Passagens sobre Respostas

284 resultados
Frases sobre respostas, poemas sobre respostas e outras passagens sobre respostas para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

A Fama N√£o Conhece Virtudes

As pessoas fazem exigências aos nomes que se tornam conhecidos de forma singular, não há diferença entre uma criança prodígio, um compositor, um poeta, um assassino. Há um que quer ter o seu retrato, o outro o seu autógrafo, um terceiro pede dinheiro, todos os colegas mais novos mandam os seus trabalhos com muitas lisonjas e pedem uma apreciação, e tanto faz não dar resposta como expressar a sua opinião, de repente aquele que venerava fica furioso, torna-se cruel e quer vingança. As revistas querem publicar o retrato do homem, os jornais contam a sua vida, as suas origens, falam do seu aspecto. Colegas de escola fazem-se conhecidos, e parentes distantes queriam já há anos dizer que o primo havia de ser famoso.

Rel√≠quia √ćntima

Ilustríssimo, caro e velho amigo,
Saber√°s que, por um motivo urgente,
Na quinta-feira, nove do corrente,
Preciso muito de falar contigo.

E aproveitando o portador te digo,
Que nessa ocasi√£o ter√°s presente,
A esperada gravura de patente
Em que o Dante regressa do Inimigo.

Manda-me pois dizer pelo bombeiro
Se às três e meia te acharás postado
Junto à porta do Garnier livreiro:

Sen√£o, escolhe outro lugar azado;
Mas d√° logo a resposta ao mensageiro,
E continua a crer no teu Machado.

√Č assim porque √© assim. Existe no mundo outra resposta? Se algu√©m sabe de uma melhor, que se apresente e diga, estou a anos esperando.

As Pessoas Só Crescem ao Ritmo a que São Obrigadas

Os jovens de agora parece que t√™m dificuldade em crescer. N√£o sei porqu√™. Se calhar as pessoas s√≥ crescem ao ritmo a que s√£o obrigadas. Um primo meu, com dezoito anos, j√° tinha as insign√≠as de auxiliar do xerife. Era casado e tinha um filho. Tive um amigo de inf√Ęncia que, com a mesma idade, j√° tinha sido ordenado sacerdote baptista. Era pastor de uma igrejinha rural, muito antiga. Ao fim de uns tr√™s anos foi transferido para Lubbock e, quando disse √†s pessoas que se ia embora, elas desataram todas a chorar, ali sentadas no banco da igraja. Homens e mulheres, todos em l√°grimas. Tinha celebrado casamento, baptizados, funerais. Com vinte e um anos, talvez vinte e dois. Quando pregava os seus serm√Ķes, a assist√™ncia era tanta que havia gente de p√© no adro a ouvir. Fiquei espantado. Na escola ele era sempre t√£o calado.
(…) A Loretta contou-me que ouviu falar na r√°dio de uma certa percentagem de crian√ßas deste pa√≠s que est√° a ser criada pelos av√≥s. J√° n√£o me lembro do n√ļmero. Era bastante alto, pareceu-me. Os pais n√£o querem ter esse trabalho. Convers√°mos sobre isso. Demos connosco a pensar que quando a pr√≥xima gera√ß√£o crescer e tamb√©m j√° n√£o quiser criar os filhos,

Continue lendo…

A Memória é o Maior Tormento do Homem

Considera o rebanho que passa ao teu lado pastando: ele não sabe o que é ontem e o que é hoje; ele saltita de lá para cá, come, descansa, digere, saltita de novo; e assim de manhã até a noite, dia após dia; ligado de maneira fugaz por isto, nem melancólico nem enfadado. Ver isto desgosta duramente o homem porque ele vangloria-se da sua humanidade frente ao animal, embora olhe invejoso para a sua felicidade Рpois o homem quer apenas isso, viver como animal, sem melancolia, sem dor; e o que quer entretanto em vão, porque não quer como o animal. O homem pergunta mesmo um dia ao animal: por que não falas sobre a tua felicidade e apenas me observas?
O animal quer tamb√©m responder e falar, isso deve-se ao facto de que sempre se esquece do que queria dizer, mas tamb√©m j√° esqueceu esta resposta e silencia: de tal modo que o homem se admira disso. Todavia, o homem tamb√©m se admira de si mesmo por n√£o poder aprender a esquecer e por sempre se ver novamente preso ao que passou: por mais longe e r√°pido que ele corra, a corrente corre junto. √Č um milagre: o instante em um √°timo est√° a√≠,

Continue lendo…

Tenho Amor, sem Ter Amores

MOTE E GLOSA

Tenho amor, sem ter amores.

GLOSAS

Este mal que n√£o tem cura,
Este bem que me arrebata,
Este rigor que me mata,
Esta entendida loucura
√Č mal e √© bem que me apura;
Se equivocando os rigores
Da fortuna aos favores,
√Č rem√©dio em caso tal
Dar por resposta ao meu mal:
Tenho amor, sem ter amores.
√Č fogo, √© inc√™ndio, √© raio,
Este, que em penosa calma,
Sendo do meu peito alma,
De minha vida é desmaio:
E pois em moral ensaio
Da dor padeço os rigores,
Pergunta em tristes clamores
A causa da minha aflição,
Respondeu o coração:
Tenho amor, sem ter amores.

