Citação de

O Homem de Car√°cter

Os homens de car√°cter s√£o a consci√™ncia da sociedade a que pertencem. A medida natural dessa for√ßa √© a resist√™ncia √†s circunst√Ęncias. Os homens impuros julgam a vida pela vers√£o reflectida nas opini√Ķes, nos acontecimentos e nas pessoas. N√£o s√£o capazes de prever a ac√ß√£o at√© que ela se concretize. Todavia, o elemento moral da ac√ß√£o preexistia no autor e a sua qualidade, boa ou m√°, era de f√°cil predi√ß√£o. Tudo na natureza √© bipolar, ou tem um p√≥lo positivo e um p√≥lo negativo. H√° um macho e uma f√™mea, um esp√≠rito e um facto, um norte e um sul. O esp√≠rito √© o positivo, o facto √© o negativo. A vontade √© o norte, a ac√ß√£o √© o p√≥lo sul. O car√°cter pode ser classificado como tendo o seu lugar natural no norte. Distribui as correntes magn√©ticas do sistema. Os esp√≠ritos fracos s√£o atra√≠dos para o p√≥lo sul, ou p√≥lo negativo. S√≥ v√™em na ac√ß√£o o lucro, ou o preju√≠zo que podem encerrar.

N√£o podem vislumbrar um princ√≠pio, a n√£o ser que este se abrigue noutra pessoa. N√£o desejam ser am√°veis mas amados. Os de car√°cter gostam de ouvir falar dos seus defeitos; aos outros aborrecem as faltas; adoram os acontecimentos; vinculam a estes um facto, uma conex√£o, uma certa cadeia de circunst√Ęncias e d√°i n√£o passam. O grande homem sabe que os eventos s√£o seus servos: estes devem segui-lo.
Uma dada ordem de acontecimentos n√£o tem poder para lhes garantir a satisfa√ß√£o proporcional ao grau de imagina√ß√£o de que s√£o dotados. O esp√≠rito da bondade transcende qualquer s√©rie de circunst√Ęncias, ao passo que a prosperidade pertence a um determinado esp√≠rito e introduz a for√ßa e a vit√≥ria, seus frutos naturais, em qualquer ordem de acontecimentos.

(…) Se tremo √† opini√£o p√ļblica, como chamamos, ou √† amea√ßa de assalto, ou a maus vizinhos, ou √† pobreza, ou √† mutila√ß√£o, ou a boatos de revolu√ß√£o, ou de homic√≠dio? Se tremo, que importa a causa? Os nossos pr√≥prios v√≠cios tomam formas diversas, de acordo com o sexo, idade, ou temperamento, e, se tementes, prontamente nos alarmamos. A cobi√ßa, ou a mal√≠cia que me entristecem, quando as atribuo √† sociedade, pertencem-me. Estou sempre cercado de mim mesmo. Por outro lado, a rectid√£o √© uma vit√≥ria perp√©tua, celebrada n√£o por gritos de alegria mas com serenidade, que √© a alegria permanente ou habitual.

√Č uma desgra√ßa recorrermos a factos para confirma√ß√£o da nossa palavra e dignidade. O capitalista n√£o procura o seu corretor a cada instante para tomar conta dos seus lucros, em moeda corrente. Contenta-se em ler nas cota√ß√Ķes da Bolsa que as suas ac√ß√Ķes subiram. O mesmo transporte que a ocorr√™ncia dos melhores acontecimentos me proporcionaria, devo aprender a experimentar, ainda mais puro, na verifica√ß√£o de que a minha posi√ß√£o melhora a cada passo e j√° comanda os acontecimentos que desejo. Tal exulta√ß√£o s√≥ se deteria diante da previs√£o de uma ordem de coisas t√£o singular que viesse a atirar nas sombras mais profundas todas as nossas conquistas.