Cita√ß√Ķes sobre Governantes

29 resultados
Frases sobre governantes, poemas sobre governantes e outras cita√ß√Ķes sobre governantes para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

O primeiro método para estimar a inteligência de um governante é olhar para os homens que tem à sua volta.

Contentamento por Via da Ambição Moderada

Um sério obstáculo ao contentamento é a nossa falência em moderar a ambição, como um navegante riza as suas velas, de acordo com a energia disponível. As nossas expectativas são exageradas, e quando não alcançamos o esperado, culpamos a fortuna e o destino, em vez de culpar a nossa própria insensatez. Não é a má sorte que impede alguém de flechar com arado ou caçar coelhos com boi; não é uma deidade maligna que nos obsta a que peguemos veados ou ursos com vara de pescar; tentar o impossível é estupidez e tolice. O culpado é o egotismo, que impele os homens a ansiarem pela primazia e pela vitória em todos os campos, e a nutrirem o irreprimível desejo de se apoderar de todas as coisas. Eles não apenas reivindicam o direito de serem, a um tempo, ricos, amigos de reis e governantes de uma cidade, como se sentem frustrados se não possuem cães de raça, cavalos de puro-sangue, codormnizes e galos de escol.

O povo é rebelde porque os seus governantes são demasiado arrojados.

Hist√≥ria: um relato geralmente falso de acontecimentos geralmente f√ļteis, contados por governantes geralmente velhacos e soldados geralmente tolos.

A Luta do Antigo e do Novo

√Č sempre igual a luta do que √© antigo, do que j√° existe e procura subsistir, contra o desenvolvimento, a forma√ß√£o e a transforma√ß√£o. Toda a ordem acaba por dar origem √† pedanteria e para nos libertarmos dela destr√≥i-se a ordem. Depois, demora sempre algum tempo at√© que se ganhe consci√™ncia de que √© preciso voltar a estabelecer uma ordem. O cl√°ssico face ao rom√Ęntico, a obriga√ß√£o corporativa face √† liberdade profissional, o latif√ļndio face √† pulveriza√ß√£o da propriedade fundi√°ria: o conflito √© sempre o mesmo e h√°-de sempre dar origem a um novo conflito. Deste modo, a maior prova de entendimento por parte do governante seria regular essa luta de tal maneira que, sem preju√≠zo de cada uma das partes, conseguisse manter-se equidistante.
√Č, no entanto, uma possibilidade que n√£o foi dada aos homens, e Deus n√£o parecer querer que assim aconte√ßa.

No fundo, agradece-se que não haja grandes governantes; eles trazem a ordem, portanto a proibição de escolha a uma consciência em estado de profunda reprovação. Um governante iluminado causa mais males do que duzentos que estejam pouco empenhados na felicidade humana.

A Boa Sorte

Os homens sábios, para declinarem a inveja que possa incidir sobre os seus méritos, usam atribuí-los à providência e à fortuna (sorte); porque assim podem falar deles, e, além disso, é honroso para o homem ser benquisto dos poderes superiores. Foi por isso que na tempestade César disse ao piloto: Caesarem portas et fortunam ejus (Transportas César e a sua fortuna). Assim Sylla escolheu o cognome de Feliz e não o de Magno. E tem sido notado, que aqueles que demasiadamente atribuem a sua felicidade à ciência e habilidade acabam infortunadamente.
Est√° escrito que Tim√≥teo, o ateniense, quando apresentara √† assembleia o relat√≥rio da sua ac√ß√£o como governante, frequentemente intercalou a seguinte frase ¬ęe nisto n√£o teve parte a fortuna¬Ľ; nunca mais prosperou em coisa que empreendesse.

Religi√£o do Medo

Com o homem primitivo √© o medo acima de tudo que evoca no√ß√Ķes religiosas ‚ÄĒ medo da fome, das feras, da doen√ßa, da morte. Como neste estado de exist√™ncia o conhecimento das rela√ß√Ķes causais est√° usualmente pouco desenvolvido, a mente humana cria seres ilus√≥rios mais ou menos semelhantes a si pr√≥pria de cujos desejos e actos dependem esses acontecimentos assustadores. Por isso, tentamos obter o favor destes seres realizando ac√ß√Ķes e oferecendo sacrif√≠cios que, de acordo com as tradi√ß√Ķes passadas de gera√ß√£o em gera√ß√£o, os tornam favor√°veis ou bem dispostos em rela√ß√£o aos mortais. Neste sentido, estou a falar de uma religi√£o do medo. Isto, apesar de n√£o ter sido criado, √© em alto grau estabilizado pela cria√ß√£o de uma casta sacerdotal especial que se institui a si mesma como mediadora entre as pessoas e os seres que elas receiam e ergue uma hegemonia assente nisso. Em muitos casos, um l√≠der, um governante ou uma classe privilegiada, cuja posi√ß√£o assenta noutros factores, combinam as fun√ß√Ķes sacerdotais com a sua autoridade secular, de modo a garantirem mais firmemente a primeira, ou os governantes pol√≠ticos e a casta sacerdotal defendem a mesma causa para defenderem os pr√≥prios interesses.

