Passagens sobre Férias

36 resultados
Frases sobre f√©rias, poemas sobre f√©rias e outras passagens sobre f√©rias para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Eu e minha mulher ficamos na d√ļvida entre tirar f√©rias ou nos divorciarmos. Optamos pela segunda hip√≥tese. Duas semanas no Caribe podem ser divertidas, mas um div√≥rcio dura para sempre.

Estritamente falando, não há férias para a arte; a arte persegue-nos por toda a parte, e isso é perfeitamente aceite pelo artista.

Quem não tem namorado é alguém que tirou férias não remuneradas de si mesmo. Namorado é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia.

√Č Tempo de Natal

√Č tempo de Natal. Exibe-se um pinheiro,
Com l√Ęmpadas de cor, sobre o balc√£o.
Tem, também, pendurados, a isca do dinheiro
E flocos finos de algod√£o.

Nas férias, foge a freguesia
Do final das manh√£s,
Com os seus kispos disformes, de inflada fantasia,
E o conforto das l√£s.

Bebem-se mais bebidas quentes.
O ch√£o, mais h√ļmido, incomoda.
E h√° apelos insistentes
Do cauteleiro que anda à roda.

Os embrulhos, nas mesas, nos regaços,
Com vistosos papéis,
Florescem de acetinados laços,
Lembram o oiro, o incenso, a mirra, em m√£os de reis.

Muitos adultos. Pouca criançada.
Muito cansaço. Pouca animação.
A vida (a cruz!) t√£o cara, t√£o pesada!
E d√£o-se as boas-festas sem se sentir que o s√£o.

Consigo mesa junto à vidraça.
E é em mim que procuro, ou é lá fora,
A estrela que n√£o luz, o pastor que n√£o passa,
O anjo que n√£o vem anunciar a hora?

S√£o tantos os que n√£o se esquecem do anivers√°rio de Cristo! S√£o t√£o poucos, os que n√£o se esquecem dos seus preceitos. √Č mais f√°cil manter as f√©rias do que os seus princ√≠pios.

O tempo do repouso, para quem levou a bom termo a sua miss√£o, √© necess√°rio, for√ßoso e deve ser vivido seriamente: no passar algum tempo com a fam√≠lia e no respeitar as f√©rias como momentos de recarga espiritual e f√≠sica; deve-se aprender o que diz o livro do Eclesiastes: ¬ęH√° um tempo para cada coisa¬Ľ(3,1).

Desengano

A pensionista p√°lida que gosta
(Fundada pretens√£o!) que a digam bela,
E do colégio, à tarde, na janela,
Para dar-me um sorriso se recosta;

Que me escreve nas férias, de Bemposta,
Aonde vai visitar a parentela,
Pedindo-me que não me esqueça dela
E dando-me uns beijinhos…, pela posta;

Essa ninfa gentil dos olhos pretos,
Essa beleza de anjo… oh, sorte varia;
Vergonha eterna para os meus bisnetos!

Com um pançudo burguês, uma alimária
Que n√£o a sabe amar, nem faz sonetos,
Vai casar-se amanh√£ na Candel√°ria.

No amor não há férias nem nada que se pareça. O amor deve viver-se plenamente, com o seu aborrecimento e com tudo.

A Tua Import√Ęncia na Tua Vida

√Č fundamental reconheceres a tua import√Ęncia na tua vida. Por algum motivo nasceste, aprendeste a respirar e tiveste direito a um nome, nome esse que, em conjunto com as tuas caracter√≠sticas, te identificar√° eternamente como um ser individual, √ļnico e livre. Haver√° algo mais especial e precioso que isso? Estou em crer que n√£o; ainda assim, encontro muitas pessoas a quererem ser outras e outras ainda a querer acabar com elas pr√≥prias na esperan√ßa de, imediatamente, poderem vir a ser outro algu√©m. √Č o teu caso? Se for deve ser uma chatice, mas, tamb√©m, se n√£o te d√°s qualquer import√Ęncia, que import√Ęncia te darei eu? J√° calculaste o perigo em que incorres por pensar desta maneira? Em menos de nada, estar√°s sozinho ou rodeado de gente como tu, ausente e que meteu f√©rias no inferno para sempre. Bom, mas alegrem-se os cora√ß√Ķes porque acredito que n√£o lerias estas linhas iniciais se nada estivesse a borbulhar a√≠ dentro, se n√£o existisse, pelo menos, uma fugaz esperan√ßa e uma enorme vontade de mudar. Est√° atento, o passado s√≥ influencia o presente se mantiveres o mesmo comportamento, por isso liberta-te dessa dor por uns instantes e l√™ em voz alta a pr√≥xima frase tantas vezes quantas achares necess√°rio.

