Citação de

Cultivar a Felicidade

Desde os prim√≥rdios da humanidade, que o ser humano procura a felicidade como a terra seca clama pela √°gua. √Č f√°cil conquist√°-la? Nem sempre! Os poetas homenagearam-na, os romancistas descreveram-na, os fil√≥sofos contemplaram-na, mas grande parte deles saudaram-na apenas de longe.
Os reis tentaram dominá-la, mas ela não se submeteu ao poder deles. Os ricos tentaram comprá-la, mas ela não se deixou vender. Os intelectuais tentaram compreendê-la, mas ela confundiu-os. Os famosos tentaram fasciná-la, mas ela contou-lhes que preferia o anonimato. Os jovens disseram que ela lhes pertencia, mas ela disse-lhes que não se encontrava no prazer imediato, nem se deixava encontrar pelos que não pensavam nas consequências dos seus atos.
Alguns acreditaram que poderiam cultivá-la em laboratório. Isolaram-se do mundo e dos problemas da vida, mas a felicidade enviou um claro recado a dizer que ela apreciava o cheiro das pessoas e crescia no meio das dificuldades.
Outros tentaram cultivá-la com os avanços da ciência e da tecnologia, mas eis que a ciência e a tecnologia se multiplicaram e a tristeza e as mazelas da alma se expandiram.

Desesperados, muitos tentaram encontrar a felicidade em todos os cantos do mundo. Mas no espa√ßo ela n√£o estava, nos mais altos edif√≠cios n√£o fez morada, no interior dos pal√°cios n√£o habitava. Cansados de procur√°-la, alguns disseram: ¬ęEla n√£o existe, √© um sonho de sonhadores que nunca acordam.¬Ľ
A felicidade bateu √† porta de todos. Deu sinal de vida na hist√≥ria dos abatidos e dos animados, dos depressivos e dos sorridentes, dos que representam e dos que vivem sem maquilhagem. Sussurrando aos ouvidos do cora√ß√£o, ela disse baixinho: ¬ęHei! N√£o estou no mundo em que voc√™ est√°, mas no mundo que voc√™ √©!¬Ľ Confusos, grit√°mos: ¬ęO qu√™? Importa-se de falar mais alto?¬Ľ Como a voz de uma suave brisa ela balbuciou delicadamente: ¬ęN√£o me procure no imenso espa√ßo nem nos recantos da Terra. Viaje para dentro de voc√™ mesmo. Eu escondo-me nas vielas da sua emo√ß√£o, no cerne do seu esp√≠rito…¬Ľ

A maioria das pessoas n√£o compreendeu a sua linguagem. Esperavam que ela se manifestasse como o ribombar dos trov√Ķes. Mas ela ama o sil√™ncio. Sorrateira, ela aparece quase impercept√≠vel nas curvas da vida e nas coisas singelas da exist√™ncia. Por n√£o a conseguirmos compreender, navegamos sem leme. Desprezamo-la, mas ela resistiu. Maltratamo-la, mas ela, por um instante, apareceu e logo se dissipou. O resultado √© que a felicidade habitou na alma de muitos por pouco tempo e na alma de poucos por toda a vida.
A felicidade tem muitas filhas e filhos: o amor, a tranquilidade, a sabedoria, a alegria, a paci√™ncia, a toler√Ęncia, a solidariedade, o perd√£o, a perseveran√ßa, o dom√≠nio pr√≥prio, a bondade, a autoestima. Nunca se viu uma fam√≠lia t√£o unida!

Se maltratar alguns dos seus membros, tem grandes hipóteses de perder a família toda. Se ferir o amor, perderá a tranquilidade; se a tranquilidade o abandonar, perderá a perseverança; se a perseverança partir, perderá a sabedoria; se a sabedoria se for, a autoestima dirá adeus.
Precisamos de aprender a conhecer o mundo da emo√ß√£o para cultivar a felicidade. O mundo evolui com uma velocidade espantosa. A cada dez anos o conhecimento multiplica-se, derrubando mitos. Antigas ¬ęverdades¬Ľ cient√≠ficas perdem cr√©dito e s√£o abandonadas. Novas ideias substituem as anteriores. Tudo est√° t√£o veloz! Ser√° que a emo√ß√£o pode caminhar √† mesma velocidade? N√£o! A felicidade √© amiga do tempo. E preciso treinar a emo√ß√£o para ser feliz.

Treinar a emo√ß√£o √© desenvolver as fun√ß√Ķes mais importantes da intelig√™ncia, tais como: aprender a gerir os pensamentos, proteger a emo√ß√£o nos focos de tens√£o, pensar antes de reagir, colocar-se no lugar dos outros, perseguir os sonhos, valorizar o espet√°culo da vida. Por que raz√£o √© que a solid√£o, a baixa autoestima, a ansiedade, a fadiga e a irritabilidade t√™m sido companheiras de jovens e adultos? Porque eles nunca treinaram as suas emo√ß√Ķes para mudar os pilares da sua hist√≥ria. Muitos livros de autoajuda vendem uma ideia inadequada do que √© ser feliz.