Passagens sobre Nação

243 resultados
Frases sobre na√ß√£o, poemas sobre na√ß√£o e outras passagens sobre na√ß√£o para ler e compartilhar. Leia as melhores cita√ß√Ķes em Poetris.

Ode ao Destino

Destino: desisti, regresso, aqui me tens.

Em vão tentei quebrar o círculo mágico
das tuas coincidências, dos teus sinais, das ameaças,
do recolher felino das tuas unhas retracteis
Рah então, no silêncio tranquilo, eu me encolhia ansioso
esperando já sentir o próximo golpe inesperado.

Em v√£o tentei n√£o conhecer-te, n√£o notar
como tudo se ordenava, como as pessoas e as coisas chegavam
que eu, de soslaio, e disfarçando, observava                               [em bandos,
pura conter as palavras, as minhas e as dos outros,
para dominar a tempo um gesto de amizade inoportuna.

Eu sabia, sabia, e procurei esconder-te,
afogar-te em sistemas, em esperanças, em audácias;
descendo à fé só em mim próprio, até busquei
sentir-te imenso, exacto, magn√Ęnimo,
√ļnico mist√©rio de um mundo cujo mist√©rio eras tu.

Lei universal que a sem-razão constrói,
de um Deus ínvio caminho, capricho dos Deuses,
soberana essência do real anterior a tudo,
Providência, Acaso, falta de vontade minha,
superstição, metafísica barata, medo infantil, loucura,
complexos variados mais ou menos freudianos,
contradição ridícula não superada pelo menino burguês,
educação falhada,

Continue lendo…

N√£o h√° nenhum exemplo, nas nossas na√ß√Ķes modernas, de uma guerra que haja compensado com um pouco de bem o mal que fez.

Arte Com ou Sem Nacionalidade

O que se deve entender por arte portuguesa? Concorda com este termo? H√° arte verdadeiramente portuguesa?
‚ÄĒ Por arte portuguesa deve entender-se uma arte de Portugal que nada tenha de portugu√™s, por nem sequer imitar o estrangeiro. Ser portugu√™s no sentido decente da palavra, √© ser europeu sem a m√°-cria√ß√£o de nacionalidade. Arte portuguesa ser√° aquela em que a Europa ‚ÄĒ entendendo por Europa principalmente a Gr√©cia antiga e o universo inteiro ‚ÄĒ se mire e se reconhe√ßa sem se lembrar do espelho. S√≥ duas na√ß√Ķes ‚ÄĒ a Gr√©cia passada e Portugal futuro ‚ÄĒ receberam dos deuses a concess√£o de serem n√£o s√≥ elas mas tamb√©m todas as outras. Chamo a sua aten√ß√£o para o facto, mais importante que geogr√°fico, de que Lisboa e Atenas est√£o quase na mesma latitude.

Nossos inimigos são inovadores e engenhosos, e nós também. Eles nunca param de pensar em novas maneiras de prejudicar nossa nação e nosso povo, e nós também não.

O Parlamento √© uma assembleia deliberante de uma na√ß√£o, com o √ļnico interesse: o de todos; onde n√£o deveriam influir fins e preconceitos locais, mas o bem comum.

A Lusit√Ęnia

A terra mais ocidental de todas √© a Lusit√Ęnia. E porque se chama Ocidente aquela parte do mundo? Porventura porque vivem ali menos, ou morrem mais os homens? N√£o; sen√£o porque ali v√£o morrer, ali acabam, ali se sepultam e se escondem todas as luzes do firmamento. Sai no Oriente o Sol com o dia coroado de raios, como Rei e fonte da Luz: sai a Lua e as Estrelas com a noite, como tochas acesas e cintilantes contra a escuridade das trevas, sobem por sua ordem ao Z√©nite, d√£o volta ao globo do mundo resplandecendo sempre e alumiando terras e mares; mas em chegando aos Horizontes da Lusit√Ęnia, ali se afogam os raios, ali se sepultam os resplendores, ali desaparece e perece toda aquela pompa de luzes.
E se isto sucede aos lumes celestes e imortais; que nos lastimamos, Senhores, de ler os mesmos exemplos nas nossas Histórias? Que foi um Afonso de Albuquerque no Oriente? Que foi um Duarte Pacheco? Que foi um D. João de Castro? Que foi um Nuno da Cunha, e tantos outros Heróis famosos, senão uns Astros e Planetas lucidíssimos, que assim como alumiaram com estupendo resplendor aquele glorioso século, assim escurecerão todos os passados?