Continue lendo…

M√£e

I

Dantes, quando a deixava,
As férias já no fim,
Ela vinha à janela
Despedir-se de mim.

Depois, quando na estrada,
Olhava para tr√°s,
Deitava-me ainda a benção
Para que eu fosse em paz.

Dali n√£o se movia,
À vidraça encostada,
Até que eu me perdia
J√° na curva da estrada.

Hoje, se olho, calo-me
E baixo os olhos meus!
Já não vem à janela
Para dizer-me adeus!

II

Chove, e a chuva é fria.
Noite! Nos montes distantes
O Inverno principia.
Um Inverno como dantes.

Ao redor do lume aceso
Todos ficamos a olhar…
Todos n√£o, n√£o somos todos,
Porque h√° vazio um lugar.

Esse lugar era o dela,
Que ninguém mais preencheu.
Mesmo com vida, na terra,
Era uma estrela no céu.

A velhice n√£o se me afigura, de modo algum, (…) o melanc√≥lico vest√≠bulo da morte, mas antes como as verdadeiras f√©rias grandes, depois do esgotamento dos sentidos, do cora√ß√£o e do esp√≠rito que foi a vida.

Um Amigo √© uma Pessoa In√ļtil

Uma pessoa in√ļtil. Um amigo? Se tento recordar-me dos atributos que ele possui, o que resta, mesmo depois do veredicto mais favor√°vel, √© apenas a sua voz, um pouco mais profunda do que a minha. Se eu exclamar ¬ęsalvo¬Ľ, era como se eu fosse Robinson Cruso√© e exclamasse ¬ęsalvo!¬Ľ, ele fazia eco com a sua voz mais profunda. Se eu fosse Korah e exclamasse ¬ęperdido!¬Ľ, ele estaria ali prontamente para com a sua voz mais profunda repetir em eco. Eventualmente acabamos por nos cansar de levar para todo o lado um viol√£o. Ele pr√≥prio n√£o faz isto alegremente, sorve do meu eco s√≥ porque n√£o pode fazer outra coisa. Ocasionalmente, durante as f√©rias, quando acabo por ter tempo para prestar aten√ß√£o a isto, eu discuto com ele, talvez no jardim, para saber como me posso libertar dele.

Os Expectantes

Entre as defini√ß√Ķes da ilha planet√°ria em que nos encontramos desterrados, uma das mais apropriadas seria: uma grande sala de espera. Uma ter√ßa parte da vida √© anulada numa semimorte, outra gasta em fazer mal a n√≥s mesmos e aos outros e a √ļltima esboroa-se e consome-se na expectativa. Esperamos sempre alguma coisa ou algu√©m – que vem ou n√£o, que passa ou desilude, que satisfaz ou mata. Come√ßa-se, em crian√ßa, a esperar a juventude com impaci√™ncia quase alucinada; depois, quando adolescente, espera-se a independ√™ncia, a fortuna ou porventura apenas um emprego e uma esposa. Os filhos esperam a morte dos pais, os enfermos a cura, os soldados a passagem √† disponibilidade, os professores as f√©rias, os universit√°rios a formatura, as raparigas um marido, os velhos o fim. Quem entrar numa pris√£o verificar√° que todos os reclusos contam os dias que os separam da liberdade; numa escola, numa f√°brica ou num escrit√≥rio, s√≥ encontrar√° criaturas que esperam, contando as horas, o momento da sa√≠da e da fuga. E em toda a parte – nos parques p√ļblicos, nos caf√©s, nas salas – h√° o homem que espera uma mulher ou a mulher que espera um homem. Exames, concursos, noivados, lotarias, semin√°rios,

Continue lendo…

Recordam-se Voc√™s do Bom Tempo d’Outrora

(Dedicat√≥ria de introdu√ß√£o a ¬ęA Musa em F√©rias¬Ľ)

