Citação de

O Esforço pelo Conhecimento da Verdade

Devemos escolher como finalidade independente do nosso esforço o conhecimento da verdade ou, exprimindo-nos mais modestamente, a compreensão do mundo inteligível por meio do pensamento lógico? Ou devemos subordinar esse esforço pelo conhecimento racional de qualquer espécie a outros objectivos, por exemplo, a objectivos práticos? O simples pensamento não pode resolver esta questão. A decisão tem, pelo contrário, uma influência decisiva na nossa maneira de pensar e julgar, partindo-se do princípio de que tem o carácter de convicção inabalável. Permitam-me que confesse: para mim, o esforço pelo conhecimento é um daqueles objectivos independentes, sem os quais uma afirmação consciente da vida me parece impossível ao homem de pensamento.
Uma das características do esforço pelo conhecimento é que ele tende a abranger tanto a multiplicidade da experiência como a simplicidade e redução das hipóteses fundamentais. O acordo final desses objectivos é, devido ao estádio primitivo da investigação, uma questão de fé. Sem essa fé, a convicção do valor independente do conhecimento não seria para mim forte e inabalável.
Esta atitude, por assim dizer, religiosa do cientista perante a verdade n√£o deixa de ter influ√™ncia sobre a sua personalidade. Pois, al√©m daquilo que resulta da experi√™ncia e al√©m das leis do pensamento, n√£o h√° para o investigador, por princ√≠pio, nenhuma outra autoridade cuja decis√£o ou informa√ß√£o, por si, possa pretender ser ¬ęverdade¬Ľ. Da√≠ resulta o paradoxo de que o homem que dedica o melhor dos seus esfor√ßos √†s coisas objectivas, se torna, socialmente falando, um individualista extremo que ‚ÄĒ em princ√≠pio pelo menos ‚ÄĒ em nada confia sen√£o no seu pr√≥prio ju√≠zo. At√© se pode facilmente afirmar que o individualismo intelectual e a ansiedade cient√≠fica surgiram juntos na Hist√≥ria, mantendo-se sempre insepar√°veis.