Frases sobre Países

202 resultados
Frases de países escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Um homem sem um país é um exilado no mundo; um homem sem Deus é um órfão na eternidade.

Mesmo antes de a Europa se ter unido ao n√≠vel econ√≥mico, ou antes de ter sido concebida ao n√≠vel de interesses econ√≥micos e comerciais, era a cultura que unia todos os pa√≠ses da Europa. A arte, a literatura, a m√ļsica s√£o os elos de liga√ß√£o da Europa.

O mundo existe quando existe o amor, o resto é qualquer coisa que nunca tornou ninguém inesquecível, é de quem ama que se faz a história, um país, uma mulher, um homem, um ideal.

Sinto muito, não pretendo ser um Imperador. Não me considero cidadão de nenhum país em particular. Sou um Cidadão do Mundo!

O discurso de grande parte dos pol√≠ticos √© feito de lugares-comuns, incapazes de entenderem a complexidade da condi√ß√£o dos nossos pa√≠ses e dos nossos povos. A demagogia f√°cil continua a substituir a procura de solu√ß√Ķes.

As minas antipessoais s√£o produzidas por pa√≠ses que se reclamam da civiliza√ß√£o e dos direitos humanos. Algumas destas na√ß√Ķes proclamam-se mesmo campe√£s na luta contra o terrorismo e as armas de destrui√ß√£o em massa. Mas recusaram-se sempre a assinar o acordo para o fornecimento desta insidiosa forma de terrorismo que todos os dias mutila e mata mulheres, crian√ßas e homens inocentes nos pa√≠ses pobres.

Quando vou a um país, não examino se há boas leis, mas se as que lá existem são executadas, pois boas leis há por toda a parte.

N√£o h√° pa√≠s, por mais culto que seja, que n√£o tenha um defeito peculiar, e essa fraqueza serve de precau√ß√£o ou consolo √†s na√ß√Ķes vizinhas.

√Č preciso que as pessoas estejam profundamente bem-educadas. A Educa√ß√£o √© fundamental. No aspecto das prioridades governamentais, por exemplo, penso que o que deve estar em 1¬ļ lugar √© a Sa√ļde. Um pa√≠s sem Sa√ļde n√£o vale nada. Em 2¬ļ lugar est√° a Educa√ß√£o e a seguir a Arte porque √© o complemento da Educa√ß√£o, √© a condi√ß√£o humana. √Č essencial conhecer isto, sem isto n√£o se pode funcionar. E depois vem o resto…

Os políticos, em lugar de se ajudarem entre si e uns aos outros nesta tarefa difícil que é administrarem um país, em que se tem ao mesmo tempo que olhar o presente com todo o cuidado objectivo, e ter a maior confiança no que se pode concretizar de futuro, em lugar de os políticos se ajudarem uns aos outros, se auxiliarem, a realmente levar essa tarefa por diante, tantas vezes se entretêm, em todos os países, a lutar uns com os outros, a desacreditarem-se uns aos outros, como se isso pudesse fazer avançar seja o que for.

Assim, meus caros Americanos: Não exijam o que o vosso país pode fazer por vós Рexijam o que vocês podem fazer pelo vosso país. Meus caros cidadãos do mundo: não exijam o que a América irá fazer por vós, mas sim o que, juntos, poderemos fazer pela liberdade do homem.

A cultura brasileira reflete mais a africana do que a americana. Nos E.U.A. temos o Jazz e quase só isso. Não existem figuras como Machado de Assis, um mulato considerado um dos maiores escritores do país.

H√° uma tend√™ncia autorit√°ria em muitos pa√≠ses. Nada restou dos ideais. A esquerda sofre uma esp√©cie de tenta√ß√£o maligna que √© a fragmenta√ß√£o. N√£o vejo nada mais est√ļpido do que a esquerda. Uns enfrentam os outros, por grupos, por partidos, por op√ß√Ķes.

Não posso admitir que se olhe para o desemprego como se fosse uma realidade abstracta. O desemprego são desempregados! E um desempregado, sobretudo de longa duração, é um homem que, pouco a pouco, perde a sua autodignidade, perde respeito por si e pelos outros. Num jovem é muito pior: sente que lhe estão a roubar o futuro. E daqui resulta ou a desistência, a passividade, ou a evasão perversa, ou a revolta. Em muitos países as grandes revoltas foram feitas pela juventude, que não aceita que lhe roubem o futuro!

Qualquer mulher que entenda os problemas de cuidar de uma casa está muito perto de entender os de cuidar de um país.

Os crimes da rep√ļblica, tornados poss√≠veis pela desgra√ßada incapacidade mon√°rquica e pela indiferen√ßa da maioria dos portugueses, est√£o agora dando o seu fruto, que, quando absolutamente maduro, ser√° a derrocada de tudo! (…) √Č uma profunda tristeza e por ora n√£o vejo o rem√©dio ao mal profundo que est√° matando o pa√≠s, pois, com m√°goa o digo, os portugueses est√£o-se parecendo com os macacos do Brasil quando caem num rio, p√Ķem as m√£os na cabe√ßa, v√£o para o fundo da √°gua e morrem afogados.