Frases sobre Ideais

137 resultados
Frases de ideais escritos por poetas consagrados, filósofos e outros autores famosos. Conheça estes e outros temas em Poetris.

Nenhuma ideia de cada um de n√≥s √© realiz√°vel para todos. Somos todos diferentes. Cada um √© um, de que n√£o h√° igual entre os outros bili√Ķes de homens. Bem que nefasto seria se todas as ideias do mundo devessem ser para uso do pr√≥prio. (…) O ideal seria que cada pessoa pudesse viver a sua pr√≥pria vida, da sua pr√≥pria maneira, sem interceptar nada na vida dos outros. Nem modificar nada na vida dos outros, a n√£o ser por aquilo que quisesse aceitar em virtude do pr√≥prio temperamento.

Eu sempre quis atingir um estado de paz e de n√£o-luta. Eu pensava que era o estado ideal. Mas acontece que ‚Äď que sou eu sem a minha luta? N√£o, n√£o sei ter paz.

Aqui n√£o andam s√≥ os vivos – andam tamb√©m os mortos. A humanidade √© povoada pelos que se agitam numa exist√™ncia transit√≥ria e ba√ßa, e pelos outros que se imp√Ķem como se estivessem vivos. Tudo est√° ligado e confundido. Sobre as casas h√° outra edifica√ß√£o, e uma trave ideal que o caruncho r√≥i une todas as constru√ß√Ķes vulgares. Debalde todos os dias repelimos os mortos – todos os dias os mortos se misturam √† nossa vida. E n√£o nos largam.

Respeite mesmo o que √© ruim em voc√™ – respeite sobretudo o que imagina que √© ruim em voc√™ – n√£o copie uma pessoa ideal, copie voc√™ mesma – √© esse seu √ļnico meio de viver.

A vida ideal consiste em ter bons amigos, bons livros e uma consciência sonolenta.

São imensos os desafios na vida de um casal. Mas, ungidos pelo amor e no afã do mesmo ideal, superam os mais íngremes obstáculos. E aí, juntos, na união de esforços, vêem por recompensa o brilho da vitória!

O amor que sente no seu coração, na sua essência, é suficientemente real. Esse amor é o seu verdadeiro Eu e não se trata de uma fantasia nem de um ideal. Essa convicção profunda servirá de base para a relação afetuosa que deseja quando chegar a altura. Não precisa de transformar esta relação em algo grandioso. Respeite os desejos do seu coração e deixe que o amor floresça a seu tempo.

Por grande e digno que seja o ideal a que se aspira, se aquele que pretende alcançá-lo se vale de meios miseráveis, é sempre um miserável.

O mundo existe quando existe o amor, o resto é qualquer coisa que nunca tornou ninguém inesquecível, é de quem ama que se faz a história, um país, uma mulher, um homem, um ideal.

O amor do poeta é maior que o de nenhum homem; porque é imenso, como o ideal, que ele compreende, eterno, como o seu nome, que nunca perece.

Tornar-se humano pode-se transformar em ideal, e sufocar-se de acr√©scimos… ser humano n√£o deveria ser um ideal para o homem que √© fatalmente humano, ser humano tem que ser o modo como eu, coisa viva, obedecendo por liberdade ao caminho do que √© vivo, sou humana.

Isto poder√° parecer estranho, mas as artes t√™m entre si uma profunda alma t√£o unida que as fei√ß√Ķes caracterizadoras duma s√£o, por vezes, intimamente compar√°veis √†s fei√ß√Ķes caracterizadoras da outra: nada mais parecido com a m√ļsica de Mozart do que a pintura de Rafael; nada mais parecido com a poesia de Dante que a escultura de Miguel √āngelo. E porque n√£o? Todas as fei√ß√Ķes se parecem a exprimir o amor, a curiosidade, o terror: as artes s√£o apenas as fei√ß√Ķes do belo ideal.

Os rapazes n√£o andam √† procura de uma rapariga ideal. Ali√°s, para falar verdade, o ideal de um rapaz √© ter uma data de raparigas √† procura dele. E quanto menos ideais, melhor. √Č por isso que os rapazes s√£o mais est√ļpidos que as raparigas.

Assim come√ßam todos os amores: assim vai at√© ao altar a menina que se casa; acompanham-a at√© l√° quim√©ricas legi√Ķes de esp√≠ritos l√ļcidos, cujas asas se enla√ßam, para a embalarem num coxim ideal de aspira√ß√Ķes e santos desejos. E, depois, √© muito triste v√™-la, passados dois meses, a fazer um rol de roupa suja, a acertar a gravata do marido, que vai ver o cambio, ou, oh ess√™ncia do materialismo! a pregar um bot√£o nas cal√ßas conjugais! Esta √© a ordem do mundo, leitores! Cinjamos os rins de sil√≠cio, cubramo-nos de saco, e baixemos a cabe√ßa ao mundo conveniente, qual ele √©, porque o m√©todo √© uma necessidade prima, at√© no romance.

O Futuro tem v√°rios nomes. Para os fracos e covardes, chama-se Imposs√≠vel. Para os comodistas, In√ļtil. Para os pensadores e os valentes, Ideal.

H√° uma tend√™ncia autorit√°ria em muitos pa√≠ses. Nada restou dos ideais. A esquerda sofre uma esp√©cie de tenta√ß√£o maligna que √© a fragmenta√ß√£o. N√£o vejo nada mais est√ļpido do que a esquerda. Uns enfrentam os outros, por grupos, por partidos, por op√ß√Ķes.