Citação de

A Import√Ęncia de Aprender v√°rias L√≠nguas

Pessoas com poucas capacidades n√£o conseguir√£o realmente assimilar com facilidade uma l√≠ngua estrangeira: embora aprendam as suas palavras, empregam-nas apenas no significado do equivalente aproximado da sua l√≠ngua materna e continuam a manter as constru√ß√Ķes e frases pr√≥prias desta √ļltima. Com efeito, esses indiv√≠duos n√£o conseguem assimilar o esp√≠rito da l√≠ngua estrangeira, que depende essencialmente do facto do seu pensamento n√£o se dar por meios pr√≥prios, mas, em grande parte, de ser emprestado pela l√≠ngua materna, cujas frases e locu√ß√Ķes habituais substituem os seus pr√≥prios pensamentos. Eis, portanto, a raz√£o de eles sempre se servirem, tamb√©m na pr√≥pria l√≠ngua, de express√Ķes idiom√°ticas desgastadas, combinando-as de modo t√£o in√°bil, que logo se percebe qu√£o pouco se d√£o conta do seu significado e qu√£o pouco todo o seu pensamento supera as palavras, de modo que tudo se reduz a um palrat√≥rio de papagaios. Pela raz√£o oposta, a originalidade das locu√ß√Ķes e a adequa√ß√£o individual de cada express√£o usada por algu√©m s√£o o sintoma inequivoc√°vel de um esp√≠rito preponderante.
Por conseguinte, de tudo isso resultam os seguintes factores: no aprendizado de toda a l√≠ngua estrangeira, s√£o formados novos conceitos para dar significado a novos signos; certos conceitos separam-se uns dos outros, enquanto antes constitu√≠am juntos um conceito mais amplo e, portanto, menos definido, justamente porque havia apenas uma palavra para ele; s√£o descobertas revela√ß√Ķes at√© ent√£o desconhecidas, pois a l√≠ngua estrangeira define o conceito mediante um tropo que lhe √© peculiar ou mediante uma met√°fora; desse modo, gra√ßas ao aprendizado de uma nova l√≠ngua, entram na consci√™ncia uma infinidade de nuances, semelhan√ßas, diferen√ßas, rela√ß√Ķes entre os elementos; finalmente, obt√©m-se uma vis√£o mais ampla de todas as coisas. A consequ√™ncia disso tudo √© que em toda a l√≠ngua se pensa diversamente, de modo que o nosso pensamento recebe uma nova modifica√ß√£o e uma nova colora√ß√£o sempre que aprende um idioma, o que faz com que o poliglotismo, al√©m das suas muitas utilidades indirectas, seja tamb√©m um meio directo de forma√ß√£o intelectual, na medida em que ele corrige e aperfei√ßoa as nossas opini√Ķes, bem como aumenta a agilidade do pensamento gra√ßas √† multiplicidade e √† nuance dos conceitos que ressalta, pois, com o estudo de muitas l√≠nguas, e assim o conceito liberta-se cada vez mais da palavra.