Continue lendo…

O Respeito pelo Multilateralismo

Num mundo onde os fortes podem procurar impor-se aos mais vulner√°veis, e em que determinadas na√ß√Ķes ou grupos ainda tentam decidir o destino do planeta, num mundo assim, o respeito pelo multilateralismo, a modera√ß√£o do discurso p√ļblico e a procura paciente do compromisso tornam-se ainda mais vitais para salvar o mundo de conflitos debilitantes e desigualdades persistentes.

Sempre poderemos observar que os povos mais oprimidos s√£o tamb√©m os menos inteligentes; em consequ√™ncia disso, deve-se iniciar a obra de esclarecimento de uma na√ß√£o, melhorando as suas condi√ß√Ķes de vida.

A psicologia do indiv√≠duo corresponde √† psicologia das na√ß√Ķes. As na√ß√Ķes fazem exatamente o que cada um faz individualmente; e do modo como o indiv√≠duo age a na√ß√£o tamb√©m agir√°. Somente com a transforma√ß√£o da atitude do indiv√≠duo √© que come√ßara a transformar-se a psicologia da na√ß√£o.

As na√ß√Ķes s√£o todas mist√©rios.
Cada uma é todo o mundo a sós.

As Três Realidades Sociais

H√° tr√™s realidades sociais – o indiv√≠duo, a Na√ß√£o, a Humanidade. Tudo mais √© fict√≠cio. S√£o fic√ß√Ķes a Fam√≠lia, a Religi√£o, a Classe. √Č fic√ß√£o o Estado. √Č fic√ß√£o a Civiliza√ß√£o.
O indiv√≠duo, a Na√ß√£o, a Humanidade s√£o realidades porque s√£o perfeitamente definidos. T√™m contorno e forma. O indiv√≠duo √© a realidade suprema porque tem um contorno material e mental ‚ÄĒ √© um corpo vivo e uma alma viva.
A Na√ß√£o √© tamb√©m uma realidade, pois a definem o territ√≥rio, ou o idioma, ou a continuidade hist√≥rica ‚ÄĒ um desses elementos, ou todos. O contorno da na√ß√£o √© contudo mais esbatido, mais contingente, quer geograficamente, porque nem sempre as fronteiras s√£o as que deviam ser; quer linguisticamente, porque largas dist√Ęncias no espa√ßo separam pa√≠ses de igual idioma e que naturalmente deveriam formar uma s√≥ na√ß√£o; quer historicamente, porque, por uma parte, crit√©rios diferentes do passado nacional quebram, ou tendem para o quebrar, o vas√≠culo nacional, e, por outra, a continuidade hist√≥rica opera diferentemente sobre camadas da popula√ß√£o, diferentes por √≠ndole, costumes ou cultura.
A Humanidade é outra realidade social, tão forte como o indivíduo, mais forte ainda que a Nação, porque mais definida do que ela. O indivíduo é,

Continue lendo…

A estrada √© uma espada. A sua l√Ęmina rasga o corpo da terra. N√£o tarda que a nossa na√ß√£o seja um emaranhado de cicatrizes, um mapa feito de tantos golpes que nos orgulharemos mais das feridas que do intacto corpo que ainda conseguimos salvar.

Nas favelas, no senado, sujeira pra todo lado! Ninguém respeita a Constituição, mas todos acreditam no futuro da nação.

O Homem de Génio (I)

Em arte tudo é lícito, desde que seja superior. Não é permitido ao homem vulgar ser antipatriota, porque não tem mentalidade acima da espécie, e a não pode ter pois acima da espécie imediata, que é a nação a que pertence. Ao génio é permitido. Sucede, por ironia, que os grandes génios são em geral conformes com os sentimentos normais: Shakespeare era intensamente, até excessivamente, patriota. Um génio antipatriota é um fenómeno, não direi vulgar, mas aceitável. Um operário antipatriota é simplesmente uma besta.
O homem da esp√©cie n√£o pode ter opini√Ķes, porque a opini√£o √© do indiv√≠duo, e desde que um homem perten√ßa organicamente a uma fam√≠lia, a uma classe, a qualquer coisa que constitua ambiente imediato e vivo, deixa de ser um indiv√≠duo para ser uma c√©lula qualquer. S√≥ a na√ß√£o, por ser um ambiente abstracto, visto que tem parte no passado e parte no futuro, n√£o estorva a alma individual.
O problema da proteção aos artistas, ou qualquer problema parecido, não existe em relação ao homem de génio, cuja vida mental é uma coisa à parte e que passa, em geral, incompreendido na sua época, ou, pelo menos, incompreendido naquilo mesmo que é nele génio.

Continue lendo…