Amo-te Por Todas as Raz√Ķes e Mais Uma

Por todas as raz√Ķes e mais uma. Esta √© a resposta que costumo dar-te quando me perguntas por que raz√£o te amo. Porque nunca existe apenas uma raz√£o para amar algu√©m. Porque n√£o pode haver nem h√° s√≥ uma raz√£o para te amar.
Amo-te porque me fascinas e porque me libertas e porque fazes sentir-me bem. E porque me surpreendes e porque me sufocas e porque enches a minha alma de mar e o meu espírito de sol e o meu corpo de fadiga. E porque me confundes e porque me enfureces e porque me iluminas e porque me deslumbras.
Amo-te porque quero amar-te e porque tenho necessidade de te amar e porque amar-te √© uma aventura. Amo-te porque sim mas tamb√©m porque n√£o e, quem sabe, porque talvez. E por todas as raz√Ķes que sei e pelas que n√£o sei e por aquelas que nunca virei a conhecer. E porque te conhe√ßo e porque me conhe√ßo. E porque te adivinho. Estas s√£o todas as raz√Ķes.
Mas h√° mais uma: porque n√£o pode existir outra como tu.

H√° quem se cale por n√£o ter resposta e h√° quem se cale por conhecer o momento

H√° quem se cale por n√£o ter resposta e h√° quem se cale por conhecer o momento.

S√£o as Pessoas como Tu

S√£o as pessoas como tu que fazem com que o nada queira dizer-nos algo, as coisas vulgares se tornem coisas importantes e as preocupa√ß√Ķes maiores sejam de facto mais pequenas. S√£o as pessoas como tu que d√£o outra dimens√£o aos dias, transformando a chuva em delirante orvalho e fazendo do inverno uma esta√ß√£o de rosas rubras.
As pessoas como tu possuem n√£o uma, mas todas as vidas. Pessoas que amam e se entregam porque amar √© tamb√©m partilhar as m√£os e o corpo. Pessoas que nos escutam e nos beijam e sabem transformar o cansa√ßo numa esperan√ßa aliciante, tocando-nos o rosto com dedos de √°gua pura, soltando-nos os cabelos com a leveza do p√°ssaro ou a firmeza da flecha. S√£o as pessoas como tu que nos respiram e nos fazem inspirar com elas o azul que h√° no dorso das manh√£s, e nos estendem os bra√ßos e nos apertam at√© sentirmos o cora√ß√£o transformar o peito numa m√ļsica infinita. S√£o as pessoas como tu que n√£o nos pedem nada mas t√™m sempre tudo para dar, e que fazem de n√≥s nem √≠caros nem prisioneiros, mas homens e mulheres com a estatura da vida, capazes da beleza e da justi√ßa,

Continue lendo…

O Silêncio não Existe

O sil√™ncio n√£o existe porque √© o constante rumor de uma inexist√™ncia. O que se ouve, para al√©m do movimento da cidade, √© o mon√≥tono murm√ļrio do nada. Apenas sombra de nada, quem nele procura um apelo ou uma resposta n√£o os encontra ou encontra um sinal negativo. Nada diz esse murm√ļrio nulo, que √© o eco inalter√°vel do vazio do mundo, mas quem o ouve sente a radicalidade da sua nega√ß√£o como se a cada momento nos dissesse: N√£o h√°.

Por um Mundo Escutador

N√£o existe alternativa: a globaliza√ß√£o come√ßou com o primeiro homem. O primeiro homem (se √© que alguma vez existiu ¬ęum primeiro¬Ľ homem) era j√° a humanidade inteira. Essa humanidade produziu infinitas respostas adaptativas. O que podemos fazer, nos dias de hoje, √© responder √† globaliza√ß√£o desumanizante com uma outra globaliza√ß√£o, feita √† nossa maneira e com os nossos prop√≥sitos. N√£o tanto para contrapor. Mas para criar um mundo plural em que todos possam mundializar e ser mundializados. Sem hegemonia, sem domina√ß√£o. Um mundo que escuta as vozes diversas, em que todos s√£o, em simult√Ęneo, centro e periferia.

S√≥ h√° um caminho. Que n√£o √© o da imposi√ß√£o. Mas o da sedu√ß√£o. Os outros necessitam conhecer-nos. Porque at√© aqui ¬ęeles¬Ľ conhecem uma miragem. O nosso retrato – o retrato feito pelos ¬ęoutros¬Ľ – foi produzido pela sedimenta√ß√£o de estere√≥tipos. Pior do que a ignor√Ęncia √© essa presun√ß√£o de saber. O que se globalizou foi, antes de mais, essa ignor√Ęncia disfar√ßada de arrog√Ęncia. N√£o √© o rosto mas a m√°scara que se veicula como retrato.
A questão é, portanto, a de um outro conhecimento. Se os outros nos conhecerem, se escutarem a nossa voz e, sobretudo, se encontrarem nessa descoberta um motivo de prazer,

Continue lendo…

Todas as pessoas t√™m coisas importantes para contar. Se criarmos um ambiente de confian√ßa, calmo, √≠ntimo, surgem grandes hist√≥rias. Pessoas sem import√Ęncia t√™m grandes hist√≥rias. Mas se fa√ßo uma pergunta banal, obtenho uma resposta banal. As pessoas t√™m uma grande necessidade de falar de coisas s√©rias. Mas acontece que n√£o lhes d√£o oportunidade. Ningu√©m as quer ouvir. Vivemos num mundo de banalidade. O trabalho do escritor √© resgatar as pessoas dessa banalidade.

Porqu√™? Para qu√™? Economiza os teus ¬ęporqu√™¬Ľ e ¬ępara qu√™¬Ľ. Ou utiliza-os s√≥ at√© onde houver resposta. Porque a √ļltima resposta a eles √© o imposs√≠vel e o vazio. Ou ent√£o ter√°s de mudar de universo. E est√°s c√° t√£o bem…