo objectivo’; por outras palavras, uma s√©rie de objectos, uma situa√ß√£o, uma cadeia de acontecimentos que representem a f√≥rmula daquela emo√ß√£o particular.

Paradoxalmente, aquilo que pode ser submetido a experimentos não é existência verdadeira, e aquilo que não pode ser objeto de experiências é existência verdadeira.

Usa os objetos com zelo. Porém, a Vida humana é mais preciosa que os objetos. Aquele que maltrata o ser humano para zelar os objetos, inverte a ordem natural das coisas. Não ralhes com o próximo só porque ele quebrou um prato. O homem é mais valioso que um prato.

√Č aquele √≥dio surdo, contra tudo e todos. Aquele √≥dio √†s vezes recolhido por dentro, como um animal selvagem, trancado no quarto o dia inteiro, sem fazer nada, sem pensar nada, concentrado em odiar um √≥dio puro, que se acumulava sem encontrar um objeto onde pudesse descarregar-se.

O resultado final e o objeto da riqueza √© produzir o maior n√ļmero poss√≠vel de criaturas humanas de pulm√Ķes sadios, olhos brilhantes e cora√ß√£o feliz.

A verdade √© de dois g√©neros: consiste ou na descoberta das rela√ß√Ķes das ideias consideradas como tal, ou na conformidade das nossas ideias dos objectos com a sua exist√™ncia real.

O amor n√£o √© sen√£o o desejo; e assim, o desejo √© o princ√≠pio original de que todas as nossas paix√Ķes decorrem, como os riachos da sua origem; por isso, sempre que o desejo de um objecto se acende nos nossos cora√ß√Ķes, pomo-nos a persegui-lo e a procur√°-lo e somos levados a mil desordens.

O homem encontra realmente em si uma faculdade pela qual se distingue de todas as outras coisas, mesmo de si mesmo na medida em que é afectado por objectos, e essa faculdade é a razão.