As Liberdades Essenciais

As liberdades essenciais s√£o tr√™s: liberdade de cultura, liberdade de organiza√ß√£o social, liberdade econ√≥mica. Pela liberdade de cultura, o homem poder√° desenvolver ao m√°ximo o seu esp√≠rito cr√≠tico e criador; ningu√©m lhe fechar√° nenhum dom√≠nio, ningu√©m impedir√° que transmita aos outros o que tiver aprendido ou pensado. Pela liberdade de organiza√ß√£o social, o homem interv√©m no arranjo da sua vida em sociedade, administrando e guiando, em sistemas cada vez mais perfeitos √† medida que a sua cultura se for alargando; para o bom governante, cada cidad√£o n√£o √© uma cabe√ßa de rebanho; √© como que o aluno de uma escola de humanidade: tem de se educar para o melhor dos regimes, atrav√©s dos regimes poss√≠veis. Pela liberdade econ√≥mica, o homem assegura o necess√°rio para que o seu esp√≠rito se liberte de preocupa√ß√Ķes materiais e possa dedicar-se ao que existe de mais belo e de mais amplo; nenhum homem deve ser explorado por outro homem; ningu√©m deve, pela posse dos meios de produ√ß√£o e de transporte, que permitem explorar, p√īr em perigo a sua liberdade de Esp√≠rito ou a liberdade de Esp√≠rito dos outros. No Reino Divino, na organiza√ß√£o humana mais perfeita, n√£o haver√° nenhuma restri√ß√£o de cultura, nenhuma coac√ß√£o de governo,

Continue lendo…

A religi√£o √© vista pelas pessoas comuns como verdadeira, pelos inteligentes como falsa, e pelos governantes como √ļtil.

Um tirano precisa fingir a aparência de devoção excepcional à religião. Os cidadãos ficam menos preocupados quanto ao comportamento ilegal de um governante que eles consideram piedoso e temente a Deus.

Português Sentimental e com Horror à Disciplina

Excessivamente sentimental, com horror √† disciplina, individualista sem dar por isso, falho de esp√≠rito de continuidade e de tenacidade na ac√ß√£o. A pr√≥pria facilidade de compreens√£o, diminuindo-lhe a necessidade de esfor√ßo, leva-o a estudar todos os assuntos pela rama, a confiar demasiado na espontaneidade e brilho da sua intelig√™ncia. Mas quando enquadrado, convenientemente dirigido, o portugu√™s d√° tudo quanto se quer…
O nosso grande problema √© o da forma√ß√£o das elites que eduquem e dirijam a Na√ß√£o. A sua fraqueza ou defici√™ncia √© a mais grave crise nacional. S√≥ as gera√ß√Ķes em marcha, se devidamente aproveitadas, nos fornecer√£o os dirigentes – governantes, t√©cnicos, professores, sacerdotes, chefes do trabalho, oper√°rios especializados – indispens√°veis √† nossa completa renova√ß√£o. Considero at√© mais urgente a constitui√ß√£o de vastas elites do que ensinar toda a gente a ler. √Č que os grandes problemas nacioanis t√™m de ser resolvidos, n√£o pelo povo, mas pelas elites enquadrando as massas.

Existem dois tipos de pol√≠ticos: os que lutam pela consolida√ß√£o da dist√Ęncia entre governantes e governados e os que lutam pela supera√ß√£o dessa dist√Ęncia.

A primeira impressão que se tem de um governante e da sua inteligência é dada pelos homens que o cercam.

Para mim, n√£o existem mais ‘p√°trias’ nem ideais; tudo isso n√£o passa de pura decora√ß√£o para os governantes, que preparam a pr√≥xima matan√ßa.

A Democracia Política Conduz à Ineficiência e Fraqueza de Direcção

Os defeitos da democracia pol√≠tica como sistema de governo s√£o t√£o √≥bvios, e t√™m sido tantas vezes catalogados, que n√£o preciso mais do que resumi-los aqui. A democracia pol√≠tica foi criticada porque conduz √† inefici√™ncia e fraqueza de direc√ß√£o, porque permite aos homens menos desej√°veis obter o poder, porque fomenta a corrup√ß√£o. A inefici√™ncia e fraqueza da democracia pol√≠tica tornam-se mais aparentes nos momentos de crise, quando √© preciso tomar e cumprir decis√Ķes rapidamente. Averiguar e registar os desejos de muitos milh√Ķes de eleitores em poucas horas √© uma impossibilidade f√≠sica. Segue-se, portanto, que, numa crise, uma de duas coisas tem de acontecer: ou os governantes decidem apresentar o facto consumado da sua decis√£o aos eleitores – em cujo caso todo o princ√≠pio da democracia pol√≠tica ter√° sido tratado com o desprezo que em circunst√Ęncias cr√≠ticas ela merece; ou ent√£o o povo √© consultado e perde-se tempo, frequentemente, com consequ√™ncias fatais. Durante a guerra todos os beligerantes adoptaram o primeiro caminho. A democracia pol√≠tica foi em toda a parte temporariamente abolida. Um sistema de governo que necessita de ser abolido todas as vezes que surge um perigo, dificilmente se pode descrever como um sistema perfeito.

A corrupção dos governantes quase sempre começa com a corrupção dos seus princípios.