Recordam-se voc√™s do bom tempo d’outrora,
Dum tempo que passou e que n√£o volta mais,
Quando íamos a rir pela existência fora
Alegres como em Junho os bandos dos pardais?
C’roava-nos a fronte um diadema d’aurora,
E o nosso coração vestido de esplendor
Era um divino Abril radiante, onde as abelhas
Vinham sugar o mel na bals√Ęmina em flor.
Que doiradas can√ß√Ķes nossas bocas vermelhas
N√£o lan√ßaram ent√£o perdidas pelo ar!…
Mil quimeras de glória e mil sonhos dispersos,
Can√ß√Ķes feitas sem versos,
E que nós nunca mais havemos de cantar!
Nunca mais! nunca mais! Os sonhos e as esp’ran√ßas
S√£o √°ureos colibris das regi√Ķes da alvorada,
Que buscam para ninho os peitos das crianças.
E quando a neve cai j√° sobre a nossa estrada,
E quando o Inverno chega à nossa alma,então
Os pobres colibris, coitados, sentem frio,
E deixam-nos a nós o coração vazio,
Para fazer o ninho em outro coração.
Meus amigos, a vida √© um Sol que chega ao c√ļmulo
Quando cantam em n√≥s essas can√ß√Ķes celestes;

Continue lendo…

Veio Tudo de Longe

Veio tudo de longe para ser
uma só coisa, nupcial e magnífica.
Caminho e tenda. O mar. Livros. A indizível
matéria da dor. Ternura
cercada e repartida, pouco
a pouco, à mesa rápida
dos l√°bios, clandestina voz baixa
das m√£os juntas. Sobreviventes
de invernos, d√ļvidas, den√ļncias.
E o teu sorriso honrado. A oferta
duplicada e vulc√Ęnica
dos seios. Esta noite que nos p√īs
à prova. Sobre o vento e o repouso
do vento. E a m√ļsica ainda cheia
de muitos outros quartos. Sim, a import√Ęncia
do teu rosto: alvo claro deste mês
desmedido que nós somos.

Veio tudo de longe para ser
uma só coisa, sagrada e partilhável.

O banho comum gradual e abundante
dos sentidos. As faces que só tenho
entre o convívio doce dos teus dedos
sempre em férias. E a chave
do desejo. Erecta dureza doadora
do óleo e da viagem
aos lugares da origem
e do êxtase. Resposta
da terra contra a terra.

E a surpresa ensina e desvenda
as partes mais antigas da alegria
dupla,

Continue lendo…

Noite Fechada

L.

Lembras-te tu do s√°bado passado,
Do passeio que demos, devagar,
Entre um saudoso g√°s amarelado
E as carícias leitosas do luar?

Bem me lembro das altas ruazinhas,
Que ambos nós percorremos de mãos dadas:
Às janelas palravam as vizinhas;
Tinham lívidas luzes as fachadas.

Não me esqueço das cousas que disseste,
Ante um pesado tempo com recortes;
E os cemitérios ricos, e o cipreste
Que vive de gorduras e de mortes!

Nós saíramos próximo ao sol-posto,
Mas seguíamos cheios de demoras;
N√£o me esqueceu ainda o meu desgosto
Nem o sino rachado que deu horas.

Tenho ainda gravado no sentido,
Porque tu caminhavas com prazer,
Cara rapada, gordo e presumido,
O padre que parou para te ver.

Como uma mitra a c√ļpula da igreja
Cobria parte do ventoso largo;
E essa boca viçosa de cereja
Torcia risos com sabor amargo.

A Lua dava trêmulas brancuras,
Eu ia cada vez mais magoado;
Vi um jardim com √°rvores escuras,
Como uma jaula todo gradeado!

E para te seguir entrei contigo
Num p√°tio velho que era dum canteiro,

Continue lendo…

arte poética

o poema n√£o tem mais que o som do seu sentido,
a letra p não é a primeira letra da palavra poema,
o poema é esculpido de sentidos e essa é a sua forma,
poema não se lê poema, lê-se pão ou flor, lê-se erva
fresca e os teus lábios, lê-se sorriso estendido em mil
árvores ou céu de punhais, ameaça, lê-se medo e procura
de cegos, lê-se mão de criança ou tu, mãe, que dormes
e me fizeste nascer de ti para ser palavras que n√£o
se escrevem, Lê-se país e mar e céu esquecido e
memória, lê-se silêncio, sim tantas vezes, poema lê-se silêncio,
lugar que não se diz e que significa, silêncio do teu
olhar doce de menina, silêncio ao domingo entre as conversas,
silêncio depois de um beijo ou de uma flor desmedida, silêncio
de ti, pai, que morreste em tudo para só existires nesse poema
calado, quem o pode negar?, que escreves sempre e sempre, em
segredo, dentro de mim e dentro de todos os que te sofrem.
o poema não é esta caneta de tinta preta, não é esta voz,

Continue lendo…