CitaĆ§Ć£o de

A Moda

As variaƧƵes da sensibilidade sob a influĆŖncia das modificaƧƵes do meio, das necessidades, das preocupaƧƵes, etc., criam um espĆ­rito pĆŗblico que varia de uma geraĆ§Ć£o para outra e mesmo muitas vezes no espaƧo de uma geraĆ§Ć£o. Esse espĆ­rito publico, rapidamente dilatado por contacto mental, determina o que se chama a moda. Ela Ć© um possante factor de propagaĆ§Ć£o da maior parte dos elementos da vida social, das nossas opiniƵes e das nossas crenƧas.
NĆ£o Ć© sĆ³ o vestuĆ”rio que se submete Ć s suas vontades. O teatro, a literatura, a polĆ­tica, a arte, as prĆ³prias idĆ©ias cientĆ­ficas lhe obedecem, e Ć© por isso que certas obras apresentam um fundo de semelhanƧa que permite falar do estilo de uma Ć©poca.
Em virtude da sua acĆ§Ć£o inconsciente, submetemo-nos Ć  moda sem que o percebamos. Os espĆ­ritos mais independentes a ela nĆ£o se podem subtrair. SĆ£o muito raros os artistas, os escritores que ousam produzir uma obra muito diferente das ideias do dia.
A influĆŖncia da moda Ć© tĆ£o pujante que ela obriga-nos, por vezes, a admirar coisas sem interesse e que parecerĆ£o mesmo de uma fealdade extrema, alguns anos mais tarde. O que nos impressiona numa obra de arte Ć© muito raramente a obra em si mesma, porĆ©m a ideia que os outros formam dela, e isso explica por que o seu valor comercial sofre enormes mudanƧas.
VĆŖ-se, muitas vezes, a moda impor coisas inverossĆ­meis e manifestar-se em coisas tĆ£o abstratas e, aliĆ”s, tĆ£o ilusĆ³rias, como a criaĆ§Ć£o de uma lĆ­ngua, a reforma da ortografia